Albuquerque, o vice-rei da Madeira

Há arguidos e arguidos.

Prevaricações e prevaricações.

Suspeitas de corrupção e suspeitas disso mesmo.

Participações em negócio e negócios em participações.

Um parágrafo de um comunicado da PGR lixou o Costa, mas o Vice-Rei da Madeira está acima disso tudo. Com aquele ar de Frankenstein de risco ao meio, franze as sobrancelhas e diz que até calha bem ser arguido; desse modo, poderá explicar tudo quando for ouvido… daqui a uns meses.

Quanto a Montenegro, mantém aquele sorriso espúrio, conseguindo dizer uma coisa e o seu contrário, praticamente na mesma comunicação.

E o Ventura esfrega as mãos. Corrupção por todos os lados, menos por um, chamado Chega que, no entanto, alberga tipos que, vivendo em Coimbra, receberam subsídios de deslocação por terem casa em Luanda.

Ainda há dúvidas em quem votar?…

O recorde de Jardim

Informação perturbadora: Alberto João Jardim já é o político português há mais tempo no poder desde a implantação da República!

O recorde pertencia a Oliveira Salazar, esse brilhante democrata, que esteve no poder 36 anos e 84 dias, até que caiu da cadeira abaixo.

Pois esse outro brilhante democrata, que dá pelo nome de Alberto João Jardim, está no poder há exactamente 36 anos e 90 dias.

É verdade que é na Madeira, o que pode ser uma desculpa, mas mesmo assim!…

Coelho au Madeira

Passos Coelho foi ao Congresso do PSD-Madeira.

Alberto João Jardim, apesar de ser contra o “regime do contenente”, recebeu o primeiro-ministro condignamente, sem insultos nem bocas foleiras, embora alguns congressistas tenham ensaiado uns apupos tímidos.

Só hoje percebi a razão que levou Jardim a portar-se tão bem: é que recebeu a garantia de que, mais uma vez, os contribuintes vão abrir os cordões à bolsa para o financiar.

Com efeito, podem ler, por exemplo aqui http://sol.sapo.pt/inicio/Economia/Interior.aspx?content_id=63228, que lá vão mais mil e cem milhões para as jardinices…

Portanto, acalmada a fera, foi com aquele sorriso palerma que Passos Coelho subiu ao palco para se insurgir contra os que “protestam vocalmente contra o governo”.

Vocalmente?!

Este Passos Coelho não deixa de me surpreender com a sua verve!

Portanto, os que protestam arremessando pedras, fazendo gestos obscenos com os dedos m̩dios ou quebrando montras, ṣo poupados Рmas os que gritam, vociferam ou cantam slogans, ṣo admoestados por Coelho.

Diz a criatura:

«Não tenho nenhum problema em enfrentar a impopularidade, posso bem com aqueles que pensam diferente de mim e posso bem com aqueles que acham que estamos a seguir um caminho de austeridade excessiva».

Coelho pode bem com os que pensam de maneira diferente e pode bem com os que acham que há austeridade a mais.

Isto é, Coelho pode bem com milhões de portugueses.

Coelho é Poder.

Cada vez mais isolado.

Cada vez mais orgulhosamente só.

E o homem concluiu:

«Confio muito na inteligência dos portugueses».

Se o dissesse com o típico sotaque beirão ainda seria mais tenebroso.

Estamos mesmo tramados!

PS – Coelho au Madeira: esfole-se o coelho, lave-se muito bem, regue-se o bicho com vinho da Madeira e leve-se ao forno, com batatas e rodelas de cenoura; deixe-se alourar para ficar ainda mais burro e beba-se o Jameson. Todo!

Jardim mostra o caminho

Notícia do DN:

«A ausência de “entusiasmo” e de “pressão imprescindível de Lisboa” junto da Comissão Europeia para resolver o impasse do Centro Internacional de Negócios da Madeira, cujo fim poderá estar para breve, “justifica uma reflexão sobre a nossa saída”, leia-se Madeira, “do âmbito da União Europeia, se necessário, a exemplo de outros territórios autónomos noutros Estados soberanos europeus”, avisou ontem Alberto João Jardim.»

O Jardim quer sair da União Europeia?

É para já!

Pode sair imediatamente e juntar-se à Grécia.

Após dois ou três meses de convívio com Jardim, era ver os gregos a pedir, de joelhos, o reingresso na União Europeia!

Madeira – farol da Democracia

Na v̩spera de uma Greve Geral, em que milhares de portugueses iṛo mostrar a sua indigna̤̣o perante as medidas de austeridade que nos esṭo a atirar para a recesṣo, num momento em que muitos se interrogam sobre o destino da Democracia, numa altura em que o capitalismo selvagem parece estar a tomar conta das nossas vidas Рeis que a Madeira, a P̩rola do Atl̢ntico, nos mostra o caminho.

Como?

Simples!

Os deputados do PSD na Assembleia madeirense decidiram que um único deputado pode votar pelos restantes 25.

De facto, por que raio é que 25 deputados se hão-de deslocar à Assembleia, quando um único pode fazer o trabalho de todos?

O PSD continua com a maioria absoluta, mas mais curta do antes; com efeito, o PSD tem apenas mais dois deputados do que a soma dos deputados da Oposição. Imagine que, por exemplo, dois ou três deputados do PSD têm outra coisa mais importante para fazer do que ir apanhar secas na Assembleia. O partido fica em minoria e pode perder votações.

Nada disso.

O líder da bancada do PSD vota e o seu voto vale pelos 25 deputados!

É assim mesmo!

Obrigado, Alberto João, pelo exemplo que continuas a dar!

E obrigado pelos 3 milhões que vais gastar no fogo de artifício!

Eu próprio já contribuí para os teus foguetes, com metade do meu subsídio de Natal!

Espero que te rebentem na peida, pá!

Wright under our beards

O simpático sr. Jorge dos Santos, de 68 anos e um sotaque engraçado, era afinal um foragido procurado pelo FBI há 40 anos.

Vivendo tranquilamente numa pequena localidade de Sintra, o sr. Jorge, isto é, George Wright, não era apenas o vizinho prestável, mas sim um tipo condenado a 30 anos de cadeia,nos EUA, nos anos 70 do século passado, depois de ter assaltado um banco, morto um homem, desviado um avião que ia de Miami para Detroit, sequestrado os seus passageiros, conseguindo um resgate de um milhão de dólares.

Mascarado de padre, e com uma arma escondida na Bíblia, Wright conseguiu desviar o avião para a Argélia. Os seus cúmplices fugiram para Paris, onde acabaram por ser presos, mas ele decidiu ir para a Guiné-Bissau. Aí, casou com uma portuguesa e acabou por vir viver para Portugal.

Qual o espanto?

Depois do BPN e do buraco da Madeira, como é possível que ainda nos espantemos por termos bandidos a viver tranquilamente, mesmo debaixo das nossas barbas?

Jardim dixit

O DN recorda, hoje, algumas frases lapidares do Alberto João. Ei-las:

Sobre a possível candidatura de Cavaco a Belém: «A ida do professor Cavaco para Belém seria nociva ao país e ao PSD. O sr. Silva devia ser expulso do PSD.»

Sobre a candidatura de Passos Coelho à liderança do PSD: «Acha que depois de 30 e tal anos de política, estou para ser liderado por ese indivíduo?»

Sobre António José Seguro: «Esse senhor chegou a secretário geral do PS? Desculpa, o que eu me lembro do sr. Seguro é de andar a distribuir preservativos pelas praias».

Sobre Sócrates: «Sócrates está obcecado contra um povo, que é o madeirense, e quer fechar a imprensa que lhe é adversa. É nitidamente um Mugabe».

Sobre Guterres: «É um tonto… e caloteiro».

O facto deste gajo estar no poder desde 1978, sem que ninguém, nunca, o tenha posto na ordem, é um daqueles mistérios insondáveis.

E claro que vai ganhar as eleições novamente – pois se até o sr. Silva o desculpa…

Ó Alberto, isto é mesmo bar aberto?!

Então, Alberto?

Escondeste as facturas e os recibos, varreste a contabilidade para debaixo do tapete.

Disseste: que se foda o Continente!

O Sócrates estava-te a pisar os calos e tu fizeste-lhe um manguito, mais à sua lei das Finanças Locais.

Que se foda o Sócrates, também!

Toca a continuar as obras, que o que o povo quer é inaugurações.

E que aí vinha a Troika?

Pois que se fodam a Troika, a União Europeia e o FMI!

É tudo uma cambada de maçons e de membros da Internacional Socialista!

E parece que, agora, estão todos escandalizados, lá na Europa…

Pois que se foda a Merkel, que até o Berlusconi diz que é uma gorda mal fodida, e que se foda o Sarkozy e mais a escanifobética da mulher!

Que se foda a Europa e o Passos Coelho e o Paulo Portas e o Sr. Silva!

Que se fodam todos e deixem o Alberto em paz, carago!