Expressionismo parlamentar

O Expressionismo surgiu na Alemanha no início do século 20, como um movimento artístico que, de certo modo, se opunha ao Impressionismo, dando mais importância à visão interior do artista – à sua expressão.

Aparentemente, o Expressionismo atingiu, agora, a Assembleia da República.

Depois do Ventura ter sugerido que o povo turco gosta pouco de trabalhar, a deputada Alexandra Leitão, do PS, perguntou ao Presidente da Assembleia se um deputado poderia dizer que uma determinada etnia é mais burra que outra e Aguiar Branco respondeu que sim – que isso seria liberdade de expressão. Expressionismo, portanto.

Logo a seguir, a deputada do PS, Isabel Moreira veio revelar que os deputados do Chega costumam chamar vacas a algumas deputadas, gostam de mugir, quando elas se levantam e insinuou que, às deputadas assumidamente lésbicas, chamam determinados nomes (Fufa? Sapatona? Fressureira?).

Por seu lado, uma ex-deputada do PS, africana, disse que um deputado do Chega a cumprimentou com uma boa noite, em pleno dia, numa referência à cor da sua pele.

Também um deputado do Livre afirmou ouvir algumas bocas lançadas pela bancada do Chega e a deputada do PAN também acrescentou mais algumas achas para a fogueira.

Não sei qual é o espanto…

Tudo isto é liberdade de expressão, isto é, Expressionismo.

Aguardamos, a todo o momento, que a Assembleia da República passe rapidamente ao Cubismo.

PS – Liberdade de expressão na Assembleia não é novidade. Recordo, a propósito, este texto de marco de 2009

“Refúgio no Tempo”, de Gueorgui Gospodinov (2020)

Gospodinov nasceu na Bulgária em 1968 e com este livro venceu o International Booker Prize de 2023. Foi um dos melhores livros que li nos últimos tempos.

Como o título do livro indica, o tema deste romance é o tempo, o tempo passado, sobretudo o tempo passado.

Recheado de grandes ideias, apetece-me citar muitos trechos do livro.

Gospodinov viveu, durante alguns anos, na ditadura comunista, com todo o seu folclore. Com as devidas e enormes diferenças, ao ler certas partes deste livro, lembro-me do nosso tempo sob o regime salazar-caetano, a viver neste pequeno país isolado, com uma língua que poucos falam na Europa:

“(…) estávamos a conversar à vontade, tirando proveito do privilégio de falarmos uma língua menor, da tranquilidade de sabermos que ninguém nos percebia enquanto dizíamos mal de tudo. (…) para um búlgaro, queixar-se é como alar do tempo.”

E as similitudes entre a Bulgária e Portugal continuam…

“(…) simplesmente, os anos 60, como aliás acontecia com tudo no nosso país, chegaram à Bulgária com dez anos de atraso.”

A primeira grande ideia deste livro é esta: criar uma clínica para doentes com Alzheimer, em que cada andar corresponde a uma década, onde são recriadas as memórias. Desse modo, um doente que tenha crescido na década de 60, será integrado num espaço onde essa década é recriada, de modo a refrescar a sua memória doente.

Gospodinov sublinha que a nossa memória vive muito dos cheiros:

“É notório, de facto, que nem sequer temos nomes para os cheiros. Deus ou Adão não fizeram o seu trabalho até ao fim. Não é como com as cores, por exemplo, onde temos o vermelho, azul, amarelo, violeta… Mão nos foi dada a capacidade de designar directamente os odores. É sempre através de comparações, sempre com descrições. Cheira a violetas, a torradas, a algas, a gato morto…”

Na tal clínica para doentes de Alzheimer…

“No andar de cima instalaram-se os anos 50. Eli era o reino de Elvis Presley, de Fats Domino, Dizzy Gillespie, Miles Davis, onde se podia ouvir toda aquela maravilhosa mistura de jazz, rock and rol, pop, bem como o sinfónico, mas já fora de moda, Frank Sinatra. Ali estavam Intriga Internacional, Hitchcock, cary Grant, As Noite de Cabíria, Fellini, Mastroianni, Brigitte Bardot, Dior…

(…) O corredor entre o Ocidente e o Leste estava dividido a meio por uma “cortina de ferro”, um portão de madeira maciça que estava sempre fechado à chave e que só o pessoal autorizado podia atravessar. (…) Em dado momento, verificou-se uma tentativa de evasão. Um homem do corredor Leste, tentou passar por cima do «muro», mas acabou por cair e partiu uma perna”

Mas a clínica para doentes que estão a perder a memória é apenas uma das ideias deste livro. O tempo, a passagem do tempo, é o fio condutor do romance.

“Que grande roubo é a vida (e o tempo), não é? (…) Mas aquele ladrão, a vida ou o tempo, chega e tira-te tudo – a memória, o coração, o ouvido, a coisa que tu sabes. Nem escolhe, leva tudo o que encontra. Como se isso não chegasse, ainda goza contigo. Faz com que o teu peito fique flácido, o teu rabo escanzelado, as tuas costas tortas, o teu cabelo ralo e pintalgado de branco, enche os teus ouvidos de pêlos, espalha sinais pelo corpo todo, manchas de velhice nas mãos e na cara, faz com que digas disparates, e que fiques calado, como um imbecil sem memória, porque te roubou todas as palavras.”

O autor demonstra uma grande mágoa pelo seu país, sobretudo pelo domínio comunista e pelo modo como o povo o aceitou.

“Se há ainda alguma coisa capaz de salvar o país de todo o kitsch que lhe cai em cima, disse para mim próprio, será sem dúvida a preguiça. A preguiça e o desleixo. (…) Em países preguiçosos e desleixados, nem o kitsch nem o mal se podem aguentar por muito tempo, porque também exigem esmero e manutenção.”

Outra grande ideia do livro: cada país da Europa vai organizar um referendo para decidir em que década quer passar a viver, uma década que tenha sido feliz, em que tudo tenha corrido bem.

Aqui está a ideia do autor no que respeita a Portugal que, em búlgaro, se diz «portukal»:

“Portugal, por analogia, após um regime longo e frio que acabou com a Revolução dos Cravos, iria escolher os meados dos anos 70 para um novo início enquanto ainda se mantinha viva a embriaguez de 1974. Mas também enquanto se mantinha ainda fresca a recordação do Estado Novo, de Salazar e do seu sucessor Caetano, uma recordação que se podia incluir na infelicidade de ser português.”

O livro de Gospodinov é muito rico e vale cada uma das suas 290 páginas. Recomendo vivamente.

Coisas que o Aguiar Branco deixa que o Ventura diga na Assembleia da República

A propósito da construção do novo aeroporto em Alcochete que, segundo o governo da AD, poderá demorar dez anos, o histérico do Ventura disse, no Parlamento, que o aeroporto de Istambul foi construído em cinco ou seis meses – isto, apesar de “o povo turco não ser conhecido por ser muito trabalhador”.

Em que se baseou o biltre do Ventura para dizer isto? Tinha, em seu poder, estatísticas que provavam que o povo turco é calaceiro?

Claro que não! Na sua habitual ignorância e má-educação, disse aquilo como poderia ter dito outra alarvidade qualquer. Ventura julga-se superior. Todos os seus súbditos dizem que ele é brilhante, uma suprema inteligência. Vai daí, o homenzinho incha. Para ele, os turcos são uma coisa tão longínqua, tão distante, tão inferior, que só podem ser preguiçosos.

Todas as bancadas à esquerda se indignaram com a frase do Ventura, mas o Presidente da Assembleia da República, Aguiar Branco recusou intervir, dizendo que não queria coartar a liberdade de expressão.

Portanto, dizer que o povo turco gosta pouco de trabalhar, não é um insulto – é liberdade de expressão.

Nesse caso, podemos, na Assembleia da República, dizer que uma determinada etnia é burra, perguntou a deputada do PS?

Podemos, respondeu o Presidente. Não são insultos – são liberdades de expressão.

Vou ajudá-lo. Aqui estão 800 “liberdades de expressão” que André Ventura e seus apaniguados poderão usar, a partir de agora, no Parlamento.

abafa-a-palhinha, abécula, abelhudo, aberração, abichanado, abjecto, abutre, açambarcador,  afectada. agarrado, agiota, agressivo, alarve, albanairo, alcouceira, alcoviteira, aldrabão, aleivoso, alimária, alquiteque, amalucado, amarelo, amaneirado, amaricado, amigo-da-onça, analfabeto, analfabruto, anhuca, animal, anjinho, anormal, apanhado do clima, aparvalhada, apóstata, arrelampado, arrivista, arrogante, artolas, arruaceiro, aselha, asno, asqueroso, assassino, atarantada, atrasado mental, atraso de vida, atrofiado, avarento, avaro, ave rara, aventesma, azeiteiro, azelha

Bacoco, bácoro, badalhoca, badameco, baixote, bajulador, baldas,  baleia, balhelhas, balofo, banal, banana, bandalho, bandido, bandoleiro, barata tonta, bárbaro, bardajona, bardamerdas, bargante, barrigudo, basbaque, basculho, básico, bastardo, batoque, batoteiro, beata, bebedanas, bêbedo, bebedolas,  beberrão,  begueiro, besta, besta quadrada,  betinho, bexigoso, bichona, bicho do mato,  biltre, bimbo, bisbilhoteira, boateiro, bobo, bobo da corte, boca de xarroco, boçal, bode, bófia, boi, boneca de trapos,  borracho, borra-botas,  bota de elástico, brigão, broa de unto, brochista, bronco, brutamontes, bruto, bruxa, bufo, burgesso, burlão, burro

cabeça de abóbora, cabeça-de-alho-chôcho, cabeça-de-vento, cabeça no ar, cabeça oca, cabeçudo, cabotino, cabra, cabrão, cabresto, cábula, caceteiro, cachorro, cacique, caco, cadela, caga-leite, caga-tacos, cagão, caguinchas, caixa de óculos, calaceiro, calão, calhandreira, calhordas, calinas, caloteiro, camafeu, camelo, campónio, canalha, canastrão, candongueiro, cão, caprichosa, caquética, cara-de-cu-à-paisana, cara de pau, caramelo, carapau de corrida, careca, careta, carniceiro, carraça, carrancudo, carroceiro, casca grossa, casmurro, cavalgadura, cavalona, cegueta, celerado, cepo, chalado, chanfrado, charlatão, chatarrão, chato, chauvinista, chibarro, chibo, chico-esperto, chifrudo, choné, choninhas, choramingas, chulo, chunga, chupado das carochas, chupista, cigano, cínico, cobarde, cobardolas, coirão, colérico, colonialista, comuna, cona-de-sabão, convencido, copinho de leite, corcunda, corno, cornudo, corrupto, coscuvilheira, coxo, crápula, cretino, cromo, cromaço, criminoso,cunanas, cusca

debochado, degenerado, delambida, delinquente, demagogo, demente, demónio, depravado, desajeitado, desastrada,  desaustinado, desavergonhada, desbocado, desbragado, descabelada, descuidada, desdentado, desengonçado, desfrancelhado, desgraçado, desgrenhado, deshumano, deslavado, desleal,  desleixado, desmancha prazeres, desmazelada, desmiolado, desengonçado,  desenxabida, desnaturada, desnorteado, desonesto, desordeiro, desorientado, despistado, déspota, desprezível, destaivado, destrambelhado, destravada, destroço, desvairado, devasso, diabo, ditador, doidivanas, doido varrido, dondoca, doutor da mula russa, drogado

egoísta, embirrento, embusteiro, empandeirado, empata-fodas, empecilho, emplastro, emproado, enconado, energúmeno, enfadonho, enfezado, engraxador, enjoado da trampa, enrabador, esbirro, escanifobética, escanzelada, escarumba, escrofuloso, escroque, escumalha, esgalgado, esganiçada, esgroviada, esguedelhado, espalha-brasas, espalhafatoso, espantalho, esparvoado, esqueleto vaidoso, esquerdista, esquisito, estafermo, estapafúrdio, estoira-vergas, estouvada, estroina, estropício, estulto, estúpido, estupor, execrável, explorador

faccioso, facínora, factotum, fala-barato,  falhado, falinhas-mansas, falsário, falso, fanático, fanchono, fanfarrão, fantoche, fariseu,  farrapo, farropilha, farsante, farsolas, fascista, fatela, fedelho, feio, feioso, feia-comó-demo, fersureira, figurão, filho da mãe, filho da puta, fingido, fiteiro, flausina, foção, fodido, fodilhona, foleiro, forreta, fraco-de-espírito,  fraca figura, fracalhote, franganote, frangueiro, frasco, fria, frígida, frívolo, frouxo, fufa, fuinha, fura-greves, fútil

gabarola, gabiru, galdéria, galego, galinha choca, ganancioso, gandim, gandulo, garganeira, gato pingado, gatuno, gazeteiro, gigolo, gimbras, glutão, gordalhufo, gordo, gosma, gralha, grosseiro, grotesco, grunho, guedelhudo

herege, hipócrita, histérica,

Idiota, ignorante, imaturo, imbecil, impertinente, ímpio, impostor, impotente, imundo, incapaz, incompetente, inconveniente, indecente, indigente, indolente, inepto, infame, infeliz, infiel, ingrato, imprudente, insignificante, intriguista, intrujona, invejoso, insensivel, insignificante, insípido, insolente, intrujão, insuportável, intolerante, intriguista, inútil, invertebrado, ínvio, irresponsável, irritante

Jacobino, jagunço, javardo, judeu

labrego, labroste, lacaio, ladrão, lambão, lambareiro, lambe-botas, lambéconas, lambisgóia, lamechas, lapa, larápio, larilas, lavajão, lazarento, lerdo, lesma, leva-e-traz, libertino, limitado, língua-de-trapos, língua viperina, linguareira, lingrinhas, lontra, lorpa, louco, lunático,

má rês, macabro, maçador, madraço, mafioso, maganão, magricela, malcriado, mal enjorcado, mal fodida, malacueco, malandreco, malandrim, malandro,  maléfico, malfeitor, maltrapilho,  maluco, malvado, mamalhuda, mamarracho, mandrião, maneta, mangas-de-alpaca, manhoso, maníaco, manipulador, maniqueista, manteigueiro, mãos-rotas, maquiavélico, marado-dos-cornos, marafado, marafona, marginal, maria-vai-com-as-outras, maricas, mariconço, mariola, mariquinhas-pé-de-salsa, marmanjo, marrão, marreco, marreta, masoquista,  massacrante, mastronço, matacão, matarroano, matrafona, matrona, mau, medíocre, medricas, medroso, megera, meia-leca, meia-tijela, melga, meliante, menino da mamã, mentecapto, mentiroso, merdas, merdoso, mesquinho, metediço, mijão, mimado, mineteiro, miserável, mixordeiro, moina, molengão, mongas, monhé, mono, mostrengo, monstro, monte-de-merda, mórbido, morcão, mosca morta, mouco, mula, mula de carga, múmia

nababo, nabo, não-fode-nem-sai-de-cima, não-tens-onde-cair-morto, narcisista, narigudo, nariz-arrebitado, nariz-empinado, nazi, necrófilo, néscio, neurótico, nhonhinhas, nhurro, ninfomaníaca, nódoa, nojência, nojento, nulidade,

obcecado, obnóxio, obstinado, obtuso, olhos-de-carneiro-mal-morto, onanista, oportunista, ordinário, orelhas-de-abano, otário,

pacóvio, padreca, palerma, palhaço, palhaçote, palonça, panasca, paneleiro, paneleirote, panhonhas, panilas, pantomineiro, pãozinho sem sal, papa-açorda, papa-hóstias, papagaio, papalvo, paranóico, parasita, pária, parolo, parvalhão, parvo, paspalhão, paspalho, passado, passarão, pata-choca, patarata, patego, pateta, patife, patinho feio, pato, pató, pau mandado, pau-de-virar-tripas, pedante, pederasta, pedinchas, pega-de-empurrão,  peida-gadoxa,  pelintra, pendura, peneirenta, pequeno burguês, peralvilho, pérfido, perliquiteques, pernas-de-alicate, pés de chumbo, peso morto, pesporrente, petulante, picolho, picuinhas, piegas, pilha-galinhas, pílulas, pindérica, pinga-amor, pintas, pinto calçudo,  pintor, piolho, piolhoso, pirata, piroso, pitosga, pobre de espírito, pobretanas, poltrão, pomposo, popularucho, porcalhão, porco, pote de banhas, preguiçoso, presunçoso, preto, promíscuo, provocador, proxeneta, psicopata, pueril, pulha, punheteiro, puta, putéfia

Quadrilheira, quatro-olhos, quebra-bilhas, queixinhas, quezilento

Rabalhusco, rabeta, rabichola, rabugento, racista, radical, rafeiro, raivoso, ralé, rameira, rameloso, rancoroso, ranhoso, raquítico, rasca, rascoeira, rasteiro, rata de sacristia, reaccionário, reaças, relaxada, reles, repelente, repugnante, réptil, ressabiado, retardado, retorcido, rezingão, ridículo, roto, rufia, rústico

sabujo, sacana, sacripanta, sacrista, sádico, safado, safardana, salafrário, saloio, salta-pocinhas, sandeu, sapatona, sarnento, sarrafeiro, sebento, seboso, sem classe, sem vergonha, serigaita, sevandija, sicofanta, siflitico, sinistro, simplório, snob, soba, sodomita, soez, somítico, sonsa, sórdido, sorna, sovina, suíno, sujo, superficial

tacanho, tagarela, tanso, tarado, tarado sexual, taralhouca, tavolageiro, teimoso, tinhoso, tísico, títere, toleirão, tolo, tonto, torcionário, torpe, tosco,  totó, trabeculoso, trafulha, traiçoeiro, traidor, trambolho, trapaceiro, trapalhão, traste, tratante, trauliteiro, tresloucado, trinca-espinhas, trique-lariques,  triste, troca-tintas, trogalho, troglodita, trombalazanas, trombeiro, trombudo, trouxa

Unhas de fome, untuoso, urso

Vaca gorda, vadio, vagabundo, vaidoso, valdevinos, vândalo, variado, vasola, velhaco, velhadas, vendido, verme, vesgo, víbora, viciado, videirinho, vigarista, vígaro, vil, vilão, vingativo, vira-casacas

Xenófobo, Xé-xé, xico esperto

zarabulhento, zarolho, zé-ninguém, zelota, zero à esquerda

“Um LUgar para Mungo”, de Douglas Stuart (2023)

Com “Shuggie Bain”, Douglas Stuart venceu o Booker Prize de 2020. Este novo livro tem o mesmo pano de fundo: os bairros sociais de Glasgow, a violência entre protestantes e católicos, o desemprego, o alcoolismo, a pobreza.

“Young Mungo” conta a história de um jovem de 15 anos, cujo pai morreu há vários anos e que vive num bairro social com a mãe alcoólica, uma irmã que o apoia e um irmão mais velho, violento, que quer fazer dele um homem. Mas Mungo é diferente do irmão e não compreende a necessidade de tanta violência; apesar de a mãe se ausentar de casa por longos períodos, regressando sempre alcoolizada, Mungo sente um grande carinho por ele.

Mungo conhece James, um miúdo católico, que se entretém a criar pombos. Apaixonam-se, mas é impossível demonstrar amor por alguém do mesmo sexo num bairro como aquele e a relação entre os dois vai ser difícil.

Entretanto, a mãe de Mungo, desconfiando da homossexualidade do filho, envia-o para um fim de semana de pescaria com dois homens, pedindo-lhes que façam dele um homem como deve ser, mas a coisa não vai correr nada bem.

Lê-se com agrado, mas gostei mais do anterior livro de Stuart.

“Uma História das Mulheres em 101 Objectos”, de Annabelle Hirsch (2022)

A autora nasceu em 1986 e trabalha como jornalista freelancer. Decidiu escrever este curioso livro (420 páginas) em que descreve 101 objectos de certo modo relacionados com a mulher e a sua relação com a sociedade.

Os textos estão organizados por ordem cronológica, começando com o osso do fémur sarado, datado de cerca de 30 mil anos antes de Cristo e terminando com uma madeixa de cabelo cortada por homenagem à jovem morta pela polícia iraniana por não usar o véu de modo “adequado”.

Sendo 101 objectos, os textos são muito diversos, uns mais interessantes que outros, mas, no geral, dão uma boa ideia da luta que as mulheres foram desenvolvendo no sentido de se tornarem cada vez mais livres e independentes (claro que, em certas sociedades, essa luta não lhes valeu de quase nada…).

De entre as muitas curiosidades que estes textos nos desvendam, aqui fica uma, no texto sobre o bidé:

“Porém, esta ligação feminina com o bidé parece não ter existido em todo o lado – nem toda a gente sabia como o utilizar, nem com que finalidade. Reza a história que, quando um enviado francês, à semelhança do que se fazia nas festas francesas, ofereceu um bidé a uma senhora romana, foi lá que ela lhe serviu o peixe na refeição seguinte.”

No texto sobre a Litografia L’ Ávenir:

“Como dia a socialista e feminista Flora Tristan, avó de Paul Gaughin, em 1843: «Mesmo o homem mais oprimido encontra um ser para oprimir: a sua mulher. ela é o proletariado do proletariado». Com esta constatação, nascia o feminismo, que estendia a mão ao socialismo emergente para lutarem contra um sistema de poder injusto, o capitalismo patriarcal”.

E, finalmente, este naco que faz parte do texto sobre o chocolate de rádio:

“A casa, localizada em Cottbus, tinha no seu sortido vários chocolates com uma pitada de rádio – chocolate para beber, barras de chocolate, pequenos snacks (…). Concretamente, «o segredo do seu efeito rápido e penetrante baseia-se no facto de o rádio integrado no chocolate de alta qualidade chegar rapidamente à corrente sanguínea e, assim, a todos os órgãos, ao sistema nervoso central, às glândulas, aos nervos e às últimas ramificações das células». (…) A partir do início do século, quase tudo era enriquecido com rádio, desde os cremes faciais às pastas de dentes, aos batons, aos pós de arroz e ao champô. Havia supositórios de rádio para aumentar a «potência sexual», o radio-active eye applicator – uma espécie de óculos radioactivos que supostamente curavam dores de cabeça e problemas de visão – as pessoas eram aconselhadas a beber água com rádio (os copos e as garrafas especialmente fabricados para o efeito ainda hoje aparecem, de vez em quando, nas lixeiras alemãs) e eram oferecidos banhos de rádio nas termas para tratar o reumatismo, as dores nas articulações e outras queixas semelhantes.”

Mais um livro curioso que vale a pena ler.

Ripley na Netflix

Por vezes lemos um livro e pensamos que daria um bom filme. Muitas vezes ficamos desiludidos.

Outras vezes – raramente, vemos um filme e ficamos com vontade de ler o livro que lhe deu origem.

Esta série de oito episódios, realizados por Steven Zaillian, despertou-me a vontade de reler os excelentes livros de Patricia Highsmith que têm a personagem de Tom Ripley como protagonista.

Ripley é um sociopata bem-sucedido, que consegue viver à grande à custa de esquemas fraudulentos que, muitas vezes, incluem alguns assassínios.
Andrew Scott é um actor irlandês que personifica, na perfeição, a personagem de Ripley.

Toda a série é primorosa, desde o facto de ser filmada a preto e branco, com alto contraste, até aos locais de filmagem escolhidos, entre a costa almafitana, Roma, Nápoles, Palermo e Veneza, passando pelos pormenores deliciosos, dos quais destaco o gato Lúcio e o elevador avariado, no 5º episódio.

Mas o génio vai, em grande parte, para Patricia Highsmith, que inventou esta personagem complexa, com uma capacidade inusitada para enganar o próximo – mas Zaillian fez um excelente trabalho ao adaptar o texto da escritora para a televisão.

Espero bem que haja uma segunda temporada!

A minha proposta para o Estatuto da Dona de Casa

O Movimento Acção Ética, fundado por diversas personalidades, entre as quais se destacam Bagão Félix e Paulo Otero, propõe a criação de um estatuto da Dona de Casa.

Para reforçar esta e outras propostas do mesmo jaez (sempre quis usar esta palavra), lançaram um livro, juntamente com outras ilustres pessoas antigas. O livro chama-se “Identidade e Família” e foi apresentado por Pedro Passos Coelho.

Segundo o Expresso, a ideia (são mesmo uns idiotas…) do estatuto da Dona de Casa é conferir um rendimento às mulheres que não têm ocupação profissional.

Quero dar o meu contributo a tão auspiciosa e moderna ideia.

Sendo assim, proponho que as donas de casa passem a ser pagas por objectivos, como alguns pontas de lança. Sendo assim, estabelece-se um valor para cada tarefa doméstica: lavar roupa, lavar loiça, passar a ferro, aspirar a casa, fazer as camas, cozinhar, etc. Depois, as donas de casa mais prendadas receberiam um bónus por cada felácio.

Seria constituído um júri para avaliar a qualidade do felácio, do qual fariam parte o Professor Otero e o ex-ministro Félix. Claro que o júri seria presidido por Pedro Passos Coelho.

Espero bem que aceitem esta minha proposta…

“A Fraude”, de Zadie Smith (2023)

Desta escritora britânica, com raízes na Jamaica, já li “Dentes Brancos”, “Swing Time”, “O Homem dos Autógrafos” e “Uma Questão de Beleza”.

Este novo livro é completamente diferente dos anteriores. Trata-se de um romance histórico, embora Zadie Smith consigo escrevê-lo como se fosse uma história actual.

Embora o livro se baseie “vagamente” na vida do escritor William Harrison Ainsworth (1805-1882), contemporâneo de Charles Dickens, de quem era amigo, a protagonista do livro é a sua prima, Eliza Touchet.

A Sra. Touchet é uma mulher que se interessa pela justiça, pela literatura, pelo abolicionismo, pelas mulheres do primo, por quem tem uma paixão não completamente correspondida (William só se interessa pelos seus romances, já que publicou mais de 40) – e sendo assim, tão interessada, o julgamento do chamado Caso Tichborne vai ocupar-lhe muito do seu tempo. Neste caso, um carniceiro da classe baixa na Austrália, afirma ser o legítimo herdeiro de um património substancial, fazendo-se passar pelo filho (alegadamente morto) de uma rica senhora. Para dar o toque que Smith gosta, Andrew Bogle cresceu como escravo na Jamaica, mas vai tornar-se testemunha importante no caso.

Temos assim dois temas que percorrem este calhamaço de 530 páginas: a vida da Sr. Touchet e do seu primo e o caso Tichborne.