Os jornalistas passaram de conferentes a entendedores

Aqui há uns tempos era frequente os jornalistas da rádio e da televisão, dizerem coisas como estas:

* “Vamos agora conferir como decorreu a reunião de hoje do Conselho de ministros”.

* “Hoje foi mais um dia de greve dos trabalhadores da Transtejo; junto do representante do sindicato, o nosso repórter vai conferir a adesão à paralisação…”

Portanto, os jornalistas conferiam. Eram conferentes.

Mas os tempos mudaram e agora, ouvimos os mesmos jornalistas a dizerem:

* Vamos agora tentar perceber como decorreu a reunião de hoje do Conselho de ministros”.

* “Hoje foi mais um dia de greve dos trabalhadores da Transtejo; junto do representante do sindicato, o nosso repórter vai tentar perceber a adesão a esta greve”

Ou seja: os jornalistas da rádio e televisão, deixaram de ser conferentes, para passaram a ser entendedores.

E para entenderem melhor o que se passa passaram a ter a ajuda permanente dos comentadores.

Todos os canais de televisão têm os seus comentadores para questões relacionadas com a guerra, a inflação, a corrupção, os casos dos tribunais, o futebol, as crises políticas, as alterações climáticas e tudo e tudo.

Quer isto dizer que, afinal, os jornalistas não entenderam nada e precisam dos comentadores para perceberem o que se passa.

Por isso, mesmo que confiram e tentem perceber o que se passou na reunião de hoje do Conselho de ministros, precisam da ajuda de um comentador para compreenderem mesmo o que se passou.

Há qualquer coisa no curso de comunicação social que está a falhar…

Expresso – Liberdade para pensar torto

O título da primeira página do Expresso de hoje grita:

“Governo chumba nos primeiros seis meses”

E, por baixo deste título:

“Executivo passa do céu ao inferno e recebe pior avaliação em três anos; Medina à frente de Pedro Nuno na sucessão no PS; Almirante Gouveia e Melo é o preferido para Presidente”

Esta manchete é reproduzida nas revistas de imprensa de todos os canais televisivos de notícias e citada nos boletins noticiosos das rádios. É a força do Expresso.

A referida manchete tem uma chamada para a página 8.

Abrimos o jornal na página 8 e, consultando os diversos gráficos que resultam da sondagem do ICS/ISCTE, chegamos às seguintes conclusões:

Рse as elei̵̤es fossem repetidas agora, o PS continuava a ganhar com 37% dos votos, contra os 28% do PSD

– os partidos do centro-esquerda (PS, BE e PCP), teriam 45% dos votos, enquanto os da direita e extrema-direita (PSD, Chega e IL), teriam 42%

– a diferença entre os que acham que a actuação do governo é má ou muito má e os que acham que é boa ou muito boa, é apenas de 7%

– Gouveia e Melo é, de facto, a personalidade com mais possibilidade de ser eleito Presidente (4,7 pontos em 10), mas é seguido de perto por António Costa, o líder do tal governo que passa do céu ao inferno, com 4,4 pontos em 10.

Parabéns a Francisco Balsemão e ao liberal-reacionário João Vieira Pereira: que merda de jornal detêm e dirigem!

Copo meio cheio ou meio vazio?

O Público apresentou ontem uma sondagem sobre o SNS que apresentava os seguintes números: 41% dos inquiridos disseram que o SNS estava pior do que antes da pandemia, 40% disseram que estava na mesma e 15% disseram que estava melhor.

O Público escolheu para título, o seguinte: “Quatro em cada dez pessoas dizem que o SNS está pior agora do que antes da pandemia”.

Claro que podia ter escolhido este outro título: Seis em cada dez pessoas dizem que o SNS está igual ou melhor do que antes da pandemia” – só que este título não se enquadrava naquilo que o Público quer transmitir aos seus leitores, e que é o lento desmoronamento do SNS.

Foi por isso que decidi enviar ao Provedor do Leitor do Público, este texto:

A pandemia afectou muito os serviços de saúde de todos os países.

Em Portugal, no SNS, milhares de consultas foram adiadas, outras tantas cirurgias foram canceladas. As listas de espera aumentaram substancialmente. Profissionais de saúde não aguentaram a pressão e mudaram-se para o privado, agravando ainda mais a falta de pessoal no SNS.

Apesar de tudo isso, segundo a sondagem do Público (21/7/2022), 40% dos inquiridos pensa que o SNS está igual ao que estava antes da pandemia e até 15% pensa que está melhor!

Por outras palavras, 55% dos inquiridos pensa que o SNS está igual ou melhor do que estava antes da pandemia -o que é notável, dadas todas as razões de queixa que têm sido apresentadas dia-a-dia, na comunicação social.

No entanto, o Público prefere titular que “Quatro em cada dez pessoas dizem que o SNS está pior agora do que antes da pandemia”.

Não sendo mentira, é uma forma algo retorcida de apresentar a verdade.

Artur Couto e Santos

Expressamente à direita

Claro que não estou espantado, mas o semanário Expresso, antigamente, disfarçava melhor.

Agora, perdeu a vergonha toda e está totalmente ao serviço da direita.

Começa logo no editorial do seu director João Vieira Pereira que diz, por exemplo, que “esta extrema-esquerda”… “venderam a ideia de que vinham como heróis salvar-nos da troika que nos tinha tornado mais pobres, quando na realidade trabalharam para voltar ao pré-2011, aos anos que nos levaram à estagnação económica e à bancarrota”.

Portanto o primeiro super-avit da democracia e o crescimento acima da média da União Europeia nunca existiram.

Todo o editorial de JVP é um manifesto anti-esquerda. É a opinião do homem, pronto.

Mas o resto do jornal é o que se vê.

Toda a página 5 é ocupada com o habitual despacho do presidente: “Marcelo quer compromisso sólido para pelo menos dois anos”.

Não chega o Marcelo fazer conferências de imprensa praticamente diárias, ainda tem o seu órgão oficial todos os sábados.

As páginas 6 e 7 são ocupadas com a zanga das comadres do PSD.

O título é “Rio e Rangel não baixam armas”. No topo das páginas, uma foto dos dois candidatos a líderes e, para além do texto com o título já citado, há dois outros intitulados “Candidatos sem tempo para detalhar programa” e “Só Cavaco teve sucesso rápido em eleições, mas com mais tempo”.

Parece que estamos a ler um exemplar do Povo Livre, órgão oficial do PSD.

Nas páginas 8 e 9, duas páginas dedicadas à Direita – como se as outras também o não fossem.

Para além de uma ilustração representando os 4 partidos de Direita (PSD, IL, CDS e CH), podemos ler (salvo seja), os seguintes artigos: “A minha legitimidade só se coloca na cabeça de quem nunca a aceitou”, diz Mota Soares, do CDS; “Na prateleira da Direita, quem compra CDS?”; “Chicão: O PP dos que querem subir a pulso”; “Nuno Melo: regenerar para voltar a ser últil”; e “Chega está capturado pelo sistema”, diz um fulano que se vai candidatar contra o Ventura.

Acham que já chega de Direita?

Ainda não.

Mas quem é que falta?

A Iniciativa Liberal, claro.

Vem logo na página seguinte. Toda a página 10 está preenchida com uma entrevista ao Cotrim Figueiredo.

Quanto ao PS, merece apenas um terço da página 12, com o título “PS: ordem para acalmar contra a esquerda”.

Assim vai o jornalismo “independente” do Expresso.

Que é feito dos jornalistas?

A greve dos motoristas de matérias perigosas pôs a nu, mais uma vez, a falência de uma profissão que já foi das mais prestigiadas: o jornalismo.

Hoje, à hora do almoço, os primeiros 40 minutos do jornal da Sic foram todos ocupados por reportagens relacionadas com a greve e com a requisição civil decretada pelo governo. Os directos sucederam-se, de norte a sul do país, e a imagem era sempre a mesma: um repórter, de microfone na mão, com um posto de combustíveis por pano de fundo. Ficámos a saber como estavam os depósitos numa bomba de Albufeira, numa outra em Coimbra, no Porto, em Lisboa, em Castelo Branco e apareceu até uma repórter a anunciar que, em Trancoso, havia duas bombas quase secas!

Penso que os habitantes de Nelas, Ferreira do Alentejo, Venda das Raparigas e Freixo de Espada à Cinta devem ter ficado lixados por não falarem nas suas bombas de gasolina.

E que novidades, portanto, notícias, transmitiram todos estes excelsos jornalistas?

Nenhuma!

Tudo o que disseram já se se sabia desde ontem: os serviços mínimos não estavam a ser cumpridos na sua totalidade e o governo decretou uma requisição civil parcial.

O resto é reality show, é transformar um acontecimento numa telenovela. Sim, uma telenovela, porque foi dito que os grevistas têm provas de que os patrões querem subornar trabalhadores para furarem a greve, e que os patrões querem fritar o advogado porta-voz do sindicato, e que os polícias não querem conduzir os camiões, e ouvimos cidadãos apanhados pelos repórteres a darem a sua opinião, como se estivessem no Facebook ou nos famigerados fóruns, onde toda a gente dá palpites sobre tudo – e eu gostava de saber onde está o jornalismo?

Esta maneira de dar notícias demonstra a preguiça do jornalismo de hoje: em vez de procurar, investigar e, depois, editar a informação, põe-se o microfone em frente da malta que vai a passar e a notícia está dada.

Vergonhoso!

Os bons e os maus, segundo os media

A comunicação social deixou de ser imparcial há muito tempo. Sobretudo nas televisões.

Hoje em dia, raramente podemos assistir à transmissão de uma notícia.

Segundo o Grande Dicionário de Língua Portuguesa (obra em doze volumes, da responsabilidade da Sociedade de Língua Portuguesa, editada em 1981, quando óptimo ainda levava o pê…), notícia significa “conhecimento, informação; nota, observação, apontamento; resumo, exposição sucinta de um acontecimento”, etc.

Gosto desta última definição: exposição sucinta de um acontecimento.

Exactamente o contrário do que se passa, hoje, em dia, na comunicação social televisiva.

O massacre informativo banaliza a verdadeira importância dos acontecimentos.

E a tomada de posição dos jornalistas, que deviam ser isentos e imparciais, desvirtua a realidade.

Os acontecimentos na Venezuela são um bom exemplo. A comunicação social decidiu que Juan Gaidó é bom e Nicolás Maduro é mau.

A partir deste pressuposto, todas as notícias sobre a Venezuela pecam por parcialidade. Então, se o povo da Venezuela está à míngua, cheio de fome, com uma inflação galopante, sem medicamentos, morrendo nos hospitais por falta de assistência, vegetando à fome por falta de alimentos, como se explicam as manifestações a favor de Maduro, onde milhares de venezuelanos dançam, cantam e clamam pelo chefe supremo?

Mas Guaidó é apoiado pelos Estados Unidos e Maduro, pela Rússia – portanto, mais uma razão para os media considerarem Guaidó bonzinho e Maduro, um perigoso ditador.

Sendo apoiado pelos EUA, Guaidó tem o apoio de Trump. Ora, Trump é mau, segundo os media. É um bronco, mente constantemente, é obsceno, mal-educado e inculto – o contrário de Obama, que era bonzinho, muito delicado, tinha uma mulher inteligente, ambos pretinhos e tudo!

Trump é quase tão mau como Bolsonaro, que é nazi, retrógrado, reaccionário.

Quem já foi muito má e agora é excelente, foi Angela Merkel. No tempo da troika, a senhora era péssima; depois, quando decidiu acolher refugiados, passou a ser muito boazinha, sobretudo em compensação com aquele tipo da Hungria, que é mesmo muito mau.

No que diz respeito a França é que a coisa está mais complicada. Os coletes amarelos são maus porque partem montras, mas são heróis porque têm um luso-descendente entre os chefes, que até perdeu um olho numa manif. Claro que o Macron é mau, porque apoia os ricos e não quer saber dos coletes amarelos, mas se calhar é bonzinho porque vai reconstruir a Notre Dame em cinco anos…

E acho que chega para mostrar o meu ponto de vista.

Um acontecimento deve ser noticiado como aconteceu, sem mais devaneios ou pinceladas da autoria do jornalista que, assim, se quer tornar o centro da notícia.

É frequente ouvirmos os jornalistas queixarem-se das condições de trabalho, que a polícia não os deixou entrar, que o político não respondeu às perguntas, que a sala tinha má acústica. E este é o principal problema de algumas profissões.

O principal objecto da medicina são os doentes, da educação, são os alunos e do jornalismo, é a notícia.

O resto é encher chouriços.

PS – Como é possível que um jornal televisivo demore hora e meia e apenas se detenha sobre três ou quatro notícias?…

Sol encoberto

O Sol é um jornal de direita.

Isto já toda a gente sabe.

Mas é, sobretudo, um mau jornal.

No que respeita a Comunicação Social, é quase tão mau como o Observador.

E só não é tão mau como o Observador porque só sai aos sábados, enquanto que o Observador está sempre on line.

Como sou masoquista, continuo a receber as mensagens do Observador, que são apenas de dois tipos: desgraças e coisas contra o governo do Costa…

Durante muitos meses, o Sol foi o jornal pró-Passos Coelho e anti-Sócrates.

Depois de Passos conseguir ser primeiro-ministro, o semanário passou a ser só anti-Sócrates.

Semanas a fio a palavra Sócrates figurava sempre na primeira página do Sol.

solcratesDe tal modo, que sugeri que mudasse de nome.

De Sol para Solcrates.

Agora, o Sol vive momentos difíceis.

Passos ganhou as eleições mas perdeu o governo.

Os partidos de esquerda entenderam-se e, pela primeira vez desde 1974, aprovaram o mesmo Orçamento.

Para cúmulo, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa parece estar a entender-se com António Costa.

Esta semana, Passos Coelho criticou Costa por se meter com a Banca, mas Marcelo veio em defesa do primeiro-ministro e, como disse Pacheco Pereira, deu uma grande estalada no líder do PSD.

Esta situação mereceu a atenção do Sol, com título de primeira página, que rezava assim:

“Esquerda desconfia do apoio de Marcelo ao governo”!

Não escolheram: “Direita zangada com Marcelo por apoiar governo”.

Ou: “Marcelo traidor!”.

Ou: “Passos decide expulsar Marcelo do PSD devido ao seu apoio ao governo”.

Não.

O Sol virou o bico ao prego e atirou com o odioso para a esquerda.

Jornalismo de merda, é o que é…

Teste socrático

Ora vamos lá a saber como vão os vosso conhecimentos sobre José Sócrates, baseados na leitura do Correio da Manha e outros.

Para isso, nada melhor que um teste de resposta múltipla, em que apenas uma das respostas está correcta.

1. Qual terá sido o grupo corruptor do ex-primeiro-ministro?

A – Grupo Lena
B – Grupo Xana
C – Grupo Tininha
D – O Sócrates não vai em grupos

2. Em que rua está situada a prisão domiciliária de Sócrates?

A – Rua Abafa a Maria
B – Rua Abade Faria
C – Rua O Frade Varia
D – Rua Coisa da Tia

3. Como se chama o juiz que interroga o Sócrates?

A – Alexandre Dumas
B – Alexandre Herculano
C – Carlos Alexandre
D – Alexandre o Grande

4. Qual é o apelido da ex-mulher do Sócrates?

A – Ervilha
B РFeij̣o
C – Fava
D РGṛo de Bico

5. Quantos metros quadrados tem a casa-prisão do Sócrates?

A – 200
B – 325
C- Muitos
D – Todas as anteriores

6. Como é que o Sócrates vai votar?

A РA p̩, escoltado por para-quedistas
B – De cadeira de rodas
C – Disfarçado de António Costa
D – De maca

7. Que tipo de luvas recebeu Sócrates pelo empreendimento Vale do Lobo?

A – De pelica
B – De boxe
C РDe cirurgịo
D РDe ḷzinha com um gatinho bordado nos punhos

Aos melhores classificados no teste será oferecido um fim de semana na casa-prisão de Sócrates, com direito a sandes de courato e mergulho na piscina aquecida.

Massacrar o português, esmagar o jornalismo

Na página 10 do Diário de Notícias de hoje, quatro exemplos de mau português e péssimo jornalismo.

O primeiro tem a ver com o novo acordo ortográfico e o título da notícia é: «Fação criticada por admitir “governação”».

O que será “fação”?

Não quero ser faccioso, mas por que carga de água se deixou cair o segundo cê de FACÇÃO, porra?!

O segundo exemplo intitula-se «Autarca histórico perde pelouros» e é uma grande confusão.

Diz a notícia que “O presidente da Câmara de Elvas, Nuno Mocinha (PS), retirou ontem os pelouros a dois vereadores socialistas do município, o ex-presidente Rondão de Almeida e a vice-presidente Elsa Grilo”.

Então, mas se o presidente retirou os pelouros aos outros dois, como é que se pode dizer que os perdeu?

E a notícia acrescenta que “Nuno Mocinha justificou a decisão por, desde o início do mandato, «não ter a liberdade suficiente para exercer o cargo».

Mas qual cargo?

Não se percebe nada…

Passemos ao terceiro exemplo, intitulado “Leilão em Viana de par de muletas”.

Estranho e curioso título.

Ao lermos a notícia percebemos que “um par de muletas está entre o material que a administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo vai voltar tentar vender em leilão, na próxima semana”.

Um par de muletas no leilão dos Estaleiros?

Porquê?

Não se sabe e a notícia não nos esclarece, acrescentando, apenas, que “os cerca de 60 leilões já realizados desde janeiro representam 1,12 milhões de euros”.

Quantas muletas terão sido leiloadas?

E termino com o quarto exemplo, intitulado “PS expulsa dirigente local”.

A notícia conta-nos que o presidente da Comissão Política Concelhia de Pedrógão Grande do PS, Diogo Coelho, foi expulso do partido.

E porquê?

Porque “terá tido «atuação continuada» e «infracional» toda «dominada e presidida pelo mesmo processo resolutivo», o desejo de «querer ser a todo o custo» o cabeça de lista do PS à câmara do concelho.”

E mais nada!

A notícia não nos explica o que é isso de “atuação infracional” ou o que será o “processo resolutivo”.

Jornalismo vergonhoso…

A afogar-se no Zêzere

Segundo o Diário de Notícias, há gente que decide afogar-se no Zêzere, aparentemente, como passatempo.

Ora leiam lá esta pequena local de hoje:

“Gémeos e mãe salvos no rio

Adelino Gomes
Com. Bombeiros de Constância

Uma menina de 11 anos foi retirada ontem com vida do rio Zêzere, em Constância, onde se afogava com o irmão gémeo e a mãe, também salvos, segundo o comandante dos bombeiros”.

A primeira idiossincrasia da notícia reside no subtítulo: Adelino Gomes.

Suponho que será este o nome do Comandante dos Bombeiros de Constância, mas nunca se sabe…

Depois, a notícia diz que uma menina de 11 anos foi retirada com vida do Zêzere, juntamente com o irmão gémeo e a mãe. Nesse caso, os três foram retirados com vida – ou será que a menina estava mais viva que o irmão e a mãe?

Finalmente, a notícia diz, taxativamente que a menina foi retirada do rio, “onde se afogava com o irmão gémeo e a mãe”, pelo que dá a ideia que era uma actividade deliberada; a menina afogava-se, como podia banhar-se ou fazer surf.

Enfim: salvaram-se todos, e isso ̩ que interessa Рincluindo o jornalista que elaborou esta pequena p̩rola do jornalismo luso.