Abóboras-meninas

Leonardo era agricultor.

Tinha uma pequena quinta, onde cultivava diversos hortícolas, que depois vendia no Mercado da vila.

Leonardo tinha 30 anos e vivia sozinho na sua casinha rural. Era um homem pacato, ordeiro, delicado, mas tímido e triste.

Leonardo precisava de uma companheira. No entanto, a sua timidez impedia-o de socializar com as vendedeiras do Mercado e, por isso, passava as noites a sonhar com uma cama mais quente.

Certo dia, Leonardo decidiu começar a cultivar abóboras-meninas.

Leonardo era um agricultor moderno e sabia que o verdadeiro nome da abóbora-menina é cucurbita máxima, também conhecida por abóbora gigante. Sabia também que as devia semear entre abril e julho, em elevações pequenas e intervaladas de 1,5 m, com 5 ou 6 sementes em cada elevação, cobri-las com uma camada de terra fina de 2 cm e, se necessário, desbastar até ficarem as 3 melhores plantas em cada elevação.

Foi seguindo escrupulosamente estes preceitos que Leonardo conseguiu, logo na primeira colheita, abóboras-meninas grandes e suculentas.

De todas se destacava uma delas, a maior de todas, de casca luzidia, reflectindo o sol. Leonardo estava orgulhoso das suas abóboras, sobretudo daquela.

Numa manhã de domingo, dia de Mercado, Leonardo preparava-se para colher algumas abóboras para a venda, quando reparou que a maior de todas parecia estar tomada de pequenos tremores. Leonardo aproximou-se e encostou o ouvido à abóbora e ia jurar que estava a escutar uma espécie de lamento. Recuou dois passos e, nesse momento, a casca tornou-se cada vez mais lustrosa e a abóbora menina rebentou e, lá de dentro, saiu uma mulher. Uma mulher linda, de longos cabelos loiros e olhos azuis brilhantes.

Leonardo ficou sem palavras e assim se manteve, sobretudo depois da mulher se aproximar dele e o beijar longamente.

Passado o espanto, Leonardo levou a mulher para a sua casa e, tendo em conta a sua beleza, chamou-lhe Linda.

No Mercado, todos olharam com inveja a nova companheira de Leonardo que atendia os clientes, vendendo os produtos da terra como se sempre tivesse feito isso.

Passou um ano e Leonardo estava cada vez mais feliz. Ele e Linda formavam um bonito e feliz par de agricultores.

Chegou o momento de nova colheita de abóboras-meninas e, mais uma vez, um dos frutos destacava-se de todos os restantes. Também essa abóbora explodiu e, lá de dentro, saiu outra mulher, tão linda como Linda. Leonardo ficou novamente sem palavras, embora menos tempo do que da primeira vez. Recebeu esta segunda mulher de braços abertos, chamou-lhe Deolinda, levou-a para casa e comprou uma cama mais larga.

Quando Leonardo apareceu no Mercado com duas belas mulheres, uma de cada lado, todos ficaram espantados e a inveja aumentou consideravelmente.

Com a inveja dos outros podia Leonardo bem; só ele sabia como era viver com duas belas mulheres, que o mimavam e que animavam as suas outrora tristes e solitárias noites.

Mas tudo piorou quando, no ano seguinte, uma terceira mulher, igualmente bela, saltou de dentro de mais uma abóbora gigante.

Com duas, Leonardo ainda se aguentava, mas com três, a logística era muito mais complicada.

As discussões começaram a ser constantes e a cama, por mais larga que fosse, não conseguia albergar os quatro com conforto. Linda, Deolinda e Arceolinda detestavam-se e Leonardo acabou por fazer uma trouxa e zarpar para longe.

Hoje, na casa onde viveu o solitário Leonardo, funciona a Lindas Associadas, Agricultura Biológica Lda, empresa de sucesso gerida por seis mulheres belas, especialistas no cultivo de abóboras-meninas.

Criação

Sentado numa nuvem, o Criador estava em pleno acto de criação.

Começou pelos animais com guelras e barbatanas. Conseguiam nadar. Chamou-lhes peixes.

E ficou satisfeito.

A seguir, criou os que tinham penas e asas e conseguiam voar. Chamou-lhes aves. E ficou ainda mais satisfeito.

Depois de ter criado os animais da água e os do ar, faltavam os da terra.

Deu-lhes patas fortes, capazes de correr ou matar e chamou-lhes mamíferos. E ficou satisfeito, embora menos.

Nos tempos livres, criou insectos e gastrópodes e anuros e outros seres inferiores.

Cansado, decidiu divertir-se e criou mamíferos com asas e outros com barbatanas, criou aves que não conseguiam voar, mas que corriam velozes, e peixes sem asas, capazes de voar.

No sétimo dia da criação, o Criador sentou-se noutra nuvem e sentiu que estava sem imaginação.

Foi quando criou o homem.

O Ricardo da papelaria

O negócio está cada vez pior, pensava o Sr. Ricardo, encostado ao balcão da sua papelaria. Desde que haviam inaugurado o Centro Comercial que os clientes escasseavam e a sua loja estava quase sempre vazia.
Alguém lhe tinha sugerido que vendesse jogo, totoloto, euromilhões, raspadinhas, mas o Sr. Ricardo era contra o jogo, achava que era um vício pior que o álcool e sempre se recusara a ter disso na sua papelaria.

De modo, que se limitava a vender jornais e revistas, algum material escolar, agendas e outros artigos de escritório.

Mal dá para comer, costumava dizer, e a sorte é que não pagava renda porque a loja era sua.

O Sr. Ricardo era conhecido pelo seu mau humor; diziam que vivia sozinho porque a mulher e a filha já não o podiam aturar e tinham ido embora há anos.

Com a idade, o seu mau humor foi-se refinando. Sempre com cara de poucos amigos, atendia os (poucos) clientes com duas pedras na mão e chegava a ser indelicado quando, por exemplo, alguém entrava na papelaria para comprar apenas um lápis.

Por isso, era natural que a escassez de clientes não se devesse apenas à abertura do Centro Comercial.

Há algum tempo, o Sr. Ricardo viu-se obrigado a vender a sua casa para fazer face às dívidas aos fornecedores e passou a viver na sobreloja da papelaria, que deveria servir de armazém.

Quando o clima deixava, o Sr. Ricardo levava uma cadeira para a rua e lá ficava sentado, a ver o movimento, os carros que subiam e desciam a avenida e os transeuntes, para um lado e para outro, sempre na esperança que algum entrasse e lhe comprasse qualquer coisita.

À medida que o tempo foi passando e os clientes foram diminuindo, o Sr. Ricardo começou a comprar menos coisas aos fornecedores.

Para que haveria ele de comprar lápis e borrachas, esquadros e transferidores, cadernos e dossiers se nenhum estudante se ia abastecer na sua papelaria, preferindo as grandes superfícies?

Pensando bem, para que haveria de encomendar e comprar agendas, papel vegetal, envelopes, canetas?
Em breve, a papelaria do Sr. Ricardo apenas vendia jornais e revistas.

Com tanto tempo livre, o homem não tinha outro remédio senão entreter-se com esses mesmos jornais e revistas.

Foi assim que começou a ficar enojado com as revistas de mexericos, que enchiam as páginas com os divórcios, os romances secretos, as traições, as doenças, os azares e as sortes das chamadas figuras públicas.

Um nojo!

Deixou de vender revistas.

Depois, começou também a implicar com os jornais desportivos que, no fundo, eram parecidos com as revistas de mexericos.

Deixou de vender jornais desportivos.

Claro que não tardou a irritar-se também com os jornais diários e semanários, que achava pouco sérios e sensacionalistas.

Acabou por recusar vender fosse o que fosse e fechou a papelaria.

Quem passa agora na rua e, por curiosidade, olha para o interior da loja, vê o Sr. Ricardo lá dentro, sentado na única cadeira que resta, no meio de uma loja completamente vazia.

E pode ter a certeza que ele responderá com um manguito.

Cavaco está… um cavaco!

De vez em quando, Cavaco dá à costa…

Ontem, participou na Academia de Formação Política das Mulheres Sociais-Democratas, através de videoconferência.

O facto de as mulheres sociais-democratas considerarem ser importante, para a sua Academia de Formação Política, convidar um tipo como Cavaco só demonstra a pobreza pedagógica da referida Academia – uma vez que considerar o ex-presidente como sendo social-democrata é um erro de palmatória.

Mas enfim…

O homem que nos azucrinou o juízo durante 20 anos falou e, com aquele seu esgar de quem está permanentemente obstipado, disse, entre outras coisas, que Portugal está “numa situação de democracia amordaçada”, por culpa do governo.

Uma democracia tão amordaçada que, no entanto, deixa o Cavaco continuar a falar e a abrir telejornais!

Ainda está para ser feita a análise de como este povo aguentou aquela criatura dez anos como primeiro-ministro e mais dez anos como presidente…

À noite, Jerónimo de Sousa, que festejava o centenário do PCP, questionado sobre estas afirmações de Cavaco, disse: “Cavaco Silva está velho!”

Foi simpático, o Jerónimo. Devia ter acrescentado, está velho e delirante!

O eléctrico parou

O Marques era guarda-freio há quarenta anos.

Hipertenso, diabético, obeso, com um colesterol a trepar e apneia do sono, estava deserto que chegasse a reforma. E ela estava mesmo para breve.

Com pena do homem, os seus superiores colocaram-no na carreira 28, a que está na moda, a que vai da Estrela à Graça, passando pela Baixa e por Alfama.

Fizeram mal.

O Marques detestava a confusão dos turistas e mal sabia falar português, quanto mais exprimir-se em línguas estrangeiras.

Disseram-lhe que era apenas durante umas semanas. Só até à reforma.

Ainda por cima, o Marques mantinha aquele bigode republicano, de pontas retorcidas, que ficava tão bem com o amarelo do 28…

O homem lá aceitou, com a esperança de que fossem apenas algumas semanas, como prometido.

No primeiro dia ficou logo arrependido. O 28 era uma confusão de brasileiros, ingleses, alemães, franceses e outras nacionalidades de que ele nunca tinha ouvido falar; perguntavam-lhe coisas e mais coisas e ele respondia com um encolher de ombros porque não percebia patavina.

E depois havia os carteiristas, que até tinham passe e tudo e, de vez em quando, a polícia, para os afugentar.

Ao fim da primeira semana de trabalho no 28, o Marques estava farto e pediu transferência de carreira.

Disseram-lhe que era só mais uma semana. Estavam à espera de um guarda-freio novo, que estava a acabar um curso acelerado de línguas e que estava também à espera que o bigode crescesse, para ficar como o do Marques. Dava um toque very tipycal

Contrariado, o Marques voltou ao trabalho.

Logo a meio da manhã, ali para os lados do Martim Moniz, sentiu uma picada no peito. Devia ser a tensão arterial a subir. Ainda por cima, tinha-se esquecido de tomar os comprimidos da manhã.

Ali perto do Chiado, a picada acentuou-se. Uma turista magricela, perguntou-lhe qualquer coisa. No meio daquela algaraviada, percebeu a palavra “assembleia”. É ali em baixo, respondeu o Marques.

E não disse mais nada.

A dor no peito era como uma mão a apertar; aumentou com tal intensidade que o Marques caiu sobre a o freio do 28.

E foi por isso que o eléctrico parou…

A Taroxina foi retirada do mercado

Depois de uma enorme campanha de lançamento e de ter batido o recorde de vendas em apenas duas semanas, as autoridades de saúde dos Estados Unidos e da Europa, numa iniciativa conjunta inédita, decidiram mandar retirar do mercado a droga que era apresentada como a solução para todos os males da alma.

Inicialmente designada como T23, este composto químico resultou da mudança de dois radicais da Fluoxetina, essa famosa droga, descoberta pela farmacêutica Lilly, em 1972 e lançada no mercado em 1986, com a alcunha da droga da felicidade.

O êxito da Fluoxetina, com o nome comercial Prozac, foi enorme mas, com o passar dos anos, esse êxito foi esmorecendo.

Perante uma nova vaga de depressões post-pandemia, era preciso encontrar uma nova droga e foi o que os cientistas fizeram, criando esta molécula, que designaram por T23 e que recebeu o nome químico de Taroxina, e o nome comercial de Priteza.

No entanto, bastaram duas semanas de circulação no mercado para que as agências internacionais do medicamento decidissem retirá-la do mercado.

A Taroxina era tão potente como antidepressivo, que todas as pessoas que começaram a tomá-la, ficaram com um sorriso permanente no rosto, fazendo inveja a todos os que não tomavam a droga.

Era insuportável andar na rua – agora que o uso de máscara já não é obrigatório – e ver passar pessoas sempre a sorrir, enquanto nós, preocupados com o desemprego, as moratórias, as falências, os chumbos nas escolas, a fome e a pobreza, continuávamos de cenho franzido.

Começaram tumultos um pouco por todo o lado. Nos supermercados, ninguém aturava ver os que tomavam Taroxina, sempre a sorrir, nas filas para as caixas, nas bancas da fruta, nas arcas do peixe congelado. Nas esplanadas, discussões acaloradas descambavam em pancadaria, quando deparávamos com o empregado, sempre a sorrir, mesmo quando demorava a trazer a bica. Quando víamos os telejornais, era fácil perceber quais eram os jornalistas e os comentadores que estavam a tomar Priteza, porque estavam sempre a sorrir, mesmo quando comentavam a fenomenal dívida nacional, o desmembramento da União Europeia ou a recandidatura de Donald Trump.

A pouco e pouco, a revolta dos que não tomavam o medicamento foi aumentando. Uns porque se recusavam a tomá-lo, outros porque o queriam tomar, mas não o encontravam nas farmácias.

E tudo isto, apesar dos efeitos secundários da droga. Priteza provocava alterações do trânsito intestinal, com aumento dos gases e diminuição da potência sexual e da líbido.

Esses efeitos secundários não demoviam as pessoas, que apesar de andaram sem tesão e a peidarem-se constantemente, não deixavam de sorrir.

Algumas pessoas a tomar Taroxina foram entrevistadas e diziam que se sentiam tão bem, tão felizes, que ignoravam os efeitos secundários e não podiam deixar de sorrir, mesmo nos sítios mais incómodos, como em funerais.

Uma mulher de 65 anos, contava a um repórter que o marido tinha falecido há alguns dias e que, durante o funeral, enquanto os filhos, cunhados e restante família, chorava, ela sorriu durante o tempo todo.

Outro entrevistado, um homem de 54 anos, dizia que tinha tido um enfarto e que durante o trajecto de ambulância para o hospital, e durante todo o cateterismo, esteve sempre a sorrir.

Por tudo isto, as agências do medicamento não tiveram outro remédio senão proibir este remédio.

Há quem diga, no entanto, que a Taroxina continua a ser fabricada clandestinamente e vendida, em exclusivo, aos emires do Dubai e dos Emiratos, bem como aos CEO da Apple, Google, Facebook e Amazon.

Mas deve ser mentira…

“O Infinito num Junco”, de Irene Vallejo (2019)

Irene Vallejo nasceu em Saragoça em 1979, tem pouco mais de 40 anos, estudou Filologia Clássica e é doutorada pelas Universidades de Saragoça e Florença; escreve no El País e no Heraldo de Aragon.

Este livro transformou-se num inesperado grande êxito de vendas – inesperado porque trata da história dos livros na Antiguidade Clássica, em Grécia e em Roma.

No entanto, num assunto que poderia ser uma chatice, a jovem autora conseguiu escrever uma história fascinante, que começa na grande Biblioteca de Alexandria e percorre todos aqueles séculos antes de Cristo, passando por Alexandre o Grande, Sócrates, Aristóteles, Homero, e todos os grandes autores gregos, do tempo em que os livros eram rolos de papiro (daí o junco), até a Roma e o seu extenso império, Ovídio, Marcial e muitos outros.

Um livro sobre a história dos livros, quando ainda não existiam propriamente livros, como hoje os conhecemos.

Ao longo da narrativa, Irene Vallejo socorre-se de muitos exemplos da actualidade para ilustrar as suas ideias e, por vezes, fala-nos dos pais, que viveram durante a ditadura de Franco.

Conta, por exemplo, que costumava acompanhar o pai nas visitas que ele gostava de fazer a um alfarrabista.

“Naquela manhã dos anos noventa em Madrid, o meu pai desenterrou uma curiosa pepita. Aparentemente, um D. Quixote. O fidalgo magro na capa de tecido, o primeiro capítulo, a adarga antiga, a panela com mais vaca do que carneiro, os duelos e as tristezas aos sábados. Mas em vez do segundo capítulo começava outra obra, O Capital. O meu sorriu com uma plenitude pouco habitual. Iluminou-se. A dupla de Cervantes e Marx não era um erro exótico de impressão, mas sim um livro clandestino, uma lembrança viva da juventude do meu pai.”

Irene Vallejo defende o livro com unhas e dentes e crê que ele vai sobreviver a todas as novidades.

“Quando comparamos algo velho e algo novo – como um livro e um tablet, ou uma freira sentada ao pé de um adolescente que está a falar num chat no metro -, acreditamos que o novo tem mais futuro. Na verdade, acontece o contrário. Quantos mais anos leva um objecto ou um hábito entre nós, mais futuro tem. O mais novo, em média, perece antes. É mais provável que no século XXII existam freiras e livros do que Whatsapp e tablets. No futuro haverá cadeiras e mesas, mas plasmas ou telemóveis talvez não”.

De um modo simples e com uma escrita que nos prende do princípio ao fim, a autora fala-nos de Aristófanes e dos processos judiciais contra os humoristas, de Tito Lívio e do fenómeno dos fãs, de Sulpícia e da voz literária das mulheres, rara na Antiguidade, e de muitos outros.

Aconselho vivamente.

(Edição da Bertrand, tradução de Rita Custódio e Àlex Tarradellas)

“Mrs. Caliban”, de Rachel Ingalls (1982)

Rachel Ingalls (Boston, 1940 – Londres, 2019) foi autora de diversas novelas e contos e publicou este curto romance em 1982 que, na altura, não despertou grande interesse.

Posteriormente, em 1986, o British Marketing Council considerou Mrs. Caliban como um das vinte novelas norte-americanas mais importantes desde a Segunda Grade Guerra.

Não diria tanto… mas não há duvida que este pequeno romance (125 páginas), editado no ano passado pela Cavalo de Ferro (tradução de Rita Almeida Simões), não deixa de ser curioso.

Conta-nos a história de Mrs. Caliban, uma dona de casa de meia idade, que vive nos subúrbios e tem uma vida triste: o único filho morreu há uns anos e, desde então, o seu casamento com Fred esmoreceu, ao ponto de dormirem em camas separadas. Mrs. Caliban passa a sua vida monótona a ouvir rádio, ver televisão ou a fazer tarefas domésticas.

Até que um dia, uma espécie de monstro anfíbio foge de um instituto científico e entra-lhe pela casa dentro.

Decide chamar-lhe Larry e inicia com ele, uma vida secreta, que lhe transforma os dias.

Esta história, que podia dar pano para mangas e para um daqueles romances de 600 páginas, é contada com frases simples e enxutas e “despachada” em pouco mais de 100 páginas.

Gostei.

Medidas contra a vaga de frio

68. Decorreu, esta tarde, a reunião com os especialistas.

Perante a vaga de frio que atravessamos, e depois de ouvir os especialistas, o governo aconselha o uso de gorro e luvas e, sempre que possível, as pessoas devem manter-se em casa, embora com o devido distanciamento em relação aos aquecedores, lareiras e escalfetas.

Foram estes os conselhos do primeiro-ministro, que se retirou rapidamente, esfregando as mãos e com os lábios roxos.

O líder da Oposição veio criticar o governo, dizendo que estas medidas pecam por tardias; no fim de verão, era previsível que tivéssemos uma vaga de frio e, portanto, o governo devia, então, ter tomado medidas. Agora, é tarde e vamos continuar a tiritar.

Os partidos mais à esquerda, embora concordem com o gorro e as luvas, exigem medidas de apoio à compra de aquecedores e de lenha para todos os operários, camponeses, soldados e marinheiros.

O partido liberal, pelo contrário, não está de acordo com a obrigatoriedade do uso de luvas e gorros e afirma que, se as pessoas quiserem andar de calções e havaianas, estão no seu pleno direito porque o mercado tudo regula.

Finalmente, a extrema-direita exige que acabem com os subsídios para a compra de luvas e gorros para toda aquela malta que não quer trabalhar, incluindo os que vêm de Marrocos.

“O Professor do Desejo”, de Philip Roth (1997)

Este foi o 21º livro de Philip Roth (1933-2018) que li.

Se tivesse começado a leitura da obra deste autor norte-americano por este livro, provavelmente, pensaria que não era uma escrita muito interessante. Este The Professor of Desire (edição D. Quixote do ano passado, com tradução de Francisco Agarez) não é, certamente, o livro mais interessante de Philip Roth e, talvez por isso, a D. Quixote, que tem editado toda a obra de Roth, foi deixando para mais tarde este volume.

No entanto, para quem conhece bem a obra deste escritor judeu, O Professor do Desejo é mais do mesmo: neste livro, o narrador é, mais uma vez, um professor universitário judeu, neste caso, David Kepesh que, enquanto estudante, tentou conquistar todo o rabo de saia e, posteriormente, viveu aventuras sexuais intensas, mas sempre pouco satisfatórias.

Mais tarde, casou com uma gentia, com quem teve um relacionamento intenso e doentio. Divorciado, viveu momentos de depressão recorreu à terapia psicanalítica e acabou por conhecer uma jovem professora do ensino básico e com ela viveu momentos de felicidade e tranquilidade. Seria isso suficiente para este professor, incapaz de se sentir totalmente satisfeito?

Para além destas aventuras e desventuras, os anseios, medos e sonhos da comunidade judaica a viver nos Estados Unidos, está sempre presente como pano de fundo.

Recomendo a leitura, para quem gosta de Philip Roth.

Outras obras de Philip Roth: O Caso Shylock (1993), Quando ela Era Boa (1966); Lição de Anatomia (1983); Os Factos (1988); Engano (1990); Goodbye Columbus (1959); Nemesis (2010); A Humilhação (2009); O Complexo de Portnoy (1969); Indignação (2008); O Fantasma Sai de Cena (2008); O Animal Moribundo (2001); Património (1991); Todo-o-Mundo (2006); Pastoral Americana (1997); A Conspiração Contra a América (2004); Casei Com Um Comunista (1998) e ainda O Teatro de Sabbath (1995), O Escritor Fantasma (1979) e A Mancha Humana (2000).