Passos trespassado

Ao dizer “que se lixem as eleições”, Passos colocou-se à margem dos eventuais maus resultados. Parecia estar a tomar uma atitude inteligente.

A malta iria votar nos candidatos autárquicos, tendo em conta as pessoas em questão e não o governo da nação.

Mas Passos decidiu envolver-se na campanha. Foi mais forte que ele.

E ei-lo a discursar todos os dias, metendo os pés pelas mãos, falando em segundo resgate, depois dizendo que a economia está a melhorar.

Aí, as pessoas lembraram-se: espera aí, este gajo é primeiro-ministro e presidente do PSD, logo, estas eleições são uma boa oportunidade para a gente votar contra ele.

E o resultado está à vista.

Sintra, Gaia, Coimbra, Funchal, Porto, voaram das mãos do PSD.

Mas fiquei com pena do Menezes e do Seara.

O trabalho que eles deram ao Tribunal Constitucional! Obrigaram os juízes a fazer horas extras para chegar à conclusão que um tipo que é presidente da Câmara durante 12 anos seguidos, pode candidatar-se novamente, desde que vá chatear munícipes de outro concelho.

Foi assim que Menezes atravessou o Douro e queria ser presidente do Porto e Seara percorreu o IC19 para se candidatar a Lisboa.

E agora, que perderam?

Será que Menezes voltará à sua antiga profissão, embora eu duvide que o tipo ainda saiba manejar um estetoscópio?…

E Seara, tentará a reconciliação com Judite, ou vai alugar a careca como aeródromo?

Em resumo: podia ter sido pior?

Podia… imaginem que o Passos ganhava…

passos_eleições (2)

 

Quem quer festinhas deste careca?

searaEsse grande sintrense que, agora, afinal, diz que é um alfacinha de gema, explicou qual é a grande diferença entre a sua candidatura e a de António Costa: a ternura!

Com efeito, Fernando Seara afirmou que é a «dedicação às pequenas coisas» que o distingue de Costa e prometeu que, caso seja eleito, vai «dar afecto às pessoas».

Portanto, já sabe: se vive em Lisboa e se tiver o azar de passar a ter Seara como presidente da Câmara, prepare-se para ser lambuzado de beijinhos, afogado em festinhas e asfixiado com abracinhos deste simpático careca.

Recém-separado da sua esposa Judite, Seara deve estar carente e vai vingar-se nos munícipes da capital.

Coitados! Não queria estar na vossa pele!…

Nota: A toponímia é uma das características autárquicas. Portanto, Costa como candidato a Lisboa, está correcto – agora, o Seara, devia ser candidato em Beja, por exemplo…

A iliteracia do Tribunal Constitucional

O Tribunal Constitucional considerou hoje que um tipo que já cumpriu três mandatos como presidente de câmara, pode candidatar-se a outro mandato, desde que seja noutro concelho.

Fiquei perplexo.

Ora, a lei diz, textualmente: «o presidente de câmara municipal e o presidente de junta de freguesia só podem ser eleitos para três mandatos consecutivos».

Qual é a dúvida?

Se os presidentes de câmara e de junta só podem ser eleitos para três mandatos consecutivos, por que raio podem candidatar-se a outro mandato, desde que mudem de concelho?

Cá para mim, os juízes do Tribunal Constitucional sentiram-se culpabilizados por estarem a chumbar as leis do Governo e decidiram dar um doce ao Passos Coelho.

Ao deixarem passar esta lei de limitação dos mandatos, os juízes permitem que o Menezes e o Seara se candidatem mais uma vez.

O mais engraçado é que, pela primeira vez, PSD, CDS, PS e PCP estão de acordo com o Tribunal Constitucional!…

(a propósito, sugiro a leitura deste post: De ou da?)

Em Almada, voto no Bulhão!

Não, não é confusão: em Almada, voto no Bulhão!

Voto no Domingos Bulhão, candidato do PCTP/MRPP, para presidente da Câmara!

Porquê?

Ora vejam…

bulhao

 

É irresistível!

Eu sou do tempo em que se dizia que devíamos apoiar o MRPP, em vez do PCP, porque tinha mais Lenine…

E, olhando para este candidato, é inevitável pensarmos em Lenine… e no Bulhão Pato, que também era desta zona (nasceu no Monte de Caparica).

E vou votar nele por 5 razões fundamentais:

1º – Gosto do bigode

2º – Gosto do sorriso franco

3º – Escolheu Cacilhas como cenário para a foto

4º – Não esqueceu o pórtico da Lisnave

5º – Não se importa de se candidatar por um partido que teima em Reorganizar o Partido do Proletariado desde 1970!

Força Bulhão!

Bulhão amigo, Almada está contigo – e as ameijoas, também!

A dieta de Passos Coelho

Ontem, Passos Coelho jantou com os deputados do PSD.

Jantou, não – petiscou, porque Passos está de dieta.

Foi ele próprio que revelou esta notícia importantíssima.

Disse: «Eu estou mais magro porque tenho feito dieta, é porque não quero ficar barrigudo, é só isso. Eu estou muito bem de saúde.»

Com efeito, um Coelho barrigudo parece mais um canguru!

No brilhante discurso que proferiu e que, por pouco, não ia adormecendo os deputados, Passos também explicou que «nenhum dos que aqui estão foi eleito para ganhar as próximas eleições, ou para ajudar a ganhar as autárquicas, nem as regionais deste ano nos Açores, nem as europeias que aí vêm a seguir. Não foi para isso que fomos eleitos».

Os deputados presentes, aqui, sobressaltaram-se.

Passos estava a contradizer-se: por um lado dizia que nenhum deles tinha sido eleito e depois dizia não era para isso que eles tinham sido eleitos.

Confuso.

Resultado da dieta, certamente…

Mas mais espantados ficaram os deputados quando Passos declarou: “Se algum dia tiver de perder umas eleições em Portugal para salvar o país, como se diz, que se lixem as eleições!»

Ora aqui está uma declaração democrática à brava!

Mas há antecedentes…

Ainda recordo, com saudade, o almirante Pinheiro de Azevedo que, em pleno PREC, declarou um dia: «Bardamerda para o socialismo!», para já não falar na também saudosa Manuela Ferreira Leite, que queria suspender a democracia durante 6 meses.

Agora é Passos que quer que as eleições se lixem…

Ó Passos, a dieta está-te a fazer mal… olha que isso é da fraqueza, pá…

Os gregos são como a pescada

Numa altura em que era preciso uma atitude firme e decidida, os gregos pulverizaram as suas opções eleitorais: 110 deputados da Nova Democracia, 50 do Syriza (extrema-esquerda), 42 do Pasok (socialistas), 32 dos Gregos Independentes (seja lá o que isso for), 26 do KKE (juro que não sei o que é) , 21 da Aurora Dourada (nome lindo para um partido nazi) e 19 da Esquerda Democrática.

Há que assinalar o bom gosto de alguns partidos gregos: é mais elegante dizer Syriza do que Bloco de Esquerda; é mais bonito (e mais enganador), dizer Aurora Dourada do que Partido Nacional-Socialista.

A pescada, antes de o ser, já o era.

Pescada.

Os gregos antes de se verem, já se viram.

Gregos.

PAN PAN (queijo, queijo)

O PAN РPartido pelos Animais e pela Natureza Рconseguiu eleger um deputado nas elei̵̤es da Madeira.

Obtendo o esmagador resultado de 3135 votos, o PAN juntou mais uma bizarria à Madeira.

Não lhe bastava (à ilha) ser governada pelo Alberto João desde a pré-história, é agora, também, detentora do único Parlamento com um representante dos animais.

Todos os que me conhecem sabem que eu gosto de animais e sou um defensor da natureza mas, francamente, penso que os animais e a natureza são assuntos sérios demais para serem tratados por um partido político.

É que o PAN, nas últimas legislativas, por pouco que não conseguiu eleger, também, um deputado por Lisboa.

Como se explica este fenómeno?

Encontrei a resposta nos jornais de hoje: as vendas de comida para animais nos hiper e supermercados, aumentou 7,1%, enquanto as vendas de nutrição infantil diminuiu 2%.

Estamos entregues à bicharada!…

Os calos de Cavaco Silva

Hoje, no Fundão, no dia em que se comemorou o 10 de Junho, Cavaco Silva fez o elogio das cerejas.

Disse, por exemplo, que, na sua juventude, gastava todo o dinheiro do almoço em cerejas, “e depois ficava sem almoço”. Explicou que isso acontecia porque, no Algarve, de onde é oriundo, não havia cerejas. E garantiu que as cerejas fazem bem a tudo – “até aos calos”!

Cavaco disse piadas!

Cavaco está distendido, tranquilo, quase feliz – embora um tipo tão oriundo como Cavaco, raramente se possa sentir feliz.

E o que faz Cavaco tão alegre?

A resposta é óbvia e tem a ver com a saída de cena de Sócrates.

Aliás, a retirada de Sócrates é um dos momentos políticos mais relevantes dos últimos anos.

Nunca tantos se juntaram no ódio a uma só pessoa. A esmagadora maioria dos jornalistas e comentadores da nossa praça nutria um ódio de estimação por Sócrates – o que só pode abonar em seu favor.

De facto, um tipo que foi, ao longo destes seis anos, o alvo das críticas mais ferozes de tipos tão diversos, de Pacheco Pereira a Vasco Pulido Valente, de Manuel Maria Carrilho a Marcelo Rebelo de Sousa, para não citar uns gajos que eu cá sei que, de repente, de transformaram em comentadores, com direito a páginas inteiras no DN – um tipo desses tem que ter algo de especial.

Mais: o que vai ser da primeira página do Sol, agora que Sócrates sai de cena?

Ver, agora, um telejornal da Sic, por exemplo, é uma experiência totalmente nova. Os repórteres, muito simpáticos, planam em redor de Passos Coelho e de Paulo Portas, pedem desculpa por existirem, respeitam os seus silêncios, fazem vénias, põem-se a jeito.

Mesmo assim, Passos Coelho não confiou nos seus compatriotas e contratou uma brasileira (quem mais?!) para organizar a sua campanha eleitoral. Alessandra Augusta, de sua graça, especialista em marketing, assegurou ao Expresso que “Passos foi o primeiro político a ganhar eleições dizendo o que pensa”.

És burra, Alessandra! Ao dizeres isto publicamente, nunca mais vais ser contratada. Então, todos os restantes políticos a quem organizaste campanhas eleitorais, não pensavam o que diziam? Ou não diziam o que pensavam?

Burra, também, foi Ana Gomes, ao dizer que Paulo Portas não devia fazer parte do governo, devido aos seus problemas anteriores (submarinos, cabeleiras postiças…).

Burra porque esse tipo de ataques resultavam com Sócrates, que foi maricas, falso engenheiro e corrupto no Freeport – mas não resultam com Portas, que toda a gente vê que é um estadista, até pelo modo como beija as peixeiras ou aperta firmemente a mão aos agricultores.

E já que estou a falar de burros, voltemos a Cavaco e à sua devoção pela agricultura.

As lágrimas vieram-me aos olhos quando li o artigo de Cavaco, hoje, no Expresso, incentivando os jovens a dedicarem-se à agricultura.

É bonito vermos um homem que contribuiu para a destruição da agricultura e das pescas, em troca de dinheiros comunitários para o cimento, enquanto foi primeiro-ministro, render-se, agora, à Terra e a quem a trabalha.

Uns aninhos a mais, ou umas gotas para o cérebro a menos, e Cavaco adere ao PCP.

O Jerónimo que se cuide!…