O Grande Debate

O debate entre Pedro Nuno Santos e Luís Montenegro decorreu.

Todos foram unânimes.

Curioso, o nome do teatro. Capitólio, como o outro. Por isso, um dos debatentes capitulou.

Os moderadores eram três, um por cada estação de televisão. Os directores também.

Foi, também, o debate com mais protecção policial.

Em redor do teatro, algumas centenas de polícias fizeram um cordão para proteger os dois políticos e os três moderadores.

Eis alguns dos momentos mais altos do debate:

Esta é a verdadeira razão que leva Montenegro a não querer debater com o Rui Tavares e o Paulo Raimundo

Ficámos a saber – aparentemente, com alguma estupefação – que o líder do PSD, Luís Montenegro, se recusa a participar nos debates pré-eleitorais com o líder da CDU, Paulo Raimundo e com o líder do Livre, Rui Tavares. No seu lugar, indicou o nome do desconhecido Nuno Melo, que parece que é o líder de uma agremiação chamada CDS, uma sigla que talvez signifique Centro Democrático Social, mas não há a certeza.

As televisões, em uníssono, disseram que não era possível essa alteração, que o acordo tinha sido que os debates decorreriam entre os líderes dos partidos e/ou coligações com assento parlamentar.

Ripostou o PSD que, em 2015, também Jerónimo de Sousa, então líder da CDU, tinha sido substituído por Heloísa Apolónia, líder de Os Verdes, para debater com Paulo Portas, da coligação Prá Frente Portugal, no lugar de Passos Coelho.

O problema é que qualquer destes quatro políticos faziam parte de partidos com assento no Parlamente, ao passo que o tal Melo, ninguém sabe quem é, muito menos o dito CDS.

Enfim, perante a recusa do Montenegro, há quem diga que ele tem medo de debater com o Tavares e o Raimundo – e, no fundo, têm razão.

O que, de facto, acontece é que Montenegro é um perigoso esquerdista encapotado, uma espécie de agente secreto da esquerda radical que milita num partido de direita para o minar por dentro. Se Montenegro for eleito e se se tornar primeiro-ministro de Portugal, a primeira coisa que ele vai fazer é uma aliança política-económica com Cuba.

É por isso que ele teme confrontar-se com Tavares e Raimundo: teme ser descoberto, receia que, durante o debate, se descubra que, afinal, ele é um trotskista dos sete costados.

E isto não é especulação; foi uma fonte de Belém que me assegurou ser verdade.

Agora, aguentem-se…

Promessas eleitorais

Depois de ouvir as propostas dos partidos políticos para as próximas eleições, decidi fazer um resumo, tentando juntar uma proposta daqui com outra dali.

Assim temos:

– Um médico de família para cada português; para os portugueses doentes, dois médicos de família para cada um;

– Acabar com os tempos de espera nos hospitais; passam a ser os hospitais que ficam à espera dos doentes;

РUma casa para viver e outra para passar f̩rias; toda a gente tem o direito a passar f̩rias numa casa;

– Rendas de bilros acessíveis para todos;

– Retirar o suplemento à Judiciária, de modo a que fique nivelada com as outras polícias;

– Descongelar os anos aos professores; desse modo ficarão mais velhos e poderão reformar-se já;

РAumentar todas as pens̵es e baixar todos os hot̩is;

РDiminuir IRS, IVA e IMI; passam todos a ser escritos com letra min̼scula (irs, iva e imi);

Assim de repente, é o que me lembro. Se tiver mais ideias, depois digo.

Albuquerque, o vice-rei da Madeira

Há arguidos e arguidos.

Prevaricações e prevaricações.

Suspeitas de corrupção e suspeitas disso mesmo.

Participações em negócio e negócios em participações.

Um parágrafo de um comunicado da PGR lixou o Costa, mas o Vice-Rei da Madeira está acima disso tudo. Com aquele ar de Frankenstein de risco ao meio, franze as sobrancelhas e diz que até calha bem ser arguido; desse modo, poderá explicar tudo quando for ouvido… daqui a uns meses.

Quanto a Montenegro, mantém aquele sorriso espúrio, conseguindo dizer uma coisa e o seu contrário, praticamente na mesma comunicação.

E o Ventura esfrega as mãos. Corrupção por todos os lados, menos por um, chamado Chega que, no entanto, alberga tipos que, vivendo em Coimbra, receberam subsídios de deslocação por terem casa em Luanda.

Ainda há dúvidas em quem votar?…

As redações do Correio da Manhã- 2

1. Cascais – Esfaqueado em rixa num Café – Um homem de 35 anos foi esfaqueado numa rixa num café na Parede, Cascais. Agressor foi detido e também hospitalizado.

– Esfaqueou-se?…

2. Guimarães – GNR e INEM ameaçados – Um homem, de 60 anos, foi detido após ter assustado familiares com duas facas em Selho São Lourenço, Guimarães, e de ter ameaçado uma equipa do INEM e uma patrulha da GNR. Acabou por ser detido.

– As facas eram de serrilha?…

3. Portalegre – Choque faz três feridos – Uma colisão entre dois carros, ocorrida ontem na EN371 entre Arronches e Degolados, Portalegre, causou três feridos. Um foi levado ao Hospital de Portaslegre.

– Terá sido o Degolado?…

4. Porto – Furta secador de cabelo – A PSP deteve, na Rua Fonte de Contumil, um homem de 23 anos, desempregado, que furtou um secador do interior de um cabeleireiro.

– Devia querer abrir um cabeleireiro, já que está desempregado. Se tivesse furtado um secador do exterior de um cabeleireiro, talvez não fosse detido…

As redações do Correio da Manhã

A última página do Correio da Manhã é inigualável. Há que comprimir as notícias em poucos parágrafos, o que dá nisto:

1. Caiu a um poço ao salvar uma cabra – Um homem, com 40 anos, foi ontem resgatado pelos Bombeiros de Mira de um poço onde caiu ao tentar salvar uma cabra, em Portomar. Estava em hipotermia.

– A cabra…

2. Morta enquanto dormia – o MP de Guimarães acusou um homem por matar a mulher, à facada, enquanto esta dormia. Jorge Ferreira está preso.

– Se ela estivesse acordada, talvez ele não fosse acusado…

3. Ferido após cair em esgoto – Um homem, de 66 anos, ficou ferido com gravidade após cair num esgoto público, enquanto procurava umas chaves.

– É o que faz procurar chaves num esgoto…

A pilinha do Dr. Barreiros e o buraco do Dr. Toy

Em vésperas de festejar os 50 anos do 25 de Abril, assistimos a grandes êxitos da música portuguesa, protagonizados por dois dos nossos maiores cantautores nacionais: Quim Barreiros e Toy.

Agora que o Natal está a chegar, nada melhor do que oferecer aos nossos familiares os novos grandes êxitos destes dois ícones da estupidez nacional, tão adorados por tunas académicas, festivais populares e autarquias em geral. É uma maneira de dizer aos nossos familiares que queremos que eles se fodam.

O Dr. Quim Barreiros, do alto dos seus 76 anos, descobriu agora que a sua pichota se chama sarapanta. Aparentemente, foi esse o nome que a sua mãezinha querida lhe deu, conforme os versos do seu novo grande êxito:

Eu tenho um sarapanta/ Que a minha mãe me deu
Anda sempre escondido/ Quem manda nele sou eu

Ficamos, portanto, a saber que a mãe do Dr. Barreiros chamava sarapanta à sua pilinha, mas que, hélas!, é ele que manda nela!

Apesar disso, o Dr. Barreiros anda sempre com aquilo escondido, vá-se lá saber porquê!… Deve ter vergonha daquela coisa. Porventura, espreme-a, em vez de a abanar, depois de fazer chi-chi.

Pelo desenrolar do poema – obra-prima do Dr. Barreiros – ficamos a saber que a sua sarapanta só se levanta quando lhe mexem. Ora leiam:

Ora mexe mexe mexe/ Aqui no sarapanta
E quanto mais lhe mexes/ Mais ele se levanta

Apesar dos seus 76 anos, o Dr. Barreiros não precisa de Viagra ou Cialis. Basta que lhe mexam na coisa, e ela logo se levanta. Felizardo! Deve ser do acordeão!…

Continuando a ouvir esta peça lúbrica do cancioneiro nacional, ficamos a saber que há quem goste de fazer sexo oral ao Dr. Barreiros.

Há quem lhe faça festinhas/ Há quem o queira beijar
Se lhe apertam o pescoço/ Ele começa a cantar

Que o Dr. Barreiros tenha uma pila que cante, eis algo que nós desconhecíamos!

Resta perguntar, por que carga de água o Dr. Barreiros decidiu chamar sarapanta à sua pila. A explicação é que foi a única palavra que ele conseguiu encontrar que rimasse com “levanta”.

Apetece, portanto, dizer, como dizia Paulo Fernando, no Dois do Quelhas, que este disco é intocável, mas, felizmente, não é inquebrável!

E por isso, vamos parti-lo!

Quanto ao buraco do Dr. Toy, trata-se de uma canção que serve como anúncio ao Intermarché e que seria suficiente para que todas as donas de casa nunca mais pusessem os pés naqueles espaços comerciais.

No spot publicitário vemos o Dr. Toy, de mangueira na mão, preparando-se para meter combustível no seu carro, com duas lambisgoias sorridentes atrás dele. E ele canta:

Eu meti em todas/ agora sei como é
Eu meti em todas/ e agora só meto no intermarché
Com a mangueira na mão/ sempre acerto no buraco
É da minha formação/ a meter nunca fui fraco
Meto sempre devagar/ e fico com a certeza
Onde meto é o lugar/ que não dá muita despesa

Por outras palavras: o Dr. Toy gosta de meter, desde que não gaste muito dinheiro. Portanto, deve procurar, naqueles anúncios manhosos do Correio da Manhã, onde poderá satisfazer as suas necessidades sem desperdiçar muito dinheiro.

São estes enormes poetas que fazem de Portugal o grande país que é!

O Dr. Barreiros e o Dr. Toy querem fazer de conta que são grandes poetas brejeiros, mas não passam de lavajões malcriados. Desconhecem a elegância da poesia satírica.

A propósito, talvez não seja má ideia recordar um dos sonetos de Bocage. Talvez estes dois doutores percebam a diferença, embora duvide.

“É pau, e rei dos paus, não marmeleiro,
Bem que duas gamboas lhe lobrigo;
Dá leite, sem ser árvore de figo,
Da glande o fruto tem, sem ser sobreiro

Verga, e não quebra, como zambujeiro;
Oco, qual sabugueiro, tem o umbigo;
Brando às vezes, qual vime, está consigo;
Outras vezes mais rijo que um pinheiro;

À roda da raiz produz carqueja;
Todo o resto do tronco é calvo e nu;
Nem cedro, nem pau-santo mais negreja!

Para carvalho ser falta-lhe um u;
Adivinhem agora que pau seja,
E quem adivinhar meta-o no cu.

É o que eu desejo ao Dr. Barreiros e ao Dr. Toy.

A indecente e má figura de Passos Coelho

Esclarecimento: Pedro Passos Coelho foi um político português que exerceu o cargo de primeiro-ministro entre 2011 e 2015.

Quatro anos.

Foi líder da Juventude Social Democrata entre 1990 e 1995 e licenciou-se em Economia pela Lusíada em 2001, com 37 anos. Mais vale tarde do que nunca…

Esteve também ligado a uma coisa chamada Tecnoforma e parece que não pagou segurança social durante uns anos porque achava que não era preciso, mas não tenho bem a certeza.

Assim de repente, não me lembro de mais nada.

Enquanto foi primeiro-ministro, cortou salários e pensões, eliminou subsídios de natal de férias, bem como feriados nacionais, seguiu escrupulosamente os desígnios do FMI, indo além dos mesmos e foi humilhado nas eleições seguintes, não conseguindo que o programa do seu governo fosse aprovado na Assembleia da República, apesar de, aparentemente, ter tido mais votos que os restantes partidos.

Desde então, refugiou-se na sua casa, em Massamá, rapou a cabeça e assumiu a figura de um D. Sebastião dos subúrbios.

Triste a nação que sonha em ser salva por uma personalidade como esta!…

Aproveitou agora a queda do governo do Costa, para emergir do pântano em que se encontrava e, mostrando à superfície aquela cabecinha rapada, disse de sua justiça, que Costa se demitira por “indecente e má figura”.

Trata-se de uma frase feita que Coelho terá aprendido algures, talvez no seio do PSD, onde Durão Barroso se retirou para a União Europeia e Santana Lopes foi demitido após meia-dúzia de meses como primeiro-ministro – ambos por decente e boa figura. Ou ele próprio, Passos Coelho, que, apesar de ter tido mais votos, foi incapaz de fazer passar o seu programa de governo no Parlamento, por deficiente e péssima figura.

Passos Coelho não é digno de representar a população de Massamá!

Marcelo Sem Cunha de Sousa

Marcelo não meteu nenhuma cunha.
Não senhor!
Limitou-se a receber o mail do Dr. Nuno Rebelo de Sousa e a encaminhá-lo para o Chefe da sua Casa Civil.
Será possível fazer alguma coisa quanto a isto? – perguntava.
Tratem disto como se o Dr. Nuno não fosse meu filho.
Não quero cunhas, é só para saber…
A Casa Civil reenviou para o gabinete do Primeiro-Ministro.
O Presidente da República quer saber se se pode fazer alguma coisa.
Mas nada de cunhas – é só para saber. E não foi o filho que pediu.
Mas o mail é do filho do Presidente?
É do filho do Presidente, mas é como se fosse outra pessoa qualquer.
Compreendi-te!
O Gabinete do Primeiro-Ministro reenviou para o Ministério da Saúde: o Presidente está interessado nisto. Foi o filho que pediu, mas como se não fosse.
Sem cunhas, sem cunhas!
O Ministério da Saúde reenviou para a Administração do Hospital de Santa Maria.
Assunto delicado: o Presidente faz questão, aliás, é o filho do Presidente, mas faz de conta que é outro cidadão qualquer – mas nada de cunhas, ok?
A administração acatou a sugestão.
E assim se fechou o círculo.
Sem cunha nenhuma!
Não percebo por que estão tão ofendidos.

Cavaco precisa de uma segunda opinião

A culpa parece ser da confusão no SNS.

É óbvio que a medicação não está a fazer efeito.

Todos nós vimos as sincinesias que o senhor apresenta sempre que está em público. Para quem não se lembra, os movimentos sincinésicos são movimentos involuntários e desnecessários, que, por vezes, os mais idosos efectuam. Frequentemente, esses movimentos são efeitos secundários da medicação que se toma para outras patologias.

Parece-me que Cavaco Silva está completamente tomado por esses movimentos e deve ser isso que complica a escrita dos seus textos para o Público.

Hoje, por exemplo, fez publicar um texto em que diz que todos os cronistas e comentadores foram enganados pelas contas certas do PS. Todos, mas todos, sem excepção – menos ele, claro, o iluminado Sr. Silva, o tal que é tão honesto que ainda há de nascer alguém mais honesto do que ele – ele, que nada teve a ver com o sr. Loureiro, muito menos com o seu chefe de bancada, Duarte Lima.

Claro que estou a ser injusto.

Sou a favor do envelhecimento activo.

Com 84 anos, Cavaco merece ter voz activa num partido de futuro como o PSD!

Os jovens devem rever-se nele, no seu exemplo, no homem que aproveitou os dinheiros da União Europeia para asfaltar o país, que reduziu os barcos de pesca, que cortou as entradas dos futuros médicos nas faculdades, que amarfanhou a agricultura.

No entanto, talvez fosse melhor alterar-lhe a terapêutica…

Que dizem?