Onde estavas no 11 de setembro?

Com este título, o jornal Público tem feito uma série de textos sobre os 20 anos dos atentados às torres gémeas, em Nova Iorque.

A esta pergunta, respondem na edição de hoje, Marcelo Rebelo de Sousa, Rui Rio, Jerónimo de Sousa e Catarina Martins.

Marcelo diz que estava na Faculdade e que acompanhou as notícias pelo rádio do carro, a caminho de casa; Catarina estava no Porto e, inicialmente, pensou que se tratava de um acidente; Rio estava em campanha pela Câmara do Porto, num almoço; e Jerónimo estava na sede do PCP.

Eu estava a fazer consultas no meu Centro de Saúde; um colega meu disse-me que um avião tinha embatido numa das torres do World Trade Centre. Descrente, interrompi a consulta e fomos os dois ao café da esquina, ver a televisão e chegámos a tempo de ver o segundo avião embater na outra torre.

Tinha estado em Nova Iorque em 1994 e em 1999 e, de ambas as vezes, tinha subido ao topo das Torres, admirado o panorama lá de cima, as pontes sobre o rio East, a Estátua da Liberdade, o Empire State, o Central Park, Manhattan em vista aérea – e era difícil acreditar que os Estados Unidos eram, assim, atacados no seu coração.

Na edição de hoje do Público, também João Miguel Tavares sente necessidade de escrever sobre o que sentiu no dia em que as torres gémeas vieram abaixo.

E diz isto: “foi no dia em que dois aviões destruíram as torres gémeas que eu descobri que era de direita”.

JMT faz esta revelação como quem sai do armário da orientação política: um acontecimento traumático que o faz, enfim, encarar a realidade: JMT era de direita!

Diz JMT que, na altura dos atentados, tinha 28 aninhos!

28 anos e ainda não sabia a sua orientação política, coitadinho!

Foi, portanto, graças a um atentado terrorista que ele percebeu que era de direita.

Até hoje!…

Só falta JMT agradecer à Al-Qaeda…

A melancolia do Mel

MEL é a sigla de Movimento Europa e Liberdade.

Trata-se de um grupo de senhores que se afirmam de Direita e que se juntam para pensar Portugal.

É sempre bonito pensar Portugal…

A coisa é organizada por um tipo chamado Marrão, e no palco desfilaram os líderes do PSD, do CDS, da Iniciativa Liberal e até do Chega.

No entanto, para a comunicação social, a estrela do MEL foi Passos Coelho, agora com novo look: cabeça rapada, deixando ver um crânio de pepino, e barba de cinco dias.

Rui Rio foi o último a discursar, como que em apoteose, mas é como se estivesse a fazer o seu elogio fúnebre.

Coelho vai ser o salvador da Direita. Ele, que inventou o Ventura, espera calmamente pela hecatombe eleitoral do PSD para regressar, cheio de glória, e liderar uma imensa coligação, onde caberão todos (caberão, cabrão…) – incluindo aquele senhor que, no MEL, disse que o Estado Novo resolveu o problema do analfabetismo e baixou a taxa de mortalidade infantil.

Cuidem-se, que tempos tenebrosos se aproximam…


António Costa apoia toxicodependentes

O engenheiro Luís Cabral da Silva, diz que é especialista em Transportes e Vias de Comunicação.

Foi à Sic Notícias, como convidado, comentar a criação do passe único, intermunicipal, que o governo de António Costa acaba de implementar, e que permite que os cidadãos e as famílias, poupem muito dinheiro, todos os meses.

Os exemplos são muitos. O passe intermunicipal custa, agora, 40 euros, e há quem poupe mais de 100 euros por mês.

E o que teve a dizer o sr. engenheiro sobre esta medida?

Pois disse que era uma boa medida, porque as pessoas ficavam com mais dinheiros para comprar leite, tabaco e drogas! (o link para a notícia está aqui)

O engenheiro Silva deve ser daqueles activistas anti-leite, daqueles que pensam que, como a espécie humana é a única que continua a consumir leite depois da fase da amamentação, o leite só pode fazer mal, sendo o causador de inúmeras doenças. Ao fim e ao cabo, como o tabaco e as drogas – daí a criatura ter incluído tudo no mesmo saco.

Ontem, quando viajava no cacilheiro, a caminho de Lisboa, ouvi a conversa entre duas passageiras. Uma delas congratulava-se com o novo preço dos passes e a outra ripostava: vamos ver quanto tempo isto dura; se for para lá outro!…

De certeza que, se o engenheiro Silva – o tal especialista em Transportes – fosse nomeado por um hipotético governo PSD/CDS, os passes voltariam aos preços antigos e, como contrapartida, o Rio e a Cristas distribuiriam pacotes de leite, maços de tabaco e cigarrinhos para rir a todos os portugueses.

Aqui fica a foto do sr. engenheiro Silva, para que todos saibam quem é o indígena…