Posts Tagged ‘partidos’

Cristas, gatos, Félix e Chega!

Thursday, June 20th, 2019

O importante são os pormenores.

As grandes parangonas já não espantam ninguém: agora, à falta de incêndios, temos o inquérito parlamentar da Caixa, mas ~e a mesma coisa que nada, uma vez que ninguém se lembra de coisa nenhuma.

Os empréstimos que se fizeram, as reuniões a que se assistiram, tudo isso está turvo, nas brumas da memória, ó pátria, mal se ouve a voz, dos teus igrejos avós…

Por isso, temos que nos contentar com pequenas notícias.

Primeira: a Sãozinha Cristas, líder do CDS e futura primeira-ministra (isso queria ela, tadinha!), vai lançar um livro no próximo dia 24. Chama-se “Confiança” e vai ser apresentado pelo Pedro Mexia, aquele senhor de barbicha, assesaor do Marcelo, membro do governo sombra, e que é intelectual e tudo!

Mexia (se eu deixasse…) também escreve críticas literárias mas, depois de saber que vai apresentar o livro da Cristas, acho que nunca mais vou ler uma crítica dele…

Diz a notícia que o livro é sobre “economia, pobreza, demografia, justiça, mar, cultura, alterações climáticas e liderança no futuro”.

Nem uma palavra sobre o arroz de atum que a Sãozinha cozinha, dizem que muito bem…

Ai Mexia… e a tua poesia?…

Mexia tem pinta de gostar de gatos, e deve ter sido ele a aconselhar o Presidente a promulgar a lei que aprova o Sistema de Informação de Animais de Companhia (SIAC).

O SIAC estabelece que todos os gatos passem a usar microchips. Deste modo, evitamos que haja gatos espiões, que passem informações para o inimigo.

Estás a miar? Olha que nós estamos a escutar!…

Esta do gatos microchipados passou despercebida porque toda a gente estava entretida a contar os milhões que o João Félix vai ganhar no Atlético de Madrid.

O puto, com apenas 19 anos, salta do Benfica para os madrilenos, e vai ganhar cerca de 800 euros por hora.

Sabendo que, segundo a Ordem dos Médicos Dentistas, há recém-licenciados a trabalhar por 4 euros à hora, está na cara que mais vale dar chutos na bola que tratar cáries dentárias…

Mas o mais escandaloso é que, para além dos juízes, também o João Félix irá ganhar mais que o primeiro-ministro…

Convenhamos que o Costa, com aquela barriga, também não deve ser capaz de marcar golos…

Mas o que mais me preocupou foi o adiamento da Convenção do Chega, aquele Partido novo que concorreu às europeias sob o nome de Basta.

O seu líder, André Ventura, anunciou que a primeira Convenção do Chega vai ser adiada de 22 para 29 de Junho.

A notícia não explica a razão deste adiamento, mas deve ser devido à complexidade da ideologia do novo Partido.

Imagino a dificuldade em elaborar Teses, Documentos doutrinários e outros textos de fundo sobre um Partido chamado Chega…

Se ainda fosse Livra, ou Safa… ou mesmo, Fosga-se!…

Abstencionistas uni-vos!

Monday, May 27th, 2019

As eleições europeias de ontem, tiveram uma taxa de abstenção de mais de 68%.

Quer isto dizer que, num universo de dez milhões e meio de potenciais eleitores, apenas três milhões se deram ao trabalho de votar.

Grosso modo, sete milhões de portugueses não se importam que três milhões decidam por eles.

Depois, não se queixem…

Claro que se queixam!… Os portugueses adoram queixar-se… queixam-se das lixeiras nas ruas, mas continuam a cuspir para o chão e a deitar as beatas e as pastilhas elásticas para os passeios, queixam-se dos incêndios, mas não deixam de atirar beatas acesas para a caruma e a fazer grandes queimadas, mesmo nos dias de maior calor, queixam-se dos políticos corruptos, mas fogem aos impostos sempre que podem, criticam o compadrio, mas adoram a cunha, o favorzinho, o conheces-lá-alguém – e quando chega a altura de decidir escolher quem nos vai representar no Parlamento (seja no europeu, seja no nosso), estão-se a borrifar.

Não vale a pena, diz uma potencial eleitora, eles são todos corruptos, só querem é roubar. Está-se tão bem na praia, diz outro abstencionista, vou votar para quê, eles são todos iguais.

Assim pensam os carneiros… querem lá saber quem é o pastor, já que têm que passar o tempo a ruminar…

Mas três milhões ainda se deram ao trabalho de votar. Para além da vitória inquestionável do PS (33,4% dos votos), do Bloco (9,8%) e do PAN (5%), destaque para a derrota dos Partidos da Direita – o PSD com 21,9 e o CDS, com 6,1, e a CDU, com 6,8%.

O Rangel, do PSD, deve estar a ranger os dentes, e o Nuno Melo, do CDS, já deve estar, a esta hora, a roer a corda à Sãozinha, que queria tanto ser primeira-ministra e que, muito provavelmente, nem na casa dela vai mandar…

O CDS, que já foi o Partido do táxi, transformou-se no Partido da mota – e mesmo, assim, a mota tem só um lugar, ocupado pelo Melo, nem o Mota (Soares) tem lugar na mota…

Uma última palavra para os que se abstiveram: unam-se, façam qualquer coisa, inventem um Partido Novo! Pelo que oiço nas esplanadas, nos corredores do supermercado e nas reportagens da televisão, vocês devem saber como salvar esta merda deste país – e com sete milhões de votantes, venceriam as eleições, de caras!

De que é que estão à espera?…

Uma triste campanha alegre

Monday, May 20th, 2019

É vê-los a percorrer feiras e mercados, a beijar crianças e reformados, a agitar bandeiras e a dizer baboseiras, sempre radiantes, rodeados de apoiantes, dão entrevistas à televisão, fazem gestos com a mão, o punho fechado ou o vê de vitória, é sempre a mesma história de qualquer campanha eleitoral, etc e tal…

O Rangel faz o seu papel e no Costa desanca, enquanto o Rio tem aquela panca de tocar bateria, quem diria, que um tipo cinzento, de camisa de gola, agride os pratos e bate na tarola?

O Marques do PS, quase ninguém conhece, e para não ter um amóque, leva o Costa a reboque. Não ter lábios não é defeito, mas o homem não tem jeito.

Ao Nuno Melo, ninguém lhe corta o cabelo, e leva sempre pela mão, a sua querida Assunção. Foram apanhar couves às hortas e pediram ajuda ao Portas.

O Jerónimo tem um heterónimo: chama-se Ferreira, e vai para a Europa contrariado, porque preferia ir para outro lado.

Catarina e Marisa são botões da mesma camisa. Também não gostam da União Europeia, mas Marisa tem uma ideia: vai minar aquilo num instante, com uma proposta fracturante: tornar as drogas legais, do Caramulo aos Urais.

E depois há os outros todos, são Partidos a rodos. Contei dezassete no boletim, mais personagens que num folhetim.

Todos da Europa dizem mal, mas muitos querem ir para lá, afinal!

Como político, Rio é um baterista sofrível. Falta-lhe ousadia. Como baterista, é um político banal. Falta-lhe ritmo…
Que lindo repolho! Vê lá se alguma lagarta te salta para o olho!

PS – O PURP é que me deixa abismado. Quer dizer Partido Unido dos Reformados e Pensionistas. Um Partido Unido?… Não é contraditório?… Se está unido, não pode estar partido…

Chega ou não chega?

Monday, April 1st, 2019

Há um indígena, chamado André Ventura, que era do PSD, mas que decidiu criar o seu próprio partido. Decidiu chamar-lhe Chega.

Parece que o nome escolhido tem a ver com várias coisas que Ventura gostaria de acabar, por estar farto delas, assim como nós dizemos, por exemplo, chega de batatas fritas, chega de chuva, chega de penaltis mal assinalados!

Ventura estará farto de migrantes, gays e lésbicas, ciganos, esquerdalhos e coisas do género.

Isto é o que eu digo, porque não sei ao certo se o tal Chega, chega a ter alguma ideologia.

Em resumo, o Ventura levou as assinaturas da ordem ao Tribunal Constitucional, para legalizar o Chega e, assim, poder concorrer às eleições para o Parlamento Europeu.

Teve azar, porque o Tribunal recusou a legalização do Chega porque encontrou assinaturas de menores e de polícias, o que não é permitido por lei.

Será que o Ventura desconhece a lei, ou pensou que os juízes tinham mais que fazer do que verificar a idoneidade de todas as assinaturas?

Como já não teria tempo para arranjar novas assinaturas válidas, o Ventura conseguiu inventar uma coligação para concorrer às eleições, juntando o Partido Popular Monárquico, o Partido Cidadania e Democracia Cristã, o Movimento Democracia 21 e o seu próprio Movimento Chega.

E decidiu chamar a essa coligação Chega.

Que original.

O Tribunal fez-lhe um manguito, explicando que não podia aceitar o nome da coligação Chega, porque se confundiria com o nome do Partido que pretende ser legalizado.

O Ventura armou-se em xico-esperto: como não conseguiu legalizar o Partido Chega, tentou legalizar o Movimento Chega.

Faz lembrar o caso do tipo que se chamava João Merdas e que decidiu mudar o nome para Manuel Merdas…

RIR, CHEGA e PORRA!

Tuesday, February 5th, 2019

A parvoíce não tem limites.

Não bastava o CHEGA, daquele senhor que era do PSD, mas que decidiu fundar um Partido só para ele, agora apareceu o RIR.

André Ventura fundou o CHEGA e Tino de Rans decidiu fundar o RIR.

É para rir?

Não, é para chorar.

CHEGA não é um acrónimo, é assim mesmo, CHEGA. Podia ser BASTA ou LIVRA ou SAFA, que ia dar ao mesmo.

Mas RIR é uma sigla de Reagir, Incluir e Reciclar.

Afinal, é mesmo para rir…

Os membros deste Partido querem reagir (a quê?…), incluir (o quê?…) e, como não se lembraram de mais nada começado por “erre”, querem também reciclar.

Podiam querer reaprender, racionalizar, rentabilizar, roçar, rapar ou ripar – mas reciclar é mais bonito e liga muito bem com incluir e com reagir.

Agora só falta alguém criar o Povo Organizado Reage Rapidamente a Aventesmas – o PORRA!

O PSD tem MEL?

Wednesday, January 9th, 2019

O PSD é o partido mais português de Portugal: não governa nem se deixa governar – como dizia o general romano, referindo-se aos lusitanos (dizem…).

Desde a sua fundação, em 1974, o PSD já foi liderado por Sá Carneiro, Emídio Guerreiro, Sousa Franco, Menéres Pimental, Pinto Balsemão, Rodrigues dos Santos, Mota Pinto, Rui Machete, Cavaco Silva, Fernando Nogueira, Marcelo Rebelo de Sousa, Durão Barroso, Santana Lopes, Marques Mendes, Luís Filipe Menezes, Manuela Ferreira Leite, Passos Coelho e Rui Rio.

Dezassete líderes em 44 anos, o que dá uma média de 2,5 anos por cada líder!

Um autêntico saco de gatos!

Neste momento, o PSD está mais fragmentado que nunca, com a formação de grupúsculos, fazendo lembrar os pequenos bandos de extrema-esquerda que surgiram no post-25 de Abril.

Lembram-se do PCP (ml), o PC de P (ml), a OCMLP, a LCI, a AOC, a FEC-ml, etc, etc?

Pois o PSD está na mesma: primeiro, foi a Aliança, do Pedro Santana Lopes.

O nome do novo Partido – Aliança – faz lembrar um site de encontros para possível casamento ou o nome de uma nova igreja evangélica, com cultos acompanhados à viola e percussão.

Depois, surgiu o Chega! – um nome que nos remete para sites de defesa do consumidor.

E agora surgiu o MEL – Movimento Europa e Liberdade, liderado por um tipo chamado Marrão, que parece que é chefe de uma série de coisas estrangeiras (real estate sector lider, head of clients and markets, head of innovation and head of marketing, communication and business development – tantas vezes “head”, deve ser por isso que se chama Marrão!…).

Este MEL vai ter a primeira Convenção amanhã e nela participam vários membros do PSD, nomeadamente, Marques Mendes, Pedro Duarte ou Luis Montenegro. Mas também Santana Lopes, Assunção Cristas e Paulo Portas. E ainda outros senhores e senhoras, comentadores da nossa praça e que alinham com esta malta: João Miguel Tavares, Helena Garrido, Helena Matos, João Taborda da Gama – tudo malta que arrota postas de pescada nas televisões, tentando formatar as nossas opiniões.

Diz a insuspeita Manuela Ferreira Leite, sobre esta Convenção do MEL: “Acho que todo este tipo de movimentos que se baseiam em questões de natureza pessoal e muito marcados pela futura próxima constituição de listas para deputados (para o Parlamento Europeu) merecem-me algum desprezo”.

O PSD faz lembrar uma reunião de condóminos: ninguém chega a acordo na importância a pagar à senhora que lava as escadas.

E a senhora que, agora lava as escadas, chama-se Rui Rio, é do Norte, e tem mais de metade do partido contra ele.

Do padre para Presidente aos copos menstruais

Saturday, October 10th, 2015

Uma das grandes vantagens das eleições é a agitação que provocam.

E sempre que a coisa se agita, algo vem à superfície.

Com estas eleições ficámos a saber, por exemplo, que nem sempre quem tem mais votos é quem ganha e que o grande derrotado, o Costa, é afinal o responsável pela formação do próximo governo.

Tudo isto graças à coerência histórica de Jerónimo de Sousa.

Depois de ter, mais uma vez, ganho as eleições, perdendo votos, mas ficando com mais um deputado (obrigado sr. Hondt!), Jerónimo estudou a História do Partido e recordou o exemplo de Cunhal, que mandou os seus militantes engolirem um sapo e votarem em Soares, para derrotar Freitas (não era preciso o esforço… agora, Freitas vota no Soares…) – e Jerónimo anunciou que viabilizaria um governo do PS!

Que grande mudança!

Mas a mudança não se ficou por aqui: o candidato do PCP às presidenciais é Edgar Silva, que já foi padre!

Pecou mas foi perdoado!

Outra curiosidade das eleições legislativas foi, sem dúvida, a estrondosa vitória do Partido das Pessoas, Animais e Natureza, que conseguiu um deputado.

copos menstruaisLi hoje no Expresso que, entre as várias propostas do PAN, há duas que se destacam: a da construção de pombais contraceptivos e a de distribuir copos menstruais.

Não há dúvida que são dois assuntos cadentes na nossa sociedade e que é urgente legislar sobre eles.

Reconheço que tenho visto muitos pombos preocupados com a contracepção e falado com muitas mulheres que exprimem a necessidade de apoio do Estado para a despesa que têm com os copos menstruais.

Aguardo, com ansiedade, a criação do PFP, o Partido das Fraldas de Pano.

O sexto homem e outras cenas

Saturday, October 4th, 2014

Não se passa nada.

Neste país em que os ministros pedem desculpa e continuam tranquilamente a ocupar os seus lugares, não se passa nada.

No PS, o Seguro deu à Costa.

Levou uma abada de 70 a 30%, meteu-se no carro com a família e nunca mais apareceu no emprego.

Mas Costa tem as costas largas e já arranjou cargos para alguns dos apoiantes de Seguro.

O PS é uma grande família feliz, só lhe falta o arroz chow chow.

Por outro lado, o Bloco está a desbloquear-se.

Aos poucos vai-se desfazendo em pequenos bloquinhos.

Quanto àquele advogado que é dois, Marinho & Pinto, parece que vai fundar um novo Partido amanhã, para comemorar o 5 de Outubro, enterrando o da Terra.

Eleito para o Parlamento Europeu, quer é as legislativas ou até ser Presidente, Dono Disto Tudo!

Por falar em DDT, o ex-presidente do BES, Salgado, apimentou esta semana com a revelação de cenas que se passaram em reuniões do Grupo Espírito Santo.

Segundo revela o i, a empresa que vendeu os submarinos a Portugal, untou a família Espírito Santo e não só.

Foram 30 milhões ao todo, mas 10 milhões ficaram nas mãos dos advogados.

Dos restantes 20 milhões, 5 milhões ficaram com a família ES (um milhão por cada um dos cinco ramos) e os restantes 15 foram repartidos pelos três administradores alemães e por uma sexta pessoa.

Claro que toda a gente quer saber quem é esta sexta pessoa que não é o Paulo Portas.

Nem pode ser o Portas porque a Comissão de Inquérito do Parlamento já chegou à conclusão de que não houve nada de ilegal na compra de material de guerra, incluindo os submarinos.

A relatora da Comissão, Mónica Ferro, apresentou-se aos jornalistas com um calhamaço de mais de 400 páginas e garantiu que nenhum membro do governo se abotoou com nenhuma gorjeta nesta história toda.

A Mónica é de Ferro!

Sobre isto, Portas nada diz.

Anda ocupado a pensar como há-de convencer Passos Coelho a descer o IRS, mas Passos tem andado ocupado a procurar os recibos do ordenado que não recebia quando não trabalhava para a Tecnoforma, no tempo em que não estava em exclusividade no Parlamento.

Enfim, em Portugal não se passa mesmo nada!

Gosto muito das campanhas eleitorais

Sunday, May 18th, 2014

Eu gosto muito das campanhas eleitorais.

É graças a elas que vemos como os políticos afagam criancinhas, beijam peixeiras, deambulam por mercados e feiras, distribuem canetas e bonés, conversam com senhoras à janela, acenam, cumprimentam e abraçam.

Se não fosse a actual campanha eleitoral, ficaríamos sem conhecer aquele simpático senhor do Partido da Vida que, se for eleito para Bruxelas, quer realizar um novo referendo sobre o aborto em Portugal, ou o outro senhor, não menos simpático, do Partido dos Animais, que andou a distribuir sementes biológicas na Feira da Ladra.

E foi também a campanha que nos mostrou Marinho Pinto, como candidato do Movimento Partido da Terra, a perorar contra a política-espectáculo e a meter-se, depois num side-car, a caminho de Sintra. Espectáculo!

E o candidato do MRPP e o seu chefe, Garcia Pereira, que querem sair do euro quando, basta olhar para a cara e para o penteado deles, para perceber que nunca entraram no euro e que continuam a pagar as despesas em escudos!

Aquele rapazinho alto que se está a tornar no humorista oficial do regime, o Ricardo Araújo Pereira, também parece gostar de campanhas eleitorais e decidiu entrar nesta, apoiando o Partido Livre. Humor puro!…

Jerónimo de Sousa, por seu lado, explicou muito bem, ontem, quem é que a CDU quer nas suas fileiras. Referindo-se ao secretário de Estado Carlos Moedas, chamou-lhe “fraca figura”, mostrando que, na CDU, só os verdadeiros machos, ombros largos, patilhas grossas, têm direito a entrar. Vais longe, Jerónimo!

O Bloco escolheu a palavra de ordem “De pé!” (ó vítimas da fome?), mas a Marisa está rouca e as vítimas não ouvem…

O PS balança entre Seguro e Sócrates, com um Assis muito suado e um Capucho envergonhado… e o Soares nem foi convidado…

O PSD tem um Rangel que já foi de peso mas que, agora, 40 kg a menos, usa suspensórios e quase caiu da bicicleta abaixo, lá para os lados de Aveiro, com o Nuno Melo sempre atrás, armado em Clooney barato, beijando viúvas velhas e casadas obesas.

E a Carmelinda Pereira?…

A Carmelinda Pereira é bem o símbolo destas eleições, nas escadas do Parlamento, com dois ou três apaniguados, afirmando que quer ser eleita para sair da União Europeia.

Se a Carmelinda nunca para lá entrou por que se dá ao trabalho de lutar para de lá sair?

É por estas e por outras que cada vez gosto mais das campanhas eleitorais…

MAS… mas o quê?!

Saturday, March 8th, 2014

Título do Público:

«MAS acredita numa coligação às europeias que ambicione referendo ao euro»

Esclareço: MAS é o Movimento Alternativa Socialista, liderado por Gil Garcia, ex-lider da extinta Frente de Esquerda Revolucionária, que fazia parte do Bloco de Esquerda.

Confusos?

Ainda bem.

A notícia continua com um subtítulo:

«Partido não vai apoiar candidatos do PCP ou BE ao PE. Mas não descarta uma coligação, nomeadamente com o MRPP»

Nesse caso, as eleições estão no papo!…