Sãozinha, estuda os dossiers!

February 14th, 2019

Os factos são estes:

A ADSE contratualizou com os privados uma determinada maneira de pagar os cuidados de saúde.

Exemplo: uma prótese da anca custa, no Hospital da Luz, 100, na Cruz Vermelha, 150 e, nos Lusíadas, 250. A ADSE só paga uma média destes preços.

Acontece que os prestadores privados, com contrato com a ADSE, estavam habituados a sobrefacturar determinados cuidados de saúde, para compensar outros cuidados que eles achavam estar muito baratos, nomeadamente, as consultas, que não chegam aos 5 euros cada.

Só que os contratos dizem, explicitamente, que a ADSE só paga uma média do cobrado pelos vários prestadores e que, ao fim do ano, os privados terão que devolver dinheiro, se tiverem sobrefacturado.

É o que está a acontecer agora: a ADSE exige a devolução de 38 milhões de euros que terão sido cobrados a mais pelos diversos hospitais privados.

Claro que os privados, em resposta, ameaçam denunciar o contrato com a ADSE.

Perante isto, a candidata a primeira-ministra, Assunção Cristas, veio logo dizer que a culpa era do Governo, porque não paga atempadamente aos privados.

Disse a Sãozinha:

“Neste momento o que nós sabemos é que há um conjunto de situações graves que se vêm arrastando, de o Estado não pagar aos prestadores de serviços que têm acordo com a própria ADSE, e portanto, lamentamos mas entendemos que o Governo também nesta área tem estado particularmente mal e está a destruir a saúde dos portugueses”, referiu.

Ora, não é nada disto que está em causa e a Cristas, se quer vir a ser primeira-ministra, nem que seja daqui a 30 anos, tem que estudar os dossiers – não pode limitar-se a dizer, como aquele mexicano anarquista – “se hay gobierno, soy contra!”

No entanto – e apesar de só continuar a representar menos de 7% do eleitorado – a Sãozinha continua a ter lugar em todos os telejornais, dando opiniões sobre tudo e mais alguma coisa, sem que ninguém a questione.

Neste caso particular da ADSE, é óbvio que os jornalistas também não estavam informado sobre o verdadeiro cerne do conflito e, por conseguinte, ninguém disse à líder do CDS-PP que, no que respeita à ADSE, não se trata do não pagamento por parte da entidade estatal, mas sim, pelo contrário, pelo não cumprimento do contrato por parte dos privados.

Acresce que, desde há alguns anos, a ADSE é autónoma financeiramente, sendo paga pelos funcionários do Estado e que, portanto, o Governo tem pouco a ver com isso.

Mas, enfim, a Cristas só quer vir a ser primeira-ministra – o resto é música.

Sacra…

 

Nacionalismo? Não, obrigado

February 8th, 2019

Na página 140 do livro de Yuval Noah Harari, “21 Lições para o Século XXI”, pode ler-se:

“Consequentemente, durante a Guerra Fria o nacionalismo ficou em segundo plano face a uma abordagem mais global à política internacional, e quando a Guerra Fria acabou, a globalização pareceu ser a onda irresistível do futuro. Esperava-se que a Humanidade deixasse as políticas nacionalistas completamente para trás, transformando-se elas numa relíquia de tempos mais primitivos que podiam seduzir, no máximo, os habitantes mal-informados de alguns países subdesenvolvidos. Todavia, os acontecimentos dos últimos anos mostraram que o nacionalismo ainda exerce uma atração poderosa sobre os cidadãos da Europa e dos EUA, já para não falar da Rússia, da Índia e da China.”

Mas afinal, o que é que eu tenho em comum com o Gaspar Andorinha, que vive em Mirandela, que não tenha com o Jeremy Smith, que vive em Bristol?

O que faz de mim português, em oposição a cidadão da Europa?

Como diz o historiador Harari, eu tenho gostos e preferências comuns com meia-dúzia de pessoas; talvez me consiga integrar numa pequena comunidade, uma família, talvez uma tribo – nunca uma nação.

Portanto, seria mais fácil admitir que faço parte de um Planeta global, com todas as diferenças permitidas e respeitadas.

Mas eis que, agora, querem regressar aos nacionalismos, ao orgulho da ser húngaro, ou polaco, ou italiano, por oposição a ser europeu, ou cidadão do mundo. Do mesmo modo, estamos a criar pequenos grupos, e pertencemos, com orgulho, aos coletes amarelos, aos motards, aos guardas prisionais, aos enfermeiros, aos professores, etc. E estes grupos têm interesses em comum que, aparentemente, são contrários aos dos restantes grupos, ou independentes deles.

Pode parecer exagerado comparar interesses de pequenos grupos profissionais com interesses nacionais, mas o espírito é o mesmo. Não podemos pensar num país isoladamente, assim como não podemos pensar numa classe profissional separada das restantes.

Vem tudo isto a propósito da recente celeuma entre Itália e França – que já não se via desde a 2ª Guerra Mundial -, e da recente requisição civil dos enfermeiros, após uma greve prolongada.

Assim como a Itália não pode pensar no problema dos imigrantes que vêm de África sem a ajuda da França e dos restantes países da Europa, também os enfermeiros não podem tentar resolver as suas reivindicações, ignorando que estão integrados num Serviço Nacional de Saúde, que integra muitos outros profissionais.

RIR, CHEGA e PORRA!

February 5th, 2019

A parvoíce não tem limites.

Não bastava o CHEGA, daquele senhor que era do PSD, mas que decidiu fundar um Partido só para ele, agora apareceu o RIR.

André Ventura fundou o CHEGA e Tino de Rans decidiu fundar o RIR.

É para rir?

Não, é para chorar.

CHEGA não é um acrónimo, é assim mesmo, CHEGA. Podia ser BASTA ou LIVRA ou SAFA, que ia dar ao mesmo.

Mas RIR é uma sigla de Reagir, Incluir e Reciclar.

Afinal, é mesmo para rir…

Os membros deste Partido querem reagir (a quê?…), incluir (o quê?…) e, como não se lembraram de mais nada começado por “erre”, querem também reciclar.

Podiam querer reaprender, racionalizar, rentabilizar, roçar, rapar ou ripar – mas reciclar é mais bonito e liga muito bem com incluir e com reagir.

Agora só falta alguém criar o Povo Organizado Reage Rapidamente a Aventesmas – o PORRA!

Arranje uma doença e ganhe um carro!

February 5th, 2019

Recebi um mail do Hospital da Luz que me deixou de boca aberta.

Diz o mail:

Parabéns por já fazer parte da
comunidade digital Hospital da Luz!
Por ter aderido ao nosso Portal do Cliente, ganhou um código digital que o habilita a ganhar este carro e + de 5000 prémios!

Esclareço que, há alguns meses, fiz alguns exames no Hospital da Luz, através da ADSE e, portanto, aderi ao tal Portal do Cliente para poder receber o resultado dos exames na aplicação do telemóvel.

E agora, eis que me informam que posso ganhar um VW T-Roc!

E quem não for cliente do Hospital da Luz, isto é, quem for saudável e não precisar dos serviços do Hospital?

Bom, essa infeliz pessoa terá que arranjar uma hipertensão, ou uma dor abdominal ou uma hemorragia, mesmo que pequenina, para poder aderir ao Portal do Cliente e habilitar-se ao automóvel e a mais de 5 mil prémios!

É esta uma das grandes vantagens dos Privados, em relação ao Serviço Nacional de Saúde.

Enquanto no SNS falta tudo, de medicamentos a anestesistas, para já não falar nas greves dos enfermeiros, nos hospitais privados até podemos ganhar um carro!

É caso para dizer: vale a pena estar doente!

Somos todos ladrões

February 2nd, 2019

Espantados com os créditos da Caixa Geral e Depósitos?

Por que raio, se todos os portugueses tentam, sempre que possível, fugir aos impostos, arranjar um amigo que lhe facilite qualquer coisa, desviar umas coisas lá do escritório, uma resma de papel, um agrafador que está a mais, ou uns detergentes e uns rolos de papel higiénico, e por que não uns comprimidos de omeprazol ou de paracetamol lá do hospital onde se trabalha, e quem não prefere um bate-chapa que não cobra iva, ou a cabeleireira, o barbeiro, a depiladora, a moça das unhas de gel – porque “eles” roubam tudo, “eles” querem é o tacho, então a vizinha não vê aqueles tipos da Caixa, que emprestaram dinheiro sem garantias e, agora, nós, é que temos que pagar?…

Mas, depois, a inspeção descobre que os bombeiros facturaram o triplo das refeições, enquanto andavam a apagar fogos, que aqueles oficiais da Força Aérea sacavam umas coroas valentes nas cantinas com sobre-facturação, que alguns professores da Universidade de Trás-os-Montes, metiam ao bolso parte das propinas dos estudantes brasileiros.

Tudo alegadamente, claro.

Os nossos banqueiros e políticos não passam da emanação da nossa sociedade do arranjinho, da cunha, do jeitinho.

Enquanto continuar a vigorar a dicotomia entre “nós” e “eles”, em que “eles” são os corruptos e “nós” somos os tipos que, para os lixar a “eles”, fazemos tal e qual como “eles”, talvez em menor escala, mas tal e qual como “eles” – enquanto continuarmos a achar que o Estado são “eles” e “nós” somos…bem, somos “nós”, não temos nada a ver com “eles” – enquanto isso durar, nada vai mudar.

Vendam a cocaína!

February 1st, 2019

As autoridades conseguiram interceptar um navio, ao largo dos Açores, que levava, a bordo, cocaína equivalente a cerca de 100 milhões de euros.

Se fosse devidamente cortada com bicarbonato, farinha Maizena ou gesso, talvez desse para doses que, vendidas no mercado negro, isento de IVA, valessem quase 200 milhões.

Ficava o problema dos enfermeiros resolvido.

Os enfermeiros continuam a exigir, entre outras coisas, um aumento salarial de 400 euros. Coisa pouca.

Diz a ministra Temido que esse aumento, assim, de repente, para todos os enfermeiros no início da carreira, equivale a cerca de 220 milhões.

Como o governo não cede, os enfermeiros decidem fazer nova greve às cirurgias.

Reivindicações justas, certamente.

Pena que não tenham sido feitas há mais tempo, quando o ministro era o actual Chefe da Caixa Geral de Depósitos…

Mas enfim… os enfermeiros acham que, atirando com milhares de utentes que aguardam cirurgias para as listas de espera, estão a lixar o governo, e que este, temendo perder as eleições, lhes vai dar tudo o que exigem.

Entretanto, como diz o povo, quem se lixa, é o mexilhão…

Será ético manter uma greve destas?

Eu acho que não – mas isso sou eu, que sempre defendi o SNS, ao longo de 40 anos de carreira…

Mas, já agora, que a ética parece ter pouco a ver com as lutas sindicais, por que não vender as toneladas de coca apreendidas e, com o lucro, dar o aumento que os enfermeiros exigem?

Assim como assim…

Marcelo ficou com “uma grande vontade”

January 27th, 2019

Há muito tempo que está na cara que Marcelo Rebelo de Sousa se vai recandidatar à Presidência da República.

No entanto, sempre que era questionado sobre a possibilidade de um segundo mandato, Marcelo esquivava-se e dizia que só lá para 2020 decidiria.

Balelas, claro.

Agora, durante mais uma das suas visitas de Estado, desta vez ao Panamá, Marcelo confessou que ficou com “uma grande vontade” de se recandidatar.

E o que fez Marcelo mudar de opinião e antecipar a sua decisão?…

Terá sido o facto de ter sentido que os eleitores estão satisfeitos com a sua actuação como Presidente, que sentem que ele tem ajudado à estabilidade política, que gostam desta dita “presidência dos afectos”, que valorizam as suas intervenções equilibradas?

Nada disso.

Marcelo ficou com uma “enorme vontade” de se recandidatar ao confirmar que o Papa Francisco tinha decidido que as próximas Jornadas Mundiais da Juventude, em 2022, serão em Lisboa.

Ora bolas, Marcelo – até parece que foste eleito Presidente do Vaticano, pá!…

Notas soltas – 1. Os urinóis públicos

January 24th, 2019

No romance de Mário Vargas Llosa, “Os Cadernos de Dom Rigoberto” (1997), o personagem principal nunca lava as mãos depois de urinar – sempre antes! ele acha que tem a pila muito mais limpa que as mãos!

Estou de acordo com Dom Rigoberto: a minha pila está muito mais limpa que as minhas mãos quando vou urinar a um urinol público. Enquanto a minha pila, muito bem lavadinha logo pela manhã, se mantém impoluta, as minhas mãos já roçaram corrimões, já apertaram outras mãos, já afagaram o volante do carro e o cinto de segurança e outros múltiplos objectos – de certeza que as minhas mãos estão muito mais sujas que a minha pila.

Portanto, quando vou urinar, devo lavar as mãos primeiro.

Depois de urinar, lavar as mãos é opcional – a menos que tenha mijado para elas, inadvertidamente…

Os urinóis públicos são o cúmulo da democratização sexual entre homens.

Que outro local existe em que dois ou três – ou mais! – homens expõem as suas pilas uns aos outros, exibindo jactos e abanões, mostrando os que são mais rápidos a iniciar a micção, os que conseguem mijar mais alto, os que abanam sem torcer?

Enquanto, na porta em frente, as mulheres têm uma sanita para cada uma, onde podem fazer xi-xi e dar puns no recato, os homens têm que se peidar em comunidade, enquanto apontam para o urinol – os que conseguem.

Nos urinóis, há sempre um olheiro, como nos campos de futebol da província, à procura de um novo talento; e há quem fique agarrado à pila, horas a fio, à espera que, no urinol contíguo, surja uma nova esperança do futebol, perdão, da mija, que consiga lançar o jacto no infinito e mais além!…

Depois, há os inibidos que, incapazes de mijar em grupo, procuram as sanitas e, depois de as ocuparem mais do que é socialmente aceitável, ouvem pancadas na porta, provenientes dos que estão à rasca para cagar.

Voltando ao Dom Rigoberto e àqueles que têm sempre que lavar as mãos depois de mijar…

Essa malta deve ter as pilas muitos sujas!…

Depois de fazerem xi-xi, lavam as mãos como se não houvesse amanhã e secam-nas, demoradamente, no secador eléctrico, com aquele ruído de avião.

Parece-me que estes tipos não devem lavar as mãos em casa deles há semanas, tal o denodo que colocam na operação, lavando cada um dos dedos como manda a Direcção Geral da Saúde, depois as palmas e a seguir as costas, ou vice-versa…

Há quanto tempo não lavarão eles as suas pilas?…

“The Oldman and the Gun”, de David Lowery (2018)

January 14th, 2019

O filme conta-nos a história de Forrest Tucker (Robert Redford, 82 anos), um crónico assaltante de bancos que, apesar da idade avançada, continua a sua actividade criminosa, com a ajuda de dois cúmplices: Teddy (Dany Glover, 72 anos) e Waller (Tom Waits, 69 anos).

Baseado numa história verídica, é um filme tranquilo, de acordo com a idade dos actores.

Robert Redford compõe um excelente Tucker, um assaltante bem educado, que nunca levanta a voz, nunca usa a arma que traz consigo e tem sempre um cumprimento e um sorriso para os gerentes dos bancos que assalta.

Tom Waits tem um papel curto, mas conta uma história digna dele próprio.

Sissi Spacek (69 anos) é Jewel, uma viúva que acolhe Tucker durante algum tempo e Casey Affleck (o mais novo deles todos), é o polícia que devia prender o assaltante, mas que, no fundo, o admira.

Bom filme.

“Sapiens – História Breve da Humanidade, de Yuval Noah Harari (2013)

January 13th, 2019

Harari (Haifa, Israel, 1976) é um professor de História que se tornou conhecido mundialmente com este calhamaço de 500 páginas em que descreve a História da Humanidade.

O Homo sapiens começa por ser um animal insignificante e, depois da revolução cognitiva, da revolução agrícola e da revolução científica, transforma-se numa espéice de um deus, capaz de acabar consigo próprio.

De um modo muito claro, Harari vai-nos mostrando como essa evolução foi possível.

Na impossibilidade de transcrever todo o livro, deixo aqui, apenas, algumas passagens:

“A grande maioria da comunicação humana é composta por mexericos. (…) Acha que os professores de História falam sobre os motivos subjacentes à Primeira Guerra Mundial quando se encontram para almoçar, ou que os físicos nucleares aproveitam as pausas para café das conferências científicas para falarem de quarks? Por vezes. Mas o mais comum é coscovilahrem sobre a professora que apanhou o marido com outra, ou o propósito da altercação entre o chefe do departamento e o reitor, ou acerca dos rumores de que um colega usou os fundos de uma investigação para comprar um Lexus. Por norma, os mexericos centram-se nas infrações. Os divulgadores de rumores são o «quarto Estado» original: jornalistas que informam a sociedade e, assim, nos protegem de trapaceiros e parasitas”. (pag 37)

“De todas as actividades humanas colectivas, a mais difícil de organizar é a violência. Dizer que uma ordem social é mantida pela força militar suscita, de imediato, a questão: o que mantém a ordem militar? É impossível organizar um exército apenas pela coerção. Pelo menos, alguns dos comandantes e dos soldados têm de acreditar verdadeiramente nalguma coisa, seja em Deus, na honra, na pátria, na virilidade ou no dinheiro.” (pag 138)

“Tal como duas notas musicais opostas tocadas em conjunto fazem desenvolver uma melodia, também a discórdia nos nossos pensamentos, ideias e valores nos obriga a pensar, a reavaliar e a criticar. A coerência é apanágio das mentes obtusas”. (pag 200)

“A 23 de agosto de 1572, os católicos franceses, que realçavam a importância das boas acções, atacaram comunidades de porotestantes franceses que enalteciam o amor de Deus pela humanidade. Neste ataque, o dia do massacre de São Bartolomeu, foram chacinados entre 5000 e 10000 protestantes em menos de 24 horas. Quando o Papa, em Roma, soube o que tinha acontecido em França, ficou de tal forma feliz, que organizou orações festivas para celebrar a ocasião e contratou Giorgio Vasari para decorar uma das salas do Vaticano com um fresco do massacre (a sala está hoje encerrada aos visitantes). Foram mortos mais cristãos por outros cristãos nessas 24 horas do que pelo Império Romano politeísta durante toda a sua existência”. (pag 255)

“Os nossos primos chimpazés raramente se lavam e nunca mudam de roupa. Também não nos sentimos enojados pelos facto dos nossos cães e gatos domésticos não tomarem banho nem mudarem de pelagem, todos os dias. Fazemos-lhes festas, abraçamo-los e beijamo-los constantemente. Muitas vezes, as crianças pequenas das sociedades ricas não gostam de tomar banho e são necessários anos de educação e disciplina parental para adoptarem este hábito supostamente atraente. É tudo uma questão de expectativas.” (pag 448)

Vale a pena ler.

Edição Elsinore, tradução de Rita Carvalho e Guerra