Fantasia e Capricho – Orquestra Sinfónica Metropolitana

December 10th, 2018

Rimsky-Korsakov (Rússia, 1844-1908) escreveu o Capricho Espanhol, uma suite para orquestra em 5 andamentos, em 1887.

Manuel de Falla (Espanha, 1876-Argentina, 1946), compôs Noites nos Jardins de Espanha, para piano e orquestra, em 1915.

Stravinsky (Rússia, 1882, New York,USA, 1971), compôs a música para o bailado Petrushka, originalmente protagonizado por Nijinski e coreografado por Diaguilev, em 1911.

Fomos assistir, ontem, à interpretação impecável destas três obras pela Orquestra Sinfónica Metropolitana, no CCB.

A direcção coube a Pedro Amaral e, ao piano, esteve António Rosado.

Cinco estrelas.

Provérbios politicamente incorrectos

December 9th, 2018

A PETA (não, não quer dizer aldrabice, quer dizer People for the Ethical Treatment of Animals), propõe alterar os provérbios, de modo a que a dignidade dos animais seja respeitada.

Suspeito que não tolerem coisas como “it’s raining cats and dogs” – e proponham que a frase seja mudada para “it´s raining like pitchers” (adaptação livre do nosso “está a chover a cântaros”).

O PAN (People And Nature, perdão, Pessoas, Animais e Natureza), decidiu seguir o exemplo do PETA e propõe que se alterem provérbios mais antigos que o cagar de cócoras.

Propõe, por exemplo, que “pegar o touro pelos cornos” se transforme em “pegar uma flor pelos espinhos” (os vegetarianos não estarão de acordo…).

Propõe, também, que “matar dois coelhos com uma só cajadada”, passe a ser “pregar dois pregos de uma só martelada (os carpinteiros, serralheiros e ofícios correlativos, irão protestar…).

E propõe, ainda, que “mais vale um pássaro na mão do que dois a voar”, passe a ser “mais vale dois pássaros a voar do que um na mão” (o que vai contra o negócio de todas as tabernas que ainda continuam a oferecer passarinhos fritos nas suas ementas).

Estou em desacordo.

Os provérbios são, por natureza, politicamente incorrectos.

Por exemplo: “quanto mais se baixa, mais se vê o cu”, é incorrecto por várias razões – porque só se aplica a quem usa saias (mulheres e escoceses) e porque não há mal nenhum em se ver o cu, desde que seja dos que merecem ser vistos; por outras palavras, depende do cu.

Em geral, os provérbios são exagerados, não têm correspondência na realidade, são absurdos e valem tanto como frases feitas, como “isto cada vez está pior”, que se aplica mesmo quando tudo está, de facto, melhor.

Por exemplo: “grão a grão, enche a galinha o papo” já não faz sentido, desde a introdução das rações multivitaminadas na alimentação do galináceos.

“Dá Deus nozes a quem não tem dentes” é absurdo. Nem Deus dá nada a ninguém (muito menos nozes), nem os desdentados pedem nozes, o que pedem é saúde oral no Serviço Nacional de Saúde, de preferência, gratuita.

Resumindo: os provérbios estão desactualizados, não são para levar a sério e não vale a pena modificá-los, para bem dos animais.

De qualquer modo, não fazia mal nenhum alterar alguns deles.

Proponho os seguintes provérbios de animais, actualizados:

– Mais vale um pássaro na mão que bois a voar, coitadinhos

– A cavalo de lado não se olha de frente, porque parece mal

– Cão que ladra também morde, mas não faz de propósito

– A galinha da vizinha é mais bonita que a minha, mas eu gosto de ambas

“Mártir”, pela Companhia de Teatro de Almada

December 8th, 2018

O texto (muito bom), é de Marius von Mayenburg (n. Munique, 1972), um autor, tradutor e encenador alemão, da companhia berlinense Schaubuhne, que tem tido uma carreira muito elogiada.

A encenação (muito boa), é de Rodrigo Francisco, actual director artístico da Companhia de Teatro de Almada e do Festival de Almada.

A interpretação cabe a um grupo de actores todos muito bons, com destaque para Vicente Wallenstein, Benjamin, o protagonista, um jovem adolescente às voltas com os diversos problemas da puberdade e que encontra na Bíblia (que interpreta à letra) a resposta para tudo.

À sua volta gravita uma mãe desorientada (Tânia Guerreiro), um professor de natação que se está nas tintas (Pedro Walter), uma professora de Biologia que tenta compreendê-lo mas acaba por entrar em guerra aberta com ele (Inês de Castro), um padre (André Albuquerque), o director da escola (João Cabral), uma aluna e colega (Ana Cris), e um aluno com uma deficiência numa perna (Ivo Marçal).

Durante hora e meia assistimos à radicalização de Benjamim, que cita versículos da Bíblia a propósito de tudo, da identidade sexual (abominando os homossexuais), da identidade de género (menosprezando as mulheres), da família, da violência, da guerra…

E por causa das suas atitudes, vemos a desorientação da mãe, divorciada, e que não percebe nada do que se está a passar com o filho; as discussões entre o director da escola, que quer evitar conflitos, não assumindo uma posição definida, mas acabando por entrar em guerra com a professora de Biologia; esta, por sua vez, ao tentar compreender o que se passa com Benjamim, entra em conflito com o professor de natação, seu companheiro, e que se está nas tintas para tudo; uma aluna que tenta seduzir o rapaz; um aluno com deficiência, que é vítima de agressões constantes e humilhações e que procura, em Benjamim, mais do que um amigo; e um padre, que apesar de ser o representante de Deus, também não percebe nada do que se passa e tenta conquistar Benjamim para que ele cataquise outros.

Repito: excelente texto e superior representação!

Tradução de Manuela Nunes; Cenografias de José Manuel Castanheira; Figurinos de Ana Paula Rocha; Desenho de Luz de Guilherme Frazão e mais uma extensa equipa de colaboradores.

O Aníbal dos funerais

December 6th, 2018

Marcelo Rebelo de Sousa veio distender o ambiente nacional.

Enquanto ele estiver em Belém, estaremos a salvo de populistas idiotas.

O homem comenta todos os acontecimentos, tem uma opinião sobre tudo e mais alguma coisa, quase sempre uma opinião razoável e com bom senso.

O expoente do seu bom senso revelou-se recentemente, numa decisão que passou quase despercebida: indicou o nome de Aníbal Cavaco Silva para representar Portugal no funeral do antigo presidente norte-americano George Bush.

Quem melhor que Cavaco para nos representar num funeral?

Com aquela rosto triste e fechado, com aquele ar desgraçado de quem recebe uma pensão que não dá para as despesas, com aquela verdadeira cara de cu à paisana, Cavaco está bem em funerais.

Obrigado Marcelo!

“A Bastarda de Istambul”, de Elif Shafak (2007)

December 5th, 2018

Elif Shafak (Estraburgo, 1971) é uma escritora turca que escreve em inglês e colabora com jornais como o Guardian, o New York Times ou o Independent.

Este romance, publicado, em primeiro lugar, na Turquia e só um ano depois em Inglaterra, causou alguma polémica e a autora foi levada a tribunal, acusada de “denegrir a identidade turca”.

A razão para esta acusação, que acabou por não ser provada, reside na essência deste romance: as relações entre turcos e arménios, tendo como pano de fundo o genocídio dos arménios, sempre negado pelos turcos.

No entanto, a história principal do livro é a de Asya, uma bastarda, filha de pai incógnito – embora acabemos por saber quem foi o pai nas últimas páginas.

A mãe de Asya, Zeliha, é uma jovem habitante de Istambul que gosta de provocar, usando mini-saias escandalosamente curtas, piercings e tatuagens.

Asya e a mãe vivem numa casa só de mulheres, com as três irmãs de Zeliha e a avó materna.

Cada uma das tias tem as suas particularidades e a sua história e todas elas se cruzam com as histórias de arménios.

Os 18 capítulos têm, como títulos, ingredientes das várias refeições tipicamente turcas que vão sendo referidas na história, começando com “canela”, continuando com “cascas de laranja”, “figos secos”… e acabando com “cianeto de potássio”.

Um livro curioso e que vale a pena ler.

Edição Jacarandá, com tradução de Maria João Freire de Andrade.

White Album – 50 anos!

November 22nd, 2018

Faz hoje 50 anos que foi editado aquele que é, na minha opinião, o melhor álbum dos Beatles – o famoso duplo Álbum Branco.

50 anos!

Sem comentários…

Comprei-o no ano seguinte, no dia 27 de Fevereiro de 1969 (faltava menos de um mês para completar 16 anos!…) – sei a exacta data porque, naquela altura (e ainda hoje…), tinha a mania de numerar e datar as coisas que comprava.

O White Album foi o primeiro LP que comprei com o meu dinheiro, com as moedinhas que fui poupando, andando à pendura no eléctrico do Arco do Cego até Benfica, ou andando a pé entre as chamadas paragens zona, de modo a comprar bilhetes mais baratos.

Comprei este duplo LP numa loja de discos (uma discoteca…), na Praça de Londres, um pouco acima do Café Mexicana (já não deve existir hoje em dia…).

O álbum estava numerado e, a mim, calhou-me o nº 510204.

É um disco do caraças!

Tens lá tudo, desde rock da pesada (Helter Skelter) a música country (Don’t Pass Me By), desde baladas (Julia) a experiências (Revolution 9), rock puro (Back in the USSR) e pop vulgar (Ob-La-Di, Ob-La-Da), grandes canções (While Guitar Gently Weeps, Mother Nature’s Son, Long, Long, Long) e algumas loucuras (Rocky Racoon, Yer Blues, Wild Honey Pie) e muitas coisas mais.

E posso acrescentar: todas as faixas valem a pena!

Para mim, continua a ser o melhor disco dos Beatles (seguido, de perto, pelo Abbey Road…).

Mas 50 anos, caramba!…

Nota: as fotos abaixo contém alguns acrescentos… o álbum era mesmo completamente branco…

 

 

 

 

Silvano é um bacano!

November 9th, 2018

O secretário geral do PSD chama-se José Silvano.

Tem estado nas bocas do mundo porque a sua assinatura aparece nas sessões do Parlamento, enquanto o senhor está noutro lado qualquer.

Parece que cada deputado tem uma password e que ele teria que ceder a sua a outra pessoa para a sua presença ficar efectivada, mas ele garantiu que não cedeu a password a ninguém e não pediu a ninguém que assinasse por ele.

Mistério!

Hoje, apareceu uma senhora deputada do PSD, chamada Emília Cerqueira, a dizer que foi ela que marcou a presença por Silvano.

Garante que foi por sua livre iniciativa – embora se saiba que é essencial a tal password.

Pergunta-se: Silvano cedeu a password a Emília de livre vontade ou terá sido coagido?

Não estaremos em presença de uma coacção de tipo sexual, do género #metoo, mas de sexo oposto?

É que – reparem bem no Silvano… é um pedaço de homem, caramba!

Será que Emília está embeiçada?…

Ai Rui Rio, que estás a braços com um escândalo digno de Hollywood!…

 

O Coiso – há 19 anos na net

November 5th, 2018

O Coiso nasceu, em papel, nas oficinas do jornal República, em Maio de 1975 e durou 12 semanas. O director era o Ruy Lemus e, como colaboradores, tinha, entre outros, o Mário-Henrique Leiria, o Belo Marques, o Carlos Barradas, o José António Pinheiro e eu próprio.

Era um jornal humorístico, carregado de non-sense e que, embora abordasse, aqui e ali, a realidade política explosiva do momento, era, sobretudo, um veículo do humor “puro”, despegado, diria “surrealista”, ou não tivesse a grande influência do Mário-Henrique.

O chamado verão quente de 1975, com a invasão e posterior desaparecimento do República, ditou o fim de O Coiso.

Em novembro de 1999, decidi fazê-lo renascer, desta vez na net, e alimentei-o regularmente durante todos estes anos, embora, ultimamente, o tenha deixado um pouco ao abandono.

Penso que ainda é possível encontrar textos publicados no Coiso nos anos 1999 e seguintes, mas só consigo aceder, sistematicamente, a textos publicados a partir de 2003, aqui, no Velho Coiso.

E por que razão, nos últimos tempos, tenho deixado o Coiso ao abandono, publicando quase nada?

Ora, porque a realidade tem muito mais graça.

Que dizer, por exemplo, de termos um ex-primeiro-ministro que está acusado de receber subornos e de viver à grande e à francesa, graças a uns encostos que um amigo recebia em seu nome, sobretudo vindos de um banqueiro que conseguiu destruir o seu próprio Banco?

Que dizer de um membro destacado do PSD que está acusado de ter ido ao Brasil matar uma senhora idosa, só para lhe ficar com a herança?

E de um outro membro do PSD, que até fez parte do governo, e que está condenado a 14 anos de cadeia por ter destruído outro Banco?

E de ainda outro membro do PSD, ex-primeiro-ministro, que decidiu fundar um novo partido e que pretende, assim de repente, ter 30 deputados?

E que dizer – só para terminar, para não ser fastidioso – que dizer das armas que desapareceram de Tancos e que, depois, reapareceram, mas não todas, na Chamusca, fenómeno que está a provocar grande celeuma, não propriamente por causa do roubo, mas mais por causa do reaparecimento das armas?

Com tanto material surrealista para nos rirmos, nem me apetece escrever mais nada!

“A Mais Nova Profissão do Mundo”, de Alface (2006)

October 30th, 2018

Alface era o pseudónimo do escritor José Alfacinha da Silva, nascido em Montemor-o-Novo em 1949 e falecido, por AVC súbito, em 2007.

Este livrinho de contos estava esquecido numa das minhas prateleiras e desencantei-o há pouco tempo, quando fizemos uma grande limpeza na biblioteca.

Trata-se de um livro um pouco irregular, que junta contos muito bem esgalhados, como o de abertura, Pombinhos, e toda a série de textos curtos sob as designações Narrativas e Lugares, com outros textos menos conseguidos e alguns mesmo um pouco enfadonhos.

De qualquer modo, diverti-me bastante ao lê-lo.

“Um Artista do Mundo Flutuante”, de Kazuo Ishiguro (1986)

October 19th, 2018

Muito curioso este romance do Prémio Nobel de 2017.

Conhecido, sobretudo, pela obra Os Despojos do Dia, com a qual ganhou o Man Booker Prize de 1989, Kazuo Ishiguro (Nagasaki, Japão, 1954), conta-nos a história de um pintor profissional, especialista em pinturas do chamado mundo flutuante, o mundo das gueixas e dos locais de diversão nocturna, muito em voga no Japão de antes da 2ª Grande Guerra.

Ono é um pintor na reforma, viúvo e com duas filhas adultas; perdeu o filho na guerra e a mulher, num bombardeamento.

Antes da guerra, Ono era um defensor do Japão antigo, imperial, estanque às influências ocidentais. Foi com esse espírito que apoiou a entrada do país na guerra.

No entanto, com a derrota e rendição do Japão, Ono vê o seu país, as suas filhas, os seus genros e até o seu único neto, de 8 anos, cada vez mais adeptos de um novo país, virado para o exterior, adoptando, de certo modo, o american way of life, embora com algumas diferenças. Até o seu neto elege como heróis Popeye e outros personagens da banda desenhada norte-americana.

A filha mais nova está preste a casar-se mas Ono teme que o seu passado possa influenciar as negociações para o casamento – até porque o Japão pode estar a ocidentalizar-se, mas ainda continua com tiques do passado, nomeadamente no que respeita ao modo como os casamentos são negociados entre as famílias dos noivos, com recurso a detectives que pesquisam a existência de “podres” no passado das ditas famílias.

A acção do livro decorre entre 1948 e 1950 e a narrativa é comovente.

Vale a pena ler.