Adeus Zuckerberg!

August 17th, 2019

Estou farto do Facebook!

Duas pessoas conseguiram convencer-me que o Facebook é o inimigo infiltrado: o meu filho Pedro e o historiado Harari.

Sacar os nossos dados para melhor nos dominar, para influenciar atitudes, opiniões e votações. A vitória do “achismo” – toda a gente “acha” qualquer coisa em relação a tudo!

O Facebook é a nova cabeleireira da esquina, o lugar da fruta, o barbeiro, o taxista, o lugar onde se discute tudo, desde armas nucleares ao pé de atleta, desde a cura do cancro às virtude do aloé vera.

A Dona Celeste e o Sr. Jerónimo têm sempre algo a dizer sobre os incêndios, as greves dos motoristas, a falta de obstetras, o degelo e a proibição dos sacos de plástico. E, lá em cima, Zuckerberg e seus compinchas, recolhem os dados, submetem-nos aos devidos algoritmos e põem a Dona Celeste e o Sr. Jerónimo a votarem no Bolsonaro, ou no Trump, ou no Salvini, ou noutro qualquer aspirante a ditador que saiba manipular bem esta traquitana.

Volto às origens, onde comecei.

Foi em novembro de 1999 que O Coiso nasceu na net, com a ajuda de familiares; alguns anos depois, criei um blog de viagens no Sapo, com a ajuda de amigos.

O Facebook veio roubar esse espaço. Era mais fácil, comunicava com mais gente, era mais popular.

Mas não quero ser popular e não quero mais ajudar o Zuckerberg.

Portanto, a partir do dia 1 de Setembro, deixo o Facebook, acabando com a minha página pessoal e com as páginas Pessoas, O Tejo visto da minha janela, Abandonados e Como o Mundo é pequeno – todas estas páginas passam a ter um espaço no Sapo (as moradas estão aqui ao lado).

Bye bye Zuckerberg!

Que é feito dos jornalistas?

August 13th, 2019

A greve dos motoristas de matérias perigosas pôs a nu, mais uma vez, a falência de uma profissão que já foi das mais prestigiadas: o jornalismo.

Hoje, à hora do almoço, os primeiros 40 minutos do jornal da Sic foram todos ocupados por reportagens relacionadas com a greve e com a requisição civil decretada pelo governo. Os directos sucederam-se, de norte a sul do país, e a imagem era sempre a mesma: um repórter, de microfone na mão, com um posto de combustíveis por pano de fundo. Ficámos a saber como estavam os depósitos numa bomba de Albufeira, numa outra em Coimbra, no Porto, em Lisboa, em Castelo Branco e apareceu até uma repórter a anunciar que, em Trancoso, havia duas bombas quase secas!

Penso que os habitantes de Nelas, Ferreira do Alentejo, Venda das Raparigas e Freixo de Espada à Cinta devem ter ficado lixados por não falarem nas suas bombas de gasolina.

E que novidades, portanto, notícias, transmitiram todos estes excelsos jornalistas?

Nenhuma!

Tudo o que disseram já se se sabia desde ontem: os serviços mínimos não estavam a ser cumpridos na sua totalidade e o governo decretou uma requisição civil parcial.

O resto é reality show, é transformar um acontecimento numa telenovela. Sim, uma telenovela, porque foi dito que os grevistas têm provas de que os patrões querem subornar trabalhadores para furarem a greve, e que os patrões querem fritar o advogado porta-voz do sindicato, e que os polícias não querem conduzir os camiões, e ouvimos cidadãos apanhados pelos repórteres a darem a sua opinião, como se estivessem no Facebook ou nos famigerados fóruns, onde toda a gente dá palpites sobre tudo – e eu gostava de saber onde está o jornalismo?

Esta maneira de dar notícias demonstra a preguiça do jornalismo de hoje: em vez de procurar, investigar e, depois, editar a informação, põe-se o microfone em frente da malta que vai a passar e a notícia está dada.

Vergonhoso!

“A Visita do Brutamontes”, de Jennifer Egan (2010)

August 13th, 2019

Depois de ter lido A Praia de Manhattan, outro romance desta jovem escritora norte-americana, fiquei com curiosidade em ler este A Visita do Brutamontes, vencedor do Pulitzer de 2011.

Não me arrependi.

Este A Visit From the Goon Squad prende-nos do princípio ao fim e prima pela originalidade da escrita.

Egan muda de estilo ao longo do livro, mantendo, no entanto, uma uniformidade a toda a prova (há até um capítulo em forma de Power Point).

O brutamontes aqui é o tempo, que passa pelas pessoas e que tudo muda. As principais personagens do livro são Bennie Salazar, um músico punk que, com a idade deixa de tocar e passa a produtor discográfico, e Sasha, uma sua assistente, cleptomaníaca e que acaba por ser despedida.

Cada capítulo do livro conta-nos uma pequena história, de certo modo relacionada com aquelas duas personagens, embora elas próprias só surjam em três dos treze capítulos.

A acção do romance decorre em Nova Iorque, San Francisco, Nápoles e algures em África e aconselho vivamente a sua leitura.

“Máquinas Como Eu”, de Ian McEwan (2019)

July 31st, 2019

Ian McEwan é um dos escritores vivos que eu mais aprecio. Não me lembro de um único livro dele de que não tenha gostado e já ,li todos os que estão editados em Portugal, começando pelo Amesterdão.

Este Machines Like Me and People Like You veio cair como sopa no mel depois de ter lido os três livros do historiador Harari.

Todas as inquietações que o historiador israelita suscita, no que respeita ao nosso futuro próximo, com o desenvolvimento da inteligência artificial, a substituição dos humanos por robost mais inteligentes e eficazes, o desemprego que daí advém, a formação de legiões de humanos desempregados e ociosos – todas essas e outras inquietações estão espelhadas neste excelente romance.

McEwan consegue juntar ficção científica com realidade alternativa, uma história de amor, um crime e uma mentira, e criar uma obra que agarra do princípio ao fim.

O narrador é Charlie, um trintão apaixonado pela vizinha de cima, Miranda e que vive de investimentos e jogos de bolsa, trabalhando em casa. tendo recebido uma herança, por morte da mãe, decide gastá-la comprando um robot super-sofisticado, o Adão, que fora lançado no mercado há pouco tempo.

A história passa-se no tempo em que Margaret Tatcher era primeira-ministra, mas já existem carros autónomos, a robótica está muito avançada, o brilhante matemático Alan Turing, pioneiro da computação, que faleceu em 1954, está ainda vivo, bem como os quatro Beatles, que continuam a editar discos e a Argentina fascista, vende a guerra das Malvinas.

Charlie, Miranda e o robot vão acabar por formar um improvável triângulo amoroso.

Com estas linhas gerais, poderíamos estar perante uma história pateta, mas graças à mestria de McEwan, temos um romance muito interessante, que levanta muitas questões morais sobre o crime, a culpa, a honestidade, a mentira, o amor.

Cinco estrelas.

“Homo Deus”, de Yuval Noah Harari (2015)

July 18th, 2019

Faltava-nos este livro para acabar a trilogia deste historiador israelita – e talvez seja este o livro mais assustador dos três.

Escrevi notas sobre o Sapiens e sobre 21 Lições para o Século 21.

Harari tem uma visão muito bem definida da História do Homo Sapiens e, para ele, ninguém sabe o que vai acontecer daqui até a 2050, mas ele acredita que aquilo a que ele chama de Dataísmo será a nova religião – por outras palavras, quem detiver o maior número de informações (data), será o líder do Universo.

No limite, a espécie humana será secundarizada, como os cavalos o foram na época das máquinas a vapor.

Com uma visão muito nítida da História, Harari escreve de um modo muito convincente e claro.

Eis alguns exemplos:

“Actualmente, comer em excesso é, para a maioria dos países, um problema muito mais grave do que a fome. No século XVIII, Maria Antonieta terá supostamente aconselhado o povo que morria à fome a comer brioches, já que não tinha pão. Hoje, os pobres seguem esse conselho à letra. Enquanto os ricos de Beverly Hills comem alface e tofu cozinhado a vapor com quinoa, nos bairros desfavorecidos e nos guetos, os pobre devoram Twinkies, Cheetos, hamburgueres e pizzas. em 2014, mais de2,1 mil milhões de pessoas tinham excesso de peso enquanto 850 milhões estavam subnutridas. Em 2030 espera-se que metade da humanidade venha a sofrer de excesso de peso. Enquanto, em 2010, a fome e a subnutrição foram responsáveis em conjunto pela morte de um milhão de pessoas, a obesidade matou três milhões.” (pág. 16)

“John Watson, uma sumidade da psicologia infantil nos anos 20 do século passado, aconselhava vivamente os pais a «nunca abraçar ou beijar os filhos, nunca lhes dar colo. Se tiver de ser, dê-lhe um beijo de boas-noites na testa. De manhã, dê-lhes um aperto de mão.». A popular revista Infant Care afirmava que o segredo para criar os filhos era manter a disciplina e prover todas as necessidades materiais das crianças seguindo uma rotina diária inflexível. Um artigo de 1929 dizia aos pais o que fazer quando a criança chorava por comida antes da hora prevista: «Não a segure nem a embale para que ela pare de chorar, e dê-lhe a comida apenas quando for hora disso. Chorar não faz mal ao bebés, mesmo as mais pequenos»”. (pág. 105)

“Uma moderna família judaica que festeje um feriado religioso com um churrasco no quintal está muito mais perto do espírito dos tempos bíblicos do que uma família ortodoxa que passe o tempo a estudar as escrituras numa sinagoga.” (pág. 108)

“Ninguém se chateia com a teoria da relatividade porque esta não põe em causa nenhuma das nossas estimadas crenças. A maioria das pessoas não se preocupa minimamente em saber se o tempo e o espaço são relativos ou absolutos. Se há alguém que pensa que é possível dobrar tempo e espaço, então, faça favor. Força nisso. O que é que isso me interessa? Com Darwin é diferentre porque ele nor roubou as nossas almas. Quem compreende realmente a teoria da evolução, percebe que a alma não existe. Isso assusta não apenas os critãos e os muçulmanos devotos, mas também muitas pessoas sem qualquer crença religiosa em particular mas que, ainda assim, querem acreditar que casa swer humano tem uma essência individual eterna que não sofre alterações ao longo da vida e que permanece intacta mesmo após a morte”. (pág. 122)

“O mesmo acontece quando o sistema de educação decide que os exames de acesso são a melhor forma de avaliar os estudantes. O sistema tem a autoridade suficiente para influenciar os critérios de admissão das universidades e ainda os critérios de contratação quer na função pública quer no sector privado. Assim sendo, os estudantes envidam todos os esforços na obtenção de boas notas. Os cargos mais desejados são ocupados por pessoas que tiveram resultados elevados, que como é natural apoiam o sistema que as levou até ao lugar onde estão. O facto do sistema educativo controlar os exames acrescenta-lhe poder e aumenta a sua influência junto das universidades, dos gabinetes governamentais e do mercado de trabalho. Se alguém contestar e disser: «o diploma de licenciatura é apenas um bocado de papel» e agir de acordo com isso, é muito provável que não vá muito longe” (pág. 193)

“Prova disso é que, ainda hoje, quando o presidente dos EUA faz o juramento na tomada de posse, põe a mão sobre a Bíblia. De uma forma idêntica, em muitos países de todo o mundo, incluindo os EUA e o Reino Unido, as testemunhas em tribunal põem a mão sobre a Bíblia e juram dizer a verdade, toda a verdade e nada mais que a verdade. Não deixa de ser irónico que jurem dizer a verdade com a mão sobre um livro recheado de tantas ficções, mitos e erros” (pág. 196)

Aconselho vivamente.

“A Morte do Comendador”, Volume III, de Haruki Murakami (2017)

July 13th, 2019

Quando terminei a leitura do primeiro volume de A Morte do Comendador, fiquei de pé atrás e escrevi: vou ler o segundo volume e depois digo alguma coisa…

Acabei ontem o segundo volume e posso dizer que não fiquei com o pé atrás – fiquei com os dois.

Murakami, o aclamado escritor, é mesmo um escritor da moda e consegue publicar dois volumes de uma história inverosímil, que mistura realidade com o submundo da fantasia, só tolerável porque, sendo japonês, é assim uma espécie de “realismo fantástico” asiático.

Para além da banalidade das frases feitas, que já tinha notado, destaque para três tiques insuportáveis: a descrição minuciosa de coisas do dia-a-dia que, se no caso do norueguês Knausgard pode ser novidade, no caso deste japonês, é enfadonho; a igualmente minuciosa descrição das fatiotas que os personagens usam; e, finalmente, a obsessão pelos seios da Marie, a personagem de 13 anos, que tem o peito “liso como uma tábua”, mas que tem esperança que as mamas possam crescer e caber numa copa 3C (verídico!).

Um exemplo na página 184:

“Menshiki chegou às onze e vinte. assim que ouvi o Jaguar, vesti o blusão de cabedal e fui ao seu encontro. ele saiu do carro com um corta-vento azul-escuro acolchoado, calças de ganga pretas justas e sapatos desportivos de pele. Tinha um lenço leve em volta do pescoço.”

Outro exemplo, na página 414:

“Já no fim da chamada, Marie confidenciou-me que o peito se tinha desenvolvido (…)
‘Ainda não estão completamente crescidos, mas para lá caminham – murmurou ela em jeito de confidência.”

Para já não falar nas personagens de cerca de 60 centímetros que saem de um quadro pintado a óleo e surgem como Ideias, arrastando o protagonista para o submundo, onde é preciso atravessar uma espécie de rio das Metáforas e para não falar sequer na possibilidade de o mesmo protagonista ter engravidado a ex-esposa durante um sonho.

Não há pachorra para estas japonisices

“Yesterday”, de Danny Boyle (2019)

July 8th, 2019

Um empregado de supermercado, Jack (Himesh Patel), vivendo numa parvónia britânica, pretende tornar-se um cantor de sucesso, mas tem apenas como fãs três ou quatro amigos e a sua agente (Lily James), uma despretensiosa professora de matemática.

Prestes a desistir de tornar-se músico, Jack é atropelado por um autocarro, durante um estranho blackout que atingiu todo o planeta.

Depois de algum tempo no hospital, Jack tem alta e os amigos oferecem-lhe uma guitarra nova; ele pega na guitarra e canta o Yesterday, dos Beatles. Todos ficam atónitos com a canção. Jack descobre que ninguém sabe quem foram os Beatles, ninguém conhece nenhuma das canções dos quatro de Liverpool e todos pensam que todas são da autoria do próprio Jack.

O tal blackout fez desaparecer da História a maior banda pop-rock de sempre e todas as suas canções – e mais outras coisas, que vamos percebendo ao longo do filme, como a Coca Cola (só há Pepsi), os cigarros, etc.

É este o tema base deste filme despretensioso, realizado pelo mesmo realizador de outros filmes bem mais complexos, como o Trainspotting, por exemplo.

Os críticos, em Portugal (do Expresso e Público, pelo menos), não gostaram nada do filme.

Paciência.
O simples facto de poder ouvir, mais uma vez, Hey Jude, I Wanna Hold Your Hand, All You Need Is Love, The Long and Widing Road, Here Comes The Sun e muitas outras grandes canções dos Beatles, e imaginar o que seria o mundo sem elas, valeu a pena as duas horas que passei no cinema.

Se gostam da música dos Beatles, é imperdível.

Mas estão mesmo todos contra o SNS?

July 3rd, 2019

Parece que sim!

Esta semana, médicos e enfermeiros do SNS estão em greve simultaneamente.

Nunca estive de acordo com greves nos sectores dos serviços. Penso que os únicos prejudicados, são os utentes e o Estado pode bem com estas greves; com efeito, até poupa algum dinheiro…

Se os médicos e os enfermeiros pretendem defender o SNS, devem, por exemplo, organizar debates para propor medidas que melhorem os serviços, em vez de fazerem greves.

E as Ordens devem dar o exemplo.

O Sr. Bastonário da Ordem dos Médicos, em vez de andar a fazer política anti-Ministério da Saúde, devia fazer parte da solução, propondo medidas concretas para melhorar o SNS.

Não me esqueço da entrevista que o Dr. Guimarães deu à televisão, quando surgiu a notícia de que a Galiza queria contratar médicos portugueses, oferecendo-lhes altos salários e outras condições principescas. O Sr. Bastonário veio logo dizer que seria natural que os médicos portugueses se candidatassem a esses lugares na Galiza, não só porque iriam ganhar melhor do que no SNS português, mas porque, também, os médicos, em Espanha, eram mais reconhecidos do que em Portugal, segundo a douta opinião do Dr. Guimarães.

Claro que era tudo uma grande treta. A oferta dos galegos não era bem assim, o ordenado não era tão faustoso como se dizia e os candidatos teriam que andar a saltar de um centro de saúde para outro, fazer várias urgências e, só se trabalhassem aos fins-de-semana, é que talvez ganhassem o ordenado anunciado.

Nenhum candidato português se chegou à frente. O Sr. Bastonário nunca mais falou no assunto.

Desde essa altura – ou melhor, desde que se deixou de falar nos professores – que a comunicação social elegeu o SNS como alvo.

Todos os dias há uma notícia nova sobre a hecatombe do SNS.

Notem que não há duas notícias no mesmo dia – isso seria desperdiçar munições. Ontem foi uma, hoje é outra, amanhã será ainda outra. O que é preciso é não deixar morrer o assunto. Os Hospitais privados agradecem, claro.

Nas televisões, os comentadores tudistas – isto é, os especialistas em tudo – também comentam o “caos” na Saúde.

Ontem, um comentador de apelido Gama, atribuía a falta de médicos à redução do horário de trabalho das 40 paras as 35 horas – o que é mentira, já que os médicos são os únicos no sector da Saúde que continuam com 40 horas.

Mas nem a jornalista que estava a moderar o debate, nem a sua opositora, a socialista Inês de Medeiros, corrigiram o Gama.

Portanto, quando os comentadores não conhecem os assuntos que estão a comentar, está tudo dito quanto à comunicação social.

Há umas duas semanas, ficámos a saber que as maternidades de Lisboa teriam que fazer uma escala de atendimento de urgências porque não havia obstetras suficientes, durante o Verão, para manter todas as urgências abertas.

Foi um escândalo.

Claro que não foi referido que isto já não é novo. Aconteceu, por exemplo, com as urgências pediátricas.

E a culpa foi atribuída ao SNS – não ao sector privado, que saca os médicos, oferecendo-lhes melhores salários.

Entretanto, estamos no dia 3 de Julho, e parece que as maternidades vão continuar a funcionar, embora isso já não seja notícia.

A notícia hoje é, na primeira página do Público, replicada nas televisões, que o número de cirurgias em atraso duplicou nos últimos quatro anos – ou seja, durante o consulado da geringonça.

Se fores ler a notícia – o que eu duvido – perceberás que esse aumento se ficou a dever, sobretudo, ao aumento do tempo máximo de resposta garantida.

Mas o que é isso?

Até 2018, uma cirurgia programada menos grave, teria que ser resolvida em 270 dias – mas a partir do ano passado, essas cirurgias teriam que ser realizadas no tempo máximo de 180 dias. Esse simples facto fez aumentar o número de cirurgias em espera.

Mas isto é um pormenor demasiado técnico, e o que a malta fixa é a parangona do jornal, ou o título debitado pelo jornalista de serviço na televisão.

Enfim, acabem com o SNS e depois não se queixem…

O “caos” no SNS

June 28th, 2019

Um familiar caiu ontem de manhã, na rua.

Fez esfacelo da face, traumatismo craniano ligeiro, hematoma frontal e do joelho e (soube-se mais tarde), fractura do quinto metacarpo da mão esquerda.

O 112 foi chamado e chegou 5 minutos depois.

Foi transportado ao Hospital Garcia de Orta.

Doze horas depois, estava a descansar, em casa – depois de ter feito Rx do joelho e da mão e TAC do crânio, depois de ter colocado gesso na mão e braço esquerdos e colocado steri-strips na face, depois de ter sido observado por médica traumatologista e médica neurocirurgiã e de ter ficado em observação algumas horas, por precaução.

No final – embora não seja isento – não pagou NADA!

É este o caos no SNS, diariamente apresentado na comunicação social.

Félix – a nova unidade monetária

June 27th, 2019

Agora que o Mark Zuckerberg está pronto para lançar uma nova criptomoeda, a Libra (livra!), o Benfica vai lançar também uma nova unidade monetária – o Félix.

O Félix vale 126 milhões e, sempre que falarmos de milhões, passarem,os a usar esta unidade monetária.

Por exemplo, hoje os jornais noticiavam que, para modernizar o Siresp, o Estado terá que gastar 25 milhões de euros.

Parece muito.

No entanto, é apenas cerca de um quinto de Félix!

Já no que respeita ao proposto fim das taxas moderadoras, isso custaria ao Estado à volta de um Félix, coisa pouca, portanto…

Finalmente, quanto ao descongelamento da carreira dos professores, que tanta polémica levantou, poderia chegar a custar mais de cinco Félix, e o Centeno não esteve para isso.

Portanto, basta que comparemos qualquer despesa do Estado com o valor de um Félix e logo saberemos se estamos a falar de muito ou de pouco dinheiro…

Os nossos agradecimentos ao Benfica e ao Atlético de Madrid, por supuesto…