São João

June 26th, 2019

A D. Maria do Amparo era devota de S. João. Sabia tudo sobre o Santo que é sempre representado na companhia de um cordeirinho.

Sabia que ele nascera cerca de dois anos antes do nascimento de Cristo, em Aim Karim, uma aldeia a apenas seis quilómetros de Jerusalém; sabia que o pai se chamava Zacarias e era sacerdote, e que a mãe se chamava Isabel.

Sabia também que João morrera jovem, com apenas trinta anos, vítima de uma decapitação, a 24 de Junho e que Salomé recebera a sua cabeça numa bandeja de prata.

Quanto ao apelido Baptista, a D. Maria do Amparo sabia perfeitamente que tinha a ver com baptizado, que era uma coisa que, aparentemente, João gostava de fazer.

Em resumo, a senhora achava o cúmulo do sacrilégio, andarem todos a saltar e a dançar, a beber e a comer, e a baterem com alhos porros na cabeça uns dos outros, no dia de S. João.

A 24 de Junho, devia celebrar-se, com solenidade, a morte trágica desse Santo e não andarem todos a cometer pecados no meio da rua.

Por essa razão, o dia 24 de Junho era o pior dia do ano para a D. Maria do Amparo.

Na sua varanda, mesmo em frente ao Jardim do Coreto, sentia o cheiro das sardinhas assadas e dos churros e ouvia o burburinho da multidão em festa e sentia-se revoltada.

Fechou a janela, mas, mesmo assim, o ruído percutia-lhe os tímpanos.

Dentro da sua cabeça, ecoava a palavra pecado!

Resolveu sair de casa, atravessar o Jardim do Coreto e refugiar-se na igreja.

A frescura da igreja fez-lhe bem e começou a relaxar.

Foi então que ouviu uma voz sussurrar-lhe junto ao ouvido: vai divertir-te, Maria do Amparo! De que estás à espera? Depois de morreres, tudo acabou…

Quem está a falar comigo? – perguntou a D. Maria do Amparo, aflita.

Sou eu, o São João Baptista… deixa-te de beatices e vai dançar, mulher, que o teu corpo já cheira a bafio! – exclamou o Santo – e foi-se embora, seguido sempre pelo fiel cordeirinho.

No dia seguinte, a D. Maria do Amparo aderiu às testemunhas de Jeová, ainda a tempo de ir ao Estádio da Luz, assistir ao Congresso.

Rui Rio já começou a campanha…

June 20th, 2019

Mas os pombos não estão a gostar…

Cristas, gatos, Félix e Chega!

June 20th, 2019

O importante são os pormenores.

As grandes parangonas já não espantam ninguém: agora, à falta de incêndios, temos o inquérito parlamentar da Caixa, mas ~e a mesma coisa que nada, uma vez que ninguém se lembra de coisa nenhuma.

Os empréstimos que se fizeram, as reuniões a que se assistiram, tudo isso está turvo, nas brumas da memória, ó pátria, mal se ouve a voz, dos teus igrejos avós…

Por isso, temos que nos contentar com pequenas notícias.

Primeira: a Sãozinha Cristas, líder do CDS e futura primeira-ministra (isso queria ela, tadinha!), vai lançar um livro no próximo dia 24. Chama-se “Confiança” e vai ser apresentado pelo Pedro Mexia, aquele senhor de barbicha, assesaor do Marcelo, membro do governo sombra, e que é intelectual e tudo!

Mexia (se eu deixasse…) também escreve críticas literárias mas, depois de saber que vai apresentar o livro da Cristas, acho que nunca mais vou ler uma crítica dele…

Diz a notícia que o livro é sobre “economia, pobreza, demografia, justiça, mar, cultura, alterações climáticas e liderança no futuro”.

Nem uma palavra sobre o arroz de atum que a Sãozinha cozinha, dizem que muito bem…

Ai Mexia… e a tua poesia?…

Mexia tem pinta de gostar de gatos, e deve ter sido ele a aconselhar o Presidente a promulgar a lei que aprova o Sistema de Informação de Animais de Companhia (SIAC).

O SIAC estabelece que todos os gatos passem a usar microchips. Deste modo, evitamos que haja gatos espiões, que passem informações para o inimigo.

Estás a miar? Olha que nós estamos a escutar!…

Esta do gatos microchipados passou despercebida porque toda a gente estava entretida a contar os milhões que o João Félix vai ganhar no Atlético de Madrid.

O puto, com apenas 19 anos, salta do Benfica para os madrilenos, e vai ganhar cerca de 800 euros por hora.

Sabendo que, segundo a Ordem dos Médicos Dentistas, há recém-licenciados a trabalhar por 4 euros à hora, está na cara que mais vale dar chutos na bola que tratar cáries dentárias…

Mas o mais escandaloso é que, para além dos juízes, também o João Félix irá ganhar mais que o primeiro-ministro…

Convenhamos que o Costa, com aquela barriga, também não deve ser capaz de marcar golos…

Mas o que mais me preocupou foi o adiamento da Convenção do Chega, aquele Partido novo que concorreu às europeias sob o nome de Basta.

O seu líder, André Ventura, anunciou que a primeira Convenção do Chega vai ser adiada de 22 para 29 de Junho.

A notícia não explica a razão deste adiamento, mas deve ser devido à complexidade da ideologia do novo Partido.

Imagino a dificuldade em elaborar Teses, Documentos doutrinários e outros textos de fundo sobre um Partido chamado Chega…

Se ainda fosse Livra, ou Safa… ou mesmo, Fosga-se!…

Banksy na Cordoaria

June 20th, 2019

Ninguém sabe quem é Banksy, mas os seus trabalhos são conhecidos e reconhecidos por todo o mundo.

Na Cordoaria de Lisboa, está patente até depois do Verão, uma Exposição intitulada “Banksy – Génio ou vândalo”, que já esteve em várias cidades europeias.

Dizem que o Banksy (seja lá ele quem for), não tem nada a ver com esta iniciativa, que não a autorizou e que não ganha nada com ela.

Paciência…

A Exposição é muito curiosa e podemos visitar as inúmeras obras deste artista inovador, espalhadas pelo mundo.

Posso dizer que a Exposição está muito apelativa, que é muito agradável deambular pelas diversas salas, e que o génio de Bansky consiste, ao fim ao cabo, em descontruir a realidade, dando-lhe outras leituras e outros significados.

Quanto ao facto de ele próprio não aprovar coisas deste género…

Se Bansky quer combater o capitalismo, parece que o dito cujo se quer apropriar dele, o que é uma inevitabilidade histórica…

“Sabrina”, de Nick Drnaso (2018)

June 17th, 2019

Nick Drnaso (1989, Palos Hills, Ilinois) é um autor de novelas gráficas norte-americano.

“Sabrina” conseguiu ser a primeira novela gráfica a ser nomeada para o Booker Prize.

As críticas foram entusiásticas e unânimes e, por exemplo, Zaddie Smith (a escritora britânica de ascendência jamaicana) considera-a uma obra-prima, “maravilhosamente escrita e desenhada, possuindo todo o poder político da polémica e em simultâneo, toda a delicadeza da verdadeira grande arte.”

Confesso que não fiquei tão entusiasmado, depois de ler e ver as quase 200 páginas de “Sabrina”.

O fio da história é isso mesmo, um fio. Sabrina, que nós nunca chegamos a conhecer, desaparece e, mais tarde, ficamos a saber que foi assassinada.

O que o autor nos mostra são as reacções de amigos e familiares e como as suas vidas são alteradas pelo desaparecimento de Sabrina.

A história é contada em quadradinhos muito despojados, minimalistas; os desenhos são muito simples, geométricos e as figuras humanas têm poucas expressões faciais. Todos parecem tristes e deprimidos e é esse o tom geral da novela: tristeza e depressão.

Para quem, como eu, está habituado à banda desenhada, digamos, clássica (do Astérix aos heróis da Marvel), este Nick Drnaso abriu uma nova porta, sem dúvida.

Mas, como romance, prefiro os que não têm bonecos…

Não deitem religiosas para o chão!

June 16th, 2019

O PAN está a revolucionar o panorama político português.

Desta vez, graças ao peso eleitoral que conseguiu nas eleições europeias, convenceu os outros partidos a votar a favor desta medida verdadeiramente importante para o futuro de Portugal: a partir de agora, é proibido deitar beatas para o chão.

“Parlamento aprova multas pesadas para quem deitar beatas para o chão”

Por outras palavras: a partir de agora, os padres estão proibidos de passar rasteiras às freiras e, assim, fazer com que elas se estatelem no chão.

Será mesmo o fim das beatas no chão!

Entretanto, na Catedral Notre Dame, uma equipa de padres celebrou missa de capacete.

As fontes oficiais dizem que usaram capacete para se protegerem de eventuais quedas de restos do incêndio que consumiu parte da catedral.

Mas quer-me parecer que os padres começam a ficar com medo que Deus lhes envie qualquer coisa, vinda do céu, para os castigar por andarem a apalpar meninos.

Pelo sim, pelo não, usam capacete, não vá Deus mandar-lhes umas quantas pedras à cabeça…

Quem também se protegeu devidamente, foi Marcelo Rebelo de Sousa

Em visita de Estado à Costa do Marfim, Marcelo deixou que o mascarassem de Rei Amor.

Com aquela coroa lindíssima, Marcelo poderá enfrentar os professores que, esta semana, declararam, pela voz do seu Chefe Adorado, Mário Nogueira, que Marcelo não é o Presidente de todos os portugueses.

Pelos vistos, é presidente de todos, menos dos professores apaniguados do Nogueira…

Tempos estranhos, estes que vivemos…

Exposição “Museu das Descobertas”, no MNAA

June 4th, 2019

O título é provocador, porque esta Exposição, patente no Museu Nacional de Arte Antiga, não tem nada a ver com aquilo a que chamamos descobrimentos, mas sim, com as descobertas que os Museu fazem, ao estudar e analisar a fundo as obras dos seus acervos.

A interessante Exposição compõe-se de salas com designações bem significativas: Contemplar, Preservar-Estudar-Comunicar, Religar, Desvendar, Restaurar, Salvaguardar, Doar, Circular, Projectar e Rastrear.

Por exemplo, na sala Circular ficamos a saber que, na troca de peças para espaços expositivos em outros Museus, por esse mundo fora, descobrem-se, muitas vezes, coisas que não se sabiam sobre essas mesmas peças. Na sala Religar percebemos como peças adquiridas em diferentes locais e em diferentes épocas, acabam por fazer parte dos mesmos conjuntos, como é o caso de retábulos aparentemente dispersos e que, afinal, devem ser vistos como um todo.

Trata-se de uma Exposição muito bem conseguida e que nos tomou cerca de hora e meia.

Só tivemos tempo para ver a Capela das Albertas, a sala dos Presépios e a Exposição dos tecidos e, graças à intervenção de uma voluntária muito entusiasta, os desenhos que Durer fez antes de pintar o célebre São Jerónimo, que pertencem à Galeria Albertina, de Viena, e que estão agora em exposição no MNAA até Agosto.

“Grace”, de Margaret Atwood (1996)

June 4th, 2019

Em 1843, no Canadá, Grace Marks, com apenas 16 anos, foi condenada pela participação no assassínio do seu patrão e da sua governante e amante. Depois de muita polémica, o Tribunal condenou à morte por enforcamento o moço da estrebaria, que teria sido o assassino material de ambos e Grace, embora acusada de ter sido a instigadora e cúmplice, foi condenada a prisão perpétua, devido à sua juventude.

Margaret Atwood fez um trabalho exaustivo de investigação, estudando os jornais da época, livros e revistas, que mencionaram em abundância aqueles crimes, estudou, certamente, outras publicações contemporâneas, onde foi buscar informações sobre sessões espíritas, mesmerismo e hipnotismo, usos e costumes das criadas, o que elas usavam para tirar nódoas, como cozinhavam, o que faziam para corar roupas, etc – e como toda essa informação escreveu este romance muito interessante, quase todo na primeira pessoa, com a voz de Grace Marks.

Gostei muito do livro, não só pela linguagem coloquial da Grace Marks, mas também pela personagem do Dr. Jordan, um jovem psiquiatra, que se interessa pelo caso e que, através de entrevistas a Grace, tenta compreender a personalidade da alegada criminosa, à luz das novas teorias psiquiátricas, quando o Freud ainda não tinha nascido…

Vale a pena ler.

Que puta de continência!

May 30th, 2019

O Público de hoje traz uma notícia cujo título me deixou perplexo.

Reza assim:

“Militares da GNR filmam continência de prostituta”

Segundo a pequena local, dois militares da GNR, a bordo de um veículo daquela garbosa força paramilitar, aproximam-se de uma prostituta e, através do megafone, ordenam à senhora: “Continência!”

A visada obedece, fazendo a continência.

Depois, um dos militares pergunta: “como está a correr o trabalho?”

Finalmente, o outro militar diz à trabalhadora para desfazer a continência, afirmando: “Pode estar à vontade! À vontade, mas não à vontadinha”.

E, segundo a notícia, “abandonam o local às gargalhadas”.

Tudo isto foi filmado pelos militares e colocado nas redes sociais.

Diz o comando-geral da GNR que este tipo de atitudes é reprovável e que os dois militares vão ser alvo de processos disciplinares.

Mas porquê, pergunto eu!

A GNR é conhecida como uma força da ordem que actua perto das populações e, ao perguntar à senhora como estava a correr o trabalho, o dedicado GNR só queria inteirar-se se tudo estava bem, as condições de trabalho, o horário, a afluência, o salário – numa palavra, esta atitude só demonstra dedicação. Não nos esqueçamos que a divisa da GNR é “pela Lei e pela Grei”!

Quanto ao facto de os dois militares abandonarem o local às gargalhadas, também não vejo qual é o mal. Alegria no trabalho, é o que é!…

Finalmente, pedir à senhora para fazer continência, até é de louvar. Sabendo que continência e abstinência são sinónimos, e conhecendo a profissão da trabalhadora, só podemos dizer que estes dois valentes militares da GNR estavam a tentar que a senhora mudasse de vida…

Ou pagas ou disparo!

May 29th, 2019

A GNR e inspectores da Autoridade Tributária foram protagonistas de uma intervenção espectacular, noticiada pela comunicação social: postaram-se na rotunda da autoestrada 42, em Valongo e identificaram automobilistas que tinham dívidas ao fisco.

Os que não quiseram ou não puderam pagar, ficaram com os seus veículos apreendidos.

A missão arriscada (podiam ter levado um tiro… ou um coice…), denominava-se “Acção sobre rodas”, o que acho ridículo, já que os inspectores estavam sentados, em frente a computadores portáteis. Sobre rodas teria sido se estivessem a perseguir os automobilistas devedores, montados em Harley Davidsons.

Quanto à possibilidade de terem levado um coice, foi bem real, já que um dos automobilistas penhorado transportava, no seu camião, dois cavalos. O camião ficou nas mãos dos inspectores, mas os cavalos, muito dóceis, não ripostaram.

Pelos vistos, este tipo de acção conjunta da GNR e da Autoridade Tributária não é inédita, e já aconteceu mais umas quantas vezes – e o responsável é, segundo o Público, o Dr. Vitor Gaspar, aquele senhor que foi ministro das Finanças no tempo do Passos Coelho.

Diz o Público: “A 21 de Dezembro de 2012, em plena crise económica e com a troika instalada em Portugal, Vítor Gaspar marcou presença na assinatura de um protocolo entre a AT e GNR que visava “articular as formas concretas de cooperação e coordenação” entre as duas instituições, tendo em vista a obtenção de “um reforço da eficácia no combate à fraude e evasão fiscal e aduaneira.”

Foi ao abrigo deste protocolo que os automobilistas que tiveram o azar de passar, ontem de manhã, na rotunda de acesso à A42, foram alvo desta fiscalização.

Claro que apetece fazer aqueles comentários populistas, do género, perdoam ao Pereira Coutinho mais de 100 milhões de euros, não conseguem obrigar o Berardo a pagar o que deve e, depois, vão apreender o carro de um desgraçado que não pagou as portagens durante um ano!

Mas eu tenho outra opinião: acho pouco! Acho que a Autoridade Tributária, com a ajuda da GNR, PSP e do Exército, devia montar ciladas junto das caixas dos supermercados, nas lojas da Zara, H&M, McDonald’s e similares, e capturar todos os contribuintes com impostos em atraso, levá-los para locais secretos e aí, mediante tortura, conseguir que pagassem os impostos em dívida.

Em seguida, 10% do dinheiro conseguido com essas acções, reverteria a favor da Fundação Berardo, que assim poderia, a pouco e pouco, pagar o que nos deve.

No final, Vitor Gaspar seria agraciado com a medalha que Marcelo vai retirar ao Berardo…