Silvano é um bacano!

November 9th, 2018

O secretário geral do PSD chama-se José Silvano.

Tem estado nas bocas do mundo porque a sua assinatura aparece nas sessões do Parlamento, enquanto o senhor está noutro lado qualquer.

Parece que cada deputado tem uma password e que ele teria que ceder a sua a outra pessoa para a sua presença ficar efectivada, mas ele garantiu que não cedeu a password a ninguém e não pediu a ninguém que assinasse por ele.

Mistério!

Hoje, apareceu uma senhora deputada do PSD, chamada Emília Cerqueira, a dizer que foi ela que marcou a presença por Silvano.

Garante que foi por sua livre iniciativa – embora se saiba que é essencial a tal password.

Pergunta-se: Silvano cedeu a password a Emília de livre vontade ou terá sido coagido?

Não estaremos em presença de uma coacção de tipo sexual, do género #metoo, mas de sexo oposto?

É que – reparem bem no Silvano… é um pedaço de homem, caramba!

Será que Emília está embeiçada?…

Ai Rui Rio, que estás a braços com um escândalo digno de Hollywood!…

 

O Coiso – há 19 anos na net

November 5th, 2018

O Coiso nasceu, em papel, nas oficinas do jornal República, em Maio de 1975 e durou 12 semanas. O director era o Ruy Lemus e, como colaboradores, tinha, entre outros, o Mário-Henrique Leiria, o Belo Marques, o Carlos Barradas, o José António Pinheiro e eu próprio.

Era um jornal humorístico, carregado de non-sense e que, embora abordasse, aqui e ali, a realidade política explosiva do momento, era, sobretudo, um veículo do humor “puro”, despegado, diria “surrealista”, ou não tivesse a grande influência do Mário-Henrique.

O chamado verão quente de 1975, com a invasão e posterior desaparecimento do República, ditou o fim de O Coiso.

Em novembro de 1999, decidi fazê-lo renascer, desta vez na net, e alimentei-o regularmente durante todos estes anos, embora, ultimamente, o tenha deixado um pouco ao abandono.

Penso que ainda é possível encontrar textos publicados no Coiso nos anos 1999 e seguintes, mas só consigo aceder, sistematicamente, a textos publicados a partir de 2003, aqui, no Velho Coiso.

E por que razão, nos últimos tempos, tenho deixado o Coiso ao abandono, publicando quase nada?

Ora, porque a realidade tem muito mais graça.

Que dizer, por exemplo, de termos um ex-primeiro-ministro que está acusado de receber subornos e de viver à grande e à francesa, graças a uns encostos que um amigo recebia em seu nome, sobretudo vindos de um banqueiro que conseguiu destruir o seu próprio Banco?

Que dizer de um membro destacado do PSD que está acusado de ter ido ao Brasil matar uma senhora idosa, só para lhe ficar com a herança?

E de um outro membro do PSD, que até fez parte do governo, e que está condenado a 14 anos de cadeia por ter destruído outro Banco?

E de ainda outro membro do PSD, ex-primeiro-ministro, que decidiu fundar um novo partido e que pretende, assim de repente, ter 30 deputados?

E que dizer – só para terminar, para não ser fastidioso – que dizer das armas que desapareceram de Tancos e que, depois, reapareceram, mas não todas, na Chamusca, fenómeno que está a provocar grande celeuma, não propriamente por causa do roubo, mas mais por causa do reaparecimento das armas?

Com tanto material surrealista para nos rirmos, nem me apetece escrever mais nada!

“A Mais Nova Profissão do Mundo”, de Alface (2006)

October 30th, 2018

Alface era o pseudónimo do escritor José Alfacinha da Silva, nascido em Montemor-o-Novo em 1949 e falecido, por AVC súbito, em 2007.

Este livrinho de contos estava esquecido numa das minhas prateleiras e desencantei-o há pouco tempo, quando fizemos uma grande limpeza na biblioteca.

Trata-se de um livro um pouco irregular, que junta contos muito bem esgalhados, como o de abertura, Pombinhos, e toda a série de textos curtos sob as designações Narrativas e Lugares, com outros textos menos conseguidos e alguns mesmo um pouco enfadonhos.

De qualquer modo, diverti-me bastante ao lê-lo.

“Um Artista do Mundo Flutuante”, de Kazuo Ishiguro (1986)

October 19th, 2018

Muito curioso este romance do Prémio Nobel de 2017.

Conhecido, sobretudo, pela obra Os Despojos do Dia, com a qual ganhou o Man Booker Prize de 1989, Kazuo Ishiguro (Nagasaki, Japão, 1954), conta-nos a história de um pintor profissional, especialista em pinturas do chamado mundo flutuante, o mundo das gueixas e dos locais de diversão nocturna, muito em voga no Japão de antes da 2ª Grande Guerra.

Ono é um pintor na reforma, viúvo e com duas filhas adultas; perdeu o filho na guerra e a mulher, num bombardeamento.

Antes da guerra, Ono era um defensor do Japão antigo, imperial, estanque às influências ocidentais. Foi com esse espírito que apoiou a entrada do país na guerra.

No entanto, com a derrota e rendição do Japão, Ono vê o seu país, as suas filhas, os seus genros e até o seu único neto, de 8 anos, cada vez mais adeptos de um novo país, virado para o exterior, adoptando, de certo modo, o american way of life, embora com algumas diferenças. Até o seu neto elege como heróis Popeye e outros personagens da banda desenhada norte-americana.

A filha mais nova está preste a casar-se mas Ono teme que o seu passado possa influenciar as negociações para o casamento – até porque o Japão pode estar a ocidentalizar-se, mas ainda continua com tiques do passado, nomeadamente no que respeita ao modo como os casamentos são negociados entre as famílias dos noivos, com recurso a detectives que pesquisam a existência de “podres” no passado das ditas famílias.

A acção do livro decorre entre 1948 e 1950 e a narrativa é comovente.

Vale a pena ler.

“Alguma Coisa Tem que Chover”, de Karl Ove Knausgard (2010)

October 15th, 2018

Foi com alguma relutância que comecei este 5º volume da obra do norueguês Knausgard, com o título genérico A Minha Luta.

O primeiro volume – A Morte do Pai – surpreendeu toda a gente. Surpreendeu, sobretudo, pelo estilo autobiográfico romanceado, com a descrição minuciosa de gestos do dia a dia, enrolar um cigarro, lavar a loiça, despejar o lixo. Surpreendeu pelo modo desabrido como Knausgard falava do seu pai e do seu alcoolismo, da sua avó paterna e da sua demência.

O segundo volume – Um Homem Apaixonado – mantinha a mesma dinâmica e intensidade, mas o mesmo não posso dizer dos volumes 3 e 4 – A Ilha da Infância e Dança no Escuro. Nestes dois volumes, o estilo tornou-se repetitivo e já foi difícil acabar a leitura de mais esses dois tijolos.

Este Alguma Coisa Tem que Chover passa-se todo em Bergen, entre os 19 e 0s 32 anos de Knausgard e, por momentos, volta a ter a dinâmica do primeiro volume.

O mais curioso nestas quase 600 páginas é, sem dúvida, o modo de vida do autor, entre os 19 anos e os 28, idade com que publicou o primeiro romance. O homem vive de bolsas de estudo, estudando muito pouco, e de subsídios vários do Estado, passando os dias bêbado e sem escrever porra nenhuma. Com toda a honestidade, descreve palermices como bater punhetas com livros de arte com pinturas de mulheres nuas, noite passadas nos bares de Bergen em que bebe até ao oblívio, dias e dias em que tenta escrever e não escreve nada!

Aos 2o anos, eu era pai do meu primeiro filho e comecei a trabalhar como jornalista um ano depois; aos 27 era médico. Nessas idades, Knausgard embebedava-se e fazia coisa nenhuma. E é isso que este volume descreve – quanto mais não fosse, este 5º volume teria essa “virtude”.

Finalmente, aos 28 anos, Knausgard publica o seu primeiro romance e é um grande sucesso; no entanto, nos quatro anos seguintes, a sua vida continua na mesma: bebedeiras e aluguer de casas em zonas isoladas, para que o escritor conseguisse criar. Patético!

O “sofrimento” dos escritores está bem espelhado neste livro.

Será que Knausgard se apercebe que, deste modo, desmascara toda esta encenação do sofrimento?

“Sessenta Contos”, de Dino Buzzati (1958)

October 2nd, 2018

Dino Buzzatti (1906-1972), foi autor italiano cujos contos foram muito saudados, ganhando, com eles, o prémio Strega.

Os contos misturam uma espécie de realidade absurda com uma visão fantástica e muitos deles são alegorias ou parábolas que, embora datadas (a edição é de 1958), continuam a ser muito actuais (nem todas, sejamos realistas…)

Gostei particularmente dos contos Sete Andares, O Cão que Viu Deus, Não Esperavam Outra Coisa e O Burguês Enfeitiçado.

Tirando dois ou três contos mais longos, todas as restantes narrativas não ocupam mais do que duas ou três páginas.

Vale a pena ler, em pequenas doses (digamos, dois ou três contos por dia…)

E quem disse que ela queria?…

September 23rd, 2018

A Pior Comédia do Mundo

September 22nd, 2018

A Pior Comédia do Mundo (Noises Off), é um original de Michael Frayn, estreado em Londres em 1982.

A acção desenvolve-se em três cenas. Na primeira, uma companhia de teatro ensaia uma comédia, intitulada “Tudo a Nu”, para uma digressão extensa pela província. A estreia está marcada para o dia seguinte e o ensaio geral está a correr muito mal. a comédia baseia-se na entrada e saída de diversas personagens numa casa que deveria estar vazia. Há várias portas, que se abrem e fecham, e o êxito da acção baseia-se na entrada e  saída, a tempo, dos diversos personagens, o que não está a acontecer. O encenador tem que intervir com frequência. Para apimentar a acção, ficamos a saber que alguns dos actores têm relações secretas entre si. Acresce que um dos personagens mais importantes é surdo e gosta da pinga.

A segunda cena desenrola-se nos bastidores. Começou a digressão. Vemos a parte de trás do cenário da primeira cena e toda esta parte é como um filme mudo: enquanto, lá à frente, decorre a acção que vimos ser ensaiada, nos bastidores, surgem diversos conflitos: o encenador tenta fazer as pazes com uma das suas namoradas, comprando-lhe flores, um dos actores tenta agredir gravemente outro porque pensa que ele tenta roubar-lhe a namorada. Sem falharem, por pouco, nenhuma das entradas em cena, os actores vão desenvolvendo as suas guerras nos bastidores.

A terceira e última cena regressa, digamos assim, ao palco, para mais uma representação da comédia. Aqui, os actores estão já visivelmente baralhados e confusos com tantas guerras de bastidores e a coisa só pode correr mal. Improvisam, substituem-se uns aos outros em algumas entradas e acabam bruscamente com a peça, num final imprevisto.

Muito divertido e bem agarrado pelos actores, numa representação exigente, até do ponto de vista físico.

Com encenação de Fernando Gomes, os actores são: o próprio Fernando Gomes, que faz o papel do actor surdo e que gosta da pinga, José Pedro Gomes que representa o encenador, Ana Cloe, Cristóvão Campos e Jorge Mourato, que se fartam de suar, escadas acima e abaixo, Elsa Galvão, Inês Aires Pereira, Paula Só, de quem gostei particularmente, e Samuel Alves.

Gostei mesmo!

Galinhas unidas contra Jerónimo de Sousa

September 9th, 2018

A  ANAGAPE (Associação Nacional das Galinhas Patrióticas e de Esquerda) emitiu duro comunicado contra o líder do PCP, Jerónimo de Sousa, devido ao facto de ele se ter referido ao cu das galinhas como “dito cujo”.

Via-se que a líder da ANAGAPE estava verdadeiramente indignada quando declarou: “se o Jerónimo quer um governo verdadeiramente patriótico e de esquerda, tem que contar com todas as galinhas. Caso contrário, quem vai levar com um pontapé no cu será ele!”

 

 

 

 

“Obra Perfeitamente Incompleta”, de José Sesinando (2018)

September 5th, 2018

Li, com admiração, os textos de José Sesinando publicados no Jornal de Letras e sempre achei estranho que este autor não fosse mais conhecido e divulgado.

Surge agora este livro, na colecção organizada por Ricardo Araújo Pereira e fiquei a saber que José Sesinando era o pseudónimo usado por José Palla e Carmo (1923-1995), tradutor e crítico de literatura, para além de funcionário bancário.

O pseudónimo era usado para os seus textos humorísticos, cheios de trocadilhos e diversos jogos de palavras.

Este volume reúne três livros, dos quais, o primeiro, intitulado Obra Ântuma (por oposição a obra póstuma) é a mais interessante, reunindo textos em prosa que poderiam figurar, tranquilamente, no “nosso” Pão Com Manteiga.

No primeiro texto, Acerca de Música, respigo:

“Mozart foi, como toda a gente sabe, um enfant prodige. Não o foi, porém, durante toda a vida”

“Beethoven atingiu tamanha e tão súbita notoriedade com a Quinta e a Nona Sinfonia que não teve outro remédio senão compor as outras sete”.

“A ópera destina-se, evidentemente, a quem gosta pouco de música e pouco de teatro”.

E muitas mais.

Suspeito que haja muitos mais textos idênticos a este, uma vez que  Sesinando publicava todas as semanas no Jornal de Letras.

Aguardemos…