Publicidade idiota

Estou farto dos spots idiotas, armados ao pingarelho. Quem disse que a publicidade tinha que ter graça? E quem disse aos criadores destas aberrações, que eles têm graça?

A TSF está cheia desses spots idiotas. E eu, feito burro, oiço-os várias vezes ao dia, porque tenho a mania de ouvir notícias. Acordo às 7 da manhã com um idiota a gritar “adelante, Costa Santos!”, num estúpido spot à Optimus. Cheira-me que é o mesmo idiota que grita, logo a seguir, “olhó o livro fresquinho”, num spot ao DN. E o mesmo tipo, ou alguém com uma voz parecida, ainda anuncia a “tenda do Adelino”, onde se vendem impressoras pintadas à pistola, num spot à Staples.

Como já repararam, sei os spots de cor. Pudera! Oiço-os às 7 horas, ao acordar, às 8 horas, já a caminho do Centro de Saúde, às 13 horas, quando vou almoçar, às 14 horas, quando regresso ao Centro, às 17 ou às 18 horas, quando regresso a casa e à meia-noite, quando estou a ler o meu livro, antes de dormir.

Estou farto!

Claro que posso desligar o cabrão do rádio ou mudar a puta da sintonia, mas o que está em causa, aqui, é a suprema idiotice destes spots. Será que o Belmiro de Azevedo ouviu o spot, antes de o aprovar para a Optimus? E o director do DN achará que o spot do “olhó livro fresquinho” dignifica a imagem de um dos diários mais antigos de Portugal? Quanto aos donos da Staples, já não digo nada, porque os spots desta firma sempre foram idiotas.

Na televisão, é a mesma mediocridade.

Há um gordo que, num anúncio a uma seguradora que oferece um GPS, diz que sempre se guiou pelas “árvores, pelas casas, até pela vaca”. Pela vaca? Será pela vaca da prima dele?

E depois há um crooner que canta “Moviflor”, enquanto dois gordos sebosos, que parecem gémeos, fazem coro, lá atrás, em “chuás-chuás”, que exalam lípidos por todos os poros.

“Na tua casa, ou na minha?”, pergunta uma loura deslavada a um António Feio, que já tem idade para ter juízo. E lá vai ele a correr e, em 5 segundos, consegue o empréstimo para a casa, para ir dar uma queca na loura. Acho que o anúncio é ao Montepio, mas tanto faz, porque a publicidade dos bancos é, em geral, de uma mediocridade que faz doer os dentes do siso.

Fazer humor, não é fácil, todos o sabemos. Se os publicitários tivessem graça, seriam todos humoristas, em vez de andarem a fazer fretes nas agências de publicidade.

A tristeza do humor na rádio e televisão (tirando alguns momentos, cada vez mais raros, dos Gato Fedorento) é de uma pobreza franciscana.

Mas percebe-se: com tantos anúncios engraçados, as estações de rádio e televisão acham que não vale a pena fazer programas de humor.

Caso contrário, nós, ouvintes e espectadores, ainda arranjávamos alguma hérnia inguinal, de tanto rir.

5 thoughts on “Publicidade idiota

  1. concordo,concordo e concordo! e discordo…
    também ouço em geral a TSF, MAS NORMALMENTE QUANDO ESTOU AO VOLANTE.
    assim, quando leio alguma coisa no meio da ultima pilha religiosamente desarrumada, ou preparo algum trabalho para ajudar o interno aflito, não estou ligado ao AI MEUS DEUS QUE O MUNDO ACABA NO PROXIMO BLOCO DE NOTICIAS, às 23 e 58, mas sim ao silêncio…
    QUE DIABO… SIGO AQUELA MÁXIMA DOS COMPOSITORES DE MEIA TIGELA, (OU DE GRANDE MALGA…) QUE DIZEM QUE A MUSICA É COMPOSTA DE SILÊNCIOS COM INTERVALOS DE RUIDO…

  2. Pois é!
    Eu só conheço uma solução para este caso:
    Todas as televisões e todos os rádios deste mundo, têm um botãozinho mágico que permite desligá-los.
    Pelo menos por enquanto, ainda não se paga mais pelo botãozinho maravilha… é preciso aproveitar!

  3. Tens toda a razão! O facto de podermos desligar o rádio (é o que eu faço, ouço só música) não obsta a que a publicidade seja, sistematicamente. de uma alarvidade e estupidez confrangedoras. Onde é que está o brio profissional dessa cambada? E a inteligência dos clientes?

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.