Pequeno Dicionário

Pequena nota introdutória: a letra “A” do nosso Pequeno Dicionário saiu inopinadamente, sem qualquer explicação prévia. O que pretendemos com a edição deste Pequeno Dicionário? Por que razão incluímos o termo Aspirina, ignorando Agripina? Será isto um Dicionário ou, antes, uma Enciclopédia? Perguntas legítimas, mas às quais não nos apetece responder. Portanto, passamos à letra Bê.

BACHAREL – estilista francês (1555-?), bem nascido e razoavelmente inteligente. Ficou conhecido no mundo da moda pela invenção de um molho (exactamente o molho Bacharel), que também serve de perfume (o famoso perfume Ba-charel). Morreu pobre.

BLANDÍCIA – corista italiana, famosa por ser coxa, exactameente da perna cuja coxa era a mais apreciada pela geral. Em meados do século, sempre que ela entrava em palco, saíam diversos espectadores em braços, atacados de comoção eréctil. Conseguia fazer strip-tease sem se despir. Morreu pobre.

BRIOCHE – general belga que não participou nas invasões francesas por uma questão de latitude. Morreu paupérrimo.

BRONCOPNEUMONIA – linha de caminho de ferro da Transilvânia, que ligas as cidades de Bronco (2 habitantes, um deles cão) e de Pneumonia (565 habitantes recenseadas e mais de mil a monte). Construída entre 1898 e 1756, a linha de Bronco-Pneumonia só ficou concluída dez anos depois. Os comboios não páram nas estações, limitando-se a abrandar – o que torna o espectáculo muito mais engraçado.

BUCELAS – viniviticultor português do século XV, inventor do vinho de Reguengos e da aguardente de canas de Senhorim. Nunca revelou o seu segredo e morreu pobre.

BÚFALO – alcunha de Boi Bill, famoso cowboy sul-americano, conhecido pelo modo como dominava as vacas com um simples assobio. Era mudo e morreu pobre.

BUJIGANGA – desenhadora de modas, natural do estado do Ohio que, numa tarde de inspiração, em vésperas do seu casamento com Joseph Wrangler Lee Lewis, conheceu um obscuro rapaz, de nome Tony Old Chap Lois, filho de Luíza Miura. Desse conhecimento, nasceram as calças de ganga, ainda hoje muito usadas nas minas, onde são retiradas do minério principal. Morreu pobre.

BUZIO – poeta português, de ascendência marítima. O seu poema mais famoso termina com a c´lebre frase “em cima da cama o púzio”. Morreu pobre.

  • in jornal Pau de Canela, 24.5.1985

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.