Morrer em casa

Agora, de repente, os portugueses começaram a descobrir velhotes mortos em casa há semanas ou meses… ou anos!

Somos mesmo um povo de modas, caramba!

Bastou ter-se descoberto aquela velhota, morta há 9 anos, esquecida na sua própria casa e logo os portugas desataram à procura de mais cadáveres!

Hoje, o jornal da ASIC abriu com mais dois casos: um velhote de 80 anos, morto há umas duas semanas e outro, de 72 anos, morto há cerca de três meses.

E já se fala que, a partir de agora, além do enterro e da cremação, podemos optar por deixar estar.

Morremos e deixamo-nos estar, sossegadinhos, na nossa casinha.

Alguém nos há-de descobrir.

Eventualmente.

5 thoughts on “Morrer em casa

  1. O País aguarda o aparecimento de múltiplos defuntos, que certamente se vão verificar.É o caso de Cavaco, vários deputados,etcetc.
    São pessoas que AINDA não se aperceberam que já não existem.

  2. Este país está a ficar de loucos. Se fosse o Obélix diria ‘Estes lusitanos estão loucos!’
    Então a polícia não podia arrombar a porta? E os vizinhos? E a família? Depois se veria! E a EDP corta a luz sem averiguar porquê? E vendem a casa sem ver como ela está? E compram a casa sem a ver por dentro?
    Mas onde é que nós estamos?
    A crise em Portugal não é financeira… é de cidadania. Ninguém quer saber de ninguém e cada um só quer saber de si próprio!
    Começa a ficar assustador viver em Portugal!

Leave a Reply to Raul Calado Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.