Mexerikileaks

Anda tudo num alvoroço por causa da revelação da Wikileaks.

Um australiano, com cara de obstipado crónico, inventou esta coisa que consiste na exposição pública de conversas privadas. Enfim, o gajo não inventou nada. Limitou-se a transpor para a alta política o mesmo espírito do Big Brother televisivo.

Diz ele que é o direito à liberdade de imprensa. Resta saber se, ele próprio, aceitaria que fossem publicadas as suas conversas com a mãe, ou com as eventuais namoradas, ou com as fulanas que dizem ter sido assediadas e violadas por ele…

Mas, afinal, que novidades é que nos dá o Assange?

Que a ministra espanhola dos Negócios Estrangeiros disse que Hugo Chavez «é uma besta, mas não é estúpido».

Que o presidente do Egipto, Mubarak, no poder desde 1981, deverá ser candidato em 2001 e poderá continuar no cargo até morrer.

Que a presidenta eleita do Brasil, Dilma Rousseff, organizou três assaltos a bancos, nos tempos em que era guerrilheira de esquerda.

Que Angela Merkel terá dito que Putin era um “macho alfa” e Sarkozy um “rei vai nu”.

Que um conselheiro de Sarkozy terá dito que Chavez é louco e o estado iraniano é fascista.

Que Berlusconi é um tipo superficial e que é o “porta-voz” de Putin na União Europeia.

Que os diplomatas americanos dizem que Merkel é «o único homem capaz de governar a Europa».

Que Medved é o Robin do Putin Batman.

Etc, etc…

Olha que novidade!

Isto são coisas que toda a gente diz, no dia a dia.

Tudo isto está ao nível das revistas sociais, que exploram as figuras públicas. Mexericos. Mexirileaks.

Assange é um daquele heróis improváveis, que acaba por ter o apoio da esquerda que adora passar um fim de semana em Nova Iorque mas que, na sua fantasia anti-imperialista, pensa que era bom viver num regime norte-coreano ou iraniano.

One thought on “Mexerikileaks

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.