Posts Tagged ‘natal’

Massagem de Natal de Passos Coelho

Sunday, December 29th, 2013

Só agora comento a mensagem de Natal do nosso querido primeiro-ministro porque fiquei tão emocionado com ela que tenho passado os dias a chorar e não quis molhar o teclado do portátil.

Hoje, já mais restabelecido da emoção, arranjei coragem para compor estas linhas.

Passos Coelho disse-nos, por exemplo, que «o desemprego tem vindo a descer mês após mês, e em particular, o desemprego jovem».

Claro que os registos do Instituto Nacional de Estatística mostram que, em Dezembro de 2012, os jovens desempregados, entre os 15 e os 24 anos, eram 243 mil e que, este ano, esse número subiu para 260 mil – mas todos nós sabemos o que são estatísticas, não é?

Se dizem que cada dois portugueses comem, em média, um frango, e o outro português não gostar de frango, isso quer dizer que eu como o frango todo – o que não é verdade!

Mas Passos disse mais.

Disse que a nossa «economia começou a crescer e acima do ritmo da Europa».

E vieram logo dizer que a economia portuguesa recuou 2% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao período homólogo do ano passado, enquanto que, na União Europa, essa quebra foi apenas de 0,1%.

Francamente, baterem no homem por ninharias!

O que são 1 ou 2% a mais ou a menos se não pentelhinhos?!

Finalmente, o nosso valoroso primeiro-ministro afirmou que «face ao 1º trimestre de 2013 houve 120 mil postos de trabalho criados.»

E vieram logo dizer que era mentira, que, afinal, apenas se tinham criado 22 mil novos postos de trabalho!

É preciso ter espírito de contradição! 120 mil, 20 mil – qual a diferença?

Perguntem aos 20 mil novos empregados se estão satisfeitos ou não?

Dizem também que emigraram mais de 100 mil portugueses este ano?

E depois? Se esses estiverem desempregados, a culpa é dos países para onde foram! O nosso competente primeiro-ministro não tem culpa nenhuma!

Em resumo: Passos não quis estragar-nos o Natal.

Não é nesta altura do ano que se diz às criancinhas que o Pai Natal não existe.

Nesse sentido, Passos Coelho decidiu que, em vez de nos enviar uma mensagem, seria mais suave dar-nos uma massagem de Natal.

Massajou-nos bem com aquelas palavras doces, para nos poder continuar a lixar por mais dois anos…

passos coelho natal (2)

 

Conto de Natal

Friday, December 27th, 2013

Era uma noite fria de Dezembro e a neve caía em espessos flocos sobre os camelos e os seus ocupantes.

Eram três reis que se diziam magos e que vinham em busca do Menino para lhes ofertarem desemprego, miséria e recessão.

Chamavam-lhes troika e eles não se importavam com o insulto.

Por cima do estábulo, uma estrela cadente parou o seu percurso e fixou-se no firmamento.

Lá dentro, Pedro e Maria Luis, abençoados pelo olhar vazio de Aníbal, admiravam o menino, acabado de dar à luz.

Chamaram-lhe Orçamento e nasceu para nos lixar em 2014…

Poema de Natal

Wednesday, December 25th, 2013

É Natal
Dizem que, em Belém, nasceu um menino

Mas olho para Belém e, hirto e calado
De gravata e casaco
Com aquele esgar de obstipado
Só vejo o Cavaco!

Boa ideia, Francisco!

Saturday, December 21st, 2013

O Papa Francisco anda a maravilhar o mundo ocidental com as suas atitudes, os seus gestos e as suas palavras.

Afinal, é fácil maravilhar o mundo ocidental: basta dizer e fazer coisas óbvias, que qualquer pessoa de bom senso diz e faz – mas, ditas e feitas pelo Papa, têm outra força.

E, ainda por cima, o Papa até gosta de futebol, como o comum dos mortais! Tão querido!

O que é certo é que, em meia dúzia de meses, o homem já conseguiu seduzir dirigentes, jornalistas e massas e até já foi considerado a Figura do Ano pela Time.

Agora, que é Natal, Francisco disse mais umas coisas.

Disse, por exemplo, que “Con la comida que se tira se podría alimentar a todas las personas que padecen hambre en el mundo”.

Isto é, para quem não pesca espanhol, que, com os restos de comida que se deitam fora, se poderia dar de comer a quem tem fome.

E esta?!

E eu que nunca tinha pensado nisto, caramba!

Grande ideia, Francisco!

Já agora, dá pernas a essa ideia e põe os padres de todas as paróquias a recolher os restos de comida, em vez de andarem a fazer festinhas nas criancinhas.

Depois, os padres levam esses restos aos bispos, que os fazem chegar aos missionários espalhados pelo mundo e estes, por sua vez, distribuem a comida por quem tem fome.

Isso é que era uma coisa bem feita, Francisco!

Talvez assim, finalmente, a tua igreja fizesse algo de útil!

Pedro, o medíocre triste

Thursday, December 27th, 2012

A mensagem de Natal que Pedro Passos Coelho colocou no Facebook, não é um simples fait diver.

Aqueles três parágrafos revelam muita coisa – revelam que Passos Coelho, além de medíocre, é triste.

Começa ele por nos dizer que «este não foi o Natal que merecíamos». E porquê?

Porque «muitas famílias não tiveram na Consoada os pratos que se habituaram». Por outras palavras: habituados a morfarem perus obesos, cabritos informes e manadas de bacalhaus, as famílias tiveram que se contentar com uma sardinha e pão com azeitonas.

Comíamos acima das nossas possibilidades!

Mas Pedro diz mais: «Muitos não conseguiram ter a família toda à mesma mesa». E porquê?

Aqui, as dúvidas são muitas: a família aumentou e a mesa é mais pequena e não cabem todos à mesa e alguns tiveram que comer em pé? A família não aumentou mas a mesa encolheu? A mesa é a mesma, mas alguns elementos da família seguiram o conselho do Pedro e emigraram? As famílias decidiram fazer cisões e os avós sentaram-se uma mesa, enquanto os filhos e os netos se sentaram a outra mesa?

Pedro não esclarece, mas acrescenta: «E muitos não puderam dar aos filhos um simples presente.»

Quer dizer: armaram-se ao pingarelho e, em vez de darem um simples presente, deram um presente complicado!

A seguir, Pedro diz algo de muito estranho: «Já aqui estivemos antes».

Aqui, onde, pá?

E acrescenta: «Já nos sentámos em mesas em que a comida esticava para chegar a todos, já demos aos nossos filhos presentes menores porque não tínhamos como dar outros»

Ah! estás a fazer poesia, Pedro!…

Falas em sentido figurado… «já nos sentámos em mesas em que a comida esticava para chegar a todos»… e estamos a voltar a esses tempos em que éramos pobres mas honrados, em que estávamos orgulhosamente sós, em que, em qualquer casa portuguesa, bastava pão e vinho sobre a mesa. E, no fundo, tu achas que isso foi bom, formou o nosso carácter, ensinou-nos a não sermos exigentes, a contentarmo-nos com pouco.

No terceiro parágrafo, Pedro diz: «peço apenas que procurem a força para, quando olharem os vossos filhos e netos, o façam não com pesar mas com o orgulho de quem sabe que os sacrifícios que fazemos hoje, as difíceis decisões que estamos a tomar, fazemo-lo para que os nossos filhos tenham no futuro um Natal melhor»

Por outras palavras: Pedro pede-me para, quando eu olhar para os meus filhos e netos, não olhe com pesar, mas com orgulho.

E não poderei olhar com pesar e orgulho?

Porquê a conjunção adversativa “mas”, entre “pesar” e “orgulho”?

O resto da frase não faz qualquer sentido: «o orgulho de quem sabe que os sacrifícios que fazemos hoje… fazemo-lo para que os nossos filhos tenham no futuro um Natal melhor»?

Os sacrifícios fazemo-lo?!

Depois da patética mensagem de Natal transmitida pela televisão, Pedro quis emendar a mão e fazer de conta que é muito bonzinho e está muito preocupado com as famílias.

Fez mal.

O texto que publicou no Facebook é uma redacção medíocre e até tem erros gramaticais.

O meu professor da Escola Primária ter-lhe-ia dado 4 valores, numa escala de 20.

Sugestões para reduzir o défice

Sunday, December 25th, 2011

Aproveitando o espírito de Natal que me escorre pelas entranhas, decidi ajudar o Passos Coelho a reduzir o défice.

Cortaram-me 10% do ordenado, sacaram-me metade do subsídio de Natal e obrigaram-me a trabalhar na véspera de Natal sem ganhar mais um tostão.

Merecem a minha ajuda.

Lá vai:

– taxar  a 23% os pacotes de açúcar e/ou o adoçante que acompanha gratuitamente as bicas

– taxar a 23% os tremoços ou os amendoins que acompanham as imperiais

– criar uma licença para pendurar pais natais das varandas; digamos, 50 euros

– criar outra licença para aquelas luzes que piscam epilepticamente nas marquises; digamos, 100 euros

– multas efectivas para os donos de cães que ainda não apanham os cagalhões dos bichos e pôr o Miguel Relvas a fiscalizar os passeios

– reactivar a licença de isqueiro e as coimas por beijos indecentes em locais público, bem como a saudosa coima quando alguém é apanhado com aquilo na mão ou com aquilo na boca

– multar o José Rodrigues dos Santos sempre que ele terminar o telejornal a piscar-me o olho

– multar o Mário Crespo sempre que aparece no écran, quando eu mudo, sem querer, para a Sic Notícias

– multar o Cardozo sempre que falhar um golo com a baliza aberta; digamos 10 mil euros, que o gajo pode pagar

– obrigar os deputados a reporem 10% do seu ordenado sempre que faltarem a uma sessão parlamentar

– obrigar o Paulo Portas a pagar as viagens do seu próprio bolso

– criar uma taxa para o uso dos elevadores dos edifícios públicos (subir escadas faz bem à saúde)

– fazer com que todos os sanitários públicos passem a ser pagos (que mijem em casa!)

– criar uma taxa para se poder entrar num centro comercial, mesmo que não se vá lá comprar nada – aliás, se não comprar nada, paga o dobro

E acho que já chega de ideias.

É melhor não revelar as melhores, senão o Passos ainda me convida para o governo, para o lugar do Relvas, que vai ter muito trabalho a fiscalizar o cocó dos cães.

 

Merry Fucking Christmas

Saturday, December 17th, 2011

Euclides Santos, apesar do nome, não tem nada a ver com geometria.

Ou, se calhar, tem…

Euclides Santos é comandante de Polícia Municipal de Coimbra e passaria anonimamente por este mundo, se não fosse a sua péssima relação com as novas tecnologias.

É que o senhor comandante, em vez de enviar postais de boas festas aos familiares e amigos, como fazia antigamente, decidiu enviar mails, porque é mais modernaço.

Vai daí, e segundo o judicioso DN, enviou este mail aos trabalhadores da câmara municipal:

Consta que a menina Genoveva, que trabalha na tesouraria da câmara há 30 anos e é uma das mais empedernidas virgens de Coimbra, ficou tão escandalizada com os votos de “relações sexuais incríveis”, que decidiu, logo ali, enviar um mail ao cardeal patriarca, pedindo a excomunhão do senhor comandante Euclides.

Só que a pobre senhora, também ela, tem alguma dificuldade em manejar as novas tecnologias e, sem querer, claro, enviou ao cardeal, este anexo.

E viveram todos felizes para sempre, o comandante Euclides, a D. Genoveva, o cardeal Patriarca e o Passos Coelho que, embora não tenha nada a ver com isto, leva por tabela, que é para ver se deixa de nos lixar as reformas!

Papa excomunga Passos Coelho

Thursday, July 14th, 2011

O Papa foi aos arames quando soube, através do Facebook, que o Passos Coelho nos vai cortar metade do subsídio de Natal!

Quando estava a brincar com o seu iPad, Ratzinger foi alertado por uma mensagem que o alertava por este verdadeiro ataque à religião católica.

Bento 16 nem queria acreditar que um governo de coligação, do qual fazem parte democratas-cristãos, com destaque para o fervoroso católico Paulo Portas, pudesse cometer semelhante sacrilégio.

É certo que o Papa já tinha desconfiado do ateísmo de Passos Coelho, uma vez que é um homem divorciado, para além de ter sido casado com uma  mulher que pertenceu a uma girls band. Ele sabia que um homem destes não deveria ser grande seguidor dos Evangelhos…

Mas cortar metade do subsídio de Natal é uma heresia.

Como é que os bons cristãos podem, em Dezembro, fazer as suas doações à Santa Madre Igreja?

Então, o chefe da Igreja reuniu-se com aqueles senhores com aquelas coisas ridículas e cor-de-rosa na cabeça e decidiu excomungar o primeiro-ministro português.

“Excomungue-se!” – exclamou Bento 16.

Até o meu neto já sabe que estamos em crise…

Sunday, November 14th, 2010

Nós – Tiago, o que queres como prenda de natal?

Tiago – Uma nave espacial.

Nós – E mais?…

Tiago – Mais nada.

O menino Jesus pendurado

Wednesday, December 16th, 2009

Dizem-me que já existem mais de 30 mil estandartes do menino Jesus pendurados das varandas e janelas portuguesas!

meninojesus

Vi na TV uma católica dizer que este gesto era uma espécie de resposta à moda, difundida pelas lojas chinesas, de pendurar pais-natal a trepar pelas varandas.

Quer dizer: combate-se uma ideia estúpida com uma ideia idiota.

Agora, acabou-se o “menino Jesus nas palhas deitado, menino Jesus nas palhas estendido” – agora é o menino Jesus nas varandas estendido.

Estão a colocar o menino Jesus ao nível da roupa lavada.

Como se fosse as cuecas da avó ou as toalhas da casa de banho.

Se a intenção é recordar que, no Natal, se celebra o nascimento do menino Jesus, por que não penduram, também, das varandas, os três reis magos, o burrinho ou até a vaquinha?