A Matemática do Crato

Em 2008, o professor de Matemática Nuno Crato publicou um livro com o título “A Matemática das Coisas”.

Nuno Crato livroUma amiga ofereceu-mo, mas confesso que nunca o li. Não que tivesse algum preconceito contra o professor do ISEG, mas apenas porque nunca fui muito amigo da Matemática e ela também nunca gostou muito de mim.

O livro reúne pequenas histórias, mais ou menos relacionadas com a Matemática, que Nuno Crato publicou no Expresso.

No final do prefácio, assinado pelo próprio, diz-se: «as histórias matemáticas são histórias de sucesso».

Um coisa boa já resultou da bagunça que se vive no Ministério de Crato: fui buscar o livro a uma das minhas estantes e aproveitei para limpar-lhe o pó.

Ao livro, claro…

Portanto, estava convencido que Nuno Crato, além de professor de Matemática e de Estatística era, também, de certo modo, escritor.

Confesso, portanto, que fiquei um pouco surpreendido quando o vejo fazer parte do ministério de Passos Coelho, como ministro da Educação.

Não é habitual professores-escritores aceitarem meter-se nessas andanças, embora haja antecedentes.

Recorde-se que o Governo de Sócrates também teve uma ministra da Educação escritora e uma ministra da Cultura pianista.

Mas são as excepções.

Temos, portanto, que Crato é professor, escritor e ministro.

Mas eis que uma fórmula matemática lixa Crato e instala-se o caos na colocação de professores.

Hoje mesmo, no Pública, relata-se o caso de um professor que ficou colocado em 75 escolas, mesmo depois de ter desistido do concurso!

Crato pediu desculpa, já sabemos.

E o Diário de Notícias enche a segunda página da edição de hoje com revelações sobre o que se passa no Ministério.

O subtítulo da notícia é: «Gabinete do ministro é a sala de operações onde juristas e técnicos tentam resolver os problemas dos concursos».

Sala de operações?

Então, Crato, além de professor, escritor e ministro, é também cirurgião?

Só que o título da notícia cita uma frase proferida por Crato: «Temos aqui um fogo e vou ter de ser eu a apagá-lo!»

Ora toma!

Afinal, Nuno Crato é professor, escritor, ministro, cirurgião e bombeiro!

“A Matemática das coisas”?

Não – coisas da Matemática!…

nuno crato erro

Afinal é revisitar, não é refundar!

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, não gosta do termo refundar.

Nisso estamos de acordo.

Diz a senhora que prefere a expressão “revisitar as funções sociais do Estado“.

E confirmou que os cortes na Justiça, Administração Interna e Defesa, serão de 500 milhões.

Parece, portanto, confirmar-se o que se diz por aí: o governo, com a prestimosa ajuda dos técnicos do FMI, prepara-se para cortar os tais 500 milhões e mais 3500 milhões na Saúde, na Segurança Social e na Educação.

Depois dessas reformas concluídas, a ministra Paula já não poderá “revisitar as funções sociais do Estado”, pela simples razão de que não restará nenhuma!

Uma ministra como deve ser!

Karina Bolaños era ministra da Cultura e da Juventude da Costa Rica.

E digo era porque, infelizmente, foi demitida em Julho passado pela presidente Laura Chinchilla.

Tudo porque um malandro colocou, na net, um video em que Karina, 39 anos, em cuecas e soutien, diz para alguém “te amo, te amo, mi vida, todo esto que vês aqui es tuyo, ti amo” e outras coisas deste género.

http://videos.sapo.pt/JS7ZMTbai0ZNupei6zI7

Injustiça, claro!

Nós temos ministros e ministras que dizem coisas muito piores e ainda ninguém os demitiu…

É que Karina, como se vê pelo vídeo, tinha tudo para ser uma excelente ministra da Cultura (a poesia das palavras que profere, o enquadramento da filmagem, a lembrar a nouvelle vague…) e uma óptima ministra da Juventude (os 39 aninhos, o rabo de cavalo, a qualidade da lingerie…).

Enfim, não se compreende por que foi demitida!

Mas Karina não se ficou.

Não se ficou e decidiu posar nua para a revista Interviu, aproveitando para deitar abaixo a presidente da Costa Rica.

Karina diz que Laura Chichilla (que raio de nome!) só protege os corruptos e que utilizou o referido vídeo como forma de ofuscar os negócios escuros em que estará envolvida.

Não sabemos que espécie de negócios são esses, mas lá que o vídeo da Karina ofusca muita coisa, não há dúvida.

Esta tarde pensei, várias vezes, na possibilidade de alguma das nossas ministras fazerem um vídeo semelhante.

Talvez com a divulgação de tais vídeos, Passos Coelho conseguisse desviar a atenção das medidas de austeridade…

Assunção e o ovo

A ministra Assunção Cristas discursava, em Santarém, quando alguém lhe atirou com um ovo.

Acho mal.

Assunção é ministra da Agricultura, do Ambiente, do Mar e do Ordenamento do Território.

Por isso, além do ovo, deviam ter-lhe atirado com um eucalipto, um chicharro e uma placa toponímica.

De qualquer modo, o ovo não atingiu Assunção.

Não foi ela que se mexeu – foi o ovo.

Era um ovo mexido…

Fé em Cristas

Assunção Cristas (a Sãozinha, para os colegas da cataquese) acredita que vai chover.

É uma questão de fé.

Disse ela:

“Devo dizer que sou uma pessoa de fé, esperarei sempre que chova e esperarei sempre que a chuva nos minimize alguns destes danos. Como é evidente, quanto mais depressa vier, mais minimiza, quanto mais tarde, menos minimiza. Se não vier de todo, não perderei a minha fé mas teremos obviamente de atuar em conformidade”.

O grau de complexidade deste raciocínio da ministra do MAMAO (Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento), merece ser escalpelizado.

Graças a estas afirmações da Sãozinha, ficamos a saber que:

1º A ministra é uma pessoa de fé

2º A ministra esperará, sempre, a chegada da chuva

3º Se a chuva chegar, a seca será minimizada

4º Se a chuva chegar mais depressa, a seca mais depressa será minimizada

5º Se a chuva chegar mais tarde, a seca será minimizada mais tarde

6º Mesmo que a chuva não chegue, a ministra não perderá a sua fé

7º Nesse caso, atua

Não tarda, vamos ver o MAMAO a financiar paróquias da província para que os padres rezem a pedir chuva ou, até, a organizar uma grande peregrinação a Fátima, a ver se chove.

Não percas a fé, Cristas, mas não rezes demasiado ou ainda levamos com algum dilúvio!

Da lambreta ao Audi

O ministro Mota Soares deu nas vistas quando chegou à tomada de posse deste governo, conduzindo uma lambreta.

Quis dar o exemplo. Estamos em crise, temos que poupar combustíveis – e Mota foi de mota.

Mas a poupança passou-lhe depressa.

Agora, o Mota anda de Audi.

Segundo o Correio da Manhã, Mota Soares faz-se transportar num Audi de 86 mil euros.

Suspeito que foi a Angela Merkel que telefonou ao Paulo Portas e lhe disse, em tom áspero: “Mas que merda é essa? Então o teu subordinado anda de mota em vez de usar um dos nossos carros? O gajo não tem um Mercedes, um BMW, um Audi?!

E Portas obrigou Mota a trocar a mota pelo Audi.

Isto é a nova União Europeia…

Luis Filipe Vieira a ministro!

O BPN já nos custou 2,4 mil milhões de euros.

Foi agora vendido ao BIC por 40 milhões, apesar de haver outra proposta que oferecia 100 milhões.

Luis Filipe Vieira comprou o guarda-redes Roberto por 8,5 milhões de euros ao Saragoça.

Depois de um ano de péssima exibições, o mesmo jogador foi vendido ao mesmo Saragoça, por mais 100 mil euros.

Conclusão: Luis Filipe Vieira devia ser nomeado ministro da Economia!