Posts Tagged ‘memórias’

José Mário Branco (1942-19.11.2019)

Monday, November 25th, 2019

Tomei contacto com a música de José Mário Branco, pela primeira vez, em novembro de 1971, no extinto Cinema Roma.

Encontrei notícia desse encontro aqui, num texto de Rogério Santos, Estudos da Rádio em Portugal.

Diz o autor: “De indicativo musical composto pela banda Pop Five Music Incorporated, o programa (Página Um) (…) fez emissões ao vivo (…) do cinema Roma, aqui a estrear os discos de José Mário Branco (Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades) e de Sérgio Godinho (Os Sobreviventes) (novembro de 1971). Os discos foram apresentados faixa a faixa pelos autores, em entrevista em directo, conduzida por Adelino Gomes. Como os músicos viviam exilados em Paris, no palco puseram-se duas cadeiras, e, no lugar deles, um gravador e as bobinas da música. O espectáculo foi público e estiveram cerca de 50 pessoas”

Eu fui uma dessas 50 pessoas.

Em novembro de 1971, tinha 18 anos e não perdia uma emissão do Programa de rádio Página Um, da Rádio Renascença, apresentado por José Manuel Nunes e com reportagens de Adelino Gomes (que haveria de ser meu colega jornalista na redacção da RTP, depois do 25 de Abril).

O Programa passava música anglo-saxónica e música de intervenção portuguesa (Zeca Afonso e quejandos).

Os Pop Five Musica Incorporated era uma banda pop-rock que integrou, entre outros, o irmão de Sérgio Godinho, Paulo Godinho, David Ferreira, Tó Zé Brito, Miguel Graça Moura.

Lembro-me que, sentado na plateia do cinema Roma, fiquei logo fascinado com a música do José Mário Branco. Como era possível aquela sonoridade num disco de um português?

Todas as músicas eram excelentes: Cantiga para pedir 2 tostões, Cantiga do fogo e da guerra, O charlatão, Queixa das almas jovens censuradas, Nevoeiro, Mariazinha, Casa comigo Marta, Perfilados de medo, Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

Os arranjos eram todos diferentes do que tinha ouvido até aí. Era possível fazer uma música de intervenção com qualidade e moderna!

Claro que comprei o disco, assim que saiu em Portugal, e acompanhei a carreira do José Mário Branco, mesmo naquele período mais ou menos louco do GAC (tenho os vinis todos e, ainda hoje, cantamos, em coro, Na herdade de Albernoa… e destaco o grande Pois Canté!).

Como não gosto muito de fado, a carreira do José Mário Branco como produtor de discos de fado, nomeadamente, do Camané, passou-me ao lado – mas não posso esquecer o Inquietação e aquela espécie de melopeia/manifesto anti-FMI, que ainda hoje me emociona e tenho dificuldade em ler todo aquele arrazoado, sem um nó na garganta.

Os meus sinceros agradecimentos a José Mário Branco

O Coiso – na net há 20 anos!

Monday, November 18th, 2019

O Coiso saiu à rua, pela primeira vez, em 7 de Março de 1975 e afirmava ser “o semanário de maior penetração no país”.

Era feito nas tipografias do saudoso jornal República, e tinha como principais mentores, o director comercial desse jornal, Álvaro Belo Marques, o Ruy Lemos (director), o grande Mário-Henrique Leiria (chefe de redacção), o José António Pinheiro e eu próprio. Os cartoons e bonecos em geral estavam a cargo do Carlos Barradas, Carlos Brito, Fred – e muitos outros colaboraram nessa pequena loucura durante 11 semanas.

Depois, o jornal República fechou, vítima dos acontecimentos turbulentos do chamado prec (processo revolucionário em curso), e O Coiso acabou. Ainda se publicaram mais dois números, com uma redacção muito desfalcada, e O Coiso murchou de vez.

Sempre senti O Coiso como meu, por razões que eu cá sei e, por isso, em novembro de 1999, meti O Coiso na net.

E, com maior ou menor assiduidade, O Coiso cá tem andado – e já lá vão 20 anos!

Parabéns ao Coiso!

25 de Abril Sempre!

Thursday, April 25th, 2019

Em novembro/dezembro de 1973 estávamos em plena crise petrolífera, por causa da guerra israelo-árabe.

As filas para as bombas de gasolina eram a regra e só podíamos pôr 20 litros por bomba. A 21 de novembro, os jornais noticiavam que a velocidade máxima tinha sido estabelecida nos 100 km/hora na autoestrada (ah! ah! ah!), que terminava ali para os lados de Aveiras de Cima, e 80 km/hora fora das localidades.

No entanto, a principal notícia ficava escondida e tinha a ver com os estudantes universitários.

Um decreto-lei determinava que as Universidades podiam recusar a matrícula a estudantes.

E porquê?

Porque tinham tido más notas? Porque não tinham conseguido a média necessária para entrar na Universidade?

Parece que não.

As Universidades podiam recusar a inscrição de estudantes que “justificadamente fossem considerados como prejudiciais à disciplina dos estabelecimentos”. (notícia de 25/11/1973)

Cerca de um mês depois, a 12.12.1973, o jornal República noticiava que a Faculdade de Letras tinha suspenso dez alunos e que no Instituto Superior Técnico, dois estudantes tinham sido presos depois da polícia ter invadido a sala de alunos.

E ainda há quem queira 300 salazares!…

White Album – 50 anos!

Thursday, November 22nd, 2018

Faz hoje 50 anos que foi editado aquele que é, na minha opinião, o melhor álbum dos Beatles – o famoso duplo Álbum Branco.

50 anos!

Sem comentários…

Comprei-o no ano seguinte, no dia 27 de Fevereiro de 1969 (faltava menos de um mês para completar 16 anos!…) – sei a exacta data porque, naquela altura (e ainda hoje…), tinha a mania de numerar e datar as coisas que comprava.

O White Album foi o primeiro LP que comprei com o meu dinheiro, com as moedinhas que fui poupando, andando à pendura no eléctrico do Arco do Cego até Benfica, ou andando a pé entre as chamadas paragens zona, de modo a comprar bilhetes mais baratos.

Comprei este duplo LP numa loja de discos (uma discoteca…), na Praça de Londres, um pouco acima do Café Mexicana (já não deve existir hoje em dia…).

O álbum estava numerado e, a mim, calhou-me o nº 510204.

É um disco do caraças!

Tens lá tudo, desde rock da pesada (Helter Skelter) a música country (Don’t Pass Me By), desde baladas (Julia) a experiências (Revolution 9), rock puro (Back in the USSR) e pop vulgar (Ob-La-Di, Ob-La-Da), grandes canções (While Guitar Gently Weeps, Mother Nature’s Son, Long, Long, Long) e algumas loucuras (Rocky Racoon, Yer Blues, Wild Honey Pie) e muitas coisas mais.

E posso acrescentar: todas as faixas valem a pena!

Para mim, continua a ser o melhor disco dos Beatles (seguido, de perto, pelo Abbey Road…).

Mas 50 anos, caramba!…

Nota: as fotos abaixo contém alguns acrescentos… o álbum era mesmo completamente branco…

 

 

 

 

Expressamente lixo

Sunday, November 12th, 2017

Entre 1974 e 1977 fui jornalista. Com carteira profissional. Trabalhei na redacção do Telejornal da RTP. Naqueles tempos conturbados do post-25 de Abril, fui sub-chefe de redacção, responsável pela última edição do Telejornal, que ia para o ar já depois da meia-noite.

A 28 de Outubro de 1977, já com o curso de Medicina terminado, deixei a profissão. Organizaram-me um jantar de despedida, no restaurante “O Jacinto“. Presentes cerca de 50 jornalistas da RTP (Hélder de Sousa, Cesário Borga, José Eduardo Moniz, Adriano Cerqueira, Mário Cardoso, Avelino Rodrigues, Nuno Vasco, Bessa Tavares, Pedro Luís de Castro, Sarsfield Cabral, Carlos Albuquerque e muitos outros.

Fiz um discurso, claro.

Do alto dos meus 24 aninhos, zurzi nos jornalistas, como correias de transmissão do Poder.

O discurso terminava com esta frase:

“Espero que um dia destes, os jornalistas constituam uma espécie em vias de extinção. Paulatinamente, serão substituídos pelos mensageiros da correspondência colectiva”.

De certo modo, estava a antecipar as redes sociais, e não podia adivinhar que elas poderiam ser tão más ou piores que os jornalistas…

Tudo isto vem a propósito do título de primeira página do Expresso de ontem.

Os tipos da página Os Truques da Imprensa Portuguesa têm desmontado, com eficácia, coisas semelhantes, mas elas não param!

Portanto, segundo o título do Expresso, António Costa deu 1200 milhões de euros ao PCP e ao Bloco de Esquerda!

Mas onde é que isto já chegou?!

Os partidos da chamada geringonça já negoceiam milhões entre eles?

Logo no subtítulo, ficamos a saber que desses 1200 milhões, metade vai para os pensionistas que, como toda a gente sabe, são todos do PC ou do Bloco…

Vejamos então o que diz a notícia, no interior do jornal:

“As cedências do Governo aos partidos de esquerda vão custar cerca de 1200 milhões entra 2016 e 2019. Este valor corresponde ao acréscimo de despesa (ou diminuição da receita) acumulado durante os quatro anos de legislatura perante o que estava originalmente previsto pelo PS. É um montante que corresponde a cerca de 0,5% do PIB mas que, na prática, acaba por não ter grande impacto orçamental já que está diluído por vários anos e, além disso, o crescimento económico tem batido as expectativas iniciais.”

Se um tipo ler só o título, fica indignado com o facto do Costa andar agora a dar milhões aos parceiros da geringonça e depois, afinal:

  1. O dinheiro é para os portugueses, independentemente de quem votam;
  2. Os 1200 milhões são distribuídos ao longo de quatro anos
  3. O impacto desse montante no PIB é desprezível

Sendo assim, qual é a grande manchete do Expresso de ontem?

Porra nenhuma!

A coisar na net há 16 anos

Sunday, November 8th, 2015

Fez no passado dia 1 de Novembro 16 anos que meti o Coiso na net.

Como qualquer Coiso que se preze, também este passou por várias fases. Há uns anos que estacionou em WordPress, mas mantém-se activo.

Para recordar algumas dessas fases, é só seguir este link.

Teste rápido de memória para primeiros-ministros

Thursday, September 25th, 2014

Pergunta única:

É verdade que, sendo deputado em regime de exclusividade, recebeu, durante alguns anos, um ordenado de 5 mil euros mensais, pago por uma empresa privada?

A – Sim
B – Não
C – Não se recorda

Exercícios cerebrais

Saturday, December 21st, 2013

A revista Notícias Magazine, publicou um artigo intitulado “Como ter uma super memória”.

Nesse artigo, fala-se de Ramón Campayo, um espanhol de 48 anos que é o único homem no mundo a conseguir memorizar 23 200 palavras, ouvindo-as apenas uma vez, e reproduzindo-as, depois, pela mesma ordem; além disso, o tipo decora cem números em 50 segundos.

Gostaria de saber qual é o interesse de memorizar 23 mil palavras e 1oo números, mas adiante.

Claro que o homem escreveu um livro.

Até aqui, nada de novo…

Pois se o Ronaldo e o Beckham também escreveram um!

Nesse livro, o Campayo ensina 10 exercícios para o cérebro.

São eles:

1º Lave os dentes com a mão não dominante; 2º Tome banho de luz apagada; 3º Mude o caminho para o trabalho; 4º Use o relógio no outro pulso; 5º Reconstitua um momento da sua infância; 6º Aprenda de cor uma música nova; 7º Comece a pintar; 8º Jogue xadrez; 9º Durma bem – pelo menos oito horas por noite; 10º Pratique exercício físico e uma alimentação equilibrada

Depois, quando tiver o intervalo entre os dentes cheios de restos de salada e as axilas e os sovacos enxovalhados, quando tiver faltado ao trabalho dias a fio porque não encontra o caminho, quando não conseguir dizer a que horas anda, quando desatar a chorar por reconstituir aquele momento em que o seu pai o proibiu de brincar com o seu brinquedo favorito, quando passar o dia a trautear uma canção do Dino Meira e a pintar paredes enquanto joga xadrez antes de dormir oito horas seguidas e quando praticar exercício equilibrado e alimentação física, poderá, finalmente decorar 23 mil palavras e cem números e perguntar PARA QUÊ, PORRA?!

25 de Abril sempre!

Thursday, April 25th, 2013

* «Esse homem extraordinário que é o Presidente Marcello Caetano, sempre presente no coração e na alma de todos os portugueses que compreendem o esforço gigantesco desenvolvido pelo Chefe do Governo a favor da elevação social do povo português e do engrandecimento de Portugal»

– Afonso Marchueta, governador civil de Lisboa, 27 agosto 1973

* «No campo social também há a reacção, como no campo fisiológico; se é justo reagir contra e febre e a doença, porque não reagiremos contra a revolução e todas as moléstias do corpo social? Com justiça, pois, nós somos, nossos princípios são, reaccionários»

– José Pequito Rebelo, jornal “O Debate”, janeiro 1972

* «Na hora presente em que Goa criada por Albuquerque vive num cativeiro, sob o peso da abominável tirania indiana, exclamemos com aquele veterano de longas barbas, coberto de cicatrizes, batendo no túmulo com o seu bordão: “Levanta-te, capitão, que se perde o que ganhaste!”»

– Editorial do jornal “Heraldo”, janeiro 1972

* «Esta triste realidade significa que o ofício de governar se está a tornar cada vez mais difícil e árduo, exigindo, além de inteligência, de tacto, de sabedoria e de persistência, sobretudo de muita e inflexível firmeza contra a degradação, a indisciplina, os desmandos e os acto de puro banditismo. (…) Trabalhar no sentido de pôr termo ao retrocesso moral, veneno subtil que está provocando a poluição das almas, para mim a mais grave e perigosa poluição dos tempos actuais».

– Amério Thomaz, presidente da República, janeiro 1973

5 anos sem fumar!

Tuesday, August 21st, 2012

Faz hoje 5 anos que deixámos de fumar! Fumámos durante 39 anos e agora, custa-me a perceber como fui capaz de fumar durante tantos anos!

Para quem ainda fuma, aqui fica a prova provada de que é possível, desejável, vantajoso e formidável, estupendo, fantástico e abracadabrante deixar de fumar!

Tudo melhora: o olfacto, o paladar, a resistência física, a libido, a respiração, a saúde em geral, o apetite, as finanças, a limpeza da casa e do carro, diminui a possibilidade estatística de teres um acidente cardiovascular e/ou um cancro, os beijos têm mais sabor, as viagens de avião são mais fáceis de suportar, não precisas de fazer figuras tristes nos aeroportos, a correr lá para fora, para poderes fumar um cigarrinho, terminas a refeição calmamente e saboreias o café nas calmas, sem a preocupação de ter que acender o cigarro, diminui a possibilidade de incêndio na habitação, podes brincar com os teus netos, sem medo de os queimares com o cigarro ou de os intoxicares com o fumo, deixas de fazer figuras idiotas a tentar acender cigarros quando está vento e, sobretudo, deixas de fazer aquelas boquinhas parvas a tentar fazer argolas com o fumo, acabam-se os dedos amarelos, acabam os cinzeiros pirosos a servir de biblots em tudo o que é mesa de apoio, armário ou prateleira, já não precisas de fumar um cigarro depois do orgasmo e podes ocupar as mãos e a boca com coisas mais interessantes, as caminhadas são mais fáceis, já não entras em pânico se o elevador estiver avariado e tiveres que subir 6 andares a pé, deixas de ter o teclado do computador cheio de cinza e vais sentir-te bem, muito bem – e, sobretudo, sentir-te-ás livre!