Posts Tagged ‘costa rica’

Uma ministra como deve ser!

Friday, September 14th, 2012

Karina Bolaños era ministra da Cultura e da Juventude da Costa Rica.

E digo era porque, infelizmente, foi demitida em Julho passado pela presidente Laura Chinchilla.

Tudo porque um malandro colocou, na net, um video em que Karina, 39 anos, em cuecas e soutien, diz para alguém “te amo, te amo, mi vida, todo esto que vês aqui es tuyo, ti amo” e outras coisas deste género.

http://videos.sapo.pt/JS7ZMTbai0ZNupei6zI7

Injustiça, claro!

Nós temos ministros e ministras que dizem coisas muito piores e ainda ninguém os demitiu…

É que Karina, como se vê pelo vídeo, tinha tudo para ser uma excelente ministra da Cultura (a poesia das palavras que profere, o enquadramento da filmagem, a lembrar a nouvelle vague…) e uma óptima ministra da Juventude (os 39 aninhos, o rabo de cavalo, a qualidade da lingerie…).

Enfim, não se compreende por que foi demitida!

Mas Karina não se ficou.

Não se ficou e decidiu posar nua para a revista Interviu, aproveitando para deitar abaixo a presidente da Costa Rica.

Karina diz que Laura Chichilla (que raio de nome!) só protege os corruptos e que utilizou o referido vídeo como forma de ofuscar os negócios escuros em que estará envolvida.

Não sabemos que espécie de negócios são esses, mas lá que o vídeo da Karina ofusca muita coisa, não há dúvida.

Esta tarde pensei, várias vezes, na possibilidade de alguma das nossas ministras fazerem um vídeo semelhante.

Talvez com a divulgação de tais vídeos, Passos Coelho conseguisse desviar a atenção das medidas de austeridade…

Finca de Mariposas e Café Britt

Thursday, April 23rd, 2009

A Finca de Mariposas fica em La Guacima, na província de Herédia, a cerca de meia hora de San José.

Desta finca partem, para todo o mundo, casulos de mais de 40 espécies de borboletas – e os casulos são surpreendentes, parecendo pequenos objectos de ourivesaria, sobretudos os das Morpheus e os das Monarcas.

No jardim, todo coberto de rede, as borboletas voam por todo o lado e põem os ovos em plantas preferidas (cada espécie tem a sua planta); os ovos são recolhidos diariamente e colocados numa espécie de maternidade/infantário, onde se acompanham as diversas fases da vida de uma borboleta.

Numa salaao lado, mulheres procedem à escolha dos casulos – só os melhores servem para exportação.

A Costa Rica tem mais de mil espécies de borboletas, mais do que todo o continente africano.

cr_finca_borboleta1

cr_finca_casulos

No Café Britt, a visita é conduzida por três actores que nos contam a história do café, desde a semente à chávena.

A visita começa na quinta, junto aos cafezeiros, mas acaba num pequeno anfiteatro, onde os actores contam um pouco a história do café, desde que foi descoberto, na Etiópia, até á sua introdução nas grandes cortes europeias e, depois, a sua chegada à Costa Rica. Interessante e divertido.

cr_cafebritt

Parque Nacional Manuel António

Tuesday, April 21st, 2009

Inaugurado em 1972, este Parque Nacional com nome de conquistador espanhol, tem praia de um lado e floresta do outro.

Apesar de ser o parque mais pequeno do país, com apenas 16 km2, tem uma biodiversidade notável.

A estrela do Parque é a preguiça, animal que parece rir-se do facto de ser pré-histórico e nunca ter feito nada por isso, mas também se vêem macacos uivadores e de cara branca, caranguejos terrestres, pássaros diversos, iguanas, morcegos e insectos estranhos.

cr_manuel_iguana

cr_manuel_macaco

cr_manuel_praia

De Monteverde a Manuel António

Monday, April 20th, 2009

O Interbus faz a ligação entre os vários hotéis dos vários lugares turísticos da Costa Rica. São carrinhas com 9-11 lugares, o que torna as ligações mais rápidas e baratas.

O interbus que nos foi buscar de Monteverde até ao Hotel El Parador, em Manuel António, demorou 4 horas, a primeira hora das quais numa estrada incrível, de terra batida, cheia de buracos e pedras rolantes, montanha acima, montanha abaixo.

Pelo caminho, vimos um tucano de bico arco-íris, araras lindíssimas, uma iguna no meio da estrada, indiferente ao trânsito, e, finalmente, o Pacífico, com praias a perder de vista.

cr_manuel_tucano

Manuel António fica 6 km depois de Quepos, no cimo de uma colina que domina o oceano.

Ao longo da íngreme colina, outra vez com estrada de terra batida, hotéis, lodges, pensões, cabinas, apartamentos, um frenesim de construção que acaba por transformar este local paradisíaco num frenesim turístico.

O hotel El Parador é espectacular e é só é pena que tudo isto seja construido à custa da destruição da floresta.

cr_manuel-piscina

Reserva Biológica de Monteverde

Sunday, April 19th, 2009

Chega-se à Reserva Biológica de Monteverde por uma sinuosa estrada de terra batida. São 105 km2 de floresta, a 1500 metros de altitude, temperados por neblinas quase constantes, alimentados pelos ventos húmidos do oceano.

Dizem que existem, aqui, cerca de 150 espécies de répteis e anfíbios, 500 espécies de borboletas, 100 espécies de mamíferos, 400 espécies de pássaros, incluindo 30 de colibris – mas a vida animal é difícil de detectar, devido à densidade da folhagem e ao porte esmagador das árvores.

cr_monteverde_arvore

Um dos pássaros que aqui vive está em vias de extinção. É o famoso quetzal, que os índios pensavam ser descendente do deus Quetzalcoatl.

O quetzal é, de facto, um pássaro espectacular, com penas de cores iridiscentes, cuja tonalidade varia consoante a incidência da luz solar.

cr_monteverde_quetzal

Os colibris vêem-se melhor, graças a um truque. Colocam-se diversos bebedouros cheios de água com açúcar e é vê-los virem, em hordas, batendo as asas, para chuparem a gulodice.

cr_monteverde_colibri

A Selvatura, a cerca de 6 km da Reserva, é uma espécie de parque temático sobre a floresta. Ocupando uma extensa área da floresta nebulosa, tem, como atracções, um borboletário, um reptilário, uma exposição de insectos, tirolinas e pontes suspensas.

As oito pontes suspensas, fornecem um passeio de cerca de 2 horas.

As pontes suspensas são uma maneira óptima de ver a floresta porque ficamos ao nível das copas de muitas árvores, embora ainda bem longe de muitas outras.

Algumas das pontes estão a cerca de 60 metros de altura e têm à volta de cem metros de comprimento.

cr_monteverde_pontes

Do Arenal a Monteverde

Saturday, April 18th, 2009

Pode ir-se do Arenal até Montever, começando por atravessar o lago Arenal, de bote, o que demora cerca de uma hora.

Com o vulcão pelas costas e Monteverde em frente, a transição de uma paisagem para outra é evidente.

As encostas de Monteverde parecem de veludo verde.

cr_arenal_lago3

Depois da travessia do lago, segue-se um percurso de hora e meia por estrada de terra batida, com muitas pedras soltas, subindo e descendo, com um manto verde de cada lado da estrada.

O almoço, no Fonda Vella Hotel, foi casado.

Casado é o prato típico da Costa Rica e é composto por frango, ou vaca ou peixe e, a acompanhar, tudo: arroz, feijão, plátano, ovo, tomate, cebola, palmito, tortilla, queijo, etc.

cr_monteverde_casado

Em Monteverde também se cultiva bom café.

Na quinta Don Juan, podemos ver, novamente, todas as fases do processo e ver, por exemplo, como se extraía, antigamente, o açúcar da cana, espremendo-a num torno, movido por uma parelha de bois.

A planta do café é, sem dúvida, a estrela da Costa Rica.

cr_monteverde_cafe

Parque Nacional do Vulcão Arenal

Friday, April 17th, 2009

O Parque Nacional do Vulcão Arenal cobre mais de 120 km2 e rodeia o vulcão.

O vulcão deixou de estar activo por volta do século 16 e só voltou a entrar em actividade em 1968; desde então, não mais parou.

Uma caminhada de cerca de 3 km leva-nos até à corrente de lava, hoje solidificada e transformada em rochas magmáticas e cinzas.

Com a ajuda de binóculos, vemos as rochas caindo pela encosta do vulcão e ouvimos o som assustador, semelhante a trovões. De vez em quando, um pequeno abalo de terra.

Também no Parque Nacional, pode-se passear sobre as copas das árvores, em funicular.

Lá de cima, vê-se o lago Arenal, um lago artificial criado em 1973, numa depressão tectónica entre Tilarán e a cordilheira de Guanacaste.

cr_arenal_lago

cr_arenal_lago2

Vulcão Arenal

Thursday, April 16th, 2009

Do Parque Nacional Tortuguero ao Parque Nacional do Vulcão Arenal, passa-se quase um dia inteiro: primeiro, hora e meia de lancha, até Caño Blanco, depois, autocarro por uma estrada muito estragada, até Guapiles e, finalmente, 2h 30 de estrada em bom estado, mas com muito trânsito de camiões, bicicletas e peões, caminhando nas bermas.

O vulcão Arenal é um cone perfeito, com 1650 metros de altura e o topo quase sempre escondido por nuvens e pelo fumo que sai do próprio vulcão.

cr_arenal_vulcao

A última grande erupção foi em 1968 e a lava e as rochas incandescentes destruiram uma povoação inteira. Desse lado, a encosta do vulcão é árida. Do outro lado, toda a encosta é verdejante e a povoação que existe no sopé, adoptou o nome de La Fortuna, por razões óbvias.

O Hotel Kioro fica mesmo em frente ao vulcão e tem diversas piscinas com águas termais, que vão arrefecendo, à medida que passam de uma para outra.

cr_arenal_termales

A fauna e a flora de Tortuguero

Wednesday, April 15th, 2009

A diversidade da fauna e flora do Parque nacional de Tortuguero é enorme e a melhor maneira de a explorar é de barco, passeando lentamente pelos rios e canais, logo pelas 6 da manhã e, depois, ao fim da tarde.

Para além de uma infinidade de pássaros, podemos ver macacos-aranha e macacos-uivadores, saltando de árvore em árvore,  iguanas, insectos estranhíssimos, borboletas, caimões e muitas variedade de lagartos.

No que respeita à flora, surpreende sempre a complexidade das flores.

cr_tortuguero_flor

cr_tortuguero_macacos

cr_tortuguero_insecto

cr_tortuguero_ave

cr_tortuguero_lagarto

Parque Nacional Tortuguero

Tuesday, April 14th, 2009

O Parque Nacional  Tortuguero foi criado exactamente para proteger as praias onde as tartarugas vão desovar, entre Junho e Novembro.

De 1966 a 1974,  foi construído um sistema de canais que ligam, entre si, os rios Colorado, Parismina, Pacuaré, Rebentazon e Tortuguero. Forma-se, assim, uma estrada aquática com cerca de 100 km.

O Parque Tortuguero estende-se, ao longo da costa do Caribe, por 22 km.

Viaja-se de San José até Caño Blanco, já na costa do Mar das Caraíbas, ao longo de 150 km de estrada asfaltada, com muitas curvas e contra-curvas, atravessando o Parque Nacional Bráulio Carrillo, com vegetação luxuriante.

À beira da estrada, uma planta com folhas enormes, é conhecida como “chapéu de chuva dos pobres”, já que cada uma das folhas pode abrigar duas ou três pessoas.

Já perto da costa atlântica, começam as plantações de bananeiras, a perder de vista. Muita floresta tropical tem sido sacrificada para se plantarem bananais. A Costa Rica é o segundo maior exportador mundial de banana e todos nós já vimos o famoso sêlo da Chiquita banana.

Curiosa,  a forma como os trabalhadores transportam os cachos de bananas, desde a plantação até ao local onde são escolhidas e embaladas. Cada homem puxa uma série de cachos, que se deslocam ao longo de um cabo de aço.

cr_bananas2

Em Caño Blanco, apanha-se uma lancha que, nos leva até ao Pachira Lodge, através do rio Parismina e dos canais. São 50 km e hora e meia de caminho, seguindo paralelamento ao Caribe, com crocodilos ao fundo.

Tortuguero é uma pequena vila, com cerca de mil habitantes, situada na estreita faixa de terra que fica entre o canal e o Caribe. Claro que não tem estradas, nem carros. Só lá se chega de barco.

Quando se chega a Tortuguero, vindos do canal, o embarcadouro é dominado por uma praça que exibe duas grandes estátuas de um pelicano e de um papagaio; em redor, estátuas mais pequenas de sapos e tartarugas. Mas não são estátuas realistas – são antes representações infantis daqueles animais, pintados com cores berrantes, assim como os bancos e as mesas, também existentes na praça.

cr_tortuguero1

A aldeia de Tortuguero estende-se ao longo de uma única rua, ladeada de casas térreas, de madeira. No ar, um cheiro adocicado (das flores? de alguma erva que faz rir?). Ali à frente, um negro, com a barba bem desenhada (todos usam barbas bem desenhadas, muito cool), deitado numa rede, ouve rap, com o volume sonoro no máximo, acenando para os turistas. Tá-se bem no Caribe!

Muitas lojas de souvenirs, com os mesmos produtos desinteressantes. Dezenas de pássaros cruzam os ares, de árvore em árvore.

Os habitantes de Tortugero, ao fim da tarde, já não têm nada para fazer. Já pescaram, já passearem os turistas, por isso, agora, passeiam eles, ociosos, alguns de bicileta sem travões. Travar para quê? Tudo aqui anda devagar, menos os pássaros, que voam, velozes, por todo o lado.

Alia ao lado, a praia de areia cinzena, vulcânica, é onde as tartarugas desovam.

Agora, não há tartarugas à vista. Apenas o oceano, incessante.

cr_tortuguero_praia