“Não há lenha que detenha o FMI”*

Tenham medo, tenham muito medo – o FMI vem aí!

Não se deixem enganar pelas palavras bonitinhas do site dessa organização sinistra.

Segundo o seu site, o FMI diz ser “uma organização de 187 países que trabalha para a cooperação monetária global, para uma segura estabilidade financeira, que facilita o comércio internacional, que promove o pleno emprego e o crescimento económico sustentado, e que reduz a pobreza em todo o mundo.”

MENTIRA!

“Não há força que retorça o FMI!” *

Eles já estiveram em Portugal, em 1977 e 1983 e todos nos lembramos de como o país ficou de pantanas!

O FMI tira-nos as casas e as mulheres, rouba-nos os plasmas e as altas-fidelidades, tira-nos os fins-de-semana nos spas, os subsídios de doença, os medicamentos contra o colesterol, os parques infantis e os programas bons da televisão.

O FMI não está interessado no equilíbrio das contas do Estado, mas apenas em fazer-nos a vida negra, provocar o fim das nossas colheitas, a secagem dos rios e a drenagem dos pântanos (porquê a drenagem dos pântanos, porquê?!)

O FMI é um grupo de malfeitores que nos vai esmifrar os salários, esmagar os subsídios de férias, esganar as senhas de refeição, os abonos de família, os subsídios de desemprego e de doença outra vez, vai tirar-nos os anéis e os dedos, os almoços e os jantares, os dias bonitos de sol e os passarinhos. Todos!

O FMI só é amigo dos governos – de resto, é inimigo de toda a gente!

Mas ele vem aí, inevitavelmente.

Estou transido de medo!

* frases de José Mário Branco, nesse seu grandessísimo rap intitulado, justamente, “FMI”, e cujo texto completo vos aconselho a recordar aqui.

Tags: , ,

3 Responses to ““Não há lenha que detenha o FMI”*”

  1. antonio dias says:

    Ironia do destino, ouvi o Zé Mário declamar o FMI, por mais que uma vez, mas só o li agora, 31 anos depois, quando este espreita de novo.
    Foi muito interessante ler agora, à distancia, o Zé Mário na ressaca.
    Mas o país é diferente, para melhor e para pior.
    Antes reivindicávamos o direito à indignação e à revolta, agora, é mais o direito ao desconhecimento e à preguiça.
    Não me parece que seja um avanço, mas se calhar estou enganado?

  2. Maquiavel says:

    Até o Stiglitz o critica!
    Por onde passa o FMI deixa os países de pantanas. A näo ser para os da classe alta, esses näo säo tocados.

    O mantra é sempre o mesmo:
    1 – desvalorizar a moeda
    2 – privatizar serviços públicos e empresas estratégicas
    3 – aumentar impostos dos indivíduos
    4 – reduzir impostos das empresas

    Mais? Suporte de ditadores…
    http://en.wikipedia.org/wiki/IMF#Support_of_military_dictatorships

    Na Argentina a “ajuda” do FMI acabou com revoltas populares em 2001, e uma grande viragem à esquerda, que perpassou ao resto do continente.

Leave a Reply