Archive for the ‘Coisas Vistas’ Category

“A Favorita”, de Yorgos Lanthimos (2018)

Saturday, March 9th, 2019

A rainha Ana, de Inglaterra, que reinou apenas entre 1702 e 1707, é interpretada por Olivia Colman e esse desempenho valeu-lhe o óscar por melhor actriz.

Ana foi uma rainha fraca e doente; consta que sofreu 17 abortos, pelo que não teve nenhum herdeiro e da sua fraca saúde se aproveitava Lady Sarah (Rachel Weisz) que, segundo o filme, acabava por tomar decisões pela rainha.

Além de lhe usurpar o poder, Lady Sarah também partilhava a cama da rainha. Só que entre ambas acaba por se intrometer Abigail (Emma Stone), uma ex-dama, caída em desgraça mas que, graças às suas manhas e, mais uma vez, às fraquezas da rainha, consegue subir de criada a Lady, passando, também, pela cama da rainha.

E é neste triângulo amoroso que se vai desenrolando a história, tendo, como pano de fundo, uma guerra com a França e a disputa entre os tories e os whigs.

O desempenho das três actrizes é óptimo, a história está bem contada, a decadência da corte inglesa está bem demonstrada e o realizador consegue fazer um filme histórico sem cair na produção BBC-like, como poderia ter acontecido.

Gostei.

“The Mule”, de Clint Eastwood (2018)

Tuesday, February 19th, 2019

Devo ter falhado poucos filmes do, e com o, velho Clint Eastwood. Segundo os meus registos, vi 36 filmes de e com o antigo mayor de Carmel. Não vi The Snipper e acho que nunca o irei ver.

Enfim, Clint está velhote (tem 88 anos), é um republicano empedernido e, de vez em quando, demasiado à direita para o meu gosto – mas que é um autor/actor do caraças, lá isso é!…

Desde os tempos em que fazia de cowboy nos western spaguetti do Sergio Leone, como The Good, The Bad and the Ugly, com aquele célebre trielo com o sol a pino e a música inconfundível de Morricone.

(Chiça, que até pareço um crítico de cinema – só me faltam alguns adjectivos e umas quantas frases indecifráveis!).

Fui hoje ver o último filme realizado e protagonizado pelo velho Clint.

E chamo-lhe novamente velho porque, para além do homem ter 88 anos, interpreta o papel de um tipo com 90 anos! Portanto, bastou-lhe “act naturally”, como cantava o Ringo Starr.

Este The Mule, baseado numa história verdadeira, conta a aventura de um horticultor de 90 anos que, vendo-se na falência, cede à tentação de arranjar dinheiro fácil, transportando droga entre o Texas e Chicago. Quem ia suspeitar de um velhote, conduzindo uma camioneta de caixa aberta?

Durante cerca de um dúzia de viagens, Earl vai transportando cada vez maiores quantidades de cocaína, proveniente do México.

Earl esteve na guerra da Coreia e, embora muito popular e divertido junto das associações de horticultores e dos clubes de veteranos de guerra, é mal-visto pelos membros da sua família. A ex-mulher não lhe perdoa o abandono e a filha nem sequer lhe fala. Resta-lhe uma neta que, apesar de tudo, sente alguma ternura por ele.

No final, Earl vai ter que decidir entre entregar mais de 300 quilos de coca ou acompanhar os últimos dias de vida da ex-mulher, que sofre de cancro.

A história está bem contada, sem rodriguinhos nem cenas desnecessárias, Eastwood percorre todo o filme com aquele seu ar seco e de poucas falas e gostámos muito.

Recomendo.

“The Oldman and the Gun”, de David Lowery (2018)

Monday, January 14th, 2019

O filme conta-nos a história de Forrest Tucker (Robert Redford, 82 anos), um crónico assaltante de bancos que, apesar da idade avançada, continua a sua actividade criminosa, com a ajuda de dois cúmplices: Teddy (Dany Glover, 72 anos) e Waller (Tom Waits, 69 anos).

Baseado numa história verídica, é um filme tranquilo, de acordo com a idade dos actores.

Robert Redford compõe um excelente Tucker, um assaltante bem educado, que nunca levanta a voz, nunca usa a arma que traz consigo e tem sempre um cumprimento e um sorriso para os gerentes dos bancos que assalta.

Tom Waits tem um papel curto, mas conta uma história digna dele próprio.

Sissi Spacek (69 anos) é Jewel, uma viúva que acolhe Tucker durante algum tempo e Casey Affleck (o mais novo deles todos), é o polícia que devia prender o assaltante, mas que, no fundo, o admira.

Bom filme.

Fantasia e Capricho – Orquestra Sinfónica Metropolitana

Monday, December 10th, 2018

Rimsky-Korsakov (Rússia, 1844-1908) escreveu o Capricho Espanhol, uma suite para orquestra em 5 andamentos, em 1887.

Manuel de Falla (Espanha, 1876-Argentina, 1946), compôs Noites nos Jardins de Espanha, para piano e orquestra, em 1915.

Stravinsky (Rússia, 1882, New York,USA, 1971), compôs a música para o bailado Petrushka, originalmente protagonizado por Nijinski e coreografado por Diaguilev, em 1911.

Fomos assistir, ontem, à interpretação impecável destas três obras pela Orquestra Sinfónica Metropolitana, no CCB.

A direcção coube a Pedro Amaral e, ao piano, esteve António Rosado.

Cinco estrelas.

“Mártir”, pela Companhia de Teatro de Almada

Saturday, December 8th, 2018

O texto (muito bom), é de Marius von Mayenburg (n. Munique, 1972), um autor, tradutor e encenador alemão, da companhia berlinense Schaubuhne, que tem tido uma carreira muito elogiada.

A encenação (muito boa), é de Rodrigo Francisco, actual director artístico da Companhia de Teatro de Almada e do Festival de Almada.

A interpretação cabe a um grupo de actores todos muito bons, com destaque para Vicente Wallenstein, Benjamin, o protagonista, um jovem adolescente às voltas com os diversos problemas da puberdade e que encontra na Bíblia (que interpreta à letra) a resposta para tudo.

À sua volta gravita uma mãe desorientada (Tânia Guerreiro), um professor de natação que se está nas tintas (Pedro Walter), uma professora de Biologia que tenta compreendê-lo mas acaba por entrar em guerra aberta com ele (Inês de Castro), um padre (André Albuquerque), o director da escola (João Cabral), uma aluna e colega (Ana Cris), e um aluno com uma deficiência numa perna (Ivo Marçal).

Durante hora e meia assistimos à radicalização de Benjamim, que cita versículos da Bíblia a propósito de tudo, da identidade sexual (abominando os homossexuais), da identidade de género (menosprezando as mulheres), da família, da violência, da guerra…

E por causa das suas atitudes, vemos a desorientação da mãe, divorciada, e que não percebe nada do que se está a passar com o filho; as discussões entre o director da escola, que quer evitar conflitos, não assumindo uma posição definida, mas acabando por entrar em guerra com a professora de Biologia; esta, por sua vez, ao tentar compreender o que se passa com Benjamim, entra em conflito com o professor de natação, seu companheiro, e que se está nas tintas para tudo; uma aluna que tenta seduzir o rapaz; um aluno com deficiência, que é vítima de agressões constantes e humilhações e que procura, em Benjamim, mais do que um amigo; e um padre, que apesar de ser o representante de Deus, também não percebe nada do que se passa e tenta conquistar Benjamim para que ele cataquise outros.

Repito: excelente texto e superior representação!

Tradução de Manuela Nunes; Cenografias de José Manuel Castanheira; Figurinos de Ana Paula Rocha; Desenho de Luz de Guilherme Frazão e mais uma extensa equipa de colaboradores.

A Pior Comédia do Mundo

Saturday, September 22nd, 2018

A Pior Comédia do Mundo (Noises Off), é um original de Michael Frayn, estreado em Londres em 1982.

A acção desenvolve-se em três cenas. Na primeira, uma companhia de teatro ensaia uma comédia, intitulada “Tudo a Nu”, para uma digressão extensa pela província. A estreia está marcada para o dia seguinte e o ensaio geral está a correr muito mal. a comédia baseia-se na entrada e saída de diversas personagens numa casa que deveria estar vazia. Há várias portas, que se abrem e fecham, e o êxito da acção baseia-se na entrada e  saída, a tempo, dos diversos personagens, o que não está a acontecer. O encenador tem que intervir com frequência. Para apimentar a acção, ficamos a saber que alguns dos actores têm relações secretas entre si. Acresce que um dos personagens mais importantes é surdo e gosta da pinga.

A segunda cena desenrola-se nos bastidores. Começou a digressão. Vemos a parte de trás do cenário da primeira cena e toda esta parte é como um filme mudo: enquanto, lá à frente, decorre a acção que vimos ser ensaiada, nos bastidores, surgem diversos conflitos: o encenador tenta fazer as pazes com uma das suas namoradas, comprando-lhe flores, um dos actores tenta agredir gravemente outro porque pensa que ele tenta roubar-lhe a namorada. Sem falharem, por pouco, nenhuma das entradas em cena, os actores vão desenvolvendo as suas guerras nos bastidores.

A terceira e última cena regressa, digamos assim, ao palco, para mais uma representação da comédia. Aqui, os actores estão já visivelmente baralhados e confusos com tantas guerras de bastidores e a coisa só pode correr mal. Improvisam, substituem-se uns aos outros em algumas entradas e acabam bruscamente com a peça, num final imprevisto.

Muito divertido e bem agarrado pelos actores, numa representação exigente, até do ponto de vista físico.

Com encenação de Fernando Gomes, os actores são: o próprio Fernando Gomes, que faz o papel do actor surdo e que gosta da pinga, José Pedro Gomes que representa o encenador, Ana Cloe, Cristóvão Campos e Jorge Mourato, que se fartam de suar, escadas acima e abaixo, Elsa Galvão, Inês Aires Pereira, Paula Só, de quem gostei particularmente, e Samuel Alves.

Gostei mesmo!

“Don’t worry, he wont get far on foot”, de Gus Van Sant (2018)

Friday, July 6th, 2018

John Callahan (1951-2010) foi um cartunista norte-americano, sarcástico, politicamente incorrecto, que, devido ao seu alcoolismo, sofreu um acidente de viação que o deixou tetraplégico aos 21 anos.

Preso a uma cadeira de rodas, continuou a beber durante anos, até conseguir, graças ao clássico programa dos alcoólicos anónimos e à ajuda de uma espécie de guru, deixar o álcool e começar a desenhar.

Os seus cartoons são sarcásticos e altamente provocadores; num deles, um pedinte de raça negra e cego, estende o chapéu, pedindo trocos, dizendo “sou cego e negro e não tenho jeito para a música, ajude-me!”

Joaquin Phoenix é um excelente actor e faz um tetraplégico convincente e Gus Van Sant dirige o filme de forma escorreita.

Sabe bem ver uma história bem contada, sem rodriguinhos, nem “modernices”.

Gostei!

E foi o nosso primeiro filme com bilhetes sénior!

Bigre – mélo burlesque

Thursday, July 5th, 2018

Assistimos ontem ao espectáculo de abertura do 35º Festival de Teatro de Almada.

“Bigre – mélo burlesque”, é um espectáculo da Compagnie Le Fils du Grand Réseau (Brest/França), da autoria de Pierre Guillois, com a ajuda de Agathe L’Huiller e Olivier Martin-Salvan.

Em 2017, este espectáculo ganhou o prémio Moliére para Melhor Comédia e foi votada como o melhor espectáculo no 34º Festival de Almada, razão pela qual tivemos direito a mais uma representação.

Foi ontem, no palco grande da Escola António da Costa e já não me ria tanto há muito tempo.

No palco, três águas furtadas contíguas. Na primeira, vive um adepto das novas tecnologias, obcecado pela limpeza, na segunda, um acumulador de tralha que dorme numa rede e estende roupa numa corda improvisada, que implica com o candeeiro, e na terceira, uma inquilina desastrada, dada a biscates.

Os três vão protagonizar uma série de gags, qual deles o mais cómico.

Descrevê-los é impossível.

Parece incrível como é possível, ao vivo, e em directo, conseguir todos aqueles “efeitos especiais”, graças a um excelente trabalho de bastidores, a uma banda sonora óptima e um jogo de luzes impecável – porque não há texto, vivendo a acção disso mesmo, da acção dos três protagonistas, cujos nomes são: Bruno Fleury, Eleonore Auzou-Connes e Jonathan Pinto-Rocha.

Cinco estrelas.

O youtube tem pedaços do espectáculo, que vale a pena espreitar…

https://ctalmada.pt/bigre-melo-burlesque/

A maravilhosa biodiversidade de Portugal

Friday, August 8th, 2014

O semanário Sol, na sua edição de hoje, publica um artigo em que é sublinhada a biodiversidade do nosso país.

Diz o texto que, “de Norte a Sul foram descobertas, só nos últimos dez anos, 118 espécies, entre moscas, aranhas, escaravelhos, peixes, aves e fungos”.

E acrescenta que “Portugal faz parte daquilo a que os cientistas internacionais chamam de hotspot de biodiversidade mediterrânico, uma das 34 áreas com maior riqueza biológica do mundo”.

Este ano, por exemplo, “foi descoberta, na Serra de Monchique, no Algarve, uma nova espécie de mosca – a colaspidea algarvensis, com reflexos dourados.

É, de facto, um fenómeno assinalável, sobretudo sabendo-se que a maioria destas espécies só existe no nosso país.

Mas a jornalista esqueceu-se de outra espécie, tipicamente portuguesa, descoberta há poucos anos: a dos banqueirus corruptus.

Tudo começou com a descoberta de um exemplar de Jardinis Gonçalvus, continuou com o excelente Joanus Rendeirus e o mirabolante Oliveirae Costarum e culminou no exemplar-mor da espécie: Ricardus Salgadus.

É de facto maravilhosa, a nossa biodiversidade!…

 

Forbrydelsen, 3ª temporada

Sunday, May 11th, 2014

Forbrydelsen é uma série televisiva dinamarquesa, criada por Soren Sveistrup e que já vai na 4ª temporada.

forbrydelsenA 3ª temporada passou recentemente no AXN Black, gravei-a e tenho estado a ver, à velocidade de um episódio por noite, para fazer render o peixe, porque a vontade é ver os episódios todos de seguida.

Nunca pensei que pudesse gostar de uma série policial dinamarquesa, depois de todas as séries norte-americanas que já papei.

A principal personagem é uma desconcertante Sarah Lund (interpretada por Sofie Grabol), inspectora da polícia de Copenhaga; desconcertante porque é a perfeita anti-heroína. Surge sempre com os cabelos desgrenhados, sem maquilhagem, de jeans e faz os dez episódios da temporada com duas ou três camisolas de lã. Tem uma vida particular destroçada, mora num apartamento minúsculo, desarrumado, desconfortável, escuro e quase sem mobília. Acho que nunca a vi rir.

As histórias de Forbrydelsen são complexas, envolvendo, para além de assassínios e/ou raptos e/ou violações, uma intrincada teia política com relações também complicadas com empresas e empresários.

Num momento em que o Cavaco se farta de apelar ao compromisso entre os principais partidos políticos, dando, como exemplo, a maior parte das democracias europeias, é curioso ver, neste série, como é que os três ou quatro principais partidos dinamarqueses se chantageiam, subornam, aldrabam, para conseguir alianças pré e post-eleitorais. E como são perigosas as relações entre alguns elementos desses partidos e os grandes empresários e como, por vezes, as suas acções roçam a criminalidade.

Para complicar tudo isto, as tensão sociais também são abordadas pela série, com inclusão, por exemplo, do fenómeno da imigração.

Sarah Lund move-se no meio desta teia complicada com aparente dificuldade; não se socorre de alta tecnologia, tipo CSI, para chegar onde quer. Vai andando, de pista em pista, socorrendo-se da sua intuição e de ser capaz de estar atenta a pequenos pormenores que passam despercebidos a outros.

Aconselho.