Archive for the ‘Coisas dos estudos’ Category

Exposição “Museu das Descobertas”, no MNAA

Tuesday, June 4th, 2019

O título é provocador, porque esta Exposição, patente no Museu Nacional de Arte Antiga, não tem nada a ver com aquilo a que chamamos descobrimentos, mas sim, com as descobertas que os Museu fazem, ao estudar e analisar a fundo as obras dos seus acervos.

A interessante Exposição compõe-se de salas com designações bem significativas: Contemplar, Preservar-Estudar-Comunicar, Religar, Desvendar, Restaurar, Salvaguardar, Doar, Circular, Projectar e Rastrear.

Por exemplo, na sala Circular ficamos a saber que, na troca de peças para espaços expositivos em outros Museus, por esse mundo fora, descobrem-se, muitas vezes, coisas que não se sabiam sobre essas mesmas peças. Na sala Religar percebemos como peças adquiridas em diferentes locais e em diferentes épocas, acabam por fazer parte dos mesmos conjuntos, como é o caso de retábulos aparentemente dispersos e que, afinal, devem ser vistos como um todo.

Trata-se de uma Exposição muito bem conseguida e que nos tomou cerca de hora e meia.

Só tivemos tempo para ver a Capela das Albertas, a sala dos Presépios e a Exposição dos tecidos e, graças à intervenção de uma voluntária muito entusiasta, os desenhos que Durer fez antes de pintar o célebre São Jerónimo, que pertencem à Galeria Albertina, de Viena, e que estão agora em exposição no MNAA até Agosto.

“Grace”, de Margaret Atwood (1996)

Tuesday, June 4th, 2019

Em 1843, no Canadá, Grace Marks, com apenas 16 anos, foi condenada pela participação no assassínio do seu patrão e da sua governante e amante. Depois de muita polémica, o Tribunal condenou à morte por enforcamento o moço da estrebaria, que teria sido o assassino material de ambos e Grace, embora acusada de ter sido a instigadora e cúmplice, foi condenada a prisão perpétua, devido à sua juventude.

Margaret Atwood fez um trabalho exaustivo de investigação, estudando os jornais da época, livros e revistas, que mencionaram em abundância aqueles crimes, estudou, certamente, outras publicações contemporâneas, onde foi buscar informações sobre sessões espíritas, mesmerismo e hipnotismo, usos e costumes das criadas, o que elas usavam para tirar nódoas, como cozinhavam, o que faziam para corar roupas, etc – e como toda essa informação escreveu este romance muito interessante, quase todo na primeira pessoa, com a voz de Grace Marks.

Gostei muito do livro, não só pela linguagem coloquial da Grace Marks, mas também pela personagem do Dr. Jordan, um jovem psiquiatra, que se interessa pelo caso e que, através de entrevistas a Grace, tenta compreender a personalidade da alegada criminosa, à luz das novas teorias psiquiátricas, quando o Freud ainda não tinha nascido…

Vale a pena ler.

Que puta de continência!

Thursday, May 30th, 2019

O Público de hoje traz uma notícia cujo título me deixou perplexo.

Reza assim:

“Militares da GNR filmam continência de prostituta”

Segundo a pequena local, dois militares da GNR, a bordo de um veículo daquela garbosa força paramilitar, aproximam-se de uma prostituta e, através do megafone, ordenam à senhora: “Continência!”

A visada obedece, fazendo a continência.

Depois, um dos militares pergunta: “como está a correr o trabalho?”

Finalmente, o outro militar diz à trabalhadora para desfazer a continência, afirmando: “Pode estar à vontade! À vontade, mas não à vontadinha”.

E, segundo a notícia, “abandonam o local às gargalhadas”.

Tudo isto foi filmado pelos militares e colocado nas redes sociais.

Diz o comando-geral da GNR que este tipo de atitudes é reprovável e que os dois militares vão ser alvo de processos disciplinares.

Mas porquê, pergunto eu!

A GNR é conhecida como uma força da ordem que actua perto das populações e, ao perguntar à senhora como estava a correr o trabalho, o dedicado GNR só queria inteirar-se se tudo estava bem, as condições de trabalho, o horário, a afluência, o salário – numa palavra, esta atitude só demonstra dedicação. Não nos esqueçamos que a divisa da GNR é “pela Lei e pela Grei”!

Quanto ao facto de os dois militares abandonarem o local às gargalhadas, também não vejo qual é o mal. Alegria no trabalho, é o que é!…

Finalmente, pedir à senhora para fazer continência, até é de louvar. Sabendo que continência e abstinência são sinónimos, e conhecendo a profissão da trabalhadora, só podemos dizer que estes dois valentes militares da GNR estavam a tentar que a senhora mudasse de vida…

A greve

Friday, April 19th, 2019

No segundo dia da greve dos motoristas de transporte de matérias perigosas, Vitorino ouviu nas notícias que um determinado posto de combustível iria ser abastecido.

Embora não andasse de carro há mais de uma semana, dirigiu-se para o referido posto e colocou-se na fila que já se formara.

Durante seis horas esperou pela sua vez, entretendo-se a fazer cruzadex.

Vitorino estava reformado e raramente usava o carro, que estava estacionado em frente ao prédio onde residia, devidamente tapado com uma cobertura que comprara no século passado e que, apesar de ter alguns rasgões, ainda servia muito bem o propósito de proteger a pintura.

Vitorino tinha até pensado em vender o carrito, mas quem iria pegar num chaço com mais de trinta anos?

Depois das seis horas de espera, Vitorino conseguiu atestar o depósito e encheu também um jerrican de 25 litros porque nunca se sabe…

Quando chegou à praceta, o lugar para o carro ainda lá estava. Há gente com muita sorte. Estacionou o veículo, cobriu-o com a capota e levou o jerrican com gasolina para casa, guardando-a na despensa.

Três meses depois, quando o prédio ruiu como um castelo de cartas, ninguém percebeu o que tinha causado tamanha explosão…

Trabalhar até à morte!

Saturday, April 13th, 2019

A Fundação Francisco Manuel dos Santos preocupa-se muito com a sociedade portuguesa…

Como se diz nos seus estatutos, a Fundação tem por missão estudar, divulgar e debater a realidade portuguesa, de um modo livre e independente. O seu fundador, Soares dos Santos, neto de FMS e dono da Jerónimo Martins (Pingo Doce, entre muitas outras coisas), é o garante dessa liberdade e independência. Ele, que despreza a classe política, quer ajudar o nosso país e, por isso mesmo, sediou a sua empresa na Holanda, pagando lá os impostos.

Pois a Fundação encomendou um estudo sobre a Segurança Social. Esse estudo afirma que o sistema de pensões vai à falência em breve, a menos que a idade da reforma passe para os 70 anos.

Numa altura em que diversas classes profissionais (professores, enfermeiros) reivindicam a reforma aos 55 anos, esta proposta da Fundação Pingo Doce só pode dar vontade de rir.

Apetece mesmo dizer ao chato do sindicato dos professores e aos diversos chefes dos muitos sindicatos dos enfermeiros para irem ter com o Soares dos Santos e pedir-lhe satisfações.

Se ver um polícia de 60 anos correr atrás de um ladrão já é um fartar de rir, que dizer de um gnr de 70?

E que dizer de um professor de História, daqueles muito chatos e com Alzheimer? Quem aguenta uma aula de História dada por um professor desses, com 69 anos?

Há quem diga que a Fundação encomendou este estudo para criar, na opinião pública, a ideia de que a Segurança Social só se safa com a privatização.

No futuro, talvez, ao ires ao Pingo Doce, possas comprar duas embalagens de Chocapic e receber, como prémio, um Plano Complementar de Reforma.

Poderás então dizer que, se te quiseres reformar, terás que ir ao sítio do costume…

Os cogumelos e a memória

Saturday, March 30th, 2019

Segundo um estudo realizado na Universidade Nacional de Singapura, os idosos que comem cogumelos, duas ou mais vezes por semana, reduzem para metade os riscos de sofrerem danos cognitivos, como diminuição da memória. Isto deve-se à ergotionina, um potente anti-oxidante, que existe em quase todas as espécies de cogumelos à venda nos supermercados.

Ora, como eu como cogumelos desses todos os dias, repito, todos os dias, receio que me continue a lembrar de coisas que quero esquecer a todo o custo.

Porra para os cogumelos!…

Tavares pobre

Tuesday, March 19th, 2019

Há um restaurante muito famoso na Rua da Misericórdia (também conhecida como Rua do Mundo, por razões que a malta de hoje não percebe) – restaurante esse que se chama Tavares, mas que é conhecido como Tavares Rico. O adjectivo “rico” juntou-se ao Tavares por razões óbvias, desde sempre, desde a sua inauguração em 1784. É rico pela decoração, pelos lustres, pelos preços e requinte dos comeres e dos beberes, pelos frequentadores.

Há também um jornalista chamado Tavares, muito famoso na terra dele, que é Portalegre e, por isso mesmo, foi escolhido para organizar as comemorações do 10 de Junho deste ano, pelo Presidente Marcelo.

Assina João Miguel Tavares e eu chamar-lhe-ia Tavares Pobre.

Pobre pelos temas que escolhe para a sua coluna da última página do Público, pobre pela argumentação que usa e que é tristemente fraca, limitada, pobre, numa palavra.

Além desta coluna destacada (acho que é semanal), o Tavares (pobre) faz também parte do Programa Governo Sombra, da TVI e da TSF, onde tem, todas as semanas, a possibilidade de explanar as suas ideias e argumentos. Pobres, quase sempre.

Claro que, por vezes, Tavares acerta. Como é um dos nossos tudistas (especialista em tudo), dá opiniões sobre tudo e mais alguma coisa – o que aumenta as possibilidades de, de vez em quando, dizer coisas acertadas.

Agora, Tavares anda muito preocupado com o facto de, no Governo do Costa, haver muitas relações familiares: há um ministro casado com uma ministra, há um ministro que é pai de uma ministra, parece que também há primos e primas e, talvez amantes.

Na crónica de hoje, Tavares debruça-se sobre o facto de a mulher do novo ministro Pedro Nuno Santos, Catarina Gamboa, ter sido nomeada chefe de gabinete do secretário de Estado adjunto e dos Assuntos Parlamentares.

No fundo, Tavares acha isto um escândalo, propondo que, no futuro, o símbolo do PS passe a ser um punho, uma rosa e “um bonito bouquet matrimonial”.

É uma piada, claro, porque Tavares é muito engraçado, tendo carreira certa na stand up comedy quando deixar de trabalhar nos jornais.

Parece que o ministro Pedro Nuno Santos decidiu explicar-se, quanto ao facto de a mulher ter sido nomeada chefe de gabinete, explicando que a conhece dos tempos da Juventude Socialista e que se apaixonou por ela porque, como é natural, passavam muito tempo juntos.

Tavares percebe isso e acrescenta que isso também acontece com os jornalistas. E escreve: “passei os primeiros oito anos da minha carreira a trabalhar no Diário de Notícias, e se não tivesse já namorada quando para lá entrei seria difícil não acabar enrolado com alguém da redacção”.

Este é um argumento que deve deixar a mulher do Tavares em brasa. Afinal, no fundo – e como Freud explicaria lendo o texto do Tavares – o homem teve ganas de se enrolar com alguém lá da redacção e só não o fez porque já tinha namorada. Pobre Tavares!…

E Tavares acrescenta: “tirando o tempo que estamos a dormir, passamos o dia todo com aquelas pessoas. Qual é o espanto dos jornalistas casarem com jornalistas e os políticos com políticos? Mas sabem o que é que se dizia (e ainda se diz) dos jornalistas? Que não conhecem o mundo para além das redacções. Que perderam a ligação às pessoas comuns. Que vivem em circuito fechado. Que essa forma de vida é limitada, pobre e pouco saudável.”

Claro que Tavares não corre este risco porque, apesar de passar a vida entre as redacções e os estúdios de televisão, não está casado com uma política.

O que Pedro Nuno Santos devia fazer era obrigar a mulher a ficar em casa a cuidar das coisas domésticas, assim como Vieira da Silva, se fosse um pai como deve ser, obrigaria a filha a cuidar da família, em vez de se meter em políticas.

Tavares ficaria assim mais feliz.

E pobre.

Nacionalismo? Não, obrigado

Friday, February 8th, 2019

Na página 140 do livro de Yuval Noah Harari, “21 Lições para o Século XXI”, pode ler-se:

“Consequentemente, durante a Guerra Fria o nacionalismo ficou em segundo plano face a uma abordagem mais global à política internacional, e quando a Guerra Fria acabou, a globalização pareceu ser a onda irresistível do futuro. Esperava-se que a Humanidade deixasse as políticas nacionalistas completamente para trás, transformando-se elas numa relíquia de tempos mais primitivos que podiam seduzir, no máximo, os habitantes mal-informados de alguns países subdesenvolvidos. Todavia, os acontecimentos dos últimos anos mostraram que o nacionalismo ainda exerce uma atração poderosa sobre os cidadãos da Europa e dos EUA, já para não falar da Rússia, da Índia e da China.”

Mas afinal, o que é que eu tenho em comum com o Gaspar Andorinha, que vive em Mirandela, que não tenha com o Jeremy Smith, que vive em Bristol?

O que faz de mim português, em oposição a cidadão da Europa?

Como diz o historiador Harari, eu tenho gostos e preferências comuns com meia-dúzia de pessoas; talvez me consiga integrar numa pequena comunidade, uma família, talvez uma tribo – nunca uma nação.

Portanto, seria mais fácil admitir que faço parte de um Planeta global, com todas as diferenças permitidas e respeitadas.

Mas eis que, agora, querem regressar aos nacionalismos, ao orgulho da ser húngaro, ou polaco, ou italiano, por oposição a ser europeu, ou cidadão do mundo. Do mesmo modo, estamos a criar pequenos grupos, e pertencemos, com orgulho, aos coletes amarelos, aos motards, aos guardas prisionais, aos enfermeiros, aos professores, etc. E estes grupos têm interesses em comum que, aparentemente, são contrários aos dos restantes grupos, ou independentes deles.

Pode parecer exagerado comparar interesses de pequenos grupos profissionais com interesses nacionais, mas o espírito é o mesmo. Não podemos pensar num país isoladamente, assim como não podemos pensar numa classe profissional separada das restantes.

Vem tudo isto a propósito da recente celeuma entre Itália e França – que já não se via desde a 2ª Guerra Mundial -, e da recente requisição civil dos enfermeiros, após uma greve prolongada.

Assim como a Itália não pode pensar no problema dos imigrantes que vêm de África sem a ajuda da França e dos restantes países da Europa, também os enfermeiros não podem tentar resolver as suas reivindicações, ignorando que estão integrados num Serviço Nacional de Saúde, que integra muitos outros profissionais.

“A Sucessão”, de Jean-Paul Dubois (2016)

Thursday, December 27th, 2018

Jean-Paul Dubois (Toulouse, 1950) é um discreto escritor francês que, apesar de já ter quinze romances publicados, continua muito pouco conhecido e do qual pouco se sabe, por culpa dele próprio que, pelos vistos, não gosta de propaganda. Terá tido estudos de sociologia, terá sido jornalista, com reportagens publicadas, por exemplo, no Nouvel Observateur.

Este romance, A Sucessão, foi finalista do Prémio Goncourt de 2016 e em boa hora o adquiri e o li com muito agrado. Ao contrário de lixo que anda por aí, este discreto livro é um dos melhores que li nos últimos tempos.

Conta-nos a história de Paul Katrakilis, um médico francês que prefere a pelota basca à medicina, sendo jogador profissional em Miami, onde foi feliz feliz.

Paul provém de uma família, no mínimo, estranha: o avô terá sido médico de Estaline e suicidou-se; o pai, também médico, suicidou-se; a mãe e o tio, irmão da mãe, ambos relojoeiros, além de terem vivido mais ou menos em incesto, também se suicidaram.

Talvez por tudo isso, Paul fugiu de França e da medicina, encontrando a felicidade na pelota basca e em Miami.

Mas a história de Paul é também sobre o amor impossível, com uma norueguesa 26 anos mais velha, sobre a solidão e sobre a eutanásia.

Sobre essa paixão impossível, escreve Dubois:

“Estava na ordem das coisas, pois essa Ingvild Lunde encarnava mais ou menos tudo o que um homem pode sonhar desde a adolescência, ou seja, um ser simbiótico que tinha simultaneamente o tamanho do pai e o corpo da mãe.”

Paul acaba por regressar às origens e enfrentar os fantasmas de uma história familiar muito pesada.

E depois de deixar o desporto e voltar à medicina, Paul debate-se com a monotonia das queixas dos doentes (e como eu o compreendo…):

«”É aqui, doutor, que está o mal. Sinto guinadas de dor. Sobretudo quando como alface e tomate. O resto do tempo? Estou bem” Palpações, perguntas sobre o trânsito intestinal, fazer exercício, síndrome do cólon irritável, não se preocupar, e também, porque não, deixar de comer alface e tomate durante um tempo. A mãe dele poderia ter dito a mesma coisa.»

E ainda:

“E havia o consultório, o telefone a tocar, todas essas pessoas que entravam e saíam da minha casa, que batiam com as portas. Eram a minha família numerosa. Contavam-me a vida delas, que muitas vezes era tão triste como a minha, falavam-me das fezes dos seus bebés, do seu herpes genital, da mulher que os punha malucos, do marido que só pensava naquilo. O resto do tempo, doía-lhes aqui. Não, doutor, um pouco mais acima. Sim, aqui, exactamente.”

Aconselho vivamente.

Edição Sextante, com tradução de Joana Cabral.

Trumpalhices

Tuesday, May 8th, 2018