A greve

No segundo dia da greve dos motoristas de transporte de matérias perigosas, Vitorino ouviu nas notícias que um determinado posto de combustível iria ser abastecido.

Embora não andasse de carro há mais de uma semana, dirigiu-se para o referido posto e colocou-se na fila que já se formara.

Durante seis horas esperou pela sua vez, entretendo-se a fazer cruzadex.

Vitorino estava reformado e raramente usava o carro, que estava estacionado em frente ao prédio onde residia, devidamente tapado com uma cobertura que comprara no século passado e que, apesar de ter alguns rasgões, ainda servia muito bem o propósito de proteger a pintura.

Vitorino tinha até pensado em vender o carrito, mas quem iria pegar num chaço com mais de trinta anos?

Depois das seis horas de espera, Vitorino conseguiu atestar o depósito e encheu também um jerrican de 25 litros porque nunca se sabe…

Quando chegou à praceta, o lugar para o carro ainda lá estava. Há gente com muita sorte. Estacionou o veículo, cobriu-o com a capota e levou o jerrican com gasolina para casa, guardando-a na despensa.

Três meses depois, quando o prédio ruiu como um castelo de cartas, ninguém percebeu o que tinha causado tamanha explosão…

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.