Cuidado Apple! A Coreia do Norte já tem um smartphone!

O fim do reinado da Apple está próximo!

A Coreia do Norte já tem o seu smartphone! (ver aqui)

Chama-se Arirang e a agência noticiosa coreana (conhecida pelas sugestivas iniciais KCNA) divulgou uma foto em que se vê o Luminoso Líder Kim Jong Un a admirar a nova obra da tecnologia coreana.

mySuperLamePic_2729349b87f75234ed6839ab264969dd

Esta notícia levanta muitas questões:

– para que raio querem os coreanos um smartphone se estão impedidos de aceder à internet?

– será que aquelas caixinhas correspondem à totalidade dos smartphones produzidos na Coreia? Não serão demais?

– que complicadas instruções estará o Imaculado Líder a transmitir aos militares que os obriga, aos três, a tomarem nota?

– será que lhes está a dizer que também quer o telefone em grená e azul-bebé?

– se já têm um smartphone por que raio os militares estão a tomar apontamentos num caderninho?

– por que razão os operários têm luvas e o Espirituoso Líder mexe no smartphone com as manápulas nuas?

Enfim: a Coreia do Norte já é capaz de fabricar mísseis, foguetões e até smartphones. Qualquer dia, quem sabe, Bimbys!

Será o caos!

Meo tanga

No mês passado decidi contratar a Zon Fibra.

Marquei a instalação. Telefonaram na véspera a confirmar. No dia aprazado, ninguém apareceu. Telefonei a indagar. Depois de muitas teclas batidas, do lado de lá da linha, e depois de muitos muito obrigado por ter esperado, Sr. Artur, disseram-me que não estava nada agendado.

Mudei de operador. Logo.

Liguei para o Meo.

Uma semana depois, tinha telefone, internet e televisão HD. Do Meo.

Sábado passado, já não tinha nada.

Nem telefone, nem internet, nem televisão.

Esperei por domingo. Telefonei. Depois de muito obrigado por ter aguardado, Sr. Artur, ordenaram-me que desligasse os equipamentos da corrente, por esta ordem: primeiro a box, depois o router e depois o não-sei-quê.

De cu para ar, com o telemóvel (que ainda é da Zon…) encostado ao ouvido, desliguei tudo.

Aguarde uns minutos.

Aguardei.

Agora ligue os aparelhos pela mesma ordem.

Liguei.

Aguarde uns minutos.

Aguardei.

Obrigado por ter aguardado, Sr. Artur Рdiga-me como ̩ o estado das luzes no router, por favor.

Pois a primeira está ligada, as outras duas piscam e a da internet e a do telefone, estão apagadas.

Aguarde mais alguns minutos.

Aguardei.

Em resumo: 23 minutos depois, 6 euros e qualquer coisa de chamada (a chamada só é gratuita se for da rede PT), a menina diz-me que tem que mandar um técnico cá a casa.

Pode ser amanhã, das 18 às 20h?

Pode.

Não apareceu ninguém.

Mas também não me chateei porque o serviço foi retomado, assim, de repente.

Ontem, a meio do Barcelona- Benfica, o serviço foi ao ar!

Liguei para o apoio ao cliente, mais uma vez.

Expliquei tudo.

Muito obrigado por ter aguardado, Sr. Artur: trata-se de um problema na sua zona. Já lá está alguém a tomar conta do assunto e o serviço deve ser retomado dentro de 24 horas.

Então e por que estive eu, ontem de cu para o ar, a ligar e a desligar equipamentos.

Pois, isso foi porque ainda não tínhamos um “tec” aberto (?)

Então e como poderei ser ressarcido de três dias sem serviço?

Ah, para isso vou passar ao meu colega das reclamações.

Desliguei.

É preciso ter fibra para aguentar estes gajos da fibra!

Preciṣo Рat̩ no erro!

Ontem à noite verifiquei que estava sem televisão, sem internet e sem telefone fixo.

É o que dá colocar todos os ovos no mesmo cesto.

Liguei para o Apoio ao Cliente da Zon e atendeu-se um Gonçalo qualquer.

Muito simpático e aparentemente feliz por estar a falar comigo, o Gonçalo Qualquer, depois de indagar o meu número de cliente e de consultar O SISTEMA (sempre com letra grande), informou-me que, de facto, havia uma avaria na minha zona.

Mais me informou que a avaria estava a ser resolvida e que havia uma previsão: estava previsto que o problema fosse resolvido às 0h32 do dia 11 de março.

Não às 0h30, não pouco depois da meia-noite, não por volta da meia-noite e meia, não ainda antes da uma da manhã – mas sim, às 0h32!

Claro que esta manhã, quando acordei, continuava sem televisão, sem internet e sem telefone fixo.

O Gonçalo Qualquer enganou-se – mas com muita precisão!…