“Midnight in Paris”, de Woody Allen

E vão 36 filmes do Woody Allen.

Até “Matchpoint” (2005), não falhei nenhum. Desde então, cansei-me um pouco de Woody Allen e só vi “Vicky Cristina Barcelona” (2008) e “Whatever Works” (2009), tendo falhado outros três filmes.

Mas Allen ainda não perdeu o jeito e este “Midnight in Paris” está bem esgalhado.

Ao estilo de “The Purple Rose of Cairo” (1985), o protagonista (Owen Wilson) torna-se personagem da sua própria fantasia.

Em “A Rosa Púrpura do Cairo”, o herói (Jeff Daniels), viu tantas vezes o mesmo filme que acabou por saltar para dentro da tela e contracenar com os personagens.

Em “Midnight in Paris”, o medíocre argumentista Gil Pender (Wilson a fazer de Woody Allen), salta no tempo para os anos 20 parisienses, ao entrar num velho Peugeot, à meia-noite.

Nesses saltos no tempo, Pender vai conhecer Picasso, Hemingway, Dali, Gertrudes Stein (Kathy Bates), Luis Buñuel, Man Ray, Cole Porter – enfim, todos os seus heróis e também Adriana (Marion Cotillard), que foi amante de Modgiliani e de Braque e que vive agora com Picasso.

Esta nova realidade, que Pender passa a viver, todas as noites, depois da meia-noite, afasta-o cada vez mais da sua realidade, isto é, da sua fútil noiva e dos seus futuros e execráveis sogros.

Mas Allen leva este “regresso ao passado” mais longe, já que Adriana gostaria de ter vivido na bélle époque e ambos acabam por fazer uma visita a essa era, onde encontram Degas e Gaugin, que gostariam de ter vivido no Renascimento. Para já não falar no detective que, a certa altura, começa a seguir Pender…

Woody Allen está em forma. Novamente.

PS – Há muito tempo que não ia ao cinema e já não me lembrava bem porquê. Hoje confirmei: sentámo-nos numa das salas vazias das Amoreiras às 13h e começámos a ver o filme às 13h25, depois de uma chuva de anúncios idiotas, com um som altíssimo!!! Cerca de 50 minutos depois, o filme é cortado à faca para um intervalo de sete minutos! Porquê?!

2 thoughts on ““Midnight in Paris”, de Woody Allen

  1. Intervalos no cinema é de doidos. Tinham desaparecido nos anos 90 para minha satisfação e voltam agora para a malta ir comprar pipocas. Quanto aos anúncios o mal é internacional. Aqui em França também gramo com 20 minutos de cada vez. Poucas apresentações de filmes e muita publicidade. Os intervalos, pelo menos nas salas que frequento, ainda não chegaram. Espero que nunca cheguem.

  2. Ah, nada como cinema de alta definição com surround sound no meu sofá. Nada de gajos a atender o telemóvel, nada de putos a mascar pipocas e nada de publicidade. Os intervalos são quando eu tiver vontade de fazer xixi!

Leave a Reply to Elso Lago Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.