Mamarracho

mamarracho

Numa rotunda, no Monte de Caparica, onde havia um verdejante relvado com algumas árvores já frondosas, ergue-se agora o Mamarracho.

É um incrível monumento ao operário da construção naval.

Quase indescritível: no centro, parece haver a proa de um navio em construção, depois, uns carris sulcam o chão, cheio de cascalho; mais atrás, um guindaste; num dos cantos, três hélices no topo de umas estacas; noutro canto, uma hélice maior, em cima de um cubo de cimento.

Tudo cor de ferrugem, feio, agreste.

Mamarracho!

Ainda não foi inaugurado.

A Maria Emilia de Sousa, presidente da Câmara de Almada desde a Idade Média (que exagero! Desde a 1ª República…), deve estar à espera da campanha eleitoral das autárquicas para inaugurar o Mamarracho.

Só por isto devia perder as eleições!

16 thoughts on “Mamarracho

  1. Reparei no Mamarracho no sábado passado, mas como passámos de carro eu disse ao Fernando: “Olha vão fazer obras outra vez na rotunda”. Hihihi!!! Nunca pensei que fosse um monumento…

  2. Almada está cheia de merdas destas, são as mãos no parque por trás da Praça Che Guevara, outras na Ramalha e o Monumento ao Tétano no Parque da Paz.

    São todos horríveis, industriais, feitos de ferro enferrujado. São obras de arte que não apetece tocar, bem pelo contrário… metem medo.

    E agora essa nova peça no Monte, que também já vi, é um novo atentado visual comuna na nossa cidade.

    Pergunto-me ainda, quem será o fulano que tem mecenato da CMA para fazer estas coisas, porque pelo estilo e materiais, parece-me ser tudo feito pelo mesmo gajo… granda tacho!

  3. E ainda a pirâmide de cubos, mesmo no centro do Centro Sul – como eu gostava que ela se desmoronasse sobre o seu autor e todo o executivo da Câmara de Almada!

  4. maldito mamarracho!! devia mesmo perder as eleiçoes…a gastar dinheiro em porcarias…não ha um veto ao mau gosto e à destruição da natureza?

  5. Para quem “aterrou” por Almada à falta de ter casinha virada para o mar na linha de Cascais, posso informar o seguinte:

    A região de Almada foi sucessivamente terra de:

    Tanoeiros – Ginjal (ler a obra do Romeu Correia)
    Corticeiros – Zona da Romeira – Cova da Piedade
    Construção e Reparação Naval – ainda não há muitos anos existiam:
    Sociedade de Reparação de Navios – Ginjal
    Companhia Portuguesa de Pesca – Ginjal
    H.Parry & SOn – Cacilhas
    Lisnave – Margueira
    Arsenal do Alfeite

    Por força disso e falta da ponte, existiam no Concelho de Almada mais de 80 colectividades de cultura e recreio, alguma delas já ultrapassaram há muito o seu centenário (Incrivel, Academia)

    O que está a ser feito, é sempre discutível, como qualquer obra, mas a referência a Almada como terra de gente da “ferrugem” é apenas um acto de reconhecimento.

    Naturalmente que a “ferrugem” incomoda muita gente já se sabe

    O resto é conversa da trêta

    1. Uma vénia para tanto conhecimento!
      Honra a todos os operários!
      Mas aquilo é um MAMARRACHO!
      (e aterrei em Almada há 26 anos…)

      1. Caro Artur
        Tenho bastante admiração pelos seus textos, desde o tempo o Pão com Manteiga, tanto quanto me lembro, incluindo o “Nós por cá todos Bem”
        Agradeço a “vénia”, sabe há por vezes coisas interessantes que sucedem em Almada ?
        Esteve, não sei se ainda está uma Exposição sobre os 70 anos do Arsenal do Alfeite, num espaço que fica junto ao Centro Sul, não me lembra o nome agora
        Era uma boa forma de entender a forma de expansão de Almada e Cova da Piedade, provavelmente passou despercebida ou nem valia a pena ver aquela “ferrugem”
        Sobre o objecto em si, poderei gostar ou não, mas olhe que de mamarrachos estamos conversados, ele há cada um …. e os piores são os que se mexem…..

      2. Você ficou grudado na “ferrugem”, homem! Para que conste, não tenho nada contra a ferrugem, nem contra os operários, nem contra a construção naval, nem contra o desenvolvimento de Almada e da Cova da Piedade, terras de que gosto muito, onde vivo há mais de 2 décadas, onde os meus filhos cresceram e vivem, onde o meu neto nasceu e vive.
        O que eu detesto mesmo são os mamarrachos ferrugentos que a Câmra de Almada adora. Se eu tivesse sido operário da construção naval, sentir-me-ia ofendido com aquele monumento, que desfeia a rotunda, que é ostentatório, que deve ter custado uma pipa de massae que não traduz porra nenhuma. Uma simples estátua de um operário faria melhor figura.

      3. A exposição a que se refere esteve patente (também não sei se ainda está) no Museu da Cidade de Almada na Cova da Piedade (Quinta dos Frades).
        Em relação ao mamarracho só queria referir que é constituído por “ferro velho” vindo precisamente do Arsenal do Alfeite e que por lá “morava” há umas boas dezenas de anos.

    2. Oh pá… comi tanga de artista durante anos na ESBAL e não tenho saco para simbologia e significado e homenagem. Quando uma coisa é feia, é feia. E estes monumentos metálicos espalhados por Almada são horríveis.

  6. O problema não é só em Almada. Noutras autarquias CDU existem mamarrachos semelhantes glorificando o trabalhador. Lembro-me daquela “jóia” em Setúbal na rotunda no seguimento da A12.
    Um gajo sózinho não conseguia toda essa obra espalhada pelo país.
    Ás vezes desconfio que estas obras de arte não serão um bom negócio para os sucateiros na constrição e depois na demolição?

  7. Tenho que ir lá ver isto com os meus próprios olhos. Há 32 anos que convivo com estas instalações (nome chique que se dão às esculturas hoje em dia) em Almada, mas esta parece bater todos os records!

  8. Sobre o dito cujo Monumento, (será que os verdadeiros operários não estão ofendidos?) como vivo ao lado do mesmo, tenho sempre o coração nas mãos quando ouço uma ambulância em marcha de urgência em direcção ao hospital. Perguntarão porquê?
    Respondo; Ao olharem para a Rotunda e ao verem “aquilo” especialmente á noite, pensem que foi algum acidente grave, parem a procurar feridos no meio da Rotunda e esse tempo faça perigar a vida do doente original.

  9. Recupero esta entrada, que confesso que usei num post no facebook para ilustrar uma feliz coincidência, tal como esta de 2009.

    – O “mamarracho” foi inaugurado em 19 Setembro e as eleicões autárquicas portuguesas de 2009 foram realizadas em 11 de outubro.
    Uma feliz coincidência certamente.

    – Reparo hoje que a 23 Setembro toda a rotunda está a ser alcatroada. Já precisava de facto, mas é curioso tal acontecer a uma semana das eleições.
    Mais uma feliz coincidência.

    Porque não temos eleições de três em três meses?

Leave a Reply to Pedro Couto e Santos Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.