Casamento gay

Ele lê o jornal, sentado à mesa da cozinha, enquanto o namorado prepara o pequeno almoço para os dois.

– E o Sócrates lá aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo!

– Não tinha outro remédio… até porque o Sócrates é cá dos nossos! – exclama o namorado.

– Lá estás tu a alinhar com essa malta dos boatos! Isso é conversa da oposição!

– Pois, pois! O que ele precisava era que lhe fizessem o que fizeram ao Berlusconi, só que, em vez de levar com o Duomo de Milão, levava com a torre de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos na tromba! – azucrinou o namorado.

– Vê lá se mordes a língua e morres envenenado!

– Pronto, pronto! Não te zangues! Não se pode tocar no Sócratezinho que ele fica logo todo picado!…

Ele continua a folhear o jornal, mas com movimentos mais bruscos. Depois, diz, já com a voz um pouco alterada:

– É que é toda a gente contra o homem! Até o Cavaco, com aquele ar de eucalipto em tempo de seca, sempre a dizer que não interfere, que não se mete na política partidária e, depois, diz que a crise e a dívida externa são mais importantes que o casamento homossexual!

– A culpa é do Sócrates. Ele é que provocou o Cavaco! Quando o PSD voltar a governar é que vais ver a diferença! – grita o namorado, queimando-se na torradeira.

– Está mas é calado! O PSD não se consegue governar a si próprio, quanto mais o país! – vocifera o primeiro, atirando com o jornal para o chão.

– Mas agora, que o Pedro Santana Lopes vai pegar no partido outra vez, a coisa vai ser a sério!

– És mas és um grande parvalhão! O Santana Lopes deixa sempre tudo a meio, até os casamentos!

– Tu não me chamas parvalhão, meu ordinário!

– Ordinário és tu, meu estúpido!

– Olha! Vou mas é para casa da minha mãe!

– Vai, vai viver com essa lésbica que não tem onde cair morta!

O namorado sai, batendo com a porta.

Terão que aguardar até sair a lei do divórcio gay…

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.