A felicidade de um trotskista

Ontem ouvi o Louçã contar uma história que me deixou os cabelos em pé.

Foi numa espécie de reportagem intimista que a RTP fez com os candidatos dos principais partidos.

Louçã contou que conheceu Marcello Caetano aos 14 anos, em casa de uns amigos dos pais.

E então, o Sr. Professor perguntou-lhe: “E tu, meu menino, vais estudar para que faculdade?”

E o Louçã respondeu: “Vou para Económicas”.

O Marcelo fez uma cara feia e exclamou: Ui! É só comunistas!”

Conclui Louçã: “Foi um dos dias mais felizes da minha vida!”

Um dos dias mais felizes da vida do Louçã foi quando o Marcelo Caetano lhe disse que a faculdade de Economia era um antro de comunistas?

Que triste tem sido a vida de Francisco Louçã!…

2 thoughts on “A felicidade de um trotskista

  1. Aos 14 anos! Ou é genético ou é palermice. De qualquer forma não parece o taco certo para esta pancada.
    Se tivesse falado com o Álvaro Cunhal ou o Mao tinha ido para missionário.
    Como é que um eleitor reage a estas bacoradas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.