Posts Tagged ‘carlos moedas’

O nosso homem em Bruxelas

Sunday, August 3rd, 2014

Chama-se Moedas, Carlos Moedas.

É o nosso novo comissário na União Europeia. Ainda não se sabe o que vai comissariar, mas parece não ser grande coisa.

Trocos, portanto.

O Diário de Notícias, ontem, prestou um serviço público, divulgando um currículo resumido de Moedas.

Logo no início diz-se que foi “um dos melhores alunos do 9º ano do Liceu de Beja”. Quantos seriam?

Resta saber que tipo de aluno foi Moedas no 10º, 11º, 12º ano…

Acrescenta-se que é “filho do Zé Moedas, um histórico comunista de Beja, cofundador do Diário do Alentejo”.

Se Moedas filho tivesse seguido as pisadas do Moedas pai, talvez fosse agora chefe de redacção do Avante!

O currículo continua com a carreira universitária: Carlos Moedas fez o curso de Engenharia Civil no Instituto Superior Técnico, terminando em 1993 e “fez o último ano do curso na École National des Ponts e Chaussées de Paris e trabalhou até 1998 na área de engenharia para o grupo Suez Lyonnaise des Eaux, em França”.

Quem diria que um tipo que estuda numa escola de pontes e passeios e trabalha, depois, em água, vem a ser um dos principais negociadores do governo com a troika?

Mais tarde, Moedas integrou a equipa do banco de investimento Goldman Sachs (O Saque do Homem de Ouro, em tradução livre), na área de aquisições e fusões – o que explica como ficámos fundidos…

Aderiu ao PSD em 2009, foi eleito por Beja e nomeado secretário de Estado adjunto de Passos Coelho – uma ascensão meteórica, apenas explicável pelo facto de ser um engenheiro civil e, como Passos é advogado, precisava de alguém que percebesse de contas.

E com um apelido como este, quem melhor que Moedas?

Como diria Eça: uma choldra, menino!

Discussão aberta à porta fechada

Wednesday, January 16th, 2013

Passos & Moedas decidiram organizar uma conferência aberta à sociedade civil, destinada a discutir a reforma do Estado.

A senhora que organizou a conferência, a mando de Passos & Moedas, disse, na sessão de abertura (a única que podia ser filmada/gravada), que é preciso “criar condições para um debate aberto, livre, profundo, participado e construtivo”.

Por isso mesmo, a organização impôs, como regra, que os jornalistas, embora possam assistir às sessões da conferência, não podem gravar sons nem imagens, nem usar citações sem autorização dos oradores.

A maioria dos jornalistas presentes, abandonou a sala.

Não percebo porquê.

Haverá lá debate mais aberto, livre, profundo, participado e construtivo do que ficarmos a falar sozinhos?

Não é verdade que, quanto mais aberto se é, mais fechado se fica?

E quanto mais livre nos julgamos, mais presos estamos?

E quanto mais profundo se afirma, mais superficial se parece?

E quanto mais participado se pretende, mais isolado se acaba?

E quanto mais construtivo se quer, mais destrutivo se é?

Passos aprendeu isso na Interforma.

Moedas descobriu isso ao ler o relatório do FMI, o tal que ele acha “muito bem feito”.

E quanto a nós, que elegemos estas criaturas, queixamo-nos de quê?

 

Temos que desvalorizar o Moedas!

Saturday, January 12th, 2013

O FMI encomendou um relatório a Carlos Moedas, adjunto de Passos Coelho.

moedasO objectivo era arranjar maneira de cortar 4 mil milhões de euros na Saúde, na Educação e na Segurança Social.

Moedas fez um trabalho perfeito.

Claro que se enganou aqui e ali, mas tudo coisas sem importância.

Por exemplo: o relatório diz que os gastos do Serviço Nacional de Saúde são 7% do PIB – o que, embora seja abaixo da média dos países desenvolvidos, é excessivo e insustentável, propondo que desça para 5%. Acontece que a despesa do SNS está nos 5,2% do PIB.

O relatório Moedas também diz que é preciso cortar nas reformas para estimular o envelhecimento activo. No entanto, um relatório da UE de 2012 diz que os portugueses são dos que mais continuam a trabalhar depois da reforma (21,9% dos idosos entre os 65 e os 69 anos ainda trabalhavam).

Finalmente, o relatório diz que os médicos portugueses ganham mais que, por exemplo, os alemães. Ora, um médico português, em princípio de carreira, recebe 1390 euros, podendo atingir, no topo da carreira, os 5063; os alemães ganham entre 3700 e 7000 euros.

Ninharias.

Moedas disse que este era um relatório muito bem feito. Passos Coelho corroborou.

Podem limpar o rabo com ele.