Há falta de exorcistas em Portugal

Fiquei preocupado hoje ao ler, no DN, que só temos três exorcistas oficiais, reconhecidos pela igreja católica, em todo o país.

A notícia começa por dizer: «Os casos estão a aumentar em todo o mundo e já são considerados um problema pastoral, porque em muitas dioceses, cá e lá fora, não há uma resposta concreta e organizada. (…) Actualmente, em Portugal, há apenas três dioceses que assumem ter exorcista – Lamego, Santarém e Viseu.»

Quer dizer: Satanás continua a atacar, cada vez há mais pessoas com o Demo no corpo e a igreja não tem meios para resolver este problema do Diabo!

D. José Policarpo, o quase ex-cardeal patriarca, emitiu um decreto especial sobre este assunto, no ano passado, dizendo que «os padres devem certificar-se de que os males apresentados pelas pessoas “não são sugestão, auto-sugestão ou doenças do foro psicossomático”».

Por outras palavras: os padres devem certificar-se de que as pessoas estão mesmo possuídas pelo Demónio.

Como será que os padres fazem isso?

Mais um mistério da religião…

Voltemos à notícia: «O exorcista mais conhecido é o de Lamego, Duarte Lara, que atende centenas de casos de todo o país e que acompanhou durante sete anos o trabalho do exorcista de Roma, o padre Gabriel Amorth, considerado o maior especialista na matéria. Tem falado abertamente sobre este assunto, nomeadamente no seu site, www.santidade.net»

Fui visitar o site e, depois de ouvir parte do depoimento do padre Lara (são 52 minutos de conversa…), fiquei convencido.

Já marquei uma sessão.

Esta comichão que tenho tido só pode ser o Diabo a querer entrar em mim, porra!

Tags: ,

4 Responses to “Há falta de exorcistas em Portugal”

  1. R.Calado says:

    Não se descontrole.Meta-se no carro e vá a Lamego.
    O Mafarrico é manhoso.
    É sabido que usa uma comichão inicial, mas depois de entrar nunca mais quer sair.
    Ou seja o exorcismo é o autêntico remédio santo.

  2. José Corvo says:

    É um prazer ler isto tudo mais o Poste do palhaço em baixo. É um HUMOR nada sibilino e muito bem escalfado. Dá para umas paródias porreiras com tremoços e cervejolas à mistura mas o que eu sinto é uma grande nostalgia (se calhar a par do ciúme também considerada doença do foro psiquiátrico) mas não consigo esquecer o inefável…rotundo, sei lá, Dr. Relvas. Faz-nos tanta falta para nos abrilhantar com o seu sorriso festivo e agora este Maduro meio verde está mesmo a preciso de uns Postes à boa maneira Arturiana…

Leave a Reply