Posts Tagged ‘comédias’

A Pior Comédia do Mundo

Saturday, September 22nd, 2018

A Pior Comédia do Mundo (Noises Off), é um original de Michael Frayn, estreado em Londres em 1982.

A acção desenvolve-se em três cenas. Na primeira, uma companhia de teatro ensaia uma comédia, intitulada “Tudo a Nu”, para uma digressão extensa pela província. A estreia está marcada para o dia seguinte e o ensaio geral está a correr muito mal. a comédia baseia-se na entrada e saída de diversas personagens numa casa que deveria estar vazia. Há várias portas, que se abrem e fecham, e o êxito da acção baseia-se na entrada e  saída, a tempo, dos diversos personagens, o que não está a acontecer. O encenador tem que intervir com frequência. Para apimentar a acção, ficamos a saber que alguns dos actores têm relações secretas entre si. Acresce que um dos personagens mais importantes é surdo e gosta da pinga.

A segunda cena desenrola-se nos bastidores. Começou a digressão. Vemos a parte de trás do cenário da primeira cena e toda esta parte é como um filme mudo: enquanto, lá à frente, decorre a acção que vimos ser ensaiada, nos bastidores, surgem diversos conflitos: o encenador tenta fazer as pazes com uma das suas namoradas, comprando-lhe flores, um dos actores tenta agredir gravemente outro porque pensa que ele tenta roubar-lhe a namorada. Sem falharem, por pouco, nenhuma das entradas em cena, os actores vão desenvolvendo as suas guerras nos bastidores.

A terceira e última cena regressa, digamos assim, ao palco, para mais uma representação da comédia. Aqui, os actores estão já visivelmente baralhados e confusos com tantas guerras de bastidores e a coisa só pode correr mal. Improvisam, substituem-se uns aos outros em algumas entradas e acabam bruscamente com a peça, num final imprevisto.

Muito divertido e bem agarrado pelos actores, numa representação exigente, até do ponto de vista físico.

Com encenação de Fernando Gomes, os actores são: o próprio Fernando Gomes, que faz o papel do actor surdo e que gosta da pinga, José Pedro Gomes que representa o encenador, Ana Cloe, Cristóvão Campos e Jorge Mourato, que se fartam de suar, escadas acima e abaixo, Elsa Galvão, Inês Aires Pereira, Paula Só, de quem gostei particularmente, e Samuel Alves.

Gostei mesmo!

“Silver Linings Playbook”, de David O. Russell (2012)

Tuesday, May 21st, 2013

Pat Solatano (Bradley Cooper) é um professor de História substituto. Certo dia chega a casa e apanha a mulher a trocar carícias com outro professor de História sénior, no duche.

silver liningsPat é bipolar e a visão daquela cena provoca-lhe uma crise de fúria. Espanca o amante da mulher e é internado numa instituição psiquiátrica.

Quando regressa a casa, ainda obcecado pela mulher, conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), uma recente viúva de um polícia, que anda em fase ninfomaníaca.

Depois de avanços e recuos, Tiffany consegue convencer Pat a participarem num concurso de dança.

Lá em casa, Pat tem o apoio incondicional da mãe, figura apagada, e a contestação do pai (Robert De Niro), que sofre de doença obsessiva-compulsiva.

Em português, o filme chama-se “Guia para um Final Feliz”, portanto, sabemos que o filme vai ter um “happy ending”, ou um “silver lining”. E assim é.

O filme é um pouco “cromaço”, com cenas para puxar a lágrima e grande beijo final, com a câmara a rodar em volta dos protagonistas, mas é divertido e Jennifer Lawrence merece o óscar. E De Niro, claro, é um obsessivo compulsivo muito divertido e convincente.

Parece que os críticos, por cá, acharam o filme um pouco convencional e cheio de lugares-comuns.

Pior para eles – eu diverti-me!

“Whatever Works”, de Woody Allen

Tuesday, October 5th, 2010

Woody Allen voltou às boas comédias com este “Whatever Works”, traduzido para “Tudo Pode Dar Certo”, que é exactamente o contrário do título original e da filosofia do filme.

“Whatever Works” quer dizer qualquer coisa como “o que for, soará”, ou “seja o que for”, ou “desde que resulte” – nunca “tudo pode dar certo”. Pode e não pode…

O personagem principal é Boris Yelnikoff, um físico reformado que quase ganhou o Nobel e interpretado por Larry David (outro trunfo do filme – já que todos estamos um pouco farto destes personagens interpretados por Allen). Boris está sempre zangado, não suporta os outros seres humanos porque, como tem um QI de 200, todos são imbecis, a seus olhos. Vive sozinho e detesta tudo e todos até que, certo dia, acolhe em sua casa uma jovem sulista (Evan Rachel Wood), ignorante, pouco mais que analfabeta e que, acabada de chegar a Nova Iorque, não tem onde dormir.

A partir daí, a história do Pigmalião, de Bernard Shaw, repete-se, mas com os tiques de Woody Allen. Claro que Boris é um hipocondríaco, tem crises de pânico e, temendo a gripe A, canta o “Happy Birthday” duas vezes, enquanto lava as mãos, tal como a OMS aconselhava.

O filme está cheio de boas piadas e embora seja um déjà vu das comédias de Allen, vale a pena o tempo e Larry David merece 20 valores.

Aconselho.

“My Mom’s New Boyfriend”, de George Gallo

Tuesday, March 16th, 2010

Desta feita – e a contrário de “Zack and Miki Make a Porno” – um título idiota diz mesmo respeito a um filme idiota.

Onde está a Meg Ryan de “When Harry Met Sally?”. Ninguém sabe, nem a própria Meg Ryan, que se entregou nas mãos do mesmo cirurgião plástico que esfaqueou a Moura Guedes. Se não é o mesmo, parece, porque a Ryan tem os mesmos lábios repuxados e as mesmas maçãs do rosto proeminentes que lhes dão (à Ryan e à Guedes), aquele ar de Gato Félix que não é capaz de parar de sorrir, embora tenha um olhar triste.

Quanto ao filme, é uma parvoíce pegada, com António Banderas a fazer de ladrão de obras de arte, mas afinal é um agente da CIA bonzinho e Meg Ryan a fazer de cinquentona obesa que, depois de várias plásticas, se transforma numa MILF incorrigível, danada para a brincadeira.

Uma completa perda de tempo.

“Zack and Miri Make a Porno”, de Kevin Smith

Tuesday, March 2nd, 2010

Quem sabe inspirado no britânico “The Full Monty“, em que seis trabalhadores desempregados resolvem montar um espectáculo de strip-tease para angariar fundos, o argumento desta comédia conta-nos a história de Mark e Miri, que se conhecem desde a escola primária e partilham a mesma casa, embora nunca tenham partilhado a mesma cama.

Sem dinheiro, com a água a luz cortadas, decidem fazer um filme porno para tentar arranjar umas massas.

Esta ideia tão disparatada podia dar origem a um filme completamente idiota, do género das comédias para adolescentes tão ao gosto de alguns norte-americanos.

Mas não. O filme vê-se bem, o tipo que faz de Mark (Seth Rogen) tem graça, as situações são divertidas, sem serem demasiado escatológicas (excepto uma, enfim…) e até se conseguem alguns sorrisos.

Claro que não perderia uma tarde no cinema por causa disto, mas tolera-se.

(Participação especial de Traci Lords – quem se lembra dela?)