Serviço Nacional de Escutas

O DN trás, hoje, na primeira página, as fotos tipo-passe de 16 “personalidades” que afirmam recear que os seus telefones estejam sob escuta.

“Personalidades” tão diversas como António Capucho, Honório Novo, Mário Cláudio, Marinho e Pinto e António José Seguro.

Todos dizem evitar falar de assuntos sérios ao telemóvel.

Só contam anedotas, pelos vistos…

Vem isto tudo a propósito de os Serviços Secretos portugueses terem andado a escutar o telemóvel de um jornalista do Público.

O simples facto de existirem uns Serviço Secretos portugueses já dá vontade de rir… mas enfim… adiante.

Parece-me normal que, existindo um serviço secreto, os seus membros devam respeitar esse secretismo. Não me parece correcto que venham cá para fora, para os amigos e as namoradas, contar segredos do Cavaco ou do Sócrates, ou do Passos Coelho, por exemplo.

Ora se, de repente, começam a aparecer, escarrapachadas no Público, coisas que supostamente deviam ser secretas, é porque alguém lá de dentro está a bufar cá para fora.

Digam lá se não é obrigação dos Serviços Secretos descobrir o bufo?

Imaginem que estávamos em guerra e que o bufo dos Serviços Secretos passava ao jornalista informações cruciais sobre a Defesa do Estado?

Nesse caso, já seria aceitável montar uma escuta para descobrir o bufo?

Ou será que isto só é aceitável nos filmes do James Bond?

Agora, há por aí um coro de virgens envergonhadas porque os Serviços Secretos violaram a liberdade de imprensa!

Pois claro que violaram!

É para isso que eles servem!

Ou não?

 

4 thoughts on “Serviço Nacional de Escutas

  1. Vim parar a este site completamente por acaso! Li um post sobre erros ortográficos e gostei, o que me fez continuar a ver outros posts. Foi então que me deparei com este que começa logo com um gravissímo:

    “Trás”, com “s” e acento, é advérbio de lugar e vem sempre introduzido por preposição: “sair de trás de…”; “Traz”, com “z” e sem acento, é a terceira pessoa do presente do indicativo do verbo “trazer”: “Ele traz…”

    Portanto seria “O DN traz, hoje, na primeira página (…)”

    Não sou uma fanática com estas coisas, mas senti-me no dever de corrigir, já que me senti corrigida no…. “da parte da tarde”.

    =)

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.