Pombos

A nossa organização social é muito complexa.

Quem nos veja na rua, nos parques, junto aos monumentos, nas grandes praças da cidade ou nas esplanadas, pode pensar que somos desorganizados, caóticos, anárquicos. Nada de mais errado.

Eu sei que, por vezes, parece que não temos nenhum tipo de organização, sobretudo quando se vêem alguns de nós a saltar para cima das mesas dos McDonalds a debicar as batatas fritas e os restos dos Big Mac, que os clientes deixam abandonados.

Nesse caso, não se pode tomar a nuvem por Juno – são jovens, e todos sabemos como funcionam os jovens, ou melhor, como não funcionam, quebrando todas as regras.

Se reparem bem, esses são pombos jovens, ainda sem a maturação sexual que lhes permita procriar e, portanto, canalizam toda a sua energia para disparates, como devorar fast food que só lhes faz mal.

Aproveito para me apresentar. Chamo-me Pim e sou um pombo de segunda categoria. É verdade, estamos divididos por categorias, ou castas, a saber: a primeira categoria congrega os seniores, aqueles que já cumpriram a sua tarefa reprodutora e que aguardam, tranquilamente, a transferência para a vida eterna dos pombos, na qual quase todos acreditamos. Há uma pequena percentagem que diz que tudo acaba com a morte, mas a maioria acredita na passagem para uma vida melhor, onde só há estátuas e relvados e não há carros para nos esmagar nem funcionários camarários para nos esterilizar.

A segunda categoria é a mais representada e congrega todos os pombos em idade para reproduzir. É o meu caso. Nós só pensamos em comer e foder. Voamos do topo dos candeeiros para os muros, do alto das estátuas para a calçada, sempre em busca de migalhas ou da pomba mais próxima, que esteja disponível para receber o nosso adn.

A terceira categoria pertence aos jovens, aos tais que atacam as esplanadas e que cagam em qualquer lado, sem olhar a heróis do Estado ou a figuras altamente recomendáveis. Eu, por exemplo, nunca caguei em estátuas, preferindo sempre os símbolos do capitalismo, como BMW ou Mercedes. Durante alguns anos, vivi junto à estátua do D. José, ali no Terreiro do Paço, e um dos meus desportos favoritos era cagar nos carros dos ministérios. Sempre aquele meu fundo anarquista…

Finalmente, a quarta categoria de pombos refere-se aos borrachos, que ainda só têm penugem em vez de penas e que mal se têm em cima das patas.

Portanto, atenção: da próxima vez que vejam um dos nossos bandos, esvoaçar do alto de uma estátua para o passeio, em busca de migalhas, não nos olhem com desprezo.

Pertencemos a uma comunidade altamente organizada e que continuará por aqui, muito tempo depois do vosso desaparecimento…

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.