O regresso do Blue Meannie

Paulo Rangel é patético!

Não só parece, fisicamente, uma personagem de banda desenhada, como se comporta como uma.

O discurso de apresentação da sua candidatura a presidente do PSD – transmitido, em directo, pelos canais de televisão de um país onde, segundo ele, a liberdade de expressão está seriamente ameaçada – é algo de ridículo.

Dizer que o PSD é o partido da ruptura é, no mínimo, ignorância histórica: um partido que sempre foi o mais situacionsita possível que, no post-25 de Abril, temendo afirmar-se como liberal e de direita, se auto-intitulou Partido Popular Democrático; que, quando percebeu que, afinal, os socias democratas, em Portugal, eram os do PS, foi a correr mudar o nome para Partido Social Democrata; que sempre esteve no Poder ou lá perto – ruptura com quê, ó Rangel?!

Estás a gozar com quem?

E tantos adjectivos, pá!

Andaste à cata deles, no dicionário?

 “Candidatura desprendida”, “circunstâncias excepcionais e até dramáticas”, “intensidade perturbante”, “desgaste continuado”, “obras faraónicas”, “investimentos megalómanos”, e mais, e mais…

Que prosápia! Que pesporrência!

Mas quem julgas tu que és?

O salvador da pátria?

Então um gajo praticamente sem currículo, que surgiu do nada há pouco mais de dois anos, tem a lata de nos vir dizer que não estava a pensar candidatar-se mas, como a situação do país é muito grave, achou que era seu dever avançar.

Porquê? Que tem ele de tão especial, de tão messiânico, de tão sebastiânico?

E é ele, com aquela barriguinha sedentária, que andou pela campanha com um grupo de jovens laranjas a gritar ninguém-pára-o-rangel atrás, sempre em risco de tropeçar, cair e ir a rebolar pela ribanceira abaixo – é ele, com aquele sentido de estado que o levou a denunciar, no Parlamento Europeu que, em Portugal se vive um clima de asfixia da comunicação social, é ele, que nem no seu próprio partido consegue consenso, é ele que nos vai salvar?

Ora abóbora, Rangel!

Por que não dizes, de caras, que te queres candidatar ao tacho, como todos os outros, estás farto de Bruxelas, não gostas do clima, queres subir no partido, és ambicioso, o cargo de deputado europeu abre menos portas – tudo, menos este desígnio nacional de nos salvar!

Vai salvar outros, pá!

E, já agora, vai dar banho ao cão!

3 thoughts on “O regresso do Blue Meannie

  1. e afinal foi dele a tal candidatura fantasma!
    ele acusou a Ana Gomes e a Elisa Ferreira de terem uma candidatura fantasma, mas pelos vistos… a desistência é dele…
    E com tanta ROTURA, doutor, não acha que ele vai precisar de uma fisioterapiazita?

  2. E se for preciso cão eu empresto o meu. Bem esta a precisar coitado… Nao sei é se o cao vai gostar. Ninguem para o Rangel, e infelizmente o rapaz parece um yo-yo, que nao ha meio de ir e não voltar.

  3. Artur, você esmerou-se. Tirou-me as palavras da boca.
    O homenzinho está caracterizado na perfeição.
    É certo que ele é muito novo, para se lembrar do que era a falta de liberdade de expressão, mas, caramba, não parece ser burro?

Leave a Reply to a ponta do véu Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.