“Little Miss Sunshine”, de Jonathan Dayton

littlemisssunshine.jpgOra aqui está um filme curioso sobre mais uma daquelas americanices que nos deixam estupefactos: os concursos de beleza para miúdas de 6 ou 7 anos.

Uma miúda concorre a um desses concursos e obriga a sua família disfuncional a acompanhá-la na viagem de mais de mil quilómetros: o avô paterno (Alan Arkin), que começou há pouco tempo a snifar heroína, o tio materno, homossexual e o maior especialista americano em Proust, o meio irmão, que não fala há meses porque fez voto de silêncio até saber se consegue entrar na Força Aérea, o pai (Greg Kinnear), que inventou um daqueles métodos de auto-ajuda mas que, no fundo, é um falhado, e a mãe (Toni Collette), que será a mais “normal” desta malta toda.

A viagem e as múltiplas peripécias que a família vai ultrapassando faz com que os vários elementos se conheçam melhor uns aos outros e se aproximem, ultrapassando os vários diferendos que os afastavam.

O título, em português (“Uma Família Á Beira de um Ataque de Nervos”), devia ser proibido!

One thought on ““Little Miss Sunshine”, de Jonathan Dayton

  1. Sem duvida um grande filme com muita americanices a porta….
    A melhor parte e sem duvida a danca da rapariga apos a morte do avo viciado em coca….Ate que enfim um filme moderno e com peripecias reais de uma vida se calhar nao tao americana mas sim europeia.

Leave a Reply to George Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.