De regresso a casa

Foram mais 420 km para regressar a casa.

Antes de nos metermos na auto estrada, demos um salto a Póvoa do Lanhoso, que tem um castelo bem preservado, no cimo de um penhasco granítico, no Monte do Pilar.

A construção é tão antiga como Dona Urraca e tem histórias curiosas como a de Rodrigo Gonçalves, um dos seus inquilinos que, ao descobrir que a sua mulher dormia com um frade do Bouro, fechou a malta toda dentro do castelo e pegou-lhe fogo.

Consta que o frade e a esposa do Gonçalves nunca mais pecaram.

Parámos, depois, em Braga que, tal como Viana, merece uma visita mais prolongada.

Demorámos um pouco até encontrar o Bom Jesus, graças aos letreiros enganadores e à minha teimosia em não aderir ao GPS, mas lá demos com ele.

O Bom Jesus é uma daquelas construções barrocas que nos espantam pela paciência dos seus autores.

Datado de 1874, o conjunto arquitectónico destaca-se pela profusão de estátuas, escadaria acima, sempre com fontes centrais, deitando água, sucessivamente, pelos ouvidos, pelo nariz, pelos olhos – e só não deita água pela traqueostomia, porque Carlos Amarante, o arquitecto, não se lembrou.

Lá de cima, o panorama não é tão bonito como em Viana, porque não há rio, muito menos Oceano – só prédios de uma cidade que está cada vez maior.

No centro de Braga – cheio de adeptos do Portsmouth que, nessa mesma noite, haveriam de levar 3-secos do Sporting de Braga – demos uma volta pela Praça do Município, o Largo do Paço e a Praça da República, só para abrir o apetite para futura visita.

3 thoughts on “De regresso a casa

  1. Só faltou a visita à cidade mais bonita do Minho, e por consequência de Portugal, cidade essa que é Guimarães. Património Mundial e Capital Europeia da Cultura em 2012.
    Espero que tenha provado os rojões e arroz de sarrabulho em Ponte de Lima.

Leave a Reply to Dirk Digller Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.