“Beat”, dos King Crimson

Em 1982, os King Crimson eram, para além do eterno Robert Fripp (guitarra, órgão e frippertronics), Adrian Belew (guitarra e voz), Tony Levin (baixo e voz) e Bill Bruford (percussão).

São apenas 8 temas e o último é uma seca de guitarra, chamado “Requiem” e que é daqueles temas que algumas bandas, do rock dito “progressivo”, gostavam de gravar, para encher o vinil (deve haver por ai algum fã que ainda me bate!…)

De resto, este álbum vem na esteira do anterior “Discipline” (1981) e é muito semelhante mas, na minha opinião, perde.

3 thoughts on ““Beat”, dos King Crimson

  1. “é uma seca de guitarra, chamado “Requiem””?
    Já percebi que você não gosta dos frippertronics o que quer dizer que não aprecia Robert Fripp como guitarrista…
    Então não percebo como é que diz que gosta de King Crimson…

  2. Eu também não percebo muita coisa. Gosto dos Beatles mas nunca oiço “Revolution #9”, gosto dos Chicago (dos primeiros 3 álbuns), mas não tenho pachorra para “Free Form Guitar”, etc.

Leave a Reply to Francisco Trindade Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.