As três falsas pragas

Andam a enganar-nos.

Metem-nos medo com ameaças cataclísmicas, nós trememos, encolhemo-nos, amedrontamo-nos.

Depois, o tempo vai passando e nada acontece.

Três exemplos:

1. Incêndios – não há. Compraram-se aviões especiais e helicópteros formidáveis, distribuíram-se kits anti-incêndio pelas juntas de freguesia e, afinal, tudo o que arde são pneus e fábricas de têxteis. As florestas – nada.

2. Onda de calor – desde Maio que a Direcção Geral da Saúde anda a fazer levantamentos dos idosos em risco de morrerem de calor.

E onde está o calor? Emigrou para a Roménia.

3. E ainda alguém se lembra da gripe das aves? Era suposto que matasse cerca de 2,5 milhões de portugueses. Mais uma vez, a DGS antecipou-se à catástrofe e comprou toneladas de Tamiflu, o medicamento da Roche capaz de matar o vírus da gripe das aves.

E afinal – nada.

Uma pequena curiosidade: sabem quem detém os direitos do Tamiflu?

Consultem http://www.globalresearch.ca/index.php?
context=viewArticle&code=%20ME20051026&articleId=1148

E descobrirão que o Sr. Rumesfeld – sim, o mesmo que inventou as armas de destruição maciça, no Iraque – é chairman da Gilead Sciences, que detém os direitos do Tamiflu.

Dá que pensar, não?

6 thoughts on “As três falsas pragas

  1. O ponto 1 e 2 são um bocado injustos. O tempo é uma coisa imprevisível e ninguem consegue descobrir se irá haver uma onda de calor ou não. No ano que vêm, se voltar a haver onda de calor e os helicopteros e aviões não funcionarem, e/ou os pobres dos idosos morrerem por falta de levantamento, então podes (e deves) queixar-te. Este ano dá graças por haver verão mais normal, e por chover! (assumo eu pelas notícias de Portugal)
    Aqui na Alemanha parece haver ciclos de 3 anos. Em 2004 houve um verão normal (28-30º) e imensas trovoadas. Em 2005 não houve nada. Em 2006 houve calor descomunal, e céu azul, de final de Abril a Agosto. Este ano voltamos ao calor normal (um bocado mais que 2004) e às trovoadas brutais.

    Já em relação ao ponto 3, concordo contigo. Há algo muito mal contado nesta estória toda do 9/11, Iraque, gripe das aves, terrorismo, e outros que tal.

  2. Peço desculpa corrigir mas também não exageremos… era suposto que afectasse 2,5 milhões de portugueses mas só morreriam 8 mil. Mais rigor na informação.

  3. Aceito as correcções e as desculpas. Estava apenas a ser tão exagerado como os meios de comunicação social. Porque a vaga de frio, ou a vaga de calor, ou a época dos incêndios, só verdadeiramente acontecem quando passam na televisão. Já se esqueceram dos casos (falsos) de gripe das aves que se registaram em Portugal. Houve pessoas internadas no Curry Cabral, com suspeita de gripe das aves, na altura em que as televisões não falavm de outra coisa. E claro que há incêndios e claro que há idosos que morrem desidratados e sozinhos. Mas, agora, não são notícia. Os media têm ciclos. Recentemente, tivemos o ciclo da Ota; agora estamos no ciclo da “crise da direita”, após as eleições de Lisboa. Em Agosto, veremos se isto não começa a aquecer e a arder…

  4. Que faz correr a AZAE e seus sequazes? Que interesses ocultos por traz de tanta maldade e violência na aplicação de leis que muitos e bons não entendem como imprescindíveis.
    O “caso das bolas de berlim” que está convulsionando o litoral português será um breve, burlesco exemplo de reacção a imposições que nos são estranhas ou, pela reiterada insistência dos protestos, uma via de escape num país novamente sujeito à “lei da rolha”.??…

    Existem casos dramáticos de enfartes e depressões causados por muito susto e forçado abandono de actividades de económicas de mera subsistência num país pobre, envelhecido e analfabeto.

    Na origem do conflito (as infracções são crime económico e contra a saúde pública) têm havido causas várias: açordas de galinha do campo mortas por pescoço torcido, peixe vivinho da costa, tempero com limões da árvore (sem revestimento químico, que horror!…), pés de salsa colhida no quintal, petiscos (agulha ou polvo seco) em tabernas de pescadores ….

    Vencida, com sucesso, pela ASAE, a guerra a colheres de pau que concorreram para alimentar várias gerações de uma família impõem-se, agora, as omelettes com ovos de bisnaga, os bifes e ovos estrelados cozidos, os guardanapos herméticamente fechados em plástico e tresandando a sabonete de combóio….

    Sabe-se em que congeminavam os sábios enquanto os turcos ocupavam Constantinopla…..?!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.