As condecorações de Cavaco

Cavaco tem a honra de ser o único presidente post-25 de Abril que sai de cena com avaliação negativa por parte dos eleitores.

Eanes, Soares e Sampaio saíram em alta e podem, ainda hoje, gozar do respeito por parte da maioria dos seus concidadãos.

Cavaco não.

Vai-se retirar para Boliqueime e limitar-se a gerir o negócio da gasolineira que herdou do pai.

E continua a fazer borrada atrás de borrada.

Agora, decidiu condecorar ex-ministros.

A lista é longa: Vitor Gaspar, Bagão Félix, Álvaro Santos Pereira, Luís Campos e Cunha, Paulo Macedo, Maria de Lurdes Rodrigues, Nuno Crato e Rui Pereira.

Por um lado, alguns destes ministros ainda podem muito bem vir a ficar em prisão preventiva por algum negócio que possam ter tido com o Veiga, com o Salgado ou com o Sócrates.

E por outro, pergunto: qual o critério para condecorar um ministro que esteve escassos quatro meses no activo e que se demitiu rapidamente?

Falo do Campos e Cunha, primeiro ministro das Finanças do Sócrates.

É que a Grã-Cruz da Ordem do Infante Dom Henrique é atribuída pelo “espírito patriótico e de serviço” no desempenho das suas funções.

Quatro meses como ministro demonstra espírito patriótico e de serviço?

Ó Cavaco, então condecora-me a mim, que sou médico do SNS há 39 anos, porra!

2 thoughts on “As condecorações de Cavaco

  1. Ainda não comecei a ler as suas “Histórias (pouco) clínicas”.
    Mas não posso deixar de aplaudir “As condecorações de Cavaco”.
    Só faltou uma que julgo ser muito recente.
    Lembra-se de Sousa Lara ?
    “espírito patriótico e de serviço”… Não permitiu,enquanto Secretário de Estado distinções a Saramago.Achava-o pouco católico.
    Terá sido dos ultimos medalhados.
    Mais vale tarde que nunca.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.