“A Rainha no Palácio das Correntes de Ar”, de Stieg Larsson

milenium3Três dias de gripe A (ou B…) e umas 9 horas de leitura e acabei com a trilogia “Millenium”, do sueco Stieg Larsson.

O 3º volume é, muito provavelmente, o mais interessante dos três calhamaços. É neste volume que se atam todas as pontas soltas que envolvem a estranha e aventurosa vida de Lisbeth Salander, uma hacker super-dotada, filha de um espião russo que trabalhava para uma secção muito especial dos serviços secretos suecos, à revelia das próprias autoridades e mais, e mais…

O argumento é astucioso e tem suspense suficiente para nos agarrar e, a dado passo, até nos esquecemos que tudo isto se passa na Suécia e não em Nova Iorque ou Miami.

Continuo a achar que o escritor não conseguiu eliminar partes do livro que são perfeitamente dispensáveis. Por exemplo, este naco:

“Meteu-se no Volvo e dirigiu-se ao centro da cidade, onde bifurcou, por Stora Essingen e Grondal, para Sodermalm. Meteu pela Hornsgatan e chegou à Bellmansgatan pela Brannkyrkagatan. Virou à esquerda na Tavastgatan, próximo do pub Bishop’s Arms, e estacionou junto à esquina”.

Bem sei que todas estas indicações conferem alguma realidade à coisa, mas que me interessa a mim o percurso que o tipo fez para chegar ao pub? E para quem não conhece Estocolmo, o escritor podia ter posto ali outros nomes quaisquer, que era igual ao litro.

E existem longos parágrafos com descrições semelhantes, o que acaba por quebrar um pouco o ritmo à história. Mantendo a mesma história e reduzindo o tamanho dos livros, Larsson conseguiria um efeito ainda mais explosivo.

Mas enfim, foi um bom companheiro nestes três dias de gripe, em que o ânimo não daria para obras de outro fôlego.

2 thoughts on ““A Rainha no Palácio das Correntes de Ar”, de Stieg Larsson

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.