Posts Tagged ‘sean penn’

“U Turn”, de Oliver Stone (1997)

Sunday, January 2nd, 2011

Bobby Cooper (Sean Penn) vai a caminho de Las Vegas para pagar uma dívida a um gangster quando o seu Ford Mustang se avaria, perto a uma pequena cidade perdida no deserto de Arizona, chamada Superior.

Aí, nessa cidade, Cooper vai-se envolver com uma série de personagens loucas, que o levam de um azar para outro: o mecânico louco (Billy Bob Thornton), a rapariga que se quer meter debaixo dele (Clare Dane) e o seu noivo psicopático (Joaquin Phoenix), a mestiça (Jennifer Lopez) que vive amantizada com o próprio pai (Nick Nolte) e o xerife (Powers Boothe) que conduz o carro da polícia sempre com uma garrafa de whisky na mão.

Parece um filme talhado para que cada um dos actores construa um bom boneco. O material é bom e alguns conseguem-no, caso de Billy Bob Thornton, que é um mecânico porco, louco e oleoso muito convincente e Joaquin Phoenix, que faz um eficaz psicopata sempre à procura de uma boa sova.

Sean Penn faz o que costuma fazer bem,isto é, o papel de um looser com cara de obstipado e a Lopez vai para a cama com três deles, é o que ela sabe fazer bem (?)

E o deserto do Arizona fica sempre bem em qualquer filme…

“What Just Happened”, de Barry Levinson

Sunday, April 18th, 2010

Aqui está o exemplo de quem nem sempre um grande elenco consegue fazer um grande filme.

Barry Levinson, realizador de “Rain Man”, “Disclosure”, “Sleepers”, “Good Morning, Vietnam”, “Wag the Dog” e outros bons filmes, dirige um elenco do qual fazem parte Robert DeNiro, Sean Penn, Bruce Willis, Robin Wright Penn, Kristen Stewart, Michael Wincott, Catherine Kenner e Stanley Tucci e, no entanto, o resultado é fraquito.

DeNiro faz o papel de um produtor de Hollywood, Ben, que está na mó de baixo, não só por causa dos seus casamentos falhados, mas também porque está a tentar que o seu novo filme tenha sucesso, tendo de lidar com um realizador excêntrico, uma directora executiva dos estúdios que quer êxitos de bilheteira e um actor armado em super-estrela, que se recusa a rapar a barba, embora isso seja essencial para as filmagens.

Ben está enfadado com a sua vida, pessoal e profissional e nós também ficamos um pouco enfadados porque o filme não anda nem desanda.

Mais uma vez, o título em português (“Pânico em Hollywood”), não faz qualquer sentido.

“Milk”, de Gus Van Sant

Sunday, October 18th, 2009

milkSe eu disser que “Milk” não me aqueceu nem arrefeceu, posso ser acusado de homofobia, mas não é o caso.

Por qualquer razão, que não tem a ver com preconceitos, o filme não me tocou, como outros filmes sobre grupos específicos da sociedade, que são marginalizados.

Notável, de facto, a interpretação de Sean Penn, que lhe valeu, este ano, o óscar para melhor actor. O filme ganhou, ainda, o óscar para melhor argumento original e não se percebe bem porquê, uma vez que se “limita” a contar uma história verídica: a luta de Harvey Milk pela igualdade de direitos dos homossexuais.

A luta dos homossexuais norte-americanos pode ter sido (e ainda ser) uma luta digna da nossa solidariedade mas, neste filme, os poderosos inimigos dos gay são de tal modo caricaturados que o filme não conseguiu convencer-me.