Prenda-se o polícia que não prendeu o ladrão!

É tipicamente português: quando se é apanhado pela polícia em excesso de velocidade ou com álcool a mais ou com o seguro caducado, é azar.

Não é uma contravenção – é azar, pronto!

Temos a tendência de criticar a polícia quando não prende o ladrão, porque o ladrão, coitado, limita-se a cumprir a sua obrigação.

O vice-presidente do PSD, Marco António Costa, deu hoje mais um exemplo dessa característica tipicamente portuguesa, ao declarar que o seu partido exige uma investigação ao governo de Sócrates, porque este pode ter ocultado um “ilícito criminal”.

Diz M. C. Costa: «a ser verdade o que é relatado pela imprensa, que as instituições bancárias abordaram o anterior Governo para vender produtos financeiros que alegadamente permitiriam adulterar ou falsificar as contas públicas, questiona-se como é que o Governo de então não denunciou tais práticas ao Ministério Público e ao Banco de Portugal».

E acrescentou: «O PSD reclama a averiguação dos factos por parte das autoridades competentes para esclarecer a eventual ocultação de actos que poderão configurar ilícito criminal por elementos ligados ao anterior Governo».

Por outras palavras: o Governo de Sócrates ocultou ilícitos criminais e o Governo de Passos Coelho nomeou um dos tipos que propôs esses ilícitos criminais para secretário de Estado do Tesouro.

Em resumo: todos para a prisão.

Já!

Tags: , , ,

Leave a Reply