“Homo Deus”, de Yuval Noah Harari (2015)

Faltava-nos este livro para acabar a trilogia deste historiador israelita – e talvez seja este o livro mais assustador dos três.

Escrevi notas sobre o Sapiens e sobre 21 Lições para o Século 21.

Harari tem uma visão muito bem definida da História do Homo Sapiens e, para ele, ninguém sabe o que vai acontecer daqui até a 2050, mas ele acredita que aquilo a que ele chama de Dataísmo será a nova religião – por outras palavras, quem detiver o maior número de informações (data), será o líder do Universo.

No limite, a espécie humana será secundarizada, como os cavalos o foram na época das máquinas a vapor.

Com uma visão muito nítida da História, Harari escreve de um modo muito convincente e claro.

Eis alguns exemplos:

“Actualmente, comer em excesso é, para a maioria dos países, um problema muito mais grave do que a fome. No século XVIII, Maria Antonieta terá supostamente aconselhado o povo que morria à fome a comer brioches, já que não tinha pão. Hoje, os pobres seguem esse conselho à letra. Enquanto os ricos de Beverly Hills comem alface e tofu cozinhado a vapor com quinoa, nos bairros desfavorecidos e nos guetos, os pobre devoram Twinkies, Cheetos, hamburgueres e pizzas. em 2014, mais de2,1 mil milhões de pessoas tinham excesso de peso enquanto 850 milhões estavam subnutridas. Em 2030 espera-se que metade da humanidade venha a sofrer de excesso de peso. Enquanto, em 2010, a fome e a subnutrição foram responsáveis em conjunto pela morte de um milhão de pessoas, a obesidade matou três milhões.” (pág. 16)

“John Watson, uma sumidade da psicologia infantil nos anos 20 do século passado, aconselhava vivamente os pais a «nunca abraçar ou beijar os filhos, nunca lhes dar colo. Se tiver de ser, dê-lhe um beijo de boas-noites na testa. De manhã, dê-lhes um aperto de mão.». A popular revista Infant Care afirmava que o segredo para criar os filhos era manter a disciplina e prover todas as necessidades materiais das crianças seguindo uma rotina diária inflexível. Um artigo de 1929 dizia aos pais o que fazer quando a criança chorava por comida antes da hora prevista: «Não a segure nem a embale para que ela pare de chorar, e dê-lhe a comida apenas quando for hora disso. Chorar não faz mal ao bebés, mesmo as mais pequenos»”. (pág. 105)

“Uma moderna família judaica que festeje um feriado religioso com um churrasco no quintal está muito mais perto do espírito dos tempos bíblicos do que uma família ortodoxa que passe o tempo a estudar as escrituras numa sinagoga.” (pág. 108)

“Ninguém se chateia com a teoria da relatividade porque esta não põe em causa nenhuma das nossas estimadas crenças. A maioria das pessoas não se preocupa minimamente em saber se o tempo e o espaço são relativos ou absolutos. Se há alguém que pensa que é possível dobrar tempo e espaço, então, faça favor. Força nisso. O que é que isso me interessa? Com Darwin é diferentre porque ele nor roubou as nossas almas. Quem compreende realmente a teoria da evolução, percebe que a alma não existe. Isso assusta não apenas os critãos e os muçulmanos devotos, mas também muitas pessoas sem qualquer crença religiosa em particular mas que, ainda assim, querem acreditar que casa swer humano tem uma essência individual eterna que não sofre alterações ao longo da vida e que permanece intacta mesmo após a morte”. (pág. 122)

“O mesmo acontece quando o sistema de educação decide que os exames de acesso são a melhor forma de avaliar os estudantes. O sistema tem a autoridade suficiente para influenciar os critérios de admissão das universidades e ainda os critérios de contratação quer na função pública quer no sector privado. Assim sendo, os estudantes envidam todos os esforços na obtenção de boas notas. Os cargos mais desejados são ocupados por pessoas que tiveram resultados elevados, que como é natural apoiam o sistema que as levou até ao lugar onde estão. O facto do sistema educativo controlar os exames acrescenta-lhe poder e aumenta a sua influência junto das universidades, dos gabinetes governamentais e do mercado de trabalho. Se alguém contestar e disser: «o diploma de licenciatura é apenas um bocado de papel» e agir de acordo com isso, é muito provável que não vá muito longe” (pág. 193)

“Prova disso é que, ainda hoje, quando o presidente dos EUA faz o juramento na tomada de posse, põe a mão sobre a Bíblia. De uma forma idêntica, em muitos países de todo o mundo, incluindo os EUA e o Reino Unido, as testemunhas em tribunal põem a mão sobre a Bíblia e juram dizer a verdade, toda a verdade e nada mais que a verdade. Não deixa de ser irónico que jurem dizer a verdade com a mão sobre um livro recheado de tantas ficções, mitos e erros” (pág. 196)

Aconselho vivamente.

Tags: ,

Leave a Reply