Posts Tagged ‘fotos’

Fotos de Mário Cruz no Palácio Anjos

Tuesday, April 30th, 2019

Mário Cruz é um fotojornalista português, de 32 anos, que ficou conhecido pela foto que ganhou o prémio de temas contemporâneos da World Press Photo de 2017.

Em 2018, conseguiu também o prémio da WPP, nos temas ambientais, com uma foto tirada no Rio Pasig, nos arrabaldes de Manila, capital das Filipinas.

Essa foto faz parte de uma fotoreportagem sobre esse incrível rio cheio de lixo, e nas margens do qual vive uma população, em barracas decrépitas, que se sustenta a partir do lixo que jaz nesse mesmo rio.

No Palácio Anjos, em Algés, podemos ver 40 fotos de Mário Cruz e todas são tremendas (adjectivo muito em voga…). Estes filipinos migraram do interior do país para a capital, em busca de uma vida melhor, e acabaram nesta espécie de bairro post-apocalipse, onde resgatam lixo, que depois vendem, para sobreviver.

Saudade de Pedra, fotos de Jorge Guerra

Monday, April 22nd, 2019

Exposição patente no Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa, na Rua da Palma (entrada livre).

Jorge Guerra nasceu em 1936 e vive no Canadá; fotografa desde sempre e fez diversas exposições, um pouco por toda a Europa, e não só.

Esta Exposição reúne cerca de uma centena de fotos, todas a preto e branco, feitas em 1966 e 1967.

São fotos de pessoas, fotografadas sem o saberem, em vários locais de Lisboa, Feira da Ladra, Terreiro do Paço, Jardim 9 de Abril, Rocha de Conde de Óbidos, etc.

Todas as pessoas aparentam estar tristes, macambúzias, zangadas com a vida. As mulheres, invariavelmente, usam lenço na cabeça; os homens, boné ou chapéu. Nos jardins, os reformados parecem esperar a morte em pé. Diz o Jorge Guerra, no texto distribuído: “o México pode ser pobre, mas não é tão triste”.

Claro que as fotos são datadas. Em 1966/67, vivíamos sob um ditadura e o país era triste e cinzento, como estas fotos de Jorge Guerra. Hoje, pelo contrário, ao passearmos pelos locais fotografados por Guerra, só vemos gente feliz, alegre, com roupas coloridas… é verdade que a maioria não são portugueses, mas, mesmo assim, a diferença é notória.

Vale a pena visitar esta Exposição.