“House” – 3ª série

house3.jpgA 3ª série de House é mais do mesmo mas, quando a coisa é boa, é mais do mesmo que nós queremos.

A série começa com um House renovado, após o coma induzido e o tratamento da Cuddy. O homem não tem dores, largou a bengala e o Vicodin, faz jogging e começa até a ser simpático com as pessoas. Felizmente isto dura apenas dois episódios e, ao terceiro, já o homem arrasta a perna, engole Vicodins a bom ritmo e torna a ser intratável. Assim é que nós gostamos de Gregory House.

Claro que as histórias clínicas são cada vez mais inverosímeis. Habitualmente, o doente começa por ter uma lipotímia, uma síncope ou uma convulsão. Na cena seguinte, já no Hospital, vemos o doente deitadinho na caminha, aparentemente bem. House e os seus três discípulos discutem o diagnóstico diferencial que, habitualmente, inclui amiloidose, sarcoidose, intoxicação por um qualquer metal pesado raríssimo, infecção por um estreptococo alienígena ou cancro já com variadíssimas metástases. House acaba por se decidir por uma outra doença qualquer e manda que se faça o tratamento. «Se o doente piorar, é por que é outra coisa». E, na cena seguinte, o doente já está em paragem cardiorrespiratória, em insuficiência renal, ou “all of the above”.

Depois – e aqui, depende dos episódios – ou House anda a implicar com a Cuddy, ou com o Wilson, ou com um dos seus três servos, ou com todos ao mesmo tempo e a história clínica acaba por cair para segundo plano e, regra geral, resolve-se na última cena.

Nada disto é muito importante porque, o que tem graça, é assistirmos ao espectáculo de Hugh Laurie a fazer de Gregory House.

Para mim, como médico, gosto muito do modo como House lida com alguns dos doentes que lhe aparecem na Clínica.

Doente – Tenho uma dor neste ombro que nem consigo dormir virado para este lado.

House – Então, por que não dorme virado para o outro lado? Tem dois ombros…

Doente – Porque estou muito habituado a dormir virado para este lado, mas isso faz-me doer o ombro!

House – Bom, então teremos que ponderar a cirurgia…

Doente – Ao ombro?…

House faz uma careta que diz tudo: é ao braço, estúpido! Se te dói o ombro e não consegues dormir virado para esse lado, e não queres dar-te ao trabalho de dormires virado para o outro lado, tira-se o braço e o problema fica resolvido, não é?

É frequente surgirem doentes com questões como esta e, como não sou o House, não posso responder desta maneira; embora, por vezes… bom, isso fica para quando escrever as minhas memórias…

No final desta 3ª série, Foreman demite-se, House despede o Chase e a Cameron, por solidariedade, demite-se também.

É tempo de se arranjarem outros parceiros para House.

2 Responses to ““House” – 3ª série”

  1. Pedro says:

    O House é definitivamente uma das minhas preferidas, juntamente com o Nip/Tuck e o Dexter.

    A season 4 conseguiu pegar na ideia e voltar a dar a volta à série, mudando-a, sem a mudar. Muito bom.

  2. Franco says:

    Sugiro que veja a série West Wing, penso que vai gostar.

Leave a Reply