Expresso e a conjunção adversativo mas

Hoje é dia de debate sobre o estado da nação e o Expresso decidiu fazer um inquérito sobre “o que melhorou e o que está por fazer”.

Faz lembrar aquela anedota do homem que, depois de levantar halteres de 100 quilos, é apupado porque não consegue levantar 105.

Vejamos os títulos:

Educação: “abandono escolar continua a cair, qualificações a aumentar, mas há uma crise de professores”.

Saúde: “SNS tem mais profissionais, mas não chegam para dar médico de família a todos”.

Economia: “é das que mais crescem, mas nível de vida não descola da cuada da Europa”.

Salários: “chegaram ao fim de 2022 acima de 2019, mas entraram no ano a cair.

Emprego: “perto dos máximos, mas há menos pessoas a trabalhar com ensino superior.”

Pobreza: taxa desce em 2021, mas Portugal mantém-se longe da meta para 2030”.

Pensões: “aumentos reais garantidos, mas reformas continuam baixas”.

Inflação: “está a descer, mas continua elevada nos bens alimentares”.

Dívida pública: “cai mais rápido do que previsto, mas Portugal mantém-se no grupo dos mais endividados”.

Ambiente: “uso de transporte está a aumentar em Lisboa e no Porto, mas o carro continua a liderar.”

Bancos: “estão mais rentáveis, mas procura de crédito arrefece”.

Como se vê, não há notícia boa que não mereça um mas.

Apetece-me dizer que o Expresso era um jornal como deve ser, mas agora é uma merda!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.