Posts Tagged ‘militares’

Militares à bulha!

Sunday, May 12th, 2019

Na semana em que todas as notícias se concentraram na ameaça de demissão do primeiro-ministro devido à chamada “coligação negativa”, entre a Direita (PSD e CDS) e a Esquerda (PCP e Bloco), o pasquim Sol, escolheu outro tema para primeira página.

Estava o Mário Nogueira a choramingar pelo facto dos partidos da Direita lhe terem tirado o tapete que lhe tinham estendido três dias antes, estava a Sãozinha a tentar justificar a cambalhota que deu e o Rio a fingir que não tinha dado – enfim, estava Marcelo caladinho, o que é algo de inédito (pois se ele até aparece junto do eléctrico que capotou, no próprio dia em que isso acontece, e nada diz no dia em que o Costa ameaça demitir-se!) – em resumo, estava o país suspenso deste magno problema e o Sol preocupava-se com este soco intermilitar.

Não li a notícia toda, nem sei quem são os protagonistas – e não quero saber.

No entanto, o título permite-me diversas conclusões e outras tantas dúvidas.

Se fosse ao contrário? Se fosse um general a dar um soco num tenente-coronel, seria aceitável?

E se o soco fosse noutra região anatómica, sem ser a cara?

O General Chaves acusa o tenente-coronel Ferreira de lhe dar um soco assim que ele abriu o vidro do carro. Será que, se Ferreira tivesse, primeiro, feito continência, e só depois desferisse o soco, tal seria mais correcto, do ponto de vista da condição militar?

E quanto à testemunha ocular? Quem seria? Disse essa testemunha que encontrara o general “a sangrar como um touro” – seria a testemunha um aficionado tauromáquico?

Se o general estivesse a sangrar como um bezerro, o crime seria menos grave?

Poderíamos desculpar o tenente-coronel Ferreira se o general Chaves estivesse apenas a sangrar como um cordeirinho?

Isto sim, são assuntos importantes!

As meninas do Colégio Militar

Friday, September 13th, 2013

Declaração de princípios: quero lá saber do Colégio Militar e das Meninas de Odivelas!

Quando era aluno do liceu, na longínqua década de 60 do século em que o homem foi à Lua (e voltou), as meninas de Odivelas eram umas pu… tiro-liro-liro,  eram umas pu… tiro-liro-liro… umas puras donzelas.

Nunca vi nenhuma dessas meninas.

Pertenciam a outra casta.

Agora, vejo, na TV, o Adriano Moreira e o José Fanha, lado a lado, lutando pela sobrevivência do Colégio Militar, como escola só de rapazes.

No início, não liguei pevide. Não era a minha guerra.

Achei graça ao ver, no mesmo anúncio, um ex-ministro de Salazar com tremores parkinsónicos e um ex-militante da UDP com obesidade mórbida, mas encolhi os ombros.

Mas hoje, li um texto no pasquim Sol e fiquei ligeiramente incomodado.

Só ligeiramente…

Por que razão um grupo de antigos alunos do Colégio Militar decidiu gastar alguns milhares de euros numa campanha publicitária dramática, em que dizem, com ar solene «Por que querem matar um símbolo da identidade nacional»?

Que símbolo? A bandeira nacional? O hino? o Palácio de Belém? O Castelo de Guimarães?

Não – o Colégio Militar.

E querem matá-lo como?

Admitindo alunas do sexo feminino!

Os ex-alunos do garboso Colégio não querem aquilo manchado com a entrada de miúdas!

Hoje miúdas, amanhã, quem sabe, gays!…

No próximo ano, vão até construir um pavilhão para que as gajas possam lá dormir!

O que se seguirá? Uma maternidade?!

O Fanha afirma: «este colégio forma líderes fortes e isso incomoda líderes fracos».

Ó Fanha: essa é uma afirmação perigosa, pá!

Dos fracos não reza a História?

E dos fortes?

Quem foram esses líderes fortes, formados no Colégio Militar?

O ex-salazarista-agora-muito-respeitado-democrata Adriano Moreira, o último governador de Macau, Rocha Vieira, por quem os macaenses ainda hoje choram diariamente, o general Garcia Leandro (quem?) – todos eles participantes no tenebroso anúncio televisivo, que termina com o original grito tradicional do Colégio Militar: “Zapatrás!”

Zapatrás?!

Por que não Bazinga?

Mas o anúncio diz algo de muito mais grave: diz que os antigos alunos do Colégio Militar não aparecem nas capas de revista «mas nos livros de História», que é o mesmo que dizer que as mulheres só servem para as revistas cor de rosa, são frívolas e decorativas, enquanto os homens, esses sim, marcam a História de um país.

Machistas?

Não, onanistas…

A ameaça dos comentadores

Monday, October 29th, 2012

Aguiar-Branco discursou perante os militares e insurgiu-se contra “os comentadores de fato cinzento e gravata azul, que têm do Estado e da soberania uma visão contabilística”.

O ministro da Defesa classificou o “discurso da inutilidade das Forças Armadas” como o “maior adversário”.

Disse: “Este adversário é tão corrosivo, tão arriscado e tão perigoso para a segurança nacional como qualquer outra ameaça externa”.

No passado, tememos as investidas de Castela ou as invasões napoleónicas.

Hoje em dia, somos ameaçados por comentadores de fato cinzento e gravata azul.

Ainda bem que temos submarinos, caças e carros de combate para dizimar esses bandidos!

Onde estavas no 25 de Novembro?

Wednesday, November 25th, 2009

Estava na redacção do Telejornal, ainda no velho Lumiar. Nessa altura, era jornalista.

De repente, vejo muitos tipos vestidos com camuflados a tomarem posições, no páteo, nos telhados, nas esquinas. Estavam armados. Vejo, também, alguns jornalistas, conotados com o PCP, a tomarem posições de comando, um deles, de granada na mão.

Foi quando o major Clemente interrompeu o António Santos, que estava a ler o telejornal e se dirigiu ao país. E, depois, os emissores do Porto cortaram-lhe o pio e puseram, no ar, um filme idiota com o Danny Kaye.

Sinceramente, não achei piada nenhuma ao que se estava a passar e fui-me embora.

Um golpe de Estado?

Mais um?!

À saída, nenhum dos militares que montavam guarda me importunou.

Quando cheguei a casa, disse para a Mila: “Acabou-se! Estou sem emprego!”

No dia seguinte, a RTP esteve fechada. Não houve emissão.

No outro dia, telefonaram-me: não queria aceitar o lugar de responsável pela 3ª edição do Telejornal?

Afinal, ainda tinha emprego.

E até fora promovido!

Mais um golpe de Estado e teria chegado a presidente da coisa!

Continuei jornalista da RTP até ao final de 1976, quando acabei o curso de Medicina.

Comecei a exercer medicina em janeiro de 1977 e deixei de ser jornalista.

Não estou arrependido.

Tenham medo, tenham muito medo!

Saturday, November 1st, 2008

O general Loureiro dos Santos disse que os militares estão descontentes com a política do Governo em relação às Forças Armadas e que esse descontentamento poderia “conduzir a actos de desespero”, atitudes “irreflectidas”, por parte de “militares mais jovens”.

Ontem, dezenas de oficiais juntaram-se para um jantar em que se debateu, à porta fechada, “o mal-estar” que se vive nas Forças Armadas.

O general Silvestre dos Santos disse que estes problemas “existem há muito tempo, mas que se agravaram em 2005, quando foram tomadas medidas à revelia dos militares”, sobretudo no que diz respeito à assistência na doença. Acrescentou que é urgente “os órgãos de soberania tomarem decisões antes que a situação se agrave”. Disse mais: a situação “poderá não chegar às consequências do 25 de Abril, mas poderá agudizar-se”.

E os militares farão o quê?!

Dão um tiro no Sócrates? Invadem a Assembleia da República? Fecham os quartéis e vão para casa? Declaram guerra à Mauritânia? Pintam a cara de preto? Rasgam os uniformes? Fazem uma manifestação todos nus?

Tudo isto seriam atitudes irreflectidas, como disse Loureiro dos Santos.

Estamos, portanto, no campo das ameaças.

É uma boa maneira de tratar dos problemas.

Os médicos, para obterem melhores salários, poderão ameaçar receitar os antibióticos errados.

Os professores, em vez de andarem aos gritos na Avenida da Liberdade, podem combinar não dar mais que 8 valores a todos os alunos, em todas as disciplinas.

Os trabalhadores que recolhem o lixo, podem passar a espalhá-lo pelas ruas.

Os motoristas dos transportes públicos podem começar a andar sempre em marcha atrás…

Independentemente de terem, ou não, razão nas suas reivindicações (a história da assistência na doença também daria pano para mangas, nomeadamente, a utilização dos cartões da ADME, ADMA, etc por toda a família, vizinhos e amigos…) – penso que os militares não têm o direito de fazerem ameaças deste género para tentarem vergar o poder político.

Ou então, eu estou enganado e vamos mas é fazer mais um golpe de Estado.

Estou disponível até à próxima quarta-feira.

Depois, acabam-se as férias e teremos que combinar outra altura…