Putin e o polónio

Alguém acredita que Putin tem alguma coisa a ver com o envenenamento de espiões com polónio?

Não se vê logo que Vladimir não tem cara de envenenar ninguém!

Putin – o envenenador?

Não me parece.

E agora, de repente, a Grã-Bretanha está cheia de vestígios de polónio: ele é no restaurante onde o espião jantou, dias antes de morrer, ele é no hotel onde ele esteve instalado, ele é em aviões da British Airways, em casas de banho, em corredores e salas e escritórios.

À noite, todo a Grã-Bretanha brilha, com aquele brilho característico que só o polónio dá às coisas.

Tem vantagens. Para a aviação, por exemplo. Aos pilotos, basta orientarem-se pelo brilho.

Não há dúvida que a paranóia das grandes potências ocidentais tem uma queda para o pó: há uns anos, andavam os States aflitos com o antrax; agora, é a Inglaterra, à nora com o polónio.

Ao menos os países do Terceiro Mundo são muito mais prosaicos. Veja-se a Bolívia, por exemplo – quais pós radioactivos, qual quê! Cocaína, pois claro!

Quanto a nós, pobres portugueses, já nem pó de talco.

Temos o pó da casa e, mesmo assim, milhares de portugueses são alérgicos…

putin_polonio.jpg

One thought on “Putin e o polónio

Leave a Reply to jose cardoso Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.