Notas soltas – 1. Os urinóis públicos

No romance de Mário Vargas Llosa, “Os Cadernos de Dom Rigoberto” (1997), o personagem principal nunca lava as mãos depois de urinar – sempre antes! ele acha que tem a pila muito mais limpa que as mãos!

Estou de acordo com Dom Rigoberto: a minha pila está muito mais limpa que as minhas mãos quando vou urinar a um urinol público. Enquanto a minha pila, muito bem lavadinha logo pela manhã, se mantém impoluta, as minhas mãos já roçaram corrimões, já apertaram outras mãos, já afagaram o volante do carro e o cinto de segurança e outros múltiplos objectos – de certeza que as minhas mãos estão muito mais sujas que a minha pila.

Portanto, quando vou urinar, devo lavar as mãos primeiro.

Depois de urinar, lavar as mãos é opcional – a menos que tenha mijado para elas, inadvertidamente…

Os urinóis públicos são o cúmulo da democratização sexual entre homens.

Que outro local existe em que dois ou três – ou mais! – homens expõem as suas pilas uns aos outros, exibindo jactos e abanões, mostrando os que são mais rápidos a iniciar a micção, os que conseguem mijar mais alto, os que abanam sem torcer?

Enquanto, na porta em frente, as mulheres têm uma sanita para cada uma, onde podem fazer xi-xi e dar puns no recato, os homens têm que se peidar em comunidade, enquanto apontam para o urinol – os que conseguem.

Nos urinóis, há sempre um olheiro, como nos campos de futebol da província, à procura de um novo talento; e há quem fique agarrado à pila, horas a fio, à espera que, no urinol contíguo, surja uma nova esperança do futebol, perdão, da mija, que consiga lançar o jacto no infinito e mais além!…

Depois, há os inibidos que, incapazes de mijar em grupo, procuram as sanitas e, depois de as ocuparem mais do que é socialmente aceitável, ouvem pancadas na porta, provenientes dos que estão à rasca para cagar.

Voltando ao Dom Rigoberto e àqueles que têm sempre que lavar as mãos depois de mijar…

Essa malta deve ter as pilas muitos sujas!…

Depois de fazerem xi-xi, lavam as mãos como se não houvesse amanhã e secam-nas, demoradamente, no secador eléctrico, com aquele ruído de avião.

Parece-me que estes tipos não devem lavar as mãos em casa deles há semanas, tal o denodo que colocam na operação, lavando cada um dos dedos como manda a Direcção Geral da Saúde, depois as palmas e a seguir as costas, ou vice-versa…

Há quanto tempo não lavarão eles as suas pilas?…

Tags: , , ,

4 Responses to “Notas soltas – 1. Os urinóis públicos”

  1. RF says:

    *corrimãos

  2. Abraço says:

    Corrimãos.

  3. Artur says:

    “Corrimão é uma palavra formada a partir do verbo correr e do nome mão. E o plural de mão é mãos.

    No entanto, por haver em português um grande número de palavras terminadas em -ão a formarem plural em -ões, a forma corrimões generalizou-se de tal maneira que passou a ser aceite e registada pelos dicionários como plural igualmente válido.”

  4. António Pires says:

    Isto para já não falar do plural em -ães (pão -> pães, cão -> cães). Assim, o plural de corrimão pode também ser corrimães!

    … Só para ajudar à confusão!…

Leave a Reply