Posts Tagged ‘médicos’

Sou pago para não trabalhar!

Monday, May 28th, 2018

Finalmente!

Desde 1974 que tive que trabalhar para me pagarem.

Agora, com a aposentação, cumpro o meu sonho de ser pago para não trabalhar.

Nos últimos tempos, aproveitei para anotar algumas coisas que os meus doentes diziam.

Parece divertido, mas ao fim de mais de 40 anos, não é…

Ora tomem lá.

 

O pai do L. morreu de repente, aos 60 e poucos anos; estava sentado num Café quando caiu para o lado. Tinha os dentes todos e lavava-os com carvão.

A M. A. também cai para o lado com muita frequência; sente uma música nos ouvidos, que vai aumentando de intensidade até que ela desmaia.

O J. arranjou uma namorada nova mas anda com disfunção eréctil; trabalha no Corte Inglês e informou-me que aquilo está minado de maricas.

A I. há 15 anos que vai a pé a Fátima; antes, faz um retiro e durante três semanas não pode ter sexo, beber álcool ou fumar – por isso, veio pedir receita de Champix.

A O. pediu uma cadeira de rodas emprestada para ir à junta médica para atribuição de ajuda de terceira pessoa. Anda perfeitamente.

A P. perguntou-me se a bruxa tem vindo à consulta, referindo-se à mãe e informou-me que o irmão emprenhou uma preta.

O J. P. irritou-se na fila da Ponte com outro automobilista e, quando chegou a Lisboa, picou o dedo e tinha 140 de glicémia.

O marido da C. foi entregar uma consola de jogos que o filho vendera através da OLX por 240 euros, dinheiro que ia servir para pagar as propinas da Faculdade; quando chegou a casa, verificaram que as notas eram todas falsas.

A C. começou a deitar pus verde do ouvido esquerdo e, depois, começaram a sair umas areias; deitou também areias pelos olhos.

A C. está preocupada com a sua falta de memória; diz que até se esqueceu que tinha tido sexo com o companheiro.

A E. diz que o marido tem a pila torta e só conseguem ter relações assim, pela frente (e faz o gesto explicativo); já tentaram por trás, mas ela fica toda torcida.

A D. F. diz que não tem cheiro nem sabor desde que se constipou e parece que tem rapé no nariz.

A L. está muito zangada com a namorada do filho porque está de baixa há um mês e passa o dia lá em casa, metida na cama; a L. está de baixa vai para três anos.

O C., que é diabético, diz que anda melhor desde que a mulher deixou de por batata na sopa e agora põe georgete.

A J., 70 anos, confessou-me que nunca comeu tomates na vida; não lhe faz confusão olhar para eles e arranjar a salada com eles, mas comê-los – nunca!

A C. contou-me que teve uma forte dor no peito e ficou com a língua azul…

A L. quer uns comprimidos para a sua bexiga, que é muito hiperactiva, porque vai para as marchas do S. João e não quer andar sempre a correr para aquelas casas de banho portáteis.

O V. é capaz de comer bolos de canela mas não suporta ver canela em cima do arroz doce, fica mal-disposto.

O R. acabou de ser pai e hoje disse-me que devia ser obrigatório fazer testes psico-técnicos para saber se se tem condições para ser pai.

A D. Z. estava na paragem do autocarro quando ouviu uma senhora queixar-se de dores na mão, e que estava a tomar uns comprimidos receitados pelo Dr. Artur mas como agora ele se vai embora… vai daí, a D. Z. hoje veio para a porta do Centro de Saúde às 7 da manhã para ser a primeira a ser consultada, antes que eu me vá embora!

O R. tem andado com os pés inchados e pergunta-me se não será da picardia que ele tem no coração…

A C., 88 anos, foi tomar duche sem tirar os aparelhos auditivos e deixou de ouvir. Foi à loja e limparam-lhe os aparelhos, mas agora ouve um zumbido toda a noite.

O I., 28 anos, sofreu já três episódios de desmaio com convulsões, quando mistura canábis com álcool e quer saber se poderá ser epilepsia…

A I. deixou cair lixívia em cima dos pés e está cheia de ardor; diz que, à noite, abre a porta do frigorífico e põe os pés lá dentro, para aliviar o ardor.

A C. ouviu dizer que o limão tira as inflamações mas, quando colocou uma rodela de limão junto ao nariz, por causa da sinusite, ia morrendo.

O B., 82 anos, tem próteses dentárias mas está com dificuldade em habituar-se a elas; a comida fica presa nas próteses e ele tem que a lavar sempre que acaba de comer. Diz-me que, antes de arrancar os dentes, era capaz de estar sem os lavar mais de um mês!

A P. diz que foi ao otorrino com uma infecção no ouvido e ele receitou-lhe gotas de ácido bucólico.

A T. vem pedir uma nova credencial para a colonoscopia; diz que estava muito vento e a credencial que eu lhe passei voou para cima do telhado.

A C. diz-me que a nora está muito aflita com vertigens porque tem os “fiscais” dos ouvidos alterados.

O L. veio pedir nova credencial para ecografia porque a anterior “inspirou” o prazo…

A A. S. veio pedir uma declaração para entregar na escola do filho, de 5 anos, a dizer que ele precisa de lavar os dentes depois das refeições.

A C. diz que tem a velocidade de cimentação muito alta.

A H. comeu uvas e engoliu uma grainha; sentiu uma picada no ânus e saiu logo sangue.

O A., de 73 anos, vem pedir ajuda porque não tem potência sexual mas a F., sentada ao lado dele, diz que não vale a pena ele tomar nada porque ela não é viciada.

“Lição de Anatomia”, de Philip Roth (1983)

Thursday, June 9th, 2016

The Anatony Lesson é o terceiro dos quatro livros que Roth escreveu tendo Nathan Zuckerman como principal personagem.

licao de anatomiaZuckerman é um escritor judeu que alcançou a notoriedade e a fortuna com um livro (Carnovsky), no qual zurze a comunidade judaica, sobretudo pela sua hipocrisia no que respeita ao sexo.

No fundo, Zuckerman é Roth e Carnovsky é O Complexo de Portnoy. Só que Zuckerman é ainda mais excessivo e agresivo que Roth. Está com 40 anos, teve dois casamentos falhados, tem várias namoradas mas uma dor cervical, com irradiação para os ombros, impede-o de escrever.

A dor crónica está a dar cabo da vida de Zuckerman; até para ter relações, o pobre do homem tem que ficar deitado no chão, com a cabeça apoiada num livro, enquanto a namorada faz todo o trabalho.

Cito a página 18: “O coito, o felatio, e o cunilingus eram práticas que Zuckerman aguentava mais ou menos sem dor, desde que estivesse de barriga para cima e com a cabeça apoiada no dicionário de sinónimos.”

A páginas tantas, Zuckerman – que já consultou todos os médicos e similares e que já está dependente de analgésicos opióides, álcool e marijuana – decide que quer tirar o curso de medicina. No fundo, pensa que só assim conseguirá resolver a sua dor, mas também porque chega à conclusão que a profissão médica tem muito mais significado do que a de escritor.

Cito a página 100: “(Os médicos) têm cinquenta conversas sérias por dia com pessoas carentes. De manhã à noite, são bombardeadas por histórias, e nenhuma é inventada por eles. Histórias à espera de uma conclusão fiável, definitiva e útil. Histórias com um propósito claro e prático: cure-me. Ouvem com atenção todos os pormenores e depois entram em acção.”

Iconoclasta como sempre Roth, através de Zuckerman, zurze nas religiões. Zuckerman, depois de ter consultado diversos médicos, sem resultado, estava quase a virar-se para a religião, em busca de um milagre.

Cito a página 130: “a astrologia está mesmo aí ao virar da esquina. Pior ainda, o cristianismo. Rende-te à sede da magia médica e serás levado ao limite extremo da loucura humana, à mais absurda de todas as quimeras concebidas pela humanidade em sofrimento – aos Evangelhos, à almofada do nosso mais destacado dolorologista, o curandeiro vudu, Dr. Jesus Cristo.”

Para terminar, um das muitas citações possíveis, em que Zuckerman começa a falar e nunca mais se cala, num discurso torrencial que me fez lembrar algumas tiradas de Henry Miller que, aliás, é citado no livro.

Cito a página 173: “Se há coisa que não suporto é a hipocrisia. A dissimulação. A negação das nossas piças. A disparidade da vida tal como a vivi na rua, que era cheia de sexo e punhetas e sempre a pensar em cona, e as pessoas que dizem que não deve ser assim. Como conseguir o que queríamos – essa era a questão. Essa era a única questão. Essa era a maior questão que existia. Continua a ser. É assustadora por ser tão grande – e no entanto quem disser isso é um monstro.”

Não é dos melhores livros de Roth, mas vale a pena ler, sobretudo para quem, como eu, gosto muito deste escritor norte-americano, nascido em 1933 em Newark e que, infelizmente, já anunciou publicamente que fechou a loja e não vai publicar mais nada.

Outros livros de Philip Roth: “Goodbye, Columbus“, “Némesis“, “A Humilhação“, “O Complexo de Portnoy“, “Indignação“, “O Fantasma Sai de Cena“, “O Animal Moribundo“, “Património“, “Todo-o-Mundo“, “Pastoral Americana“, “A Conspiração Contra a América“, “Casei com um Comunista“.

Submarinos, comboios e depilações

Friday, February 14th, 2014

Fiquei satisfeito quando vi as notícias de hoje: foram absolvidos todos os 10 arguidos do caso das contrapartidas para a compras dos submarinos.

Como muito bem disse um dos advogados de defesa, o Estado não foi burlado, na medida em que não perdeu nada. É certo que também não recebeu nada em troca da compra dos submarinos, mas também quem é que mandou o Estado ser garganeiro?

Se eu, por exemplo, prometer oferecer um ramo de orquídeas à minha mulher, se ela me fizer uma boa feijoada e, depois de me alambazar com a feijoada, não lhe der nada, não se pode dizer que estou a burlá-la.

Ela não perde nada – não ganha é o ramo de orquídeas, mas aprende a não acreditar em tudo o que eu lhe prometo.

Assim devia ter feito o Estado!

Além disso, os alemães até nos fizeram o favor de nos vender dois submarinos – para que raio queríamos nós contrapartidas?

E ainda tivemos sorte em não nos terem tirado os submarinos.

Sorte é algo que a CP não tem…

Segundo o Público, “A CP perdeu 27 milhões de passageiros em 4 anos”.

Ora aqui está uma boa razão para nunca mais andar de comboio!

Imaginem entrar num comboio na Damaia e desaparecerem, algures entre o Cacém e Rio de Mouro!

Safa!

Quem não se safou foram as médicas e enfermeiras do H. S. João que se andaram a depilar à conta da ADSE.

Pelos vistos tinham uma médica amiga, dona de uma clínica onde se tiram pelos com laser, e vai de irem lá depilar-se e, depois, apresentar a conta à ADSE, como se fossem tratamentos dermatológicos.

Foi um depilar vilanagem!

Convenhamos que, pensando bem, a ADSE bem podia comparticipar a depilação das moças.

Já viram o que é um tipo levar uma injecção de uma enfermeira com buço ou ser auscultado por uma médica com patilhas?!

Dispam-se os médicos – já!

Sunday, November 3rd, 2013

O secretário de Estado da Saúde, Leal da Costa, quer proibir os médicos e médicas de usarem anéis, pulseiras, gravatas e outros adornos porque, segundo ele, esses objectos são veículos de transmissão de infecções.

De facto, se examinarmos ao microscópio as gravatas ou os anéis dos médicos e médicas, encontraremos matilhas de estafilococos, cáfilas de estreptococos, cardumes de psudomonas.

E que dizer das solas dos seus sapatos, ou dos fundilhos das suas calças?

E sabe-se lá por onde andaram as camisas dos médicos e as cuecas das médicas!

Por isso, o mais higiénico seria os médicos e médicas, assim que chegam aos hospitais, despirem-se, tomarem um banhinho e seguirem para as enfermarias assim, tal e qual, ao natural.

Para dar o exemplo, Leal da Costa já começou por rapar o alto da cabeça…

leal da costa

Trabajo, sí – Rumba, no!

Thursday, July 5th, 2012

Quatro mil utentes de Alpiarça estão sem médico de família porque os médicos cubanos contratados pelo Ministério da Saúde chumbaram no exame de Português da Ordem dos Médicos.

Cubanos patetas…

Tivessem feito como o Relvas…

Milagres

Saturday, October 1st, 2011

Telejornal da Sic:

Um homem, numa igreja, em Espanha, deu um tiro na cabeça de uma mulher grávida em fim de tempo. Inopinadamente. A seguir, meteu o cano da pistola na boca e suicidou-se.

A emergência médica chegou, confirmou o óbito da grávida, fez uma cesariana e o bebé nasceu, saudável.

A jornalista, dando voz aos crentes que estavam na igreja e que assistiram à cena, diz que todos concordaram que se tratou de um milagre.

O que foi milagre – a morte da mãe ou o nascimento do filho?

Deus estava distraído, no momento em que o homem deu o tiro na cabeça da grávida e depois, para compensar, ajudou os médicos a salvarem a criança?

Notícia seguinte:

Na Austrália, um ultra-leve chocou contra uma roda gigante de um feira. Os dois ocupantes da aeronave e duas crianças de 9 e 11 anos ficaram encarcerados e o salvamento de todos demorou horas.

Novamente, a jornalista (não posso afirmar se foi a mesma), diz que houve milagre.

Se calhar, Deus estava ocupado a salvar estas quatro pessoas na Austrália, distraiu-se e, quando deu por isso, já o louco tinha morto a grávida e Nosso Senhor só foi a tempo de salvar a criança…

Mas milagre a sério é esta outra notícia:

Em Portugal, cerca de 500 médicos já mortos, continuam a figurar nos registos oficiais e alguns deles ainda passam receitas!

Isto sim, é um milagre do caraças!

15 anos de Emergency Room

Saturday, September 17th, 2011

A série televisiva ER, estreou na NBC, a 19 de Setembro de 1994 e manteve-se durante 15 temporadas; o último episódio foi para o ar a 2 de Abril de 2009.

O seu criador, Michael Crichton (1942-2008), era um médico que nunca exerceu medicina e que ficou conhecido por ter 2 metros e 6 centímetros de altura e por ser autor de diversas novelas que, adaptadas ao cinema, se tornaram êxitos instantâneos, como “Jurassik Park” e “Andromeda Strain“.

Crichton morreu de linfoma, um ano antes do final da série que ele criou, com a ajuda de Steven Spilberg, produtor da primeira temporada.

Na verdade, Crichton só escreveu os três primeiros episódios, mas a concepção de toda a série é de sua autoria: a acção decorre nas urgências de um hospital público de Chicago, onde acorrem todo o tipo de doentes, desde baleados a vítimas de frieiras.

Por razões pessoais, ER foi a série televisiva que mais me marcou.

Séries de médicos, sempre houve, desde o velho Dr. Kildare, ao actual House, mas ER é a única que tem verosimilhança, embora as últimas temporadas sejam já muito romanceadas, aproximando-se mais do estilo soap opera.

Uma das características de ER é a sua cinematografia. Um doente chega, transportado numa maca e rodeado de paramédicos, um deles, encavalitado no doente, fazendo-lhe massagem cardíaca; rapidamente, médicos e enfermeiros da urgência acercam-se do doente e fazem perguntas rápidas, que são respondidas pelos paramédicos, as circunstâncias do acidente e os sinais vitais são relatados em frases curtas e incisivas, um dos médicos dá ordens claras e precisas e corre a assistir o próximo doente, a câmara acompanha-o, novo diálogo rápido com outra equipa de paramédicos e a câmara continua a acompanhar o médico que, entretanto, já deu a volta toda ao cenário. A cena decorre sem nenhum corte aparente, o que ainda dá mais emoção à acção.

Esta maneira de filmar conferiu a muitos episódios do ER mais suspense e emoção do que muitos filmes de aventuras.

Ao longo de 15 anos, a série foi perdendo algumas das suas figuras míticas, a começar pelo pediatra Dr. Ross, interpretado por George Clooney. A enfermeira Hathaway, interpretada por Julianna Margulies (hoje, a protagonista da série The Good Wife), saiu logo a seguir, mas foi com a saída de Mark Green, o chefe das urgências, que a coisa começou a descambar. Interpretado por Anthony Edwards, o Dr. Green era o bonzinho que aguentava todos os conflitos do County Hospital e que tentava sempre o consenso. Morreu com um tumor cerebral em 2002 e deixou a série mais pobre.

Mas a machadada final foi dada com a saída de John Carter, que se manteve nas primeiras 11 temporadas. Interpretado por Noah Wyle, o Dr. Carter, literalmente, cresceu com a série.

Wyle tinha 23 anos quando começou a interpretar o papel do estudante de Medicina, John Carter, e saiu da série já com 34 anos. Voltou na 15ª temporada, desgostoso e com insuficiência renal, coitado…

Nomeada para 124 Emys, ER ganhou 23.

Acabei agora a 15ª e última temporada e, apesar de já bocejar durante alguns episódios, tenho pena de não poder ver novos episódios de ER.

 

Dos agnóides à silvastatina

Friday, September 3rd, 2010

Quase todos os dias oiço algo do género, mas já nem ligo.

Por vezes, tomo nota e quando já tenho um número razoável de exemplos, vale a pena escrever um pequeno texto.

Porque não é todos os dias que nos pedem para fazermos um raio xis aos agnóides (1) porque a criança ressona muito. Será que ele sofre de apeneira do sono (2)? Pior seria se tivesse o azar de ter nascido com um lábio de Turim (3). Agora, quanto a infecções virais, todos os miúdos estão sujeitos a uma ou outra, mas pouco terão uma menocleose (4).

No que respeita a nomes de medicamentos, estamos conversados. São difíceis. E agora, que os genéricos estão na moda, ainda é pior. Fácil é dizer que se toma, por exemplo, Renidur; mais complicado articular maleato de enalapril com hidroclorotiazida, que é o genérico do dito.

É por isso que o medicamento para o colesterol mais usado, que é a sinvastatina, pode ser chamado de substantiva ou de silvastatina (que deve servir para tratar apenas os silvas; os lopes deverão tomar, certamente, a lopestatina).

Depois, de 6 em 6 meses, fazem-se anális ao constrol (5).

Se ele baixar, pode ser que se melhore desta picardia, também conhecida como ritmia espaçosa (6).

(1) adenóides
(2) apneia do sono
(3) lábio leporino
(4) mononucleose
(5) análises ao colesterol
(6) arritmia

Coligações há muitas, seu palerma!

Friday, July 16th, 2010

Paulo Portas propôs ontem, no debate do Estado da Nação, que se formasse um governo de coligação alargada, PS, PSD e CDS-PP, para os próximos 3 anos, mas sem o Sócrates a comandar o PS.

Provocação, claro.

Se Portas fosse humilde, teria proposto uma coligação PS, PSD, CDS-PP, mas sem o Portas.

Para o seu lugar, poderia nomear aquela minha colega dos cuidados paliativos, a Isabel Galriça Neto.

Que entusiasmo, o dela, a aplaudir todas as palavras do Portas!

Que embevecimento!

A senhora até saltava da cadeira, ao bater palmas, frenética com o discurso do seu líder.

Alguém a devia informar que o facto de ter sido medalhada no 10 de Junho não a obriga a ser tão apologética.

Este tipo de acólitos devia ser premiado. Por isso, Portas devia ter sugerido uma coligação alargada, mas com Assis a chefiar o PS, Relvas à frente do PSD e Galriça Neto pelo CDS-PP.

Os três actuais líderes retiravam-se pela direita baixa e deixavam os discípulos governarem.

Quanto a nós, é claro que emigrávamos…

“Como os Médicos Chegam ao Diagnóstico”, de Lisa Sanders

Sunday, May 23rd, 2010

Lisa Sanders é professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale e publica, no New York Times, há 6 anos, uma rubrica intitulada “Diagnosis”, onde  conta algumas histórias clínicas interessantes e o modo como se chegou a certos diagnósticos.

A série televisiva “House” é, em parte, baseada na coluna de Lisa Sanders e ela é uma das consultoras da série. Claro que a personagem do Dr. Gregory House não tem nada a ver com a Dra. Lisa Sanders, já que esta se mostra muito compreensiva, preocupada com os doentes e acha que o exame clínico é essencial para se chegar a um diagnóstico, ao contrário do House que, se puder, nem sequer olha para o doente.

Socorrendo-se de meia dúzia de histórias clínicas, contadas como verdadeiras histórias (aliás, o título original do livro é “Every Pacient Tells a Story” e, mais uma vez, não compreendo por que razão o mudaram), Lisa Sanders aproveita para dissertar sobre o erro médico, a importância do exame clínico, a possibilidade de se evoluir para um diagnóstico “digital” e outros temas que, além de interessarem médicos, interessam, também, o leitor em geral.

Claro que as histórias clínicas aqui apresentadas não são tão mirabolantes como as de House, até porque, supostamente, serão todas verdadeiras.