Posts Tagged ‘igrejas’

Desmanches

Tuesday, April 24th, 2018

Está deprimido, costuma desmaiar, tem insónia, sente nervosismo ou medo, tem dores de cabeça constantes, sofre de maldição hereditária, tem vícios, vive na miséria, está atolado de dívidas, foi à falência, é vítima de inveja e/ou de bruxaria, costuma ouvir vozes espirituais, vê vultos, é infeliz no amor, pensa em matar-se ou tem problemas familiares?

Esta igreja resolve todos estes problemas – mas só às sextas-feiras, que nos outros dias da semana tem mais que fazer…

Em compensação, nesse dia, há quatro turnos para desmanchar todo o mal: às 8, às 10, às 15 e às 20 horas.

Pressupõe-se que, se o mal for muito complicado, não deve escolher a sessão das 8 da manhã porque só terá duas horas para resolver o problema – já que há outra sessão logo às 10 horas. Talvez seja recomendável a sessão das 15.

Deve ser o caso, por exemplo, da maldição hereditária, sobretudo quando ela já vem do tempo dos bisavós.

Também deve ser complicado se a pessoa sofrer de mais males simultaneamente.

Convenhamos que estar deprimido, ter um vício, ser vítima de bruxaria, ouvir vozes, ver vultos e ser infeliz no amor, tudo ao mesmo tempo, para além de ser uma grande maçada, deve ser muito difícil de desmanchar.

No entanto, há uma coisa que não compreendo: esta lista foi feita aleatoriamente ou por ordem de frequência? Quer dizer, sem dúvida que a depressão, os desmaios, o nervosismo, a insónia e o medo devem ser dos males mais frequentes, por isso ocupam os dois primeiros lugares, mas colocar os problemas familiares em 12º lugar, parece-me errado.

De qualquer modo, ficam a saber: a IURD desmancha tudo isto e aqui bem perto, na Cova da Piedade.

Bem haja!

Granito beirão

Sunday, July 19th, 2009

Fim-de-semana para revisitas.

Que diferença, em relação aos anos 80! Estradas óptimas, terras cuidadas, vilas e cidades preservadas. Os portugueses dizem mal de quê? Deles próprios, claro.

As curvas e contra-curvas do Luso já não fazem vomitar ninguém.

O Hotel do Buçaco foi, em tempos, um extravagante pavilhão de caça do rei D. Carlos. É uma mistura de estilo manuelino com muitos rodriguinhos. Pergunto-me quantas vezes terá lá ficado D. Carlos. Depois, admiraram-se quando a República chegou, de repente…

bucaco

O Hospital de S. Teotónio, em Viseu, foi transformado em Pousada. Projecto de Gonçalo Byrne. Aprovado.

viseu_pousada

Viseu não se visita numa tarde. Mas pode-se tentar. O Parque Aquilino Ribeiro, a cava do Viriato, a imprescindível Rua Direita, que mantém comércio que já não se vê.

Almoço competente na Casa dos Queijos: arroz de feijão com tiras. Saboroso.

A fachada da Sé de Viseu é do século 17, mas antes, já aqui terá existido uma fortaleza romana. O granito domina.

viseu_se

Lamego não se visita numa manhã. Mas pode-se tentar. A torre de menagem, erguendo-se no casario. Nossa Senhora dos Remédios, uma espécie de Bom Jesus mais modesta. As bôlas, claro.

A fachada da Sé de Lamego, c0m alterações dos séculos 16 e 18, parece estar a esboroar-se.

lamego

O castelo de Penedono é do século 12 e é a definição da palavra “medieval”. Pode-se andar lá por dentro e subir às torres. Em frente, o pelourinho. Em redor, as casas de granito, recuperadas. Uma aldeia medieval recriada.

A estalagem oferece, para almoço, filetes de polvo com migas de feijão frade. Excelente!

penedono

Ao fim da tarde, Sernancelhe. A igreja matriz também é do século 12. Mais granito.

Em todas estas vilas e cidades, o dinheiro dos contribuintes foi bem gasto pelo chamado Poder Local.

sernancelhe

O café Doka, Grécia e Sarchi

Monday, April 13th, 2009

Na Costa Rica só se cultiva o café de melhor qualidade. A planta, chamada coffea arabica, originária da Etiópia, foi introduzida no país em 1779.

A partir de 1830 e durante cerca de um século, o café foi a principal exportação da Costa Rica e proporcionou o desenvolvimento do país, a construção de muitos edifícios e do caminho de ferro.

As terras montanhosas, quentes e húmidas, da Costa Rica são excelentes para o cultivo do café arábico.

Nas terras altas centrais do país, mais de mil km2 são dedicados ao café.

A Doka é uma quinta onde se cultiva café há mais de 70 anos. Situada em Alajuela, perto de S. José, oferece a possibilidade de conhecermos todos os passos da produção do café, desde a planta até à chávena, passando pela secagem dos grãos, ao sol.

cr_doka

Depois de se visitar a quinta, ainda há tempo para ver o borboletário e espantamro-nos com dezenas de borboletas. A Costa Rica tem mais de 1250 espécies de borboletas.

cr_borboleta1

Grécia é uma pequena cidade fundada em 1864, nos arredores de San José e que se destaca por possuir uma igreja toda feita em chapas prefabricadas de aço, cor de ferrugem. A sua construção foi inspirada pela torre Eiffel.

cr_grecia

Sarchi é famosa pelo seu mobiliário de madeira e, sobretudo, pelas carroças profusamente decoradas. Hoje em dia, estas carroças já não são utilizadas no dia-a-dia, mas mantém-se a tradição e há desfiles todos os anos, com eleição da carroça mais bonita.

cr_carroca

Vale a pena visitar o Taller Eloy Alfaro, uma oficina muito antiga, onde estas carroças continuam a ser feitas como antigamente. Todas as máquinas da oficina (berbequins, serras, etc) são movidas pela força motriz da água, através de uma nora.