Posts Tagged ‘chico buarque’

“Caravanas”, de Chico Buarque

Friday, March 23rd, 2018

Foi em 1966 que Chico Buarque começou a sua carreira como músico, compositor, intérprete do melhor que se fez na chamada música popular brasileira nas últimas décadas.

Só quase 10 anos depois o descobri, com o LP duplo “A Arte de Chico Buarque”.

Fiquei fã.

Chico consegue juntar três características únicas: excelentes melodias, letras óptimas e interpretação correcta. Ainda por cima, as letras são saudavelmente de esquerda. Sim, de esquerda!

Saiu agora o seu último trabalho, “Caravanas” – é apenas meia hora de canções, nove temas perfeitos, que tenho escutado todos os dias.

É muito bom chegar aos 74 anos e conseguir atingir esta perfeição.

Destaco, no entanto, dois temas: “Tua cantiga” e “Caravanas”.

Dois clássicos instantâneos.

No dia 7 de Junho, iremos vê-lo ao vivo!

“Chico” – o novo disco de Chico Buarque

Monday, August 8th, 2011

O último disco de Chico Buarque, “Carioca” (2006), desiludiu-me um pouco. Achei-o morno, sem grande chama e sem uma grande canção que deixasse marca.

Pelo contrário, este “Chico” é um grande disco.

Começa da melhor maneira, com “Querido diário” (hoje pensei em ter uma religião/ de alguma ovelha, talvez, fazer sacrifício/ por uma estátua ter adoração/ amar uma mulher sem orifício) – e termina com a melhor canção do disco, “Sinhá”. São duas cantigas à Chico.

As restantes oito canções são todas muito audíveis, com destaque para “Essa pequena”, um surpreendente “blues” e “Sou eu”, com os jogos de palavras habituais em Chico.

Grande disco, este “Chico”. Já o ouvi várias vezes.

“Leite Derramado”, de Chico Buarque

Sunday, November 8th, 2009

leitederramadoUm homem muito velho está na cama de um hospital, vivendo os últimos dias da sua longa vida e vai desfiando as suas memórias para alguém (a filha, uma enfermeira, alguém que passa…)

As suas memórias começam no tempo em que, descendente de portugueses, vivia num casarão de ricos e vai por ali fora, de geração em geração, da riqueza à miséria, até seu tetaraneto que, pelos vistos, trafica cocaína.

Os episódios da sua vida vão-se confundindo na sua memória já muito usada, mas o episódio fulcral é o do seu casamento com Matilde e do desaparecimento desta: fugiu com um amante, suicidou-se, morreu de doença grave?

“Leite Derramado” é um texto notável, um monólogo que vai avançando e recuando, para avançar novamente e que se lê de um fôlego.